Quais são as diferenças entre endemia, pandemia e epidemia? Descubra!

É muito comum ouvirmos os termos endemia, epidemia e pandemia nos noticiários, em reportagens e na internet, mas você conhece o significado deles? Consegue diferenciar esses conceitos? Você sabe quais importantes doenças do Brasil e do mundo podem ser classificadas como pertencentes a cada um desses tipos?

Se você respondeu “não” a uma ou mais perguntas, continue acompanhando este texto para se inteirar sobre o assunto! Confira os conceitos de epidemia, pandemia, endemia e exemplos de doenças importantes de cada uma dessas categorias. Esse assunto é um dos queridinhos dos vestibulares e Enem e, por isso, é muito importante que os alunos que estejam concluindo o ensino médio e planejam entrar na faculdade estejam atentos a ele.

O tema também é importante no seu dia a dia, pois são termos muito utilizados pelas pessoas, mas, com frequência, de maneira incorreta.

Antes de mais nada, tenha em mente que esses são termos utilizados por cientistas e profissionais da área da saúde para classificar algumas doenças e eles têm significados diferentes, não podendo ser considerados como sinônimos. Vamos diferenciá-los?

O que é endemia?

A endemia é a classificação dada para doenças que ocorrem com frequência em uma região delimitada e se mantêm restritas à ela. Popularmente, se fala que a doença é “típica” daquele local. Assim, o conceito de endemia não está relacionado com a quantidade de casos notificados em uma região geográfica.

Dessa forma, uma característica das endemias é manterem-se concentradas em uma região e não se espalharem para outros locais. A endemia também pode ser sazonal, isto significa que ela não ocorre da mesma forma durante todo o ano, mas pode ser mais pronunciada em uma determinada época do ano. Por exemplo, a febre amarela e a malária, devido ao seu mosquito vetor, que tem preferência por locais úmidos e quentes, pode ser mais comum no verão do que em outras estações.

Exemplos de doença endêmicas são a febre amarela e a malária no norte do Brasil. Quando viajamos para regiões que possuem doenças endêmicas, é recomendada a vacinação prévia, no caso das doenças para as quais existem vacinas.

Doenças endêmicas

O Brasil já teve e tem várias doenças endêmicas. Por exemplo, na década de 80, a doença de Chagas era uma importante endemia rural, mas ao longo dos anos teve a sua incidência melhorada, embora permaneça classificada como uma das graves endemias no Brasil.

Atualmente, a malária e febre amarela são importantes doenças endêmicas que preocupam as autoridades e necessitam de cuidados especiais. Podem ser citadas a esquistossomose, a leishmaniose, a tuberculose, a dengue e algumas verminoses intestinais (como a ancilostomose). A dengue, por exemplo, é uma doença que encontrou no Brasil boas condições climáticas (clima quente e úmido) e sociais (disponibilidade de criadouros das larvas), se instalando e se tornando uma doença endêmica.

Espécies endêmicas

menina com máscara endemia, epidemia e pandemia

Você pode estar se perguntando se doenças endêmicas estão relacionadas as famosas espécies endêmicas.

As espécies endêmicas são aquelas que ocorrem em apenas determinadas regiões geográficas. Elas são muito discutidas na área ambiental devido à sua importância para a biodiversidade e a necessidade da sua conservação. De maneira semelhante, as espécies endêmicas são aquelas que ocorrem em apenas algumas regiões.

Algumas doenças endêmicas podem ser causadas por agentes etiológicos ou vetores endêmicos, ou seja, espécies que não conseguem sobreviver em outros lugares. A transmissão da malária, por exemplo, depende do mosquito prego, que é endêmico da região norte, por essa ser uma região úmida e quente que favorece a sobrevivência desse vetor.

Assim, a restrição do vetor a uma determinada área geográfica pode ser considerada um dos motivos de essa doença não se espalhar pelo Brasil. Mas lembre-se: nem toda doença epidêmica está relacionada a uma espécie endêmica!

O que é epidemia?

A epidemia é a classificação dada a doenças infecciosas e transmissíveis que se espalham em um curto espaço de tempo para outros locais, causando um surto. O surto é caracterizado como o aumento rápido no número de casos de uma doença em uma determinada região, de forma não esperada pelas autoridades de saúde. Exemplos de doenças epidêmicas são o ebola na África Ocidental, em 2014 e 2018, a sífilis e o sarampo, atualmente no Brasil.

Ela pode acontecer em vários níveis. Assim, é considerada uma epidemia municipal quando vários bairros acusam casos da doença; uma epidemia estadual quando várias cidades daquele estado possuem notificações de novos casos, e por fim, uma epidemia nacional quando várias regiões do país têm notificação de casos da doença.

Doenças epidêmicas

A história da humanidade foi marcada por algumas doenças epidêmicas, como a peste negra, a cólera e a gripe espanhola, que fizeram inúmeras vítimas.

Recentemente, a sífilis passou a ser epidemia no Brasil, o que está relacionado, entre outros fatores, ao menor uso de preservativos nas relações sexuais, contribuindo para a sua transmissão entre as pessoas. O sarampo e a poliomielite (paralisia infantil) são doenças que estavam controladas no país, mas que hoje constituem surtos, principalmente pela negligência na vacinação das crianças.

O que é pandemia?

A pandemia é a classificação dada para doenças infecciosas e transmissíveis que se espalham por um ou mais continentes, ou por todo o mundo. Assim, a pandemia pode ser considerada como uma epidemia que atingiu todo o planeta e representa o cenário de maior gravidade. Exemplos de pandemia são: a gripe A (gripe suína), em 2009, que registrou casos em vários continentes, e a AIDS, que ainda ocorre em todo o mundo.

Dada a sua gravidade, quando ocorrem alertas de pandemias observa-se que as autoridades dos diversos países envolvidos se unem e adotam medidas preventivas, com objetivo de conter a expansão da doença. Atualmente, considera-se que o risco de pandemia é maior do que antigamente, devido à facilidade de locomoção das pessoas, o que pode contribuir para levar os agentes patogênicos, como os vírus, para diversas áreas do mundo em curto espaço de tempo.

Doenças pandêmicas

As doenças pandêmicas, de modo geral, têm como uma de suas característica serem altamente contagiosas, o que permite a sua rápida propagação pelo mundo. O conceito de doença pandêmica inclui necessariamente ser infecciosa, assim, algumas doenças amplamente disseminadas pelo mundo, como o câncer, não devem ser consideradas pandêmicas.

A gripe espanhola e a gripe asiática são pandemias relevantes na história da humanidade. Atualmente, a doença pandêmica de maior importância é a AIDS e, recentemente, também ocorreu a pandemia de gripe A (gripe suína).

Podemos concluir, portanto, que, quando uma doença fica restrita em uma região ao longo do tempo, ela tem caráter endêmico. Se alguma mudança permite que ela se espalhe para novas áreas, causando surtos não previstos, ele é dita doença epidêmica. Se, por fim, ela se espalha a níveis mundiais, ocorre uma pandemia.

Agora que você aprendeu tudo sobre endemia e outras classificações de doenças, que tal praticar um pouco e ficar fera para o Enem? Teste seus conhecimentos com a nossa lista de exercícios sobre conceitos básicos de programas de saúde. Você também pode assistir a uma videoaula sobre saúde em que você compreenderá o conceito de saúde segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). Aproveite tudo o que está no Blog do Stoodi!

3 Shares:
Você pode gostar também