Novo acordo está oficialmente em rigor em 2016

Foto: reprodução/divulgação
O Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa foi assinado em 1990 por Portugal, Brasil, Angola, São Tomé e Príncipe, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e, posteriormente, por Timor Leste.

Como todos esses países possuem a língua portuguesa como idioma oficial, esse acordo é uma tentativa de aproximar a linguagem de cada país, diminuindo suas particularidades – o mesmo português falado em Portugal será o mesmo/ou bem próximo ao falado no Brasil.

Somente agora, em 2016, esse acordo deixa de ser facultativo e passa a ser obrigatório. Ele consiste na mudança de algumas regras específicas. Fique por dentro:
Novas regras de acentuação:
1. Não se usa acento na combinação das vogais ei e oi (ditongos) quando eles aparecerem na penúltima sílaba (paroxítonas):

Como era  Como fica
apóioapoio (verbo apoiar)
colméiacolmeia
CoréiaCoreia
estréiaestreia
platéiaplateia
heróicoheroico
paranóicoparanoico

 

2. Nas palavras paroxítonas, não se usa mais o acento no i e no u tônicos quando vierem depois de um ditongo.

Como eraComo fica
Bocaiúvabocaiuva
Baiúcabaiuca
Cauílacauila

3. Não se usa mais o acento das palavras terminadas nas vogais dobradas “êem” e “ôo(s)”.

Como eraComo fica
Abençôoabençoo
crêemcreem
dêemdeem
dôodoo
enjôoenjoo
lêemleem
magôomagoo
perdôoperdoo
vêemveem
vôosvoos
zôozoo


Foto: reprodução/divulgação
4. Não se usa mais o acento que diferenciava os pares pára/para, péla(s)/pela(s), pêlo(s)/pelo(s), pólo(s)/polo(s) e pêra/pera

Como eraComo fica
Ele pára o carro.Ele para o carro.
Ele foi ao pólo Norte.Ele foi ao polo Norte.
Ele gosta de jogar pólo.Ele gosta de jogar polo.
Esse gato tem pelos curtos.Esse gato tem pelos brancos.
Comi uma pêra.Comi uma pera.

5. Não se usa mais o acento agudo no u tônico das formas (tu) arguis, (ele) argui, (eles) arguem, do presente do indicativo dos verbos arguir e redarguir.

6. Há uma variação na pronúncia dos verbos terminados em guar, quar e quir, como aguar, averiguar, apaziguar, desaguar, enxaguar, obliquar, delinquir etc. Esses verbos admitem duas pronúncias em algumas formas do presente do indicativo, do presente do subjuntivo e também do imperativo. Veja:

a) se forem pronunciadas com a ou i tônicos, essas formas devem ser acentuadas.

Exemplos:

verbo enxaguar: enxáguo, enxáguas, enxágua, enxáguam; enxágue, enxágues, enxáguem.
verbo delinquir: delínquo, delínques, delínque, delínquem; delínqua, delínquas, delínquam.

b) se forem pronunciadas com u tônico, essas formas deixam de ser acentuadas.

Exemplos (a vogal sublinhada é tônica, isto é, deve ser pronunciada mais fortemente que as outras):

verbo enxaguar: enxaguo, enxaguas, enxagua, enxaguam; enxague, enxagues, enxaguem.
verbo delinquir: delinquo, delinques, delinque, delinquem; delinqua, delinquas, delinquam.

Atenção: no caso do Brasil, a pronúncia mais corrente é a primeira, aquela com a e i tônicos.

Com informações do dicionário online Michaelis

Você pode gostar também

Crase: dicas para escrever corretamente

A língua portuguesa já é complexa, com a mudança da norma ortográfica ficou ainda mais fácil se confundir. Para melhorar a comunicação escrita, a dica de hoje é sobre crase A crase é um fenômeno que ocorre quando juntamos a preposição “a” com o artigo “a”. Por exemplo: A aluna...