Quando você pensa na palavra folclore, as primeiras imagens que vêm à sua cabeça são o saci, a caipora e a mula sem cabeça? Bom, é verdade que eles são figuras bastante representativas dentro da mitologia brasileira, mas, na prática, esse conceito é muito mais amplo e rico.

E se você ficou curioso e quer saber mais sobre o que é o folclore, além de conhecer todas as lendas, brincadeiras e personagens que fazem parte desse universo, continue a leitura deste post e fique por dentro do assunto!

O que é folclore?

Formada a partir de uma junção dos termos ingleses folk, que significa “povo”, e lore, que significa “cultura”, a palavra “folclore” é utilizada justamente para definir as manifestações que formam a cultura de um povo.

No entanto, para que uma determinada representação seja considerada parte do folclore, deve apresentar algumas características:

  • ser tradicional, ou seja, transmitida de geração em geração;
  • ter origem anônima;
  • ser dinâmica, absorvendo fatos da atualidade sem perder as características originais;
  • ser absorvida pela cultura popular de forma coletiva;
  • ter se espalhado por meio oral — o famoso “boca a boca”.

É interessante observar, ainda, que diversas formas dessas expressões culturais são relativas a algumas regiões do Brasil de forma mais específica, mas ganham variações com o passar dos anos e formas diferenciadas de comemoração em cada local, o que justifica as diversas formas como uma mesma história pode ser contada.

Folclore brasileiro

De forma geral, o folclore brasileiro é extremamente diversificado, em parte pelo próprio tamanho do país e pelas diferentes realidades que ele abarca, em parte pela reunião das culturas indígena, europeia e africana, que ajudaram a enriquecer ainda mais a nossa gama de histórias, canções e festividades.

Mas, na prática, o conceito de folclore do ponto de vista nacional só passou a ser registrado de forma oficial no fim do século XIX. E, para saber mais sobre essa linha do tempo, confira o próximo tópico do nosso artigo!

História do folclore

Aproximadamente um século antes dos primeiros estudos sobre o folclore no Brasil, surgiu na Europa — mais especificamente na Alemanha — um interesse acerca das chamadas “antiguidades populares” que, em oposição à cultura erudita da elite, reuniam as diferentes formas de literatura, música e práticas religiosas exercidas pela população.

A princípio, o termo “folclore” se referia somente à tradição não escrita. Mas, com o passar dos anos, sentiu-se também a necessidade de registrar esses saberes, dando origem a uma fonte de informação valiosa para a compreensão dos costumes e crenças da sociedade.

No Brasil, entre os principais nomes do estudo folclórico nacional, podemos destacar os escritores Monteiro Lobato e Mario de Andrade e o historiador e antropólogo Câmara Cascudo, que contribuíram para a visão do folclore que temos até os dias de hoje, reunindo aspectos antropológicos, etnográficos e socioculturais.

Personagens do folclore

Conforme citamos na introdução deste post, o saci, a caipora e a mula sem cabeça estão no rol das personagens do folclore mais conhecidas pela população de forma geral. No entanto, existem muitas outras figuras que fazem parte de narrativas extremamente instigantes. Abaixo, vamos listar algumas delas:

  • boitatá: uma cobra de fogo que protege as matas e os animais;
  • curupira: também protege as matas e os animais, tem os cabelos de fogo e os pés virados para trás;
  • lobisomem: um homem que se transforma em lobo nas noites de lua cheia;
  • Iara: também conhecida como mãe d’água, é a sereia que enfeitiça os homens com o seu canto;
  • boto cor-de-rosa: sai do rio durante a noite para assumir a forma de um jovem belo e charmoso, conquistando as moças da cidade;
  • cuca: de origem portuguesa e, muitas vezes, associada ao bicho-papão.

Esses e outros personagens podem ser vistos, também, em narrativas mitológicas de outros países, já que derivam de histórias contadas através dos séculos pelos povos das mais diferentes nações.

Lendas do folclore

Muitas das lendas que conhecemos até hoje foram criadas pelos povos mais antigos como forma de explicar fenômenos da natureza que tinham sua origem desconhecida, dando a eles um sentido no mundo real.

Outras histórias, muitas vezes protagonizadas pelas personagens que apresentamos no tópico anterior, eram utilizadas como ferramentas para ensinar valores como honestidade, coragem, obediência, ou simplesmente utilizadas como forma de diversão, assustando e encantando muitas pessoas.

Dia do Folclore

Como forma de valorizar as diferentes manifestações folclóricas das diversas regiões brasileiras, no ano de 1965, o Congresso Nacional instaurou o dia 22 de agosto como o Dia do Folclore nacional.

Essa iniciativa ressaltou a importância de respeitar e conservar essas tradições, possibilitando que elas sejam passadas de geração em geração, mantendo viva a cultura popular do país.

Como forma de celebrar a ocasião, instituições como escolas e centros culturais realizam diversas atividades para que todos conheçam mais sobre as lendas, as festas, as canções, as danças e as brincadeiras que compõem o folclore nacional.

E já que mencionamos as brincadeiras e danças, vamos aproveitar os próximos tópicos para falar um pouco mais sobre esses dois aspectos lúdicos — e bastante interessantes — da nossa tradição folclórica. Confira!

Brincadeiras folclóricas

Utilizadas principalmente na educação infantil, as brincadeiras folclóricas são excelentes ferramentas para trabalhar não apenas a criatividade e as capacidades cognitivas e de coordenação, mas também para transmitir as tradições populares de forma divertida.

Nesse aspecto, podemos destacar brinquedos como pião, bola de gude, pipa e as figurinhas para “bater”, além dos jogos de amarelinha, pega-pega, esconde-esconde, pula-corda, cabo de guerra, passa anel, gato mia e cabra-cega.

Danças folclóricas

Movidas pela música e caracterizadas por figurinos típicos, as danças folclóricas trazem um pouco da identidade de cada região do país e tiveram sua origem a partir dos rituais religiosos e mágicos, como forma de agradecimento, homenagem ou saudação às forças espirituais.

Entre as principais danças que fazem parte do nosso folclore, podemos destacar:

  • bumba meu boi, também conhecido como boi-bumbá.
  • samba de roda, muito associado à capoeira e às religiões de matriz africana;
  • frevo, que virou marca registrada do carnaval pernambucano;
  • maracatu, também bastante característico do carnaval nordestino.

Como é possível perceber, o folclore brasileiro é extremamente rico e tem a importante função de ajudar a construir a História do nosso povo, sendo parte integrante do nosso perfil cultural.

Além disso, o conhecimento das tradições populares está entre os conteúdos abordados no Enem e nos vestibulares e, por isso, é indispensável a todos os vestibulandos, independentemente do curso escolhido.

Agora que você já conhece um pouco mais sobre o folclore, que tal se aprofundar ainda mais no assunto com os materiais que o Stoodi preparou para você? Conheça o nosso plano de estudos e aproveite para conferir também nossas videoaulas e exercícios que vão ajudá-lo a turbinar os seus conhecimentos!

Renata Celi

Cursando relações internacionais, ama viajar e tomar sol. A Renata faz parte do time de Marketing e Conteúdo do Stoodi e faz trabalho voluntário com crianças nas horas vagas. A Rê adora comida, conhecer gente nova, mas, principalmente, ver filmes repetidos. Conheça mais os textos da Renata!

Mais que um cursinho online: uma rotina de estudos perfeita para você

O caminho para a sua aprovação no ENEM E VESTIBULARES nas suas mãos!