Imagine um Brasil em que todos tenham acesso à educação, ao lazer, aos serviços de saúde e ainda à segurança? Parece um cenário de primeiro mundo, não é mesmo? Pois esses são alguns dos direitos básicos assegurados pela nossa Constituição Federal para todos os cidadãos do país. Entretanto, a desigualdade social gera um abismo que impede essa realização.

Por esse motivo, a desigualdade social no Brasil é um tema que pode ser abordado de diversas formas no Enem. Afinal, além de ser um assunto muito importante por causa das dificuldades e injustiças que o abismo econômico pode provocar, é um processo que acontece no mundo inteiro (em maior ou menor grau). Confira nossas dicas e macetes para entender de vez esse conceito, conhecer as principais causas, consequências e tipos.

Além disso, veja como desenvolver uma redação sobre desigualdade social e tenha uma boa argumentação para tratar sobre o tema.

O que é desigualdade social?

Como já explicamos na introdução, a desigualdade social está presente no mundo inteiro, porém, só se torna um problema quando a diferença econômica entre a renda daqueles que estão na base social é muito distante da percebida pelos mais ricos da estratificação social. Ou seja, desigualdade social é a diferença que privilegia ou limita determinado grupo social.

Este é um dos temas amplamente estudados pela Sociologia, que não pretende apenas entender o que é desigualdade social, mas também descobrir soluções para minimizar esse quadro — independentemente do sistema econômico, se capitalista ou socialista.

Exemplos de desigualdade social

Mais acentuados durante as crises econômicas, políticas e sociais, existem muitos exemplos de desigualdade social.

Educação

Podemos acompanhar um fenômeno na educação que, de fato, tende a acontecer na maior parte dos tipos de desigualdade social, que é um ciclo vicioso. Imagine que uma família possui excelentes condições financeiras e alto poder de consumo. Os filhos terão acesso ao melhor tipo de educação, mesmo que essa seja em instituições de ensino privadas.

Essas pessoas, ao crescerem, terão, consequentemente, melhor formação educacional — o que aumentará as chances de ocuparem os melhores empregos. Na outra ponta dessa estrutura social, estão as classes menos favorecidas, que precisam contar apenas com o sistema público de ensino e muitas vezes não podem prosseguir com a formação, pois a família precisa de apoio econômico para se sustentar.

Emprego

Apesar de o emprego ter ligação ao exemplo que acabamos de ilustrar sobre educação e a formação que cada um conquista, ainda é possível perceber outros fatores, como a influência da família para indicação de vagas em empresas de conhecidos.

Saúde

Normalmente as pessoas com uma situação financeira precária dependem exclusivamente do sistema público de saúde. Entretanto, hospitais públicos também costumam sofrer com carência econômica, o que os impede de investir da forma adequada em estrutura física, medicamentos, tecnologias e até mesmo em profissionais.

Cultura

A manifestação cultural é bastante diversificada, mas as pessoas com maior poder de consumo têm condições de participar amplamente de atividades culturais como:

  • visitar museus e exposições artísticas;
  • comprar livros, revistas e jornais;
  • assistir a teatros, óperas e outros concertos musicais, cinema;
  • viajar para outros lugares, conhecendo assim outros contextos históricos e culturas;
  • ter ferramentas como internet e computador ou smartphone de boa qualidade, facilitando a navegação mais dinâmica e acesso a conteúdos.

Moradia

São muitas as questões que envolvem moradia e servem como exemplo para perceber a diferença causada pela desigualdade social. Elas podem ser ligadas à qualidade de vida, como o fato de morar próximo a ambientes de estudo e trabalho, evitando o movimento pendular, ou mesmo ligados ao risco de vida como zonas sem segurança, abastecimento de água tratada e saneamento básico.

Tipos de desigualdade social

Apesar de essa diferença se apresentar principalmente em relação às condições econômicas, existem muitos outros tipos de desigualdade.

Desigualdade de gênero

homem e mulher desigualdade social

Ainda hoje, é comum que mulheres recebam um salário menor exercendo uma mesma função, pelo simples fato de serem mulheres. Esse dado não fica sozinho e é percebido em outros âmbitos ligados à ocupação de cargos superiores e de confiança e até mesmo na liberdade e direitos equivalentes aos dos homens.

Outro exemplo da desigualdade de gênero são os homossexuais, que muitas vezes não conseguem ocupar determinado cargo somente por causa dessa orientação. Ainda nesse sentido, poderíamos inclusive apresentar questões como a homofobia e o não reconhecimento desse tipo de união, que, mesmo sendo legalmente aceito, não é bem visto dentro de diversos grupos religiosos.

Desigualdade racial

Além da relação econômica que separa as raças em muitos países, como no Brasil, como herança do período de escravidão, há também uma dificuldade de oportunidades — um fenômeno que acontece tanto nas oportunidades de emprego quanto nas representações midiáticas, como em filmes e programas de TV, nos quais a representatividade das raças é diversa da realidade e ainda costuma acentuar esse preconceito.

Desigualdade econômica

Resultado da má distribuição de renda e do privilégio de determinadas classes sociais, ela é responsável por proporcionar a uma parcela privilegiada uma excelente qualidade de vida, muitas oportunidades e acesso à culturas diversas. Por outro lado, as pessoas com baixo poder de consumo, além de não terem boas condições de vida, precisam conviver com situações de risco, como má alimentação, convívio em ambientes de alta violência e falta de perspectiva na vida.

Desigualdade regional

O IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) é um indicador para medir as condições de vida das pessoas de uma determinada localidade. Devido aos fatores históricos, é comum acontecer que pessoas de uma determinada localidade tenham mais privilégios do que em outra região. No Brasil, podemos ver essa diferença entre as condições da população do Nordeste em relação à população das regiões Sul ou Sudeste.

Ainda é possível perceber essa faceta da desigualdade social no mundo observando o abismo existente entre as possibilidades de uma pessoa que vive em grandes centros urbanos, em relação a quem está na zona rural. Além das dificuldades de um sistema de saúde eficaz, as possibilidades de uma educação de qualidade que vá até formações superiores são, também, escassas.

Desigualdade social no Brasil

Segundo um estudo realizado pela ONU (Organização das Nações Unidas), o Brasil está entre os cinco países com maior desigualdade em sua distribuição de renda. Alguns estudiosos defendem que a desigualdade social no Brasil tem origem no Brasil Colônia. Contudo, existem diversos programas sociais, como o Bolsa Família, que serviram para reduzir a desigualdade social e ajudar milhões de pessoas a sair da pobreza absoluta.

Desigualdade social no Brasil: causas e consequências

Confira agora as principais causas que levaram a desigualdade social no Brasil a se tornar uma das maiores e quais consequências isso gera para a nossa sociedade.

Causas da desigualdade social

Vamos olhar para as principais causas da desigualdade social no nosso país desde a origem até problemas que mantêm ou até mesmo agravam esse quadro nos dias de hoje:

  • o Brasil foi constituído como uma colônia de exploração e demorou a abolir a escravidão;
  • a divisão de terras aconteceu de maneira desigual, concentrando grandes territórios nas mãos de poucos;
  • a desigualdade da qualidade da educação de acordo com as classes sociais;
  • a evasão escolar e a dificuldade das classes mais baixas em conquistar boa formação escolar e qualificação profissional;
  • as diferenças salariais e de oportunidades de emprego de acordo com raça e gênero;
  • a inflação e os altos impostos que diminuem o poder de consumo, principalmente das classes menos favorecidas;
  • a distribuição ineficiente da verba pública associada à corrupção;
  • o princípio capitalista do acúmulo de bens e da meritocracia;
  • o falta de estímulo para programas nas áreas socioculturais, da saúde e da educação;
  • a falta de melhor distribuição da renda.

Consequências da desigualdade social

Agora pense no quanto todas essas causas também geram consequências na desigualdade social no Brasil. Entre os efeitos da desigualdade social, identificamos:

  • aumento da pobreza absoluta, miséria e má qualidade na alimentação;
  • más condições de moradia, favelização e falta de saneamento básico;
  • precariedade na saúde e alta taxa de mortalidade infantil;
  • marginalização social, violência e falta de segurança pública;
  • falta de oportunidades de emprego;
  • má qualidade nos serviços públicos oferecidos.

Desigualdade social: redação

Caso seja cobrado no Enem o desenvolvimento de uma redação sobre desigualdade social no Brasil, veja como fazer para conseguir escrever um texto nota mil!

Direcionamento do tema

Os textos motivadores servem para criar um recorte dentro da proposta do tema apresentado. Então, se forem apresentados textos motivadores com maior foco nas causas e consequências, por exemplo, a proposta (e o que será esperado) é de uma redação sem erros e dentro desses parâmetros. No caso, ela será muito diferente de falar sobre como fazer para combater a desigualdade social no Brasil.

Alguns recortes que podem ser explorados:

  • como reduzir a desigualdade e promover a inclusão social no Brasil;
  • os diferentes tipos de desigualdade social;
  • o que causa o aumento ou a perpetuação da desigualdade social no Brasil.

Título e introdução

Apesar de não ser obrigatório dependendo do pedido de redação, um título ajuda a direcionar o texto. Como é mais interessante criá-lo após terminar a escrita, ao escrever o título você destaca a ideia-chave e consegue perceber se atendeu ou não as necessidades. Já a introdução é muito importante para contextualizar o leitor com um resumo do tema e apresentação da opinião que o texto seguirá.

Vamos supor que o tema sugerido fosse sobre como reduzir a desigualdade social no Brasil. Um bom exemplo de introdução seria:

Educação, saúde e moradia de má qualidade são algumas das consequências de um país com grande desigualdade social. Afinal, quanto maior a diferença econômica entre as classes, piores serão as condições de vida das pessoas que estão na base da nossa estrutura social. Apesar dos diversos exemplos que mostram como o Brasil tem uma grande desigualdade social, essas informações só serão úteis se soubermos como trabalhar para reverter essa situação.

Desenvolvimento

Agora que já mostramos qual o assunto que estamos abordando e apresentamos, o posicionamento (que é acabar com a desigualdade), chegou a hora de desenvolver nossos argumentos. São eles que apresentam a capacidade de raciocínio e de organização das ideias. Por isso, em vez de tentar apresentar seu conhecimento sobre o assunto com quantidade, é melhor apostar na qualidade. Desenvolva sempre um assunto por parágrafo.

Entretanto, não adianta querer mudar esse cenário sem pensar na nossa realidade política. O combate à corrupção e programas para incentivar o beneficiamento das classes menos favorecidas é muito importante. Dessa maneira, garantimos que todos terão a chance de mudar sua situação. Essa oportunidade muitas vezes é retirada pela falta da garantia dos direitos básicos.

Outro ponto importante que precisa ser levado em consideração é a educação de qualidade. Além de proporcionar condições para conquistar melhores empregos, a educação também conscientiza o indivíduo. A longo prazo, essa mudança faria com que as pessoas encontrassem soluções mais inteligentes para um crescimento coletivo da economia do nosso país, ao invés de sobrecarregar a maioria para o privilégio de poucos.

Conclusão

Nesse ponto, é fundamental fazer um fechamento das ideias, levar o leitor à reflexão e, como a proposta de texto costuma pedir uma solução para o problema, reforçá-la.

Dessa forma, poderemos caminhar para a redução da desigualdade social no Brasil. Não adianta tentar combater essa causa agindo nas suas consequências como os problemas com a segurança, o aumento da criminalidade e a miséria. É muito importante sim olhar para essa situação e tentar minimizar o sofrimento de quem é afetado por ela, mas também trabalhar na causa, promovendo políticas sociais justas e uma distribuição adequada da verba, além do investimento na educação de qualidade para todos. Assim, estaremos proporcionando um Brasil mais humano e com boas condições de vida para todos.

Gostou deste texto sobre desigualdade social? Como você deve ter percebido, a má distribuição da renda acarreta outras consequências, além da simples divisão de classes. Ela reflete uma sociedade com má qualidade de vida e crescimento da marginalização e da violência. No Enem, esse conteúdo pode tanto ser abordado em uma prova de sociologia, como também ser usado como tema para o desenvolvimento da redação.

Como já demos dicas para uma redação sobre desigualdade social, agora é hora de testar os conhecimentos desse assunto como uma questão de prova. Veja nossos exercícios sobre as desigualdades e aproveite essa matéria que você acabou de aprender para gabaritar o Enem e principais vestibulares do Brasil!

Renata Celi

Cursando relações internacionais, ama viajar e tomar sol. A Renata faz parte do time de Marketing e Conteúdo do Stoodi e faz trabalho voluntário com crianças nas horas vagas. A Rê adora comida, conhecer gente nova, mas, principalmente, ver filmes repetidos. Conheça mais os textos da Renata!

Mais que um cursinho online: uma rotina de estudos perfeita para você

O caminho para a sua aprovação no ENEM E VESTIBULARES nas suas mãos!