Você sabia que a leptospirose está intimamente ligada à falta de saneamento básico? Essa doença é causada pela bactéria Leptospira interrogans, e, segundo pesquisas tem uma incidência anual de 2 a 3,5 casos/100.000 habitantes no Brasil.

As regiões com maior número de casos são a sul e a sudeste. É uma doença que provoca muitos sintomas, mas existe diagnóstico e cura para ela. Quer aprender mais sobre leptospirose? Então continue a leitura do artigo, e entenda sua causa, prevenção e tratamento!

O que é leptospirose

Sabemos que a maior parte da população atualmente vive em áreas urbanas. Devido, principalmente, às más condições do saneamento básico, surgem doenças como a leptospirose. A bactéria que provoca a leptospirose está presente na urina de animais infectados (zoonose).

Os animais contaminados podem ser suínos, bovinos e cães, mas a contaminação acontece principalmente nos ratos-de-esgoto. A leptospira é eliminada pelo animal através da urina e permanece viva em solo úmido ou água por até 6 meses.

Os animais infectados com a bactéria transmitem a doença, mas não a desenvolvem. Por isso, é muito importante entender como a leptospirose é transmitida para se prevenir dessa doença infecciosa aguda.

Causas da leptospirose

Conforme evidenciado, a leptospirose é causada por uma bactéria, a Leptospira interrogans. Quando essa bactéria está no rim do hospedeiro, ela se prolifera, mas sem causar nenhum sintoma.

Existe vacina de leptospirose para cães, que deve ser aplicada anualmente. Seu efeito deixa o animal protegido de desenvolver a doença, porém, a bactéria pode ficar no rim dele sem causar nenhum mal. Quando a bactéria é expelida pela urina, provoca infecção em outros seres vivos.

Transmissão da leptospirose

Entenda que a leptospirose não é uma doença contagiosa, ou seja, não é transmitida por humanos para humanos. Na verdade, a bactéria eliminada pela urina do animal contaminado fica exposta no meio ambiente.

Quando há inundações ou enchentes e enxurradas, a água leva a leptospira que continua viva. A bactéria infecta o ser humano pelo contato com essa água, através da pele ou mucosa, ferida ou não.

Por isso é tão importante a ampliação do saneamento básico para a diminuição da população de roedores, já que são os principais transmissores da doença. Se você pensar no passado, vai lembrar que a peste-negra, também transmitida por ratos, foi responsável pela morte de milhares de pessoas.

Na disciplina de Biologia, você estuda os diversos tipos de transmissão de doenças. Portanto, fica claro que a leptospirose é transmitida de forma indireta por veículo inanimado. Visto que, se o indivíduo não tiver contato com a água contaminada pela bactéria, não haverá infecção.

enchente leptospirose

Previna-se da leptospirose

Agora que você já sabe o que causa a leptospirose e como ela é transmitida, fica mais fácil entender como se prevenir dessa enfermidade. Veja a seguir alguns cuidados que você deve ter para evitar a leptospirose.

Cuidados na limpeza

Evite pisar em águas provenientes de enchentes ou enxurradas e não deixe as crianças brincarem nelas — lembre-se de que essas águas podem estar contaminadas com a urina infectada dos ratos.

Use botas e luvas de borracha para fazer a limpeza da casa após um episódio de inundação ou enchente. A lama deixada pela enxurrada talvez esteja contaminada pela leptospira. Os profissionais que trabalham com esgoto devem usar a mesma proteção.

Os pisos, paredes e bancadas das habitações atingidas têm que ser descontaminados usando uma solução de água sanitária e água na proporção de 400 ml para 20 litros, ou seja, 2 xícaras de água sanitária para um balde de água potável.

Elimine os alimentos que entraram em contato com a água da enxurrada, pois quem se alimentar deles pode se infectar com leptospirose se eles estiverem contaminados com a bactéria leptospira. Não se esqueça de limpar e desinfetar a caixa d’água também.

Medidas para evitar roedores

Você entende que quanto menor for a população de roedores haverá menos casos de leptospirose? Então, evite-os, deixando a cozinha limpa e sem restos de alimentos. Guarde a comida ainda não preparada em potes de vidro ou alumínio em locais altos.

Se você tem algum animal, como gato e cachorro, guarde as vasilhas usadas para alimentá-los, assim como sua ração ou outros alimentos que ainda não foram consumidos. Dessa forma, os ratos não terão o que comer.

Elimine os buracos e frestas das paredes. Mantenha os ralos fechados e os vasos tampados. E, por fim, procure a prefeitura para que ela mantenha limpos os terrenos baldios e margens dos córregos, diminuindo o acúmulo de lixo.

Sintomas da leptospirose

Em alguns casos, a doença não apresenta sintomas. Porém, quando eles surgem são muito parecidos com os sintomas da dengue ou da gripe. Os sintomas da leptospirose mais relatados são:

  • febre alta com início repentino;
  • dores musculares, de cabeça e do tórax;
  • olhos vermelhos;
  • cansaço, calafrios e tosse;
  • diarreia, náuseas e desidratação;
  • manchas vermelhas pelo corpo.

A leptospirose, geralmente é eliminada pelo organismo e os sintomas começam a diminuir após três ou quatro dias depois de iniciados. No entanto, há casos em que a doença evolui e causa complicações como:

  • icterícia (cor amarelada na pele, mucosas e olhos);
  • hemorragias;
  • complicações renais;
  • coma.

Como é feito o diagnóstico da leptospirose

Como você pode observar, os sintomas iniciais da leptospirose são muito parecidos com os da dengue ou gripe, dificultando o diagnóstico preciso. Não há como saber se a doença será eliminada rapidamente ou se vai ser do tipo mais grave.

Por isso, são necessários exames de sangue, além da percepção dos sinais e sintomas da leptospirose para confirmação da doença. A realização de radiografias do tórax também é solicitada. Em caso de dúvida, devem ser realizados exames sorológicos. Os mais comuns são ELISA-IgM e microaglutinação (MAT) — com esses exames, é possível identificar a presença da bactéria no sangue.

Aprenda sobre os tratamentos para leptospirose

As pessoas que entraram em contato com água ou lama de enxurradas e enchentes, devem observar se aparecem os sintomas já descritos. Em caso positivo, o ideal é procurar o serviço de saúde o mais breve possível.

Após o diagnóstico preciso, é recomendada hidratação intensa para o paciente, talvez uma soroterapia (hidratação usando soro por via intravenosa). É iniciada a administração de antibióticos e remédios para aliviar os sintomas da leptospirose.

Medicamentos à base de ácido acetilsalicílico devem ser evitados, pois essa substância aumenta as chances de sangramento (hemorragias). A vacinação está disponível somente para animais, e, mesmo assim, não impede que o animal transmita a doença através da urina.

Como você pode perceber, o aumento do número de casos de leptospirose está relacionado à falta de políticas públicas na área da saúde. Mas, a consciência da sociedade tem que mudar. A produção de lixo, seu armazenamento e descarte são uma preocupação mundial. Então, faça sua parte, separe o lixo em sua casa para que o descarte seja feito de forma correta.

E aí, gostou do artigo? Aprendeu bastante sobre a leptospirose? Então, cadastre-se para experimentar as aulas grátis do Stoodi, e, também praticar e testar seus conhecimentos fazendo os exercícios de Biologia!

Você pode gostar também