Imagine trabalhar em pleno contato com a natureza, fazendo escavações em busca de ossadas de animais, plantas petrificadas, matéria orgânica fossilizada e todos os tipos de resquícios de antigas civilizações e seres vivos.

Pois essa é a realidade de quem estuda Paleontologia, profissão que descobre hábitos, idade e tipos de animais que viviam em uma determinada região. Se você tem espírito aventureiro e sempre gostou do universo dos dinossauros, pesquisas e criações mirabolantes na infância, o curso pode ser o ideal.

Quer conhecer tudo sobre esse universo que estuda a geologia da Terra? Então venha com a gente e aprenda tudo sobre a profissão, faculdades e mercado de trabalho, além de como o tema pode cair nos vestibulares e Enem. Confira!

O que é Paleontologia?

É importante informarmos que a vida na Terra surgiu há cerca de 3,8 bilhões de anos, ou seja, desde essa época existem vestígios preservados nas rochas, o que chamamos de fósseis.

A Paleontologia é uma ciência que se baseia no estudo de animais e vegetais que estiveram no planeta Terra no passado. Para isso, são analisados os fósseis que ficaram no solo, nas rochas e em outros lugares.

Por meio das técnicas da profissão, como a do Carbono 14, é possível identificar a idade dos fósseis, condição de vida e morte, aspectos ambientais e características.

De maneira geral, a Paleontologia é uma especialidade da Biologia que faz o estudo da vida tão quanto dos processos de formação dos fósseis.

A Paleontologia é dividida em cinco áreas distintas, descritas abaixo:

  • Paleozoologia: estuda os fósseis animais;
  • Paleobotânica: estuda os fósseis vegetais;
  • Paleoicnologia: estudo dos icnofósseis, as atividades dos seres vivos, como pegadas, sulcos, perfurações e escavações;
  • Paleobiologia: estudo dos fósseis e suas relações dentro da biosfera;
  • Paleopalinologia: estuda os polens e esporos.

O que a Paleontologia estuda?

Como já evidenciamos acima, a Paleontologia estuda a evolução geológica do planeta Terra, com o objetivo de conhecer melhor nossas origens, hábitos culturais, ou seja, faz um retrato minucioso de como era a realidade em tempos bem longínquos.

Assim, essa ciência, criada em 1812 pelo francês George Cuvier, consegue analisar não só os fósseis humanos e de vegetais como também os combustíveis.

É importante destacarmos que a Paleontologia reúne as ciências naturais da Biologia e Geologia e, atualmente, trata-se de uma profissão que faz explorações com muito auxílio da tecnologia.

De origem grega, a palavra refere-se justamente a palaio= antigo, ontos= ser e logos= estudo, ou seja, traduzindo poderia ser explicada como o estudo do ser antigo.

A Paleontologia contribuiu imensamente com a expansão das ideias científicas que ajudaram na Teoria da Evolução. Tanto é que, 50 anos após a descoberta dessa ciência, houve a publicação da Teoria da Evolução, escrita por Charles Darwin, ou seja, certamente as descobertas anteriores foram preponderantes para ajudar nos insights do estudioso.

Mesmo no século 21, a Paleontologia continua realizando estudos importantíssimos para descobertas. Um bom exemplo foi a localização do fóssil ancestral humano mais antigo, encontrado em 2013, na Etiópia.

Com 2,8 milhões de anos, ele é uma evidência que está ajudando inúmeros pesquisadores a desvendar os trajetos da evolução da vida no planeta, derrubando várias teorias sem fundamentos científicos.

Formação dos fósseis

Os fósseis são formados por meio dos vestígios de animais ou vegetais preservados em rochas. Eles podem ser ossos, dentes, escamas, troncos, pegadas etc. Geralmente, o que fica é a estrutura mais resistente.

A ciência considera um fóssil um ser vivo que viveu há mais de 11 mil anos. Trata-se de um período anterior ao Holoceno, a época em que estamos em termos geológicos. Os com idade inferior são classificados como subfósseis.

Para chegar à fossilização, são necessários inúmeros processos físicos, químicos e biológicos dentro de várias condições, como rápido soterramento, ausência de ação bacteriana, entre outros.

Dentro da formação dos fósseis, os paleontólogos podem observar diferentes tipos de fossilização, tais como:

  • Incrustação: acontece quando substâncias trazidas pela água se infiltram no subsolo e depositam em torno do animal ou planta, como no caso das cavernas;
  • Permineralização: é quando substâncias minerais são depositadas em cavidades existentes nos ossos e troncos, como no caso da madeira petrificada;
  • Recristalização: é um rearranjo da estrutura cristalina de um mineral, como a transformação da aragonita em calcita.
  • Mumificação: acontece em ambientes secos e áridos por meio de uma rápida desidratação, levando a preservação de animais, como no caso dos corpos humanos;
  • Carbonificação: ocorre quando há perda de substâncias voláteis (oxigênio, hidrogênio e nitrogênio), deixando uma película de carbono.

esqueleto de dinossauro paleontologia

Paleontologia e Arqueologia: diferença

Sendo profissões teoricamente próximas no conhecimento popular, a Paleontologia e a Arqueologia têm inúmeras diferenças. Além do nome propriamente dito, cada uma tem determinadas funções, como explicaremos agora.

A principal diferença é justamente no tempo cronológico dos objetos de análise. A Paleontologia investiga elementos bem mais antigos. Já a Arqueologia, é mais focada na formação do homem como sociedade. Veja algumas distinções:

  • Paleontologia: analisa fósseis dos seres vivos e vegetais para encontrar antigos hábitos, idade e tipificações. Objetiva ainda a reconstrução do animal ou vegetal por meio de ossadas ou plantas petrificadas.
  • Arqueologia: estuda os aspectos sociais e culturais de civilizações antigas, tendo como base ferramentas históricas. Podemos citar rituais e hábitos culturais.

Onde estudar Paleontologia?

Infelizmente, o Brasil só conta com uma universidade que oferece o curso de Paleontologia devidamente reconhecido pelo Ministério da Educação: a Universidade Federal do Ceará.

Sendo assim, a dica é você procurar cursos de Ciências Biológicas ou Geologia, que também destinam uma formação bem ampla focada nesse setor. Aí, as opções aumentam consideravelmente, como por exemplo:

No mercado de trabalho, o paleontólogo pode atuar em museus, parques, centros de pesquisa, laboratórios de análises de fósseis, divulgação científica, consultoria e assessoria em produções audiovisuais etc.

De modo geral, trata-se de uma profissão bem desafiadora e que necessita não só de espírito aventureiro, mas muito gosto pela pesquisa por parte do aluno. Assim, se a Paleontologia o atrai, invista em seus estudos e vá atrás desse sonho!

E aí, ficou interessado nessa profissão? Então aproveite e conheça o nosso plano de estudos e fique preparado para os Enem e principais vestibulares!

0 Shares:
Você pode gostar também