A Revolução Francesa foi um momento tão importante na história que se tornou símbolo, marcando o fim da Era Moderna e início da Idade Contemporânea. Com a duração de 10 anos, ela começou no ano de 1789 e terminou somente em 1799.

Essa revolução de caráter burguês tinha como objetivo conquistar a liberdade, a igualdade e a fraternidade para toda a população – esse era, inclusive, o seu lema: “Liberté, Egalité, Fraternité”.

Contudo, existem 6 fatores específicos que contribuíram para a Revolução Francesa acontecer. Conheça cada um deles:

1. Estrutura social francesa hierarquizada

A sociedade francesa era bastante hierarquizada, com poucas possibilidades de ascensão. Formada com 26 milhões de habitantes, a sua maioria era rural.

Naquela época, a sociedade era dividida em três Estados:

  • 1º Estado – Clero (membros da Igreja);
  • 2º Estado – Nobreza;
  • 3º Estado – Burguesia, Camponeses e sans culottes.

Para se ter uma ideia, o 3º Estado equivalia a 98% de toda a população França.

Se o nome “sans culottes” te causou estranheza, calma que vamos te explicar isso agora: esse é o nome dado aos trabalhadores de Paris.

Eles são chamados assim porque o “culotte” era um calça típica da nobreza. Como esses trabalhadores não tinham condições de usar esse tipo de roupa (e se vestiam com calças mais largas), acabaram ficando conhecidos como os “sans culottes” – a expressão remete aos “sem culottes”.

2. Privilégios do clero e da nobreza

Os 2% da população formados pelo clero e pela nobreza desfrutavam de diversos privilégios. Eles não pagavam impostos, tinham pensões vitalícias, eram julgados em tribunais especiais (sendo favorecidos pela lei), possuíam cargos na administração pública e postos de comando no exército.

Os burgueses, camponeses e sans culottes estavam cansados de sustentar o luxo do restante da população.

3. Insatisfação dos camponeses

Os camponeses, além de estarem cansados de pagar imposto e sustentar as regalias do 1º e 2º Estados, também eram submetidos à servidão. Eles queriam se libertar e desfrutar da igualdade.

4. Busca por poder político

Apesar da burguesia ter um forte poder econômico, eles queriam conquistar o poder político – como a França era uma monarquia absolutista, eles não participavam de nenhuma decisão.

revolução francesa

5. Crise econômica

A França estava com a economia abalada por diversos motivos. O primeiro deles eram os gastos militares do país. Entre 1756 e 1763, a França participou da Guerra de Sete Anos, contra os ingleses.

O resultado não foi positivo: além de se endividar com os gastos militares elevados, a França perdeu a guerra e diversas colônias, como o Canadá que passou para o domínio inglês.

Outro ponto que contribuiu para a situação econômica do país foi uma das piores safras agrícolas que a França teve. As plantações sofreram por consequência de uma crise climática com muita chuva e um inverno rigoroso.

O preço dos alimentos estava a cada vez mais caros com o aumento da inflação. Para se ter uma ideia, em 1788, um trabalhador francês gastava cerca de 50% de sua renda na compra de pão.

Não podemos deixar de destacar que a França apoiou a independência dos Estado Unidos com tropas e recursos financeiros. Ela fez isso como forma de vingança por ter perdido a guerra contra a Inglaterra.

Fora isso, tinha o de sempre: os gastos excessivos para pagar o luxo da corte.

6. Influências iluministas

Por fim, o último fator que contribuiu para que a Revolução Francesa acontecesse foi a influência das ideias iluministas. Os pensadores criticavam a concentração de poder nas mãos de um rei absolutista e a ausência de liberdade.

Eles defendiam a igualdade perante a lei e o direito do povo se rebelar e lutar contra a tirania.

Quer ver muitos outros conteúdos importantes e históricos como esse? Faça agora seu plano de estudos e aproveite todo o conteúdo produzido pelos nossos professores!

0 Shares:
Você pode gostar também