Se preparando para encarar um vestibular ou prestar o Enem, com o objetivo de iniciar uma vida acadêmica, é importante se aprofundar em conhecimentos gerais a respeito dos mais variados segmentos: desde artes, política e história até curiosidades do cotidiano.

Dito isso, neste conteúdo abordaremos a Crise de 1929, um dos fatos que moldaram o rumo do século XX, juntamente a grandes acontecimentos como as Guerras Mundiais, o Holocausto e a queda do Muro de Berlim.

Continue a leitura para entender o contexto da crise, sua causa e quais impactos ela causou na sociedade na época!

O que foi a Crise de 1929?

Também conhecida como A Grande Depressão, a Crise de 1929 é considerada como um dos marcos da História contemporânea da humanidade.

Em meio à Primeira e Segunda Guerra Mundial, a crise estourou nos meses de setembro a outubro daquele ano, nos EUA, quando a bolsa de valores de Nova York — à qual toda a economia do mundo estava ligada naquele período — teve uma queda brusca no valor de suas ações mais importantes, levando à sua queda.

A partir disso uma reação em cadeia foi iniciada, levando milhões de empresas e pessoas à falência ao mesmo tempo.

Crise de 1929: resumo e causas

Você já ouviu falar sobre expansão de crédito por oferta monetária? Pois bem, esse foi o motivo central pelo qual a bolsa de valores de Nova York, conhecida por ser o maior símbolo de poder do capitalismo, sofreu uma quebra inesperada “do dia para a noite”.

Os Estados Unidos lucraram bastante com a exportação de produtos industrializados e alimentos — entre 1918 e 1928 — para a Europa (países aliados no período “entre-guerras”), com o fim da Primeira Guerra Mundial.

Já que aquele era um período de prosperidade econômica, pois havia emprego para todos e preços acessíveis, o Governo propagava a ideia do “American Way of Life”, que basicamente consistia em consumir em abundância.

O estilo de vida americano era fundamentado, principalmente, por fatores como o pagamento de mercadorias provenientes da exportação e pela expansão de crédito.

Uma espécie de instituição bancária norte-americana, chamada Federal Reserve System, emitiu uma quantidade massiva de títulos e dinheiro com a finalidade de expandir a economia.

Muitas organizações e cidadãos comuns enxergavam a “jogada” como uma oportunidade de investimento segura e estável. Contudo, o que não se esperava era que a economia europeia fosse se restabelecer e parar de importar gradativamente dos EUA.

Com a Europa retraindo seu consumo de produtos norte-americanos, ao mesmo tempo em que as indústrias estavam produzindo em escalas exorbitantes, os Estados Unidos se encontraram em uma posição delicada: oferta muito maior do que demanda. Ou seja, não havia mais para quem vender.

Por consequência, a produção precisou parar, os preços despencaram e, é claro, o desemprego tomou conta do país.

Logo, o Governo decidiu tomar a decisão de fazer o acerto de contas com Federal Reserve System, freando a oferta monetária e aplicando uma dura política de restrição às concessões de crédito e empréstimos, conhecida como “New Deal” (Novo Acordo).

O resultado disso: milhões de pessoas e empresas resolveram sacar suas reservas dos bancos, temendo a desvalorização da moeda. A consequência foi o início de um dos maiores processos de recessão econômica que já houve na História. Resumindo, é correto afirmar que a Crise de 1929 foi causada pela superprodução.

Consequências da crise de 1929

Os anos mais críticos da crise foram entre 1929 e 1933. O país viu a economia cair em um efeito dominó. As principais consequências da maior recessão econômica enfrentada pelos EUA foram:

  • a taxa de desemprego subiu de 4% a 27%;
  • o PIB dos EUA caiu literalmente pela metade (50%);
  • as exportações também tiveram uma queda de 50%;
  • a produção do setor automobilístico reduziu em 50%;
  • a produção industrial caiu para um terço — em relação ao período de prosperidade;
  • os empréstimos internacionais sofreram uma queda de 90%;
  • o salário médio no setor industrial caiu pela metade;
  • milhares de instituições bancárias e empresas faliram.

Além disso, como grande parte dos investimentos estava sustentada em valores especulativos — que desapareceram assim que a bolsa de valores quebrou — milhões de pessoas perderem todo o seu patrimônio.

Não demorou muito para a reação em cadeia se espalhar pelo mundo, causando recessões econômicas em diversos países e, consequentemente, disparando o desemprego em muitas nações.

Crise de 1929 no Brasil

café crise de 1929

Os impactos da crise de 1929 chegaram ao Brasil e o segmento mais afetado foi a produção de café, que era a principal fonte de exportação daquele período.

Para que você tenha uma ideia, cerca de 70% do café comercializado pelo mundo era brasileiro, sendo os EUA o consumidor central — compravam aproximadamente 80% da demanda produzida.

Assim como aconteceu nos Estados Unidos, não tínhamos mais para quem vender, e o preço de nosso principal produto caiu de forma brusca.

O valor do café chegou a cair em torno de 90% no mercado internacional, e os prejuízos não chegaram apenas aos cafeicultores, mas para todo o país.

De acordo com os historiadores, uma das consequências indiretas da recessão de 1929, no Brasil, foi a Revolução de 1930, encabeçada por Getúlio Vargas, que se tornou o presidente provisório. Em 1931, Vargas tentou proteger o principal produto nacional, a fim de salvar a economia, criando o Conselho Nacional do Café (CNC).

Como você pôde conferir neste artigo, a Crise de 1929 foi um dos períodos mais complexos que a sociedade contemporânea passou. Desemprego, falência e falta de esperança se espalharam mundo afora.

A especulação de crédito monetário, o oportunismo pós-guerra e a superprodução foram as causas cruciais que desencadearam a Grande Depressão. Com base nas informações abordadas, certamente você terá uma base de conhecimento mais consistente para o vestibular ou o Enem.

Gostou do conteúdo? Então aproveite para aprender um pouco mais e leia o nosso post sobre o que é crescimento populacional e como ele ocorre no Brasil e no mundo! Conheça também nosso Plano de Estudos e veja como organizar as matérias!

Você pode gostar também