Sendo responsável por 75% do escoamento de tudo o que se produz no país,o transporte rodoviário no Brasil é o sustentáculo da nossa economia e pode afetar outras categorias caso ocorra uma paralisação, como houve em 2018.

Apesar da extrema dependência desse meio, há deficiências que precisam ser melhoradas, principalmente no que diz respeito à qualidade das estradas.

Com o objetivo de auxiliá-lo no entendimento desse assunto, vamos mostrar neste post detalhes interessantes sobre o transporte rodoviário. Embarque nessa conosco!

O que é o transporte rodoviário?

O transporte rodoviário é o deslocamento realizado por meio terrestre em vias, rodovias, estradas e ruas, sejam asfaltadas ou não. O objetivo é escoar a produção desde máquinas siderúrgicas até utensílios domésticos, passando por cargas vivas.

A implantação das rodovias teve início no país ainda no século XIX. No entanto, houve um considerável investimento ao longo do governo de Washington Luís (1926-1930) e, posteriormente, durante aera Vargas (1930-1934/1937-1940).

Foi exatamente em 1937 que foi criado o Departamento de Estradas de Rodagem (DER), que até hoje tem a gestão de inúmeras estradas.

A expansão se consolidou no governo de Juscelino Kubitschek (1956-1960), que investiu pesado em infraestrutura com o lema: “cinquenta anos em cinco”.

Assim, foram construídas a rodovia Dutra, que liga São Paulo ao Rio de Janeiro, a Perimetral Norte, Cuiabá a Santarém, entre outras.

Dessa maneira, com o processo de industrialização, principalmente por meio do setor automobilístico, o transporte rodoviário de cargas se consolidou no Brasil.

Vantagens e desvantagens do setor rodoviário

Entre as vantagens desse meio, podemos citar a facilidade na contratação, a flexibilidade das rotas e a integração com outros tipos de transportes, como ferroviário ou hidroviário.

No aspecto negativo, estão o alto custo dos deslocamentos em razão do valor dos combustíveis e pedágios, a dependência do setor na logística, a influência política nas obras e as péssimas condições de várias estradas, atrasando as entregas.

Transporte rodoviário no Brasil

O Brasil é cortado pela malha rodoviária, que conta com 75,8 mil Km, sendo 10,4 mil Km não pavimentados.

O custo está orçado em 6% do Produto Interno Bruto (PIB), que é a soma de todas as riquezas do país.

O setor é tão forte que faz com que o país esteja na liderança no ranking internacional das nações que utilizam o transporte rodoviário de cargas e passageiros.

Por aqui, 58% do transporte é feito pelas rodovias, superando todos os demais países. No Canadá, por exemplo, apenas 8% do transporte é realizado dessa maneira, priorizando o setor ferroviário.

Trata-se de um indicador de que o Brasil se tornou refém do transporte rodoviário por conta das influências políticas, tendo em vista que a construção e a inauguração de estradas geram votos. Já ferrovias demoram muito mais tempo para serem finalizadas.

Anualmente, o mercado de transportes movimenta cerca de US$ 48,3 bilhões, gerando inúmeros empregos, e ainda tendo impacto direto na dependência do petróleo. Afinal, o asfalto vem desse recurso natural, assim como os combustíveis.

Portanto, existem vários interesses por trás do transporte rodoviário. Segundo especialistas, a dependência é fruto de inúmeras decisões desastrosas cometidas por décadas de má gestão pública.

Desafios no transporte rodoviário

A paralisação de 2018 evidenciou o quanto o Brasil é dependente do transporte rodoviário e foi consequência justamente de inúmeros gargalos que existem no setor.

Entre eles, podemos citar:

  • baixo valor pago pelos fretes;
  • excessiva carga horária dos motoristas e ajudantes;
  • alto valor dos combustíveis e dos pedágios;
  • condições ruins ou péssimas de várias estradas.

Além disso, falta segurança nas rodovias. Frequentemente, os profissionais da boleia são vítimas de quadrilhas especializadas.

Outro ponto que necessita de melhorias é o investimento na qualificação da mão de obra tão quanto auxílio do governo em financiamentos para a compra de caminhões modernos.

Há necessidade ainda de melhoria na gestão da logística por meio da utilização de softwares que auxiliam na otimização do tempo e aumento da produtividade, sem falar na engenharia de transportes.

E investimentos adequados do setor público para concluir obras inacabadas, como a Transamazônica, sem falar em reparos onde há buracos e outros problemas estruturais.

Vantagens e desvantagens do transporte ferroviário

transporte rodoviario

Apesar de escoar apenas 5,4% da produção nacional, o setor ferroviárioé visto por especialistas como o melhor investimento para uma nação.

No Brasil, segundo a Confederação Nacional do Transporte, as ferrovias movimentam 407 bilhões de toneladas por quilômetro útil.

Tanto é que os países desenvolvidos exploram esse meio de transporte tanto no escoamento de cargas quanto no deslocamento de pessoas.

Mas a realidade dessas nações é bem diferente em comparação ao Brasil. Por isso, vamos apresentar agora aspectos positivos e negativos dos trens para o país.

Pontos positivos

O transporte ferroviário é ideal para realizar o deslocamento de cargas pesadas, como materiais siderúrgicos, cimento, motores de máquinas grandes, bobinas etc.

O custo é imensamente menor em comparação ao transporte rodoviário, pois não há a dependência com os combustíveis, tendo em vista que o funcionamento pode ser elétrico.

A capacidade de carga é bem maior, destinando ainda mais segurança e menor risco de acidentes.

No deslocamento de pessoas, é mais ágil, seguro e bem mais barato. Tanto é que a Europa é cortada por linhas de trens.

Pontos negativos

O fato de o Brasil ser um país muito extenso territorialmente falando impossibilita a implantação de uma malha ferroviária, pois os custos seriam estratosféricos.

Além disso, as rotas existentes são fixas, com bitolas em tamanhos diferenciados, ou seja, teria que começar do zero, sem aproveitamento da estrutura já existente.

Ainda por conta da extensão territorial, muitos locais seriam impossibilitados da chegada de um trem, aumentando a necessidade de outros tipos de transporte para completar as rotas.

Faltam também políticas públicas direcionadas ao setor,pois a construção de ferrovias demanda mais tempo em comparação com as rodovias, aspecto que afasta os projetos em razão de interesses eleitorais dos gestores.

Empresas de transporte rodoviário

Seja no transporte de cargas ou de passageiros, o setor movimenta a economia brasileira, com quase 200 mil empresas instaladas pelos quatro cantos do país.

Elas geram cerca de 2,5 milhões de empregos com carteira assinada, sendo 70% no transporte rodoviário. Veja algumas empresas que atuam no setor:

  • Julio Simões Logística;
  • Tegma Gestão Logística;
  • Sada Transportes e Armazenagens;
  • Rapidão Cometa;
  • Rodoviário Ramos;
  • Ouro Verde Transporte e Locação.

Portanto, o Brasil necessita imensamente do transporte rodoviário,e dificilmente essa realidade mudará. É um tema corriqueiro nas questões de Geografia e também de Atualidades. Sabendo disso, não deixe de explorá-lo em sua preparação para o Enem.

Percebeu como manter a leitura é uma excelente maneira para você afiar o conhecimento? Aproveite e explore nosso plano de estudos com foco no Enem!

0 Shares:
Você pode gostar também