Por se tratar de um exame que adora cobrar conteúdos que geram debates contemporâneos na sociedade, o Enem exige dos estudantes o máximo de conhecimento possível acerca de atualidades em geral. Nesse contexto, focando em questões geográficas, a tensão na Chechênia é um bom exemplo de tema que pode aparecer na prova.

República que é conhecida por pouquíssimas pessoas, a Chechênia tem problemas sociais que não são uma questão recente, já que há mais de 200 anos essa região sofre com conflitos armados e a escalada de movimentos separatistas.

Afinal: você já sabe por que o conflito na Chechênia é tão duradouro?

O que é a Chechênia?

A Chechênia é um território que atualmente é denominado como uma república pertencente à federação russa. Por se tratar de uma república, a Chechênia tem autonomia para fomentar sua etnia própria (que não é de origem russa), tendo assim seu idioma, sua bandeira e sua constituição.

Entretanto, mesmo sendo uma república, a Chechênia não é considerada (nem pelos russos nem pelo restante do mundo) uma nação independente, e esse é o principal fator desencadeador dos conflitos sociais naquela região.

Chechênia: mapa

A Chechênia fica localizada em uma região conhecida como Cáucaso, mais precisamente entre a Europa Oriental (região do Mar Negro) e a Ásia Ocidental (região do mar Cáspio).

Em relação às suas fronteiras, ela tem delimitações geográficas com repúblicas que também pertencem à Rússia:

  • República do Krai de Stavropol;
  • República do Daguestão;
  • República de Inguchétia;
  • República da Ossétia do Norte-Alânia.

Chechênia: características da população

Atualmente, existem cerca de 1,4 milhões de habitantes na Chechênia, dos quais mais de 90% seguem a religião islâmica e se comunicam em checheno (também conhecida por tchetcheno), que é a língua oficial da república.

História da Chechênia

A Chechênia foi anexada ao império russo em 1859 (em meio ao processo de criação da União Soviética), recebendo o nome de República Autônoma Socialista Soviética da Checheno-Inguchétia (RASS Checheno-Inguche). Essa vinculação à Rússia historicamente sempre incomodou parte da população chechena; contudo, essa questão social se mantinha até então sempre controlada.

Os atritos mais sérios começaram a surgir durante a Segunda Guerra Mundial, quando os russos passaram a prender e perseguir chechenos que eram considerados traidores da pátria (devido à aliança que eles mantinham com a Alemanha nazista).

Mesmo já sendo uma região marcada pela presença de tensões sociais, foi precisamente no ano de 1991 (com o fim da União Soviética) que a Chechênia questionou com mais ímpeto seu direito de independência da Rússia, dando início a um conflito que se estende até os dias atuais.

Guerra da Chechênia

chechenia

A guerra da Chechênia foi iniciada em 1994 e se arrastou até 2003, matando mais de 150 mil pessoas, entre soldados russos, soldados separatistas chechenos e civis chechenos.

Mesmo sendo encerrada oficialmente em 2003, o conflito armado na região está muito longe de ser resolvido, já que até hoje há movimentos separatistas que impulsionam ataques à Rússia, exigindo a independência da República da Chechênia.

Vale enfatizar aqui que, atualmente, uma das principais ameaças terroristas contra a Rússia vem de células separatistas da Chechênia, as quais muitas vezes agravam a tensão na região do Cáucaso a nível bélico.

Motivos

Como já destacamos, o principal motivo de todo esse conflito é a Rússia não reconhecer a Chechênia como sendo um país independente, mesmo que ela tenha se autoproclamado independente no ano de 1991.

Independência da Chechênia

A Independência da Chechênia é vista hoje no mundo geopolítico como sendo um feito praticamente impossível de ser concretizado.

O primeiro motivo impediente é que o atual presidente da Rússia, Vladimir Putin, já declarou diversas vezes que não aceitará em hipótese alguma assinar um decreto de independência dos chechenos.

Outro fator que não ajuda a Chechênia é que nenhuma outra nação do mundo a reconhece como um país independente; isso impede que ela ganhe forças políticas, o que acaba enfraquecendo a causa.

O conflito na Chechênia e o vestibular

Veja agora como essas questões sociais na Chechênia podem ser abordadas em uma questão de vestibular:

(PUCPR 2007) O começo do século XXI revelou uma nova forma de terrorismo: globalizado, sem fronteiras e sob os holofotes da mídia. O mundo ficou estarrecido diante dos atentados de 11 de setembro de 2001 a importantes símbolos do poder político e econômico norte-americano. Nos três primeiros dias de setembro de 2004, no sul da Rússia, a pequena cidade de Beslan foi assolada pelo terrorismo. Uma escola local foi ocupada, em dia de festa, por terroristas que fizeram mais de 1 000 reféns. A principal motivação do grupo armado que ocupou a escola de Beslan centrava-se na causa separatista que reivindicava:

a) a inclusão da Chechênia na Comunidade dos Estados Independentes, CEI.

b) a ajuda militar russa às tropas chechenas na defesa de suas fronteiras.

c) a ajuda humanitária do governo de Moscou às populações pobres das montanhas da Chechênia.

d) a anexação dos territórios vizinhos, como o Azerbaijão e a Geórgia, à Chechênia.

e) a saída das forças militares russas da Chechênia.

Resolução

Alternativa correta letra “e“.

Portanto, não é difícil compreender agora por que a Chechênia é uma região tão problemática em questões políticas e sociais. Vale lembrar ao estudante que esse e outros temas sobre atualidades constantemente aparecem na prova do Enem, ou seja, é importantíssimo buscar entendê-los e aprofundar seus conhecimentos.

A explicação sobre a atual situação da Chechênia ajudou em seus estudos? Que tal ter acesso a mais conteúdos de outras matérias também? Conheça o plano de estudos do Stoodi e fique por dentro de tudo sobre o mundo dos vestibulares!

Você pode gostar também