Plínio Oliveira conta como foi mudar de ideia e trocar a engenharia pela medicina

“Esse é meu conselho: não desistir nunca”, diz  
 

Nem só de conteúdo se restringe as habilidades de um vestibulando. Essa é a conclusão que Plinio Oliveira chegou após anos de muito estudo e dúvidas vocacionais. O aluno que hoje cursa medicina na Universidade Federal de Santa Catarina, já esteve mais próximo dos cálculos e afirma que a satisfação pessoal é um fator determinante no futuro de qualquer estudante. 

“Entrei em engenharia mecânica na Federal de Santa Maria e cursei 2 anos, mas em 2012 eu resolvi largar. Não estava gostando do curso. Na realidade eu sempre gostei mais de medicina”, afirma o Plínio. 

Depois de passar por dois períodos de processos seletivos, ele conta que a maior dificuldade foi entender que nada estava garantido. “ Às vezes, a gente é meio prepotente de pensar: ah, eu já entrei na universidade, vai ser fácil entrar de novo. Mas não, não é bem assim”, explica. 

Segundo Plínio, em medicina é uma outra realidade. Ele considera realmente mais puxado, com uma concorrência muito forte. Depois de um ano e meio dedicados aos estudos, conquistou uma vaga e iniciou suas descobertas no universo da saúde. 

Hoje, cursa o 4º semestre (segundo ano) e participa de dinâmicas em contato com pacientes. “Isso é muito bom: saber que a gente pode ajudar alguém”, declara. 
 

"Eu acho que a vida vive fazendo força sobre nós e precisamos ter resiliência para aguentar até o final"
 

                                                                                                 ***

Uma das coisas que eu mais sentia falta quando eu estava nessa fase de vestibular era que as pessoas pudessem compartilhar o que foi necessário para elas vencerem as suas dificuldades. O que sempre me faltou foram palavras para mostrar que era normal o que eu estava sentindo, que era possível e que não era algo inalcançável.

Eu aprendi que a gente precisa ter resiliência. Essa qualidade é tão necessária ao vestibulando, principalmente nesse contexto de concorrência e muita pressão. Resiliência é um conceito que a psicologia e a psiquiatria roubaram da engenharia e da física.

Ele significa “habilidade que alguns materiais têm de se deformar temporariamente, sem sofrer deformações permanentes, para não quebrar”. Eu acho que a vida vive fazendo força sobre nós e precisamos ter resiliência para aguentar até o final. 

Que a gente consiga ser quem a gente é e ter a capacidade de fazer, de aguentar. Porque por mais longa que a jornada seja, ela tem um fim. A gente consegue chegar lá. A gente consegue superar os obstáculos e ser feliz. 

Eu sou a prova viva disso, assim como várias outras pessoas também são. Então, o conselho que eu tenho para dar é que não desistam dos seus sonhos, sejam eles quais forem. Corram atrás, tenham dedicação, garra e saibam entender que, às vezes, vão ter que abrir mão de algumas coisas a longo e curto prazo. Mas que no final a recompensa é muito boa.

Laura Loyo

Jornalista, ama uma roda de samba e ficar por dentro de todas as novidades. A Laura faz parte do time de Marketing e Conteúdo, e é conhecida como a Laura do Stoodi! Ela busca ter uma vida mais ativa, ama uma conversa de bar e adora comer comida de boteco. Saiba mais sobre a Laurinha!

Mais que um cursinho online: uma rotina de estudos perfeita para você

O caminho para a sua aprovação no ENEM E VESTIBULARES nas suas mãos!