Por Marina Sestito

“Aí, ó. Já começou a ficar difícil. Que negócio é esse de interlocução?

Stoodianos da minha vida,  

Para escrever uma boa redação, é preciso saber quem vai ler o texto que estamos escrevendo. Com quem você está falando? Pra quem você está dirigindo suas palavras?

Isso é o que chamamos de interlocução. Quando você tem clareza de quem é o seu interlocutor, isto é, daquele pra quem o seu discurso é direcionado, tudo fica mais fácil e o seu processo de escrita fica mais eficiente.

Como vocês já descobriram pelo texto da semana passada, nas redações de vestibular nós temos vários gêneros textuais e temos vários tipos de interlocutores. Como o foco da maior parte dos vestibulares é a redação dissertativa argumentativa, é dela que vamos falar hoje.

Uma dissertação argumentativa é um texto que tem como objetivo defender um ponto de vista acerca de um determinado tema, mas quem é essa pessoa que a gente pretende convencer?

Um vizinho, um colega, sua mãe? O interlocutor da dissertação argumentativa é o que a gente chama de leitor universal. É alguém que pode – ou não – conhecer as referências que você está trazendo para a sua dissertação; é alguém que precisa entender o seu texto inteiro e ser convencido da ideia que você se propôs a defender, sem precisar necessariamente ter lido a proposta de redação ou ter visto o filme que você citou.

O que isso quer dizer, na prática?

Quer dizer que você precisa, necessariamente, explicar tudo que disser, sustentar todas as suas afirmações com evidências concretas e situar todas as referências externas que trouxer pro texto. Eu lá sei quem é Machado de Assis? Eu lá sei que música é essa que você usou na introdução pra apresentar o tema?

Pode ser que sim, pode ser que não. Mesmo que saiba, você precisa, necessariamente, situar a referência que você trouxe pro texto e me explicar o que está pretendendo fazer ali.

Além disso, quer dizer que você precisa usar uma linguagem adequada a “todos os públicos”. Explico: você precisa escrever de maneira clara, para que qualquer pessoa com nível médio completo consiga entender o que você está falando, mas também não pode escrever de maneira coloquial, como falaria com seus amigos no Whatsapp. Tudo bem? Combinado?

A dúvida que não quer calar: “Preciso usar palavras bonitas? Preciso impressionar o meu corretor com um monte de palavras que decorei do dicionário?”

Não, gente. O objetivo é convencer, não impressionar. Você precisa usar uma linguagem clara e adequada à norma padrão da Língua Portuguesa, mas não precisa usar um monte de palavras desconhecidas.

Usa só aquilo que você conhece, tudo bem? E explica bem direitinho pra pessoa que ler o seu texto entender também 🙂

Beijos e até semana que vem!

Você sabia que o Stoodi tem Correção de Redação? Conheça

Marina Sestito é a Coordenadora de Redação do Stoodi. Formou-se em Filosofia pela FFLCH, na USP – atualmente cursa Licenciatura na FEUSP. Trabalhou em cursinhos pré-vestibulares e hoje comanda a equipe de correção do Stoodi. ​

0 Shares:
Você pode gostar também
Passo a passo para acertar na redação
Leia mais

Passo a passo para acertar na redação

Assim como toda boa história, uma redação também deve ter começo, meio e fim. Pensar na redação do vestibular de forma estruturada contribui para a síntese das ideias e facilita a construção dos parágrafos. Para contribuir com o seu desenvolvimento, a equipe responsável pelas aulas de Português do Stoodi elaborou...