Se tem uma matéria que costuma aparecer com frequência no ENEM, é probabilidade. O prof. Paulo explicou que ele sempre dá essa dica para os alunos.

E não pense que é tão simples não, apesar de ser um assunto presente no nosso dia a dia, ele tem várias formas de ser cobrada no vestibular.

Probabilidade é um dos assuntos mais complexos que a gente vê no Ensino Médio porque os vestibulares podem trazer uma infinidade de problemas, de diferentes formas”, conta o professor Daniel. Por isso, é muito importante a gente entender os conceitos básicos dessa disciplina.

O que é probabilidade matemática?

A probabilidade é a matéria que estuda os experimentos aleatórios. Por meio dela, podemos entender quais são as chances para que uma determinada situação ocorra. Então, como o próprio dicionário diz, probabilidade é a “perspectiva de que algo venha a ocorrer”. É uma possibilidade, é a chance de que determinada coisa aconteça.

Se você está se perguntando o que é experimento aleatório até agora, calma que o prof. Paulo vai te explicar.

“Um experimento é chamado aleatório quando realizamos nas mesmas condições e não conseguimos prever o resultado. Em outras palavras, é um experimento com resultado incerto”, define.

Quer um exemplo bem simples? Quando a gente lança um dado, estamos fazendo um experimento aleatório. É claro que sabemos que o resultado pode ser de 1 a 6, mas não temos como prever em qual número ele vai cair naquela jogada.

Probabilidade matemática: espaço amostral

Se você sabe quais são os possíveis resultados, isso quer dizer que você conhece o espaço amostral – termo matemático que se refere ao conjunto de todos os resultados que podem acontecer. Ele é representado pela letra S. Nesse nosso exemplo ficaria assim:

Quando lançamos o dado, podemos tirar de 1 a 6. Portanto, o espaço amostral é de S= {1, 2, 3, 4, 5, 6}.

Evento

Outro conceito importante que está dentro do espaço amostral e a gente precisa definir é um evento(E) – que é um subconjunto que nós identificamos para calcular qual a chance dele acontecer. Ou seja, é aquilo que nós queremos descobrir a probabilidade.

Por exemplo, vamos supor que uma questão da sua prova pergunte qual é a probabilidade de jogar um dado e cair um número ímpar.  O nosso evento é “cair um número ímpar”. Nós precisamos descobrir qual é a chance disso acontecer.

Como nosso dado é de 1 a 6, temos apenas 3 chances de ter um resultado ímpar.
E= {1,3,5}

Mas onde entra a probabilidade nessa história?

É exatamente agora que tudo vai fazer sentido.

A probabilidade é, portanto, o número de elementos do evento dividido pelo número de elementos do espaço amostral.  Ou, em outras palavras, é nosso recorte específico dividido por todas as possibilidades.

Vamos responder o nosso exemplo para amarrar tudo na nossa cabeça?

Como calcular probabilidade de algo

A probabilidade de jogar um dado e cair um número ímpar é de 50%

Fórmula para calcular probabilidade

probabilidade

Calcular probabilidade não é difícil, o mais complicado nessa história toda é identificar, dentro do enunciado do exercício, qual é o seu espaço amostral (todos os resultados possíveis) e qual seu evento (o seu recorte específico).

Se você tiver essas informações bem definidas, lembre-se que a fórmula para fazer as contas de probabilidade e acertar a questão é:

É verdade que probabilidade matemática cai bastante no Enem?

Sim, esse é um tema que cai com frequência no principal processo seletivo do país. “A probabilidade pode ser abordada em questões que solicitem a análise de dados de uma série de experimentos” alerta a profa. Larissa.

O que eu não posso esquecer sobre probabilidade?

A probabilidade de um evento acontecer sempre estará entre o resultado 0 e o 1”, conclui o professor Daniel.

Se o resultado do cálculo for igual a 0, você tem 0% de chance do evento acontecer. Ou seja, é impossível. Porém, de o resultado for igual a 1, você tem 100% de chance, o que pode ser chamado de evento certo.

Por exemplo:
1 = 100%
0,5 = 50%

O prof. Paulo chama a atenção para isso, pois não existe resultado de probabilidade acima de 1. “É impossível ter 1,2 ou 1,5, por exemplo”. Tome muito cuidado para não se confundir em relação a esse dado e cair em alguma pegadinha.

Como o prof. Daniel comentou no início da matéria, as atividades de probabilidade podem ser cobradas das mais variadas formas. Por isso, guarde bem o conceito e pratique muito para aprender na prática.

Exercícios de probabilidade

– Por fim, como eu faço para aprender probabilidade?

Existem algumas dicas para você estudar esse assunto, como revisar os conceitos de espaço amostral, união e intersecção. Além disso, estude a diferença entre eventos independentes e complementares.

Mas quer saber a verdade? Para aprender probabilidade mesmo, de uma vez por todas, é preciso fazer muito exercício sobre o conteúdo.

Faça todos os exercícios possíveis, resolva questões dos mais diferentes contextos e detalhes sobre probabilidade – só assim você dominará a matéria por completa.

Confira 10 exercícios sobre probabilidade para você treinar:

Quer mais questões de probabilidade? Veja nosso banco de exercícios com resolulção.

Banner Stoodi Med
Você pode gostar também
Inequação exponencial
Leia mais

Inequação exponencial

As inequações que envolvem funções exponenciais são chamadas de inequações exponenciais. Por exemplo: Para sua resolução, procura-se chegar a uma comparação de potências de mesma base para então comparar os expoentes. Utiliza-se a partir daí a informação de que: Deste fato, decorre que, se a>1: Se 0<a<1, temos: Em resumo,...

MMC – Mínimo Múltiplo Comum

Definição Dados dois ou mais números naturais diferentes de zero, chamamos de mínimo múltiplo comum, ou simplesmente MMC, o menor dentre seus múltiplos comuns. Exemplos 4 e 8 O MMC. entre 4 e 8 é o próprio 8 pois os múltiplos de 4 são {4,8,12, 16, 20, 24, 28, 32,...
Propriedades dos logaritmos
Leia mais

Propriedades dos logaritmos

Os logaritmos apresentam quatro propriedades que são muito úteis na resolução de problemas: Produto Quociente (divisão) Potenciação Mudança de base As propriedades são usadas, basicamente, para calcular novos logaritmos a partir de logaritmos já conhecidos e para resolver equações e inequações logarítmicas. Para ver exemplos de aplicação e exercícios resolvidos...