Tenha acesso completo ao Stoodi

Assine o Stoodi e prepare-se para o ENEM com nossos conteúdos exclusivos!

ENEM 2019

Menina

A máquina de costura avançava decidida sobre
o pano. Que bonita que a mãe era, com os alfinetes
na boca. Gostava de olhá-la calada, estudando seus
gestos, enquanto recortava retalhos de pano com a
tesoura. Interrompia às vezes seu trabalho, era quando
a mãe precisava da tesoura. Admirava o jeito decidido
da mãe ao cortar pano, não hesitava nunca, nem errava.
A mãe sabia tanto! Tita chamava-a de ( ) como quem diz
( ). Tentava não pensar as palavras, mas sabia que na
mesma hora da tentativa tinha-as pensado. Oh, tudo era
tão difícil. A mãe saberia o que ela queria perguntar-lhe
intensamente agora quase com fome depressa depressa
antes de morrer, tanto que não se conteve e — Mamãe,
o que é desquitada? — atirou rápida com uma voz
sem timbre. Tudo ficou suspenso, se alguém gritasse o
mundo acabava ou Deus aparecia — sentia Ana Lúcia.
Era muito forte aquele instante, forte demais para uma
menina, a mãe parada com a tesoura no ar, tudo sem
solução podendo desabar a qualquer pensamento,
a máquina avançando desgovernada sobre o vestido
de seda brilhante espalhando luz luz luz.
ÂNGELO, I. Menina. In:A face horrível. São Paulo: Lazuli, 2017.


Escrita na década de 1960, a narrativa põe em evidência uma dramaticidade centrada na

Escolha uma das alternativas.