Para te ajudar a entender melhor o que foi a Revolução Industrial – conteúdo que é presença confirmada no Enem e vestibulares – trouxemos 5 perguntas sobre os principais conceitos desse acontecimento histórico. Confira!

1. O que foi a Revolução Industrial? Quando e onde aconteceu?

A Revolução Industrial foi uma transformação radical no processo produtivo — na forma como o homem produzia os meios necessários para a sua subsistência e para a sua comercialização.

Ela implicou na substituição da energia física (humana ou animal) pela produção de energia mecânica (realizada pelas máquinas). Em outras palavras, o homem parou de produzir mercadorias a mão e passou a trabalhar dentro de fábricas.

A Primeira Revolução Industrial aconteceu entre 1760 e 1860, sendo implantada primeiramente na Inglaterra.

2. Antes da indústria, como o homem produzia aquilo que era necessário para a sua sobrevivência e comércio?

No começo de tudo o homem produzia por meio do artesanato. Era uma produção manual, realizada quase sempre em domicílio e com a ajuda da família. Nesse formato, o artesão realizava todas as fases do processo produtivo e, desta forma, não havia divisão social do trabalho — nem trabalho especializado.

Tudo sempre passava pelas mãos do artesão, mesmo porque era ele o dono da matéria-prima, das ferramentas e da oficina.

Depois, tivemos a fase de transição, conhecida como manufatura. Nela, a produção ainda era feita manualmente, porém com a divisão social do trabalho. Nesse formato, o artesão realizava apenas determinada etapa do processo produtivo.

Como ele não fazia mais o produto por inteiro, a sua remuneração passou a ser um salário — e não mais a venda da peça. Desta forma, ele tornou-se contratado pelo comerciante.

Até que chegamos à maquinofatura, com o surgimento das indústrias e o aparecimento das máquinas. Nessa fase, o trabalho passa a ser feito dentro de uma fábrica sob a supervisão de um burguês (dono dos meios de produção).

Esse burguês promove a separação entre capital e trabalho. Isso significa que o artesão, sem conseguir competir com o preço imposto pela indústria, vende seus meios de produção, suas ferramentas, suas oficinas, até vender a sua mão de obra. O trabalho se transforma numa mercadoria e a sua especialização é ainda mais acentuada.

3. Quais foram os fatores que levaram a Inglaterra a ser a pioneira nessa revolução?

  • 1º fator: a Inglaterra conseguiu realizar a “Acumulação Primitiva de Capitais”, portanto tinha capitais disponíveis para investir. Essa acumulação foi feita por meio da sua expansão marítima, colonização e exploração de territórios, pelo Tratado de Panos e Vinhos e outros.
  • 2º fator: disponibilidade de matérias-primas. Os ingleses possuíam muito ferro que serviu para fazer máquinas resistentes, tinham carvão mineral e algodão em suas colônias.
  • 3º fator: a Inglaterra possuía mão de obra barata e abundante, já que os artesãos passaram por uma crise e não conseguiram concorrer com os preços estabelecidos pela indústria. Outro fator que sustentava a mão de obra barata era a política de “cercamento” que provocou o êxodo rural.
  • 4º fator: supremacia naval. A Inglaterra era reconhecida como uma potência naval no mundo. Com o domínio dos mares, ela tinha acesso não só a outros mercados consumidores, como também a novas fontes de matéria-prima.
  • 5º fator:burguesia. A Inglaterra já possuía uma burguesia economicamente poderosa e politicamente hegemônica. Isso se consolida a partir da Revolução Gloriosa de 1688.
  • 6º fator: por último, a questão cultural e religiosa da ética protestante. Um conceito de salvação está associado à acumulação de riquezas e ao amor pelo trabalho.

4. Quais são as principais características da Revolução Industrial?

  • O primeiro setor a aceitar o uso das máquinas foi o setor têxtil;
  • A Inglaterra tinha suas matérias-primas em seu território e colônias. Eram elas: ferro, carvão mineral e algodão;
  • A energia utilizada é a vapor – ela proporcionava ganho de potência e produtividade;
  • Com a Revolução Industrial rolou o desenvolvimento dos transportes e meios de comunicação.

E por fim o mercantilismo (capitalismo comercial) foi substituído pelo capitalismo industrial – se antes o lucro era obtido a partir da circulação das mercadorias, agora o lucro é obtido através da produção das mercadorias e de sua comercialização.

5. Quais as consequências da Revolução Industrial?

avenida paulista

Como consequência temos a substituição de uma sociedade majoritariamente rural e aristocrática (na qual o poder estava relacionado à propriedade de terras) por uma sociedade urbana burguesa.

Temos também a formação de uma nova classe social: o proletariado, também conhecido como classe operária. Eles são os trabalhadores que sobrevivem com a venda da força de trabalho.

Outra consequência foi o “capitalismo selvagem” com a intensa exploração dos trabalhadores por meio das longas jornadas de trabalho (que chegaram até 20 horas), os salários miseráveis, a exploração de mão de obra infantil e feminina.

Além desses fatos, foi desencadeado uma urbanização desorganizada onde sofremos com isso até os dias de hoje, pois as cidades receberam mais pessoas do que imaginavam e as cidades urbanas não conseguiram acompanhar esse crescimento.

E aí, curtiu nosso post? Então, não deixe de conferir nosso plano de estudos para garantir uma preparação mais aprofundada e ficar mais perto em conquistar a vaga na Universidade dos sonhos!

Laura Loyo

Jornalista, ama uma roda de samba e ficar por dentro de todas as novidades. A Laura faz parte do time de Marketing e Conteúdo, e é conhecida como a Laura do Stoodi! Ela busca ter uma vida mais ativa, ama uma conversa de bar e adora comer comida de boteco. Saiba mais sobre a Laurinha!

Mais que um cursinho online: uma rotina de estudos perfeita para você

O caminho para a sua aprovação no ENEM E VESTIBULARES nas suas mãos!