Tenha acesso completo ao Stoodi

Assine o Stoodi e prepare-se para o ENEM com nossos conteúdos exclusivos!

Banco de Exercícios

Lista de exercícios

Quer colocar o estudo em prática? O Stoodi tem exercícios de Baixa Idade Média - Monarquias Nacionais dos maiores vestibulares do Brasil.

Estude História com esses e mais de 30000 que caíram no ENEM, Fuvest, Unicamp, UFRJ, UNESP e muitos outros vestibulares!

Gerar PDF da Página

Conteúdo exclusivo para assinantes

Assine um de nossos planos para ter acessos exclusivos e continuar estudando em busca da sua aprovação.

Ver planos

  1. 61

    UNICENTRO 2005

    “Todo o poder vem de Deus. Os governantes, pois, agem como ministros de Deus e seus representantes na terra. Conseqüentemente, o trono real não é o trono de um homem, mas o trono do próprio Deus.” (Jacques Bossuet, bispo e ideólogo do absolutismo. 1709) “(...) que seja prefixada à Constituição uma declaração de que todo o poder é originariamente concedido ao povo e, conseqüentemente, emanou do povo.” (Emenda Constitucional proposta por Madison, parlamentar francês, em 8 de junho de 1789.) Com base nos textos e nos conhecimentos sobre Absolutismo e Revolução Francesa, considere as afirmativas a seguir. I. Para o primeiro autor os indivíduos no Estado Absoluto tinham o dever de obedecer ao soberano como súditos, enquanto para o segundo, no Estado Liberal o cidadão é um ser racional, livre e capaz de escolher seus próprios governantes. II. O primeiro documento é marcado pela idéia de que somente um governo dotado de poder absoluto, derivado de Deus, poderia garantir a paz e a segurança dos indivíduos, enquanto para o segundo, o Estado de Direito, regido por uma constituição livremente estabelecida, conseguiria reger as relações entre os indivíduos. III. Para o primeiro texto, o poder absoluto apelava para regras jurídicas formais que valessem para todos; enquanto para o segundo, o soberano estava acima da lei, sendo este poder ilimitado, resultante do consentimento espontâneo dos seus súditos. IV. O primeiro documento prega um estado forte e centralizado, enquanto o segundo defende um Estado liberal e representativo. Estão corretas apenas as afirmativas:

  2. 62

    UFLA 2011

    TRECHO 1 “ (...) não é, efetivamente, uma política econômica que vise ao bem-estar social, como se diria hoje; visa ao desenvolvimento nacional a todo custo. Toda forma de estímulo é legitimada, a intervenção do Estado deve criar todas as condições de lucratividade para (...) poderem exportar excedentes ao máximo.” F. Novais. Portugal e Brasil na crise do antigo sistema colonial (1777-1808). 2 ed. São Paulo: Hucitec, 1981   TRECHO 2 “(...) a administração se fará a partir da metrópole, e a preocupação fiscal dominará todo o mecanismo administrativo. Mas a medula do sistema, seu elemento definidor, reside no monopólio do comércio colonial.” F. Novais. O Brasil nos quadros do antigo sistema colonial. In: FENELON, Dea Ribeiro. 50 textos de história do Brasil. São Paulo: Hucitec, 1974   Analise as afirmativas abaixo, coloque verdadeira (V) ou falsa (F) e assinale a alternativa que apresenta a sequência CORRETA. ( ) O trecho 1 apresenta o mercantilismo com uma política econômica que visa a assegurar o sucesso econômico dos Estados e não o bem-estar social. ( ) O trecho 2 apresenta um momento específico da história brasileira, que é o período colonial, marcado pelo exclusivismo metropolitano. ( ) O trecho 1 informa que alguns aspectos comuns ao mercantilismo estão presentes ainda hoje ao não se visar ao bem-estar social de todos. ( ) O trecho 2 apresenta que, em termos econômicos, a política metropolitana aplicada ao Brasil é a mesma que ocorreu nas Treze Colônias da América. ( ) Os trechos 1 e 2 referem-se ao mesmo momento histórico, ou seja, à formação de uma política econômica que garantisse lucratividade aos Estados Nacionais da época moderna.

  3. 63

    PUC-CAMPINAS 1999

    Sobre a importância do renascimento urbano e comercial, na fase de transição do feudalismo para o capitalismo, pode-se destacar:

  4. 64

    PUC-SP 1997

    "O trono real não é o trono de um homem, mas o trono do próprio Deus. Os reis são deuses e participam de alguma maneira da independência divina. O rei vê de mais longe e de mais alto; deve acreditar-se que ele vê melhor..."  (Jacques Bossuet.)   Essas afirmações de Bossuet referem-se ao contexto:

  5. 65

    UEAP 2010

    “A organização dos Estados Nacionais, entre os séculos XV e XVIII, foi desencadeada por diversos acontecimentos importantes, que fizeram parte do contexto histórico europeu na transição do sistema feudal para uma sociedade de ordem burguesa”.   (MOTA, Mirian B.; BRAICK, Patrícia R. História: das cavernas ao Terceiro Milênio. São Paulo: Moderna, 2002, p.122).     Leia as assertivas a seguir e, com base no texto e em seus conhecimentos sobre  o contexto histórico que tornou possível a constituição dos Estados Nacionais, marque a alternativa  correta.   I- No final da Idade Média os reis procuram concentrar o poder político em suas mãos, processo esse que se desenrolou de forma tranqüila, pois foram pontuais os  embates e guerras entre os senhores feudais e os reis. II- Com a expansão comercial e urbana a partir do século XI, surge um novo grupo social, a burguesia, que, devido a interesses opostos aos da nobreza, apóia financeiramente os reis no processo de centralização do poder. III- O renascimento comercial e urbano e a crise do feudalismo fortaleceram  a centralização do poder nas mãos dos reis, fazendo com que, aos poucos, a organização política feudal  cedesse lugar às monarquias nacionais. IV- No processo de centralização do poder, os reis se utilizaram de milícias urbanas, sem, no entanto, chegarem a criar exércitos nacionais permanentes. 

  6. 66

    UNIMONTES 2013

    O Terceiro Estado na França do século XVIII correspondia à/aos

  7. 67

    UNICAMP 2014

    À medida que as maneiras se refinam, tornam-se distintivas de uma superioridade: não é por acaso que o exemplo parece vir de cima e, logo, é retomado pelas camadas médias da sociedade, desejosas de ascender socialmente. É exibindo os gestos prestigiosos que os burgueses adquirem estatuto nobre. O ser de um homem se confunde com a sua aparência. Quem age como nobre é nobre. (Adaptado de Renato Janine Ribeiro, A Etiqueta no Antigo Regime. São Paulo: Editora Moderna, 1998, p. 12.)   O texto faz referência à prática da etiqueta na França do século XVIII. Sobre o tema, é correto afirmar que:

  8. 68

    UFMG 2003

    "Há, porém, duas maneiras de tornar-se príncipe o homem comum, as quais não podem ser inteiramente atribuídas ou à sorte ou ao merecimento, e não me parece que deva deixá-las de lado, embora de uma delas se possa mais extensamente falar no lugar em que se discorrer sobre as repúblicas. São elas: quando, por qualquer forma criminosa ou nefanda, se ascende ao principado; e quando, mediante o favor dos seus concidadãos, torna-se alguém príncipe de sua pátria."    As ideias contidas nesse trecho, influentes no processo de formação dos Estados nacionais na Europa Ocidental,  podem ser associadas a

  9. 69

    UNIOESTE 2013

    O chamado “período moderno” se caracterizou pela força de uma literatura política que evidenciava o comportamento dos reis e príncipes durante o absolutismo. Assim, pode-se afirmar que I. O pensamento político de Maquiavel conheceu amplo sucesso no século XVII, e sua obra O Príncipe, foi muito lida e debatida na época moderna. II. A história, ao longo do século XVII, produzida em grande parte pelos homens das letras, transformou-se em poderoso instrumento de propaganda do Estado monárquico. III. A teoria de um monarca ungido pelos deuses é criação moderna, sem paralelos em outras épocas da história.

  10. 70

    FGV-RJ 2017

    Soberania popular, igualdade civil, igualdade perante a lei – as palavras hoje são ditas com tanta facilidade que somos incapazes de imaginar seu caráter explosivo em 1789. Não conseguimos nos imaginar num mundo mental como o do Antigo Regime... DARNTON, Robert. O beijo de Lamourette. Mídia, cultura e revolução. Trad., São Paulo: Companhia das Letras, 2010, p. 30.   As sociedades europeias do chamado Antigo Regime baseavam-se

  11. 71

    FUVEST

    No processo de formação dos Estados Nacionais da França e da Inglaterra podem ser identificados os seguintes aspectos:

  12. 72

    UFLA 2011

    Nicolau Maquiavel (1469-1527) nasceu em Florença, Itália, e escreveu “O Príncipe”, obra dedicada a um governante da família dos Médicis. Sobre Maquiavel e sua obra, é correto afirmar, EXCETO:

  13. 73

    PUC-PR 2005

    Um dos teóricos defensores do Absolutismo real escreveu: "...Já o disse, sois deuses, isto é, tendes em vossa autoridade, trazeis em vossa fronte, um caráter divino... Entretanto, ó deuses de carne e sangue, ó deuses de lodo e pó, morreis como homens... A grandeza separa os homens por breve tempo; uma queda comum, no fim, a todos iguala...". O texto acima consta da obra:

  14. 74

    FCMS-JF 2017

    A estrutura social da França no Antigo Regime, marcada por: 

  15. 75

    UNCISAL 2013

    O intenso fluxo de metais preciosos da América para a Europa ocasionou um fenômeno denominado de Revolução dos Preços. Isso ocorreu por causa do aumento na cunhagem de moedas de prata, provocando sua desvalorização, ou seja, a perda de seu poder aquisitivo. Podemos dizer que havia muitas pessoas com dinheiro e poucas mercadorias à venda, principalmente no caso dos alimentos. Sobre a América e Europa no século XVII, é correto afirmar:

  16. 76

    FCMS-JF 2017

    Leia o texto abaixo: “É praticamente impossível treinar todos os súditos de um [Estado] nas artes da guerra e ao mesmo tempo mantê-los obedientes às leis e aos magistrados.” (Jean Bodin, teórico do absolutismo, em 1578). A afirmativa abaixo se justifica devido:  

  17. 77

    UFLA 2012

    Com relação ao mercantilismo, assinale a alternativa CORRETA.

  18. 78

    UFMG

    "Em 1726, o comerciante Francisco da Cruz contou, em uma carta, que estava para fazer uma viagem à vila de Pitangui, onde os paulistas tinham acabado de se revoltar contra a ordem do rei. Temeroso de enfrentar os perigos que cercavam a jornada, escreveu ao grande comerciante português de quem era apenas um representante em Minas Gerais, chamado Francisco Pinheiro, e que, devido a sua importância e riqueza, freqüentava, no Reino, a corte do rei Dom João V. Pedia, nessa carta, que, por Francisco Pinheiro estar mais junto aos céus, servisse de seu intermediário e lhe fizesse o favor de “me encomendar a Deus e à Sua Mãe Santíssima, para que me livrem destes perigos e de outros semelhantes”".   Com base nas informações desse texto, é possível concluir-se que a iniciativa de Francisco da Cruz revela um conjunto de atitudes típicas da época moderna. É CORRETO afirmar que essas atitudes podem ser explicitadas a partir da teoria estabelecida por:

  19. 79

    UFMG 1997

    Todas as alternativas apresentam fatores que caracterizaram os Estados Nacionais formados a partir do século XV, EXCETO:

  20. 80

    PUC-RJ 1998

    No que se refere às singularidades da sociedade francesa do chamado Antigo Regime, são corretas as afirmações abaixo, com EXCEÇÃO de:

  21. 81

    UFPEL 2007

    "Daqui nasce um dilema: é melhor ser amado do que temido, ou o inverso? Respondo que seria preferível ambas as coisas, mas, como é muito difícil conciliá-las, parece-me muito mais seguro ser temido do que amado, se só se puder ser uma delas. [...] Os homens hesitam menos em prejudicar um homem que se torna amado do que outro que se torna temido, pois o amor mantém-se por um laço de obrigações que, em virtude de os homens serem maus, quebra-se quando surge ocasião de melhor proveito. Mas o medo mantém-se por um temor do castigo que nunca nos abandona. Contudo, o príncipe deve-se fazer temer de tal modo que, se não conseguir a amizade, possa pelo menos fugir à inimizade, visto haver a possibilidade de ser temido e não ser odiado, ao mesmo tempo." MAQUIAVEL, Nicolau (1469-1527). "O Príncipe". Lisboa: Europa-América, 1976. O documento embasa

  22. 82

    UNIMONTES 2015

    Acerca do mercantilismo, assinale C para as afirmativas CORRETAS e I para as INCORRETAS. ( ) Dentro da concepção metalista, de modo geral, a posse de ouro e prata era o índice de riqueza e poder de uma nação. ( ) Os países podiam aumentar suas reservas de ouro dedicando-se ao comércio exterior, vendendo aos outros países mais do que comprando deles. ( ) Como o objetivo das nações era a acumulação metálica, os governos baixavam leis incentivando a saída e a entrada de ouro e prata. A sequência CORRETA é:

  23. 83

    FGV-RJ 2015

    Da mesma forma que a Terra Santa, ainda que com identidade menor, a Península Ibérica possibilitava a reunião das ideias de paz (luta no exterior da Cristandade), de Guerra Santa (engrandecimento da Igreja em terra anteriormente cristã) e de peregrinação (corpo santo apostólico em Santiago de Compostela). A Reconquista revelou-se especialmente atraente, o que é significativo, para o centro-sul francês (...) cujos cavaleiros foram os mais constantes participantes ultramontanos da luta antimoura na Península. FRANCO JÚNIOR, Hilário. Peregrinos, monges e guerreiros. Feudo-clericalismo e religiosidade em Castela Medieval. São Paulo: Hucitec, 1990, p. 161.   Sobre a Reconquista Ibérica, é correto afirmar que se trata de

  24. 84

    UNIMONTES 2015

    No contexto da transição do Feudalismo para o Capitalismo, os Estados Nacionais empreenderam políticas econômicas para garantirem a acumulação primitiva de capital. NÃO fizeram parte desse processo:

  25. 85

    UNESP 2017

    Deveis saber, portanto, que existem duas formas de se combater: uma, pelas leis, outra, pela força. A primeira é própria do homem; a segunda, dos animais. Como, porém, muitas vezes a primeira não seja suficiente, é preciso recorrer à segunda. Ao príncipe torna-se necessário, porém, saber empregar convenientemente o animal e o homem. [...] Nas ações de todos os homens, máxime dos príncipes, onde não há tribunal para que recorrer, o que importa é o êxito bom ou mau. Procure, pois, um príncipe, vencer e conservar o Estado. Nicolau Maquiavel. O príncipe, 1983. O texto, escrito por volta de 1513, em pleno período do Renascimento italiano, orienta o governante a

  26. 86

    UFJF 2014

    Leia o seguinte texto:   O mercantilismo envolve um conjunto de práticas e teorias econômicas desenvolvidas ao longo da Idade Moderna. Nesse contexto histórico, observamos a relevante associação entre os Estados nacionais, que buscavam meios de fortalecer seu poder político, e a classe burguesa, que era responsável pelo empreendimento das atividades comerciais. Essa experiência de longo prazo teve grande importância para a acumulação primitiva de capitais. Disponível em: . Acesso em: 28 ago. 2014.   Sobre o mercantilismo, assinale a alternativa INCORRETA.

  27. 87

    UNEMAT 2006

    Assinale a alternativa que define “Absolutismo”-sistema político típico da Idade Moderna.

  28. 88

    PUC-CAMPINAS 2015

    O ser senhor de engenho é título a que muitos aspiram, porque traz consigo o ser servido, obedecido e respeitado por muitos. E se for, qual deve ser, homem de cabedal e governo, bem se pode estimar no Brasil o ser senhor de engenho, quanto proporcionalmente se estimam os títulos entre os fidalgos do Reino (...)   Os escravos são as mãos e os pés do senhor de engenho, porque sem eles no Brasil não é possível fazer, conservar nem aumentar fazenda, nem ter engenho corrente. (ANTONIL, André João. Cultura e opulência do Brasil por suas drogas e minas)     O Reino mencionado no texto conheceu um período de subordinação política à Espanha que se estendeu por décadas. Essa fase,

  29. 89

    UNIMONTES 2009

    Acerca das práticas mercantilistas na América Portuguesa, é INCORRETO afirmar que

  30. 90

    UFU 2001

    Sobre o processo histórico de constituição dos Estados nacionais modernos na Europa, a partir de fins do século XIV, é correto afirmar que

Gerar PDF da Página

Conteúdo exclusivo para assinantes

Assine um de nossos planos para ter acessos exclusivos e continuar estudando em busca da sua aprovação.

Ver planos