Exercícios de Independência da América Espanhola

Voltar para exercícios de História

Quer colocar o estudo em prática? O Stoodi tem exercícios de Independência da América Espanhola dos maiores vestibulares do Brasil.

Estude História com esses e mais de 12000 que caíram no ENEM, Fuvest, Unicamp, UFRJ, UNESP e muitos outros vestibulares!

Gerar PDF da Página
  1. 1. UNESP 2014
    Sobre as lutas pela independência na América Hispânica, é correto afirmar que 
  2. 2. ACAFE 2014
    Sobre o processo de descolonização da América espanhola e o seu contexto, analise as afirmações a seguir. I. Com a liderança dos chapetones, os cabildos declararam sua autonomia em relação à Espanha. II. O contexto das guerras napoleônicas contribuiu para a revolta criolla contra a metrópole. III. A independência dos Estados Unidos da América estimulou os movimentos emancipatórios da América espanhola, influenciados pela ideologia iluminista. lV. Influenciado pelo movimento de independência de 1822 no Brasil, os países emergentes da América espanhola, em sua maioria, adotaram a monarquia hereditária. V. A Santa Aliança, com a liderança da Espanha, enviou navios de combate numa tentativa de impedir os movimentos de emancipação na bacia do Rio da Prata. Todas as afirmações corretas estão em: 
  3. 3. UNESP 2013
    Leia. É uma ideia grandiosa pretender formar de todo o Novo Mundo uma única nação com um único vínculo que ligue as partes entre si e com o todo. Já que tem uma só origem, uma só língua, mesmos costumes e uma só religião, deveria, por conseguinte, ter um só governo que confederasse os diferentes Estados que haverão de se formar; mas tal não é possível, porque climas remotos, situações diversas, interesses opostos e caracteres dessemelhantes dividem a América. (Simón Bolívar. Carta da Jamaica [06.09.1815]. Simón Bolívar: política, 1983.) O texto foi escrito durante as lutas de independência na América Hispânica. Podemos dizer que, 
  4. 4. UFRGS 2015
    Leia o segmento abaixo. Nenhum dos grupos em disputa pelo poder pretendia modificar a estrutura econômica e social herdada da colônia. Assim, os novos países permaneceram predominantemente agrários, com base no latifúndio; mantiveram as relações produtivas pré-capitalistas, inclusive com o crescimento do trabalho compulsório (servil, semisservil e escravo). WASSERMAN, Claudia. História Contemporânea da América Latina, 1900-1930. Porto Alegre: Editora da Universidade, 1992. p. 9-10. O segmento faz referência a um contexto histórico da América Latina. Assinale a alternativa que representa esse contexto. 
  5. 5. UNESP 2015
    Era o fim. O general Simón José Antonio de La Santísima Trinidad Bolívar y Palacios ia embora para sempre. Tinha arrebatado ao domínio espanhol um império cinco vezes mais vasto que as Europas, tinha comandado vinte anos de guerras para mantê-lo livre e unido, e o tinha governado com pulso firme até a semana anterior, mas na hora da partida não levava sequer o consolo de acreditarem nele. O único que teve bastante lucidez para saber que na realidade ia embora, e para onde ia, foi o diplomata inglês, que escreveu num relatório oficial a seu governo: “O tempo que lhe resta mal dá para chegar ao túmulo.” MÁRQUEZ, Gabriel García. O general em seu labirinto, 1989. O perfil de Simón Bolívar, apresentado no texto, acentua alguns de seus principais feitos, mas deve ser relativizado, uma vez que Bolívar 
  6. 6. UEL 2009
    Baseado nos conhecimentos sobre a formação dos Estados Nacionais americanos, assinale a alternativa correta: 
  7. 7. UFRGS 1996
    Que elementos caracterizam a formação histórica dos Estados latino-americanos? 
  8. 8. FGV-RJ 2010
    A primeira tentativa de emancipação das antigas colônias espanholas na América foi liderada pelo padre Miguel Hidalgo em 1810. Tal movimentação acabou também combatida por grande parte das elites criollas do Vice-reino da Nova Espanha (México e Guatemala) porque: 
  9. 9. UFMG 1997
    Todas as alternativas apresentam características do caudilhismo, EXCETO 
  10. 10. UECE 2016
    O Congresso Nacional de Lima, a capital do Peru, situa-se na Praça Bolívar. A principal praça de Bogotá, capital da Colômbia, tem o mesmo nome: Praça Bolívar. A Bolívia recebeu este nome para homenagear Simon Bolívar. Sobre Simón Bolívar, pode-se afirmar corretamente que  
  11. 11. ENEM PPL 2009
    A liderança política do processo de independência das colônias foi decisiva para os rumos que as novas nações tomaram, pois as elites evitaram que as reivindicações mais radicais fossem atendidas, marginalizando, assim, política e socialmente, a maioria. A ruptura dos laços coloniais não significou o surgimento de uma sociedade democrática e autônoma.   A respeito da formação do Estado Nacional na América Latina, é correto associar ao texto acima
  12. 12. UFPR 2009
    Vários movimentos contrários à opressão colonial ocorreram nas Américas, sobretudo no século XIX, visando à independência em relação às metrópoles. Sobre esses movimentos, é correto afirmar:
  13. 13. PUC-SP 2015
    O caudilhismo foi um fenômeno político presente em parte da América Hispânica, no decorrer do século XIX. É possível relacioná-lo com
  14. 14. MACKENZIE 2015
    “A especificidade do Brasil, que se manteve como única monarquia em meio às repúblicas criadas pela independência nas Américas, indica as trajetórias diversas seguidas pelas colônias em sua transição para Estados independentes. Elas indubitavelmente compartilham de algumas características comuns importantes que as vinculam em um processo que varreu o mundo atlântico (...)”   Assinale a alternativa que NÃO contém uma das “características comuns” citadas no texto.
  15. 15. UNESP 2012
    O caudilhismo é um fenômeno político hispano-americano do século XIX, que se associa
  16. 16. UNICAMP 2016
    As revoluções de independência na América hispânica foram, ao mesmo tempo, um conflito militar, um processo de mudança política e uma rebelião popular.   (Rafael Rojas, Las repúblicas de aire. Buenos Aires: Taurus, 2010, p. 11.)     São características dos processos de independência nas ex-colônias espanholas na América:  
  17. 17. UEFS 2015
    O programa de Morelos (México, 1813) Que a América seja independente da Espanha e de toda outra Nação, Governo ou Monarquia. Que a Religião Católica seja a única, sem tolerância de outra. Que a soberania emane imediatamente do Povo, que só admite depositá-la em seus representantes, dividindo-se os poderes em Legislativo, Executivo e Judiciário [...] Que as leis gerais compreendam a todos, sem exceção de corpos privilegiados. Que a escravidão seja proscrita para sempre, e o mesmo para a distinção de castas, ficando todos iguais. VAINFAS, 2010, p. 63.   A análise do texto e os conhecimentos sobre a independência das colônias espanholas da América permitem estabelecer como uma das diferenças entre a proposta do México e o que foi firmado no Brasil
  18. 18. UNCISAL 2016
    Muitos são os fatores que tornam a Revolução do Haiti um acontecimento único; a ex-colônia francesa foi uma das primeiras a realizar a independência diante da metrópole, utilizando-se, inclusive, das ideias de libertação da própria França, sua colonizadora, além disso, a Revolução foi levada a cabo por escravos, quando que na maior parte das colônias europeias na América Latina o processo de independência fora encabeçado por membros de uma elite crioula e, embora tenha havido participação popular, esta foi muito diminuta.  SOARES, Ana Loryn; SILVA, Elton Batista da. A revolução do Haiti: um estudo de caso (1791-1804). Ameríndia, v.1, 2006, p.4. Disponível em: . Acesso em: 05 nov. 2015.    A luta pela conquista da independência política do Haiti se tornou singular, pois Liberdade, para eles, implicava
  19. 19. UNEMAT 2009
    Nas primeiras três décadas do século XIX, a independência da maior parte das ex-colônias espanholas estava consolidada.   Sobre este processo é correto afirmar .
  20. 20. UNEMAT 2014
    A Revolução Francesa foi, de fato, um conjunto de acontecimentos suficientemente poderoso e universal em seu impacto para ter transformado o mundo permanentemente [...] Metade dos sistemas legais do mundo está baseado na codificação legal que a Revolução implantou [...] A Revolução Francesa deu aos povos a noção de que a história pode ser mudada por sua ação. Deu-lhes também o que até hoje permanece como a mais poderosa divisa jamais formulada para política da democracia e das pessoas comuns que ela inaugurou: “liberdade, igualdade, fraternidade” (HOBSBAWM, Eric. Ecos da Marselhesa. São Paulo: Companhia das Letras, 1996. p. 124-125).   Qual país latino-americano teve sua independência influenciada pela Revolução Francesa?
  21. 21. UEG 2005
    Fosse pela superioridade da tecnologia militar, a imposição do catolicismo como religião oficial aos povos indígenas americanos ou a desarticulação de sua base alimentar, a conquista da América pela Coroa espanhola tinha como objetivo, primordialmente, a exploração das minas de metais preciosos através da submissão das populações locais. Essa dominação durou até o início do século XIX, quando o processo de independência da América Latina fez brotar uma série de repúblicas dominadas pelo caudilhismo e pela dependência econômica europeia. A partir das questões acima levantadas é CORRETO afirmar:   I. O processo de colonização da América está inserido no quadro da economia mercantilista que tinha como primado a balança comercial favorável, o metalismo e o protecionismo econômico. II. A procura de novas rotas comerciais para o Oriente, o avanço tecnológico, a concorrência comercial entre os reinos ibéricos, a qual resultou nas grandes descobertas marítimas, estão na origem do processo de colonização da América. III. No processo de independência da América Latina, foi decisiva a ação, contra a metrópole, da elite criolla, representada pelas figuras de Simon Bolívar e San Martín. IV. No decorrer do seu processo de independência, a América Latina formou uma confederação entre os vice reinados, ensejando a criação de um sentimento de unidade política que conduziu o movimento emancipador sob os auspícios da Inglaterra.   Marque a alternativa CORRETA:
  22. 22. UNIMONTES 2011
    Leia o parágrafo abaixo. “O caudilhismo representou, em certos casos, a defesa das estruturas socioeconômicas tradicionais, como também o artesanato e a indústria incipiente, contra as elites burguesas que atuavam na exportação de matérias-primas, constituindo a típica burguesia compradora.” (OLIVIERI, Mabel. In: BOBBIO, Norberto. Dicionário de política. Brasília: Universidade de Brasília, 1993, p. 157.) Pode-se considerar que os caudilhos foram
  23. 23. UEL 2008
    A emancipação das colônias hispano-americanas, liderada pelos grandes senhores de terras e pela burguesia criolla, encontrou apoio nos setores médios e populares, os quais, em alguns momentos, chegaram a ameaçar a estrutura de dominação de classe imposta pelo regime colonial. Entretanto, com exceção dos Estados Unidos, que implantaram um regime liberal burguês, no restante da América a independência revelou-se um fato político. Realizada a autonomia, rompidos os vínculos com as metrópoles, as classes dominantes das antigas colônias tomaram o poder e constituíram Estados Nacionais que mantiveram afastada das decisões políticas a massa da população trabalhadora (majoritariamente indígena, camponesa ou não). A estrutura colonial não sofreu qualquer alteração de peso. A Inglaterra abriu mais ainda a sua porta no continente, assegurando-se de mercados consumidores e de matérias-primas; a propriedade territorial continuou nas mesmas mãos, a despeito de algumas tentativas de líderes liberais das Guerras de Independência; a população camponesa permaneceu sob a exploração e o domínio dos seus antigos senhores. (AQUINO, R. S. L. de; LEMOS, N. J. F.; LOPES, O. G. P. C. História das sociedades americanas. Rio de Janeiro: Record, 2000. p. 165-166.) De acordo com o texto, é correto afirmar:  
  24. 24. UNICENTRO 2007
    Haveis lido as notícias de Boston? Parece soar o toque de alarma na América. Imagino o futuro desse país e creio que uma vintena de impérios e repúblicas se formam naquele continente, que se torna demasiado poderoso para permanecer sujeito às nações semi-esgotadas da Europa. (Aquino, 1990, p. 116).   A análise do texto e os conhecimentos sobre o assunto permitem afirmar: I. O texto se refere à crise do sistema colonial na América de colonização ibérica, anglo-saxônica e francesa. II. O autor incentiva as nações colonialistas europeias a resistirem contra as rebeliões anticoloniais da América. III. O clima de inquietação denunciado pelo autor resulta, entre outros fatores, da penetração do pensamento iluminista nas áreas coloniais. IV. O autor se equivocou na previsão sobre o fracionamento político e territorial do continente americano, após os movimentos de independência. V. O arrocho colonial de Portugal sobre o Brasil impedia a penetração de ideias de rebeldia contra a Metrópole.
  25. 25. UNIMONTES 2012
    Sobre o processo de independência das colônias ibéricas na América, é INCORRETO afirmar que
  26. 26. UFG 2009
    No processo de independência política das colônias hispanoamericanas, no início do século XIX, verificou-se o agravamento de uma tensão entre a Coroa Espanhola e a elite criolla, que não está circunscrita ao processo revolucionário. Essa tensão consiste
  27. 27. UFG 2007
    O processo de emancipação das colônias espanholas na América, no início do século XIX, foi marcado por lutas prolongadas contra a Coroa. As independências na América do Sul espanhola foram uma decorrência da
  28. 28. UEL 2010
    Leia o texto a seguir: Em função da causa emancipatória [na América] acionou-se a ideologia liberal importada da Europa. No Velho Mundo, tal ideologia tivera o objetivo de promover a ascensão política da burguesia e extirpar os obstáculos mercantilistas à expansão do projeto capitalista. No Novo Mundo, ela foi também usada para extirpar obstáculos mercantilistas mas não para levar uma nova classe ao poder, e sim para consolidar, pelo contrário, a que já era tradicionalmente dominante e garantir-lhes os cargos de mando em lugar dos administradores metropolitanos que representavam o velho regime, já em franca decadência. [...] Uma vez completadas as guerras de independência, as elites locais assumiram o poder político como herdeiras da autoridade colonial e não como instrumentos de transformação. (LOPEZ, L. R. História da América Latina. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1989., p.71.) Sobre a crise do sistema colonial e a formação dos Estados Nacionais nas Américas anglo-hispânica e portu- guesa, é correto afirmar: I. A crise do sistema colonial português teve início no século XVII quando propostas de cunho liberal defen- diam o republicanismo como sistema político, e o fim da escravidão negra como base da economia. II. O pacto colonial – política mercantilista que definia que as colônias só poderiam comercializar com a metrópole – constituiu-se em um dos motivos que levaram a elite americana a empreender as emancipações na América espanhola. III. Na América hispânica, as revoltas políticas pela emancipação das colônias foram promovidas por camponeses e indígenas, alcançando a redistribuição das terras, liberdade e também igualdade. IV. A independência da colônia portuguesa – o Brasil – deu-se de forma menos conturbada, sem lutas, dife- rente do ocorrido nas colônias espanholas. Tal característica é perceptível pela manutenção do sistema monárquico. Assinale a alternativa correta.
  29. 29. UFU 1998
    Sobre o Pan-Americanismo do século XIX, é correto afirmar que
  30. 30. UFU 1999
    Assinale a alternativa que contempla as características da maioria dos países da América Latina, durante a primeira metade do século XIX.
Gerar PDF da Página
Conta de email não verificada

Não foi possível realizar o seu cadastro com a sua conta do Facebook pois o seu email não está confirmado no Facebook.

Clique aqui para ver como confirmar sua conta de email no Facebook ou complete seu cadastro por aqui.

Entendi
Clicando em "Criar perfil", você aceita os termos de uso do Stoodi.