Das treze colônias à Independência

A independência dos Estados Unidos (4 de julho de 1776) foi a primeira grande derrota de uma potência colonial na história.

Além de ser a fundação de uma futura potência econômica (os próprios Estados Unidos), ainda influenciou dezenas de outros movimentos de libertação pelo continente americano.

Mas, tenhamos calma, afinal, se você está aqui é porque quer conhecer esta história em detalhes, certo? Então, neste artigo, vamos passar por várias questões sobre a independência dos Estados Unidos, seguindo estes tópicos:

  • Como foi a Independência dos Estados Unidos;

  • Colonização dos Estados Unidos;

  • Guerra dos sete anos;

  • Causas da Independência dos Estados Unidos;

  • Declaração de Independência dos Estados Unidos.

  • Iluminismo e Independência dos Estados Unidos;

  • Consequências da Independência dos Estados Unidos.

Parece bastante coisa? Fique tranquilo, não é tão complicado quanto parece.

 

O que foi a independência dos Estados Unidos?

A Independência dos EUA foi o movimento de libertação do país contra a metrópole colonial, a Inglaterra.

Os conflitos iniciaram em 1774 e se estenderam até 1776, quando começou oficialmente uma guerra entre Inglaterra e Estados Unidos, vencida pelos americanos em 1783.

Esta explicação é apenas uma introdução para que você tenha um panorama sobre o tema. Para entender o que realmente aconteceu, é preciso voltar um pouco no tempo.

 

Colonização dos Estados Unidos

A colonização e Independência dos Estados Unidos estão intimamente ligadas, por isso é preciso entender que o país teve uma espécie de dupla colonização, iniciado por sua chegada no continente americano até sua expansão territorial.

Para começar, os Estados Unidos daquela época era composto por treze colônias, todas localizadas na costa leste (repare na primeira imagem deste texto como até hoje a maior ocupação do território ainda está no leste do país).

Além disso, havia uma diferença fundamental entre norte e sul da costa leste:

  • Norte: colonizado por muitos refugiados de perseguições religiosas na Europa. Economia baseada na pequena propriedade, com produção manufatureira voltada para o mercado interno.

  • Sul: colonizado a partir do modelo de produção agrícola em latifúndios (monocultura), baseados na mão de obra escrava, com produção voltada para o mercado externo (Inglaterra).

Esta divisão interna tem impacto na sociedade americana até hoje, mas naquela época significava que o sul era mais dependente economicamente da metrópole, enquanto o norte tinha suas próprias reivindicações.

Falaremos sobre isso em breve. Mas antes, vamos entender o que motivou o contexto histórico da Independência dos Estados Unidos.

 

Guerra dos Sete Anos

Entre 1756 e 1763, Inglaterra e França travaram uma guerra pela posse das colônias americanas, a chamada Guerra dos Sete Anos.

O que importa saber é que a Inglaterra derrotou a França, mas só conseguiu este feito, graças ao apoio das milícias coloniais, ou seja, dos colonos americanos.

Quando a guerra terminou, estes colonos acreditavam que seriam recompensados pela ajuda, mas os ingleses tinham seus próprios problemas e adotaram uma série de medidas muito impopulares, entre elas:

  • Aumento dos impostos sobre as colônias como forma de pagar os custos da guerra;

  • Criação do monopólio do comércio do chá para uma companhia inglesa (Lei do Chá);

  • Criação de um imposto sobre circulação de mercadorias da colônia (Lei do Selo);

  • Criação do monopólio do açúcar para as Antilhas Inglesas (Lei do Açúcar).

Resumindo, a Inglaterra criou uma série de medidas que tornavam a vida econômica na colônia mais difícil, sobretudo para os pequenos produtores do norte, que atendiam o mercado interno.

E assim, desta insatisfação, surgiu a revolta que daria origem a Independência dos Estados Unidos.

Vamos ver esta última etapa em detalhes.

Causas da Independência dos Estados Unidos

Boneco de um soldado

A Independência dos Estados Unidos tem causas diretas e indiretas. Vamos começar pelas mais diretas, decorrentes da insatisfação com a política de impostos da metrópole (Inglaterra).

Entre o fim da Guerra dos Sete Anos e 1774, os ingleses continuaram sua política de controle sobre a economia colonial, criando monopólios e impostos contra a vontade dos colonos.

Assim, a insatisfação com a metrópole se converteu em um movimento organizado, com dois momentos mais importantes:

  • 1774: os colonos organizaram o Primeiro Congresso da Filadélfia. Tratava-se de uma série de solicitações para que a Inglaterra desse mais liberdade econômica e política para a colônia. A Inglaterra não apenas recusou, como seguiu criando novos controles e aumentando os já existentes.

  • 1776: diante da recusa inglesa em negociar, após o Segundo Congresso da Filadélfia, é redigida e reprovada a Declaração de Independência dos Estados Unidos, dando início a guerra contra a Inglaterra pela libertação do país.

Resumindo, podemos dizer que as principais causas da Independência foram:

  • O desejo por maior liberdade econômica e política das treze colônias;

  • A recusa da metrópole em negociar, seguindo uma política de controle rígido.

Dito isso, vamos continuar nossa história da Independência dos Estados Unidos com o desenrolar da guerra a partir de 1776, para depois falarmos mais  sobre as causas indiretas da Independência.

 

Declaração de Independência dos Estados Unidos

A declaração de Independência, assinada em 4 de julho de 1776, era uma carta de intenção, ou seja, uma declaração de que surgiria um novo país, livre da Inglaterra.

A guerra que se seguiu foi intensa e durou até 1783, sendo que os americanos venceram, em grande parte, porque contaram com apoio francês e espanhol.

Portanto, apesar da data de 4 de julho de 1776 ficar marcada como o dia da Independência, foi apenas após 1783 que o país teve condições de se organizar, sendo que sua Constituição só ficou pronta em 1787.

Declaração de Independência doa Estados Unidos

Este é um detalhe importante, sobre o qual precisamos falar separadamente, retomando a ideia das causas indiretas da Independência.

 

Iluminismo e Independência dos Estados Unidos

O século XVIII (anos 1700), foi marcado por movimentos burgueses de vários tipos. Todos eles influenciados pelo Iluminismo, uma corrente de pensamento filosófico cujo centro era a França.

Algumas das principais características do Iluminismo eram:

  • A liberdade individual;

  • Ordenação burguesa da sociedade;

  • Garantia do direito à propriedade privada;

  • Separação entre igreja e Estado.

Mas, você pode estar se perguntando como as ideias iluministas influenciaram a Independência dos Estados Unidos, se tinham origem na França?

Ocorre que o pensamento filosófico iluminista tinha na sua essência os mesmos ideais de liberdade e igualdade que os colonos americanos pretendiam pôr em prática.

Ou seja, o iluminismo era a base intelectual do movimento de revolta contra a metrópole e libertação da colônia, portanto, uma causa indireta da Independência.

 

Consequências da Independência dos Estados Unidos

Para encerrar, precisamos apenas delinear algumas das principais consequências da Independência dos Estados Unidos:

  • A Independência americana teve influência direta sobre as demais lutas no continente americano, pela libertação colonial, sendo que até o início do século XIX (anos 1800), vários movimentos semelhantes ocorreram na região.

  • Como consequência, a Independência americana também foi responsável por dar o empurrão que acabaria com o sistema colonial nas Américas.

  • Por outro lado, a Independência trouxe à tona a divisão interna dos Estados Unidos, entre norte e sul, com interesses econômicos e políticos distintos. Essa divisão foi responsável por provocar uma Guerra Civil décadas depois (entre 1861 e 1865).

Agora que entendeu tudo sobre a Independência dos Estados Unidos, compatilhe com um amigo e leia também os artigos abaixo:

7 de setembro: dia da Independência do Brasil

O que foi o Iluminismo: características, principais pensadores e tudo que você precisa saber sobre esse assunto!

História no Enem: Conheça os assuntos que mais caem no exame!

 

Raquel Brito

Mais que um cursinho online: uma rotina de estudos perfeita para você

O caminho para a sua aprovação no ENEM E VESTIBULARES nas suas mãos!