Ribossomos: o que são, funções e estrutura!

As células são estruturas fundamentais para a vida como a conhecemos. Existem seres unicelulares, compostos de apenas uma célula e seres pluricelulares, formados pela junção de bilhões e bilhões de células. Cada tipo de célula guarda uma função específica, de modo que podem apresentar formatos e estruturas diferentes.

Dentro de cada uma, encontramos o que chamamos de organelas, pequenos compartimentos capazes de exercer diversas funções que são fundamentais para o funcionamento da célula e, consequentemente, de todo o organismo.

Algumas dessas organelas são conhecidas como ribossomos e têm uma função bastante importante. Quer saber mais sobre os ribossomos e para que eles servem no organismo? Então continue lendo este artigo para descobrir!

O que é “ribossomos”?

O “ribossoma” ou os ribossomos são organelas presentes em todo e qualquer tipo de célula. São pequenas partículas sem membrana formadas por duas subunidades de tamanhos e densidades distintos, conhecidas como maior e menor.

Por não possuírem membranas, alguns estudiosos não consideram os ribossomos como organelas celulares citoplasmáticas. Entretanto, outros os consideram organelas celulares não membranosas, de modo que podem permanecer livremente no citoplasma (hialoplasma) das células.

Apesar de estarem, em grande parte, presentes no citoplasma de forma livre e desafixada, os ribossomos também podem ser encontrados nas mitocôndrias, no retículo endoplasmático e nos cloroplastos das plantas.

Quando os ribossomos estão presentes na parte superficial do retículo endoplasmático, formam em conjunto com esse o que é conhecido como retículo endoplasmático rugoso ou granular.

Estrutura e composição dos ribossomos

Os ribossomos se assemelham a pequenos grãos e, por isso, sua representação gráfica é arredondada. Com um diâmetro variando entre 20 e 30 nanômetros, são maiores e muito mais complexos nas células eucarióticas do que nas células procarióticas. Na natureza, os mamíferos são os seres vivos que possuem os ribossomos de maior tamanho.

Eles são formados por moléculas de RNA ribossômico dobrado, sendo que este RNA é associado às proteínas. Dessa forma, sua composição é, basicamente, ácido ribonucleico (RNA) e mais de 80 variações de proteínas.

Função do ribossomo

Para entender qual é a função do ribossomo, pense que ele ajuda no processo de produção de proteínas dentro das células. Além dos ribossomos, participam desse mesmo processo as moléculas de DNA e RNA. Os ribossomos reúnem vários aminoácidos na síntese proteica, valendo-se de uma ligação química conhecida como ligação peptídica.

A síntese proteica

O processo de síntese de proteínas é um mecanismo determinado pelo DNA, no qual o resultado é uma série de proteínas que serão utilizadas em diversas outras etapas no organismo. Acontece em duas fases, chamadas de tradução e transcrição.

Resumidamente, o DNA passa pelo processo de transcrição pelo RNA mensageiro, conhecido como RNAm. Após essa etapa, os ribossomos traduzem a informação e o RNAt (RNA transportador) transporta os aminoácidos que, em determinada sequência, formarão a proteína especificada.

Características e curiosidades sobre os ribossomos

Os ribossomos são estruturas muito importantes para os organismos, estando presentes em todas as células do corpo humano, com exceção dos espermatozoides, que cumprem outra função mais específica.

Os ribossomos foram observados pela primeira vez no ano de 1955 pelo biólogo romeno-americano especializado em células George Emil Palade. Palade utilizou um microscópio eletrônico para conseguir enxergar essas estruturas, identificando os ribossomos como partículas densas.

No final da década de 1950, o cientista Richard B. Roberts propôs a utilização do termo ribossomo. A descoberta dessa estrutura deu a George Emil Palade, juntamente com Albert Claude e Christian de Duve, o Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina de 1974.

Já em 2009, outro prêmio foi concedido tendo como assunto principal os ribossomos. Venkatraman Ramakrishnan, Thomas A. Steitz e Ada E. Yonath levaram o Prêmio Nobel de Química por conseguir determinar, detalhadamente, a estrutura de um ribossomo e o funcionamento de seu mecanismo.

Organelas celulares

Além dos ribossomos, as células possuem várias outras organelas. Conheça, agora, algumas delas.

Mitocôndrias

Compostas por uma membrana dupla, a mitocôndria é uma organela especial, capaz de se reproduzir, pois tem em sua estrutura moléculas de DNA, assim como as bactérias. Sua função é importantíssima, pois a mitocôndria realiza a respiração celular, processo responsável por produzir a maior parte da energia utilizada nas funções vitais do organismo.

Retículo endoplasmático

Podendo apresentar duas estruturas diferentes (liso e rugoso, este último em junção com os ribossomos), o retículo endoplasmático é responsável pela produção de lipídios e proteínas, sendo que as primeiras são exclusivas do retículo liso e compõem as membranas celulares.

Aparelho de Golgi

Também conhecido como complexo de Golgi ou complexo Golgiense, essa organela é responsável pela modificação, pelo armazenamento e pela exportação das proteínas sintetizadas no Retículo Endoplasmático Rugoso. Algumas dessas proteínas são glicosiladas no Complexo de Golgi, garantindo que estejam ativas. A organela ainda é responsável pela criação dos lisossomos.

Lisossomos

Envoltos apenas em uma bicamada lipídica, os lisossomos são organelas responsáveis pela digestão de moléculas orgânicas, uma vez que apresentam enzimas digestivas em seu interior. Assim, conseguem digerir carboidratos, lipídios, DNA, RNA e outras proteínas.

Peroxissomos

Essas pequenas organelas membranosas estão presentes nas células de animais e vegetais. Atuam, principalmente, na síntese do colesterol e na matéria-prima da respiração celular, oxidando os ácidos graxos.

Vacúolos

Os vacúolos são organelas específicas, envoltos em uma membrana e com preenchimento diferente das substâncias presentes no citoplasma. Funcionam como uma reserva de substâncias, sendo muito importantes e frequentemente encontrados nas células vegetais.

Plastos

Os plastos são organelas presentes apenas nas células vegetais e das algas. Existentes em 3 tipos diferentes, os plastos podem ser responsáveis pelo armazenamento de amido (leucoplastos), dar cor aos vegetais (cromoplastos) e, ainda, auxiliar no processo de fotossíntese (cloroplastos).

Assim como as outras organelas e estruturas celulares, os ribossomos cumprem funções vitais para o funcionamento dos organismos e é fundamental conhecer esses processos, principalmente se você pretende se dar bem nas provas de Biologia do Enem e outros vestibulares!

E aí, curtiu o post? Aprendeu mais sobre os ribossomos? Aproveite então para conferir, também, nosso artigo sobre os principais tipos de células e treinar o seu conhecimento com o nosso banco de exercícios de Biologia!

Campanha Always On Cronograma