Tenha acesso completo ao Stoodi

Assine o Stoodi e prepare-se para o ENEM com nossos conteúdos exclusivos!

Banco de Exercícios

Lista de exercícios

Quer colocar o estudo em prática? O Stoodi tem exercícios de Independência do Brasil dos maiores vestibulares do Brasil.

Estude História com esses e mais de 30000 que caíram no ENEM, Fuvest, Unicamp, UFRJ, UNESP e muitos outros vestibulares!

Gerar PDF da Página

Conteúdo exclusivo para assinantes

Assine um de nossos planos para ter acessos exclusivos e continuar estudando em busca da sua aprovação.

Ver planos

  1. 1

    ENEM 2013

    As imagens, que retratam D. Pedro I e D. Pedro II, procuram transmitir determinadas representações políticas acerca dos dois monarcas e seus contextos de atuação. A ideia que cada imagem evoca é, respectivamente:

  2. 2

    UFPB 2012

    A pintura é uma manifestação artística que pode ser utilizada como fonte histórica, reforçando uma versão da história. Nesse sentido, observe o quadro do pintor paraibano Pedro Américo: No campo da historiografia, essa imagem:

  3. 3

    ENEM 2014

    A transferência da corte trouxe para a América portuguesa a família real e o governo da Metrópole. Trouxe também, e sobretudo, boa parte do aparato administrativo português. Personalidades diversas e funcionários régios continuaram embarcando para o Brasil atrás da corte, dos seus empregos e dos seus parentes após o ano de 1808. NOVAIS, F. A.; ALENCASTRO, L. F. (Org.). História da vida privada no Brasil. São Paulo: Cia. das Letras, 1997. Os fatos apresentados se relacionam ao processo de independência da América portuguesa por terem:

  4. 4

    UFLA 2008

    No processo de independência do Brasil, o grupo de Gonçalves Ledo, mais radical, formava o "Grande Oriente"; já o grupo de Bonifácio Andrada, mais conservador, fazia parte do "Apostolado". Grande Oriente e Apostolado eram nomes dos grupos que marcaram profundamente a emancipação política do país. Tais grupos eram ligados

  5. 5

    PUC-MG 2004

    Sobre a independência do Brasil, é INCORRETO afirmar que:

  6. 6

    UFSCAR 2002

    Fui a terra fazer compras (...). Há muitas coisas inglesas, tais como seleiros e armazéns, não diferentes do que chamamos na Inglaterra um armazém italiano, de secos e molhados, mas, em geral, os ingleses aqui vendem suas mercadorias em grosso a retalhistas nativos ou franceses. Quanto aos alfaiates, penso que há mais ingleses do que franceses, mas poucos de uns e outros. Há padarias de ambas as nações e abundantes tavernas inglesas, cujas insígnias com a bandeira da União, leões vermelhos, marinheiros alegres e tabuletas inglesas, competem com as de Greenwich ou Deptford. O cotidiano descrito no texto de Maria Graham, em sua visita ao Rio de Janeiro em 1822, era consequência

  7. 7

    UFC 2003

    A respeito da Independência do Brasil é correto afirmar que:

  8. 8

    G1 - CFTPR 2006

    Considerando a permanência da Família Real no Brasil entre 1808 e 1821, é correto afirmar, em relação ao processo de Independência do Brasil e à formação do Estado Nacional, que: I) as elites econômicas e políticas pretendiam, mais que a emancipação política da metrópole portuguesa, a extinção do sistema escravista brasileiro. II) foi o resultado de um arranjo político que perpetuou a monarquia, assim como os antigos privilégios dos latifundiários escravocratas. III) as elites brasileiras, sobretudo do Nordeste, e próprio príncipe regente, buscaram o apoio das camadas médias urbanas e das camadas pobres rurais para legitimar a emancipação política de Portugal. Analise as proposições anteriores e assinale: 

  9. 9

    PUC-MG 2006

    O reconhecimento da nossa independência política enfrentou sérias dificuldades nas negociações entre Brasil e Portugal, as quais só conseguiram ser sanadas com apoio da Inglaterra, que exigiu em troca:

  10. 10

    UPF 2012

    Em setembro de 1822, o príncipe regente Dom Pedro proclamou a separação do Brasil em relação ao reino de Portugal. Sobre a independência do Brasil é correto afirmar

  11. 11

    PUC-MG 2007

    "Em janeiro de 1822, D. Pedro I, ao dizer que ficava, definiu seu destino e do país que adotara como pátria. E foi, nessa fase, O MAIS APAIXONADO DOS BRASILEIROS, O MAIS AGRESSIVO DOS JACOBINOS, O MAIS FURIOSO ANTILUSITANO"  (Isabel Lustosa. “D. Pedro I'. Cia das Letras, 2006.) Essas características podem ser relacionadas:

  12. 12

    UNIFESP 2008

    Os membros da loja maçônica fundada por José Bonifácio em 2 dejunho de 1822 (e que no dizer de Frei Caneca não passava de um "clube de aristocratas servis") juraram "procurar a integridade e independência e felicidade do Brasil como Imperio constitucional, opondo-se tanto ao depotismo que o altera quanto a anarquia que o dissolve". Na visão de Jose Bonifácio e dos membros da referida loja maçônica, o despotismo e a anarquia eram encarnados, respectivamente,

  13. 13

    MACKENZIE 2018

    “(...). Conquistar a emancipação definitiva e real da nação, ampliar o significado dos princípios constitucionais foi tarefa delegada aos pósteres”. COSTA, Emília Viotti da. Da monarquia à república: momentos decisivos. São Paulo; Livraria Editora Ciências Humanas, 1979. P.50. A análise acima, da historiadora Emília Viotti da Costa, refere-se à proclamação da independência do Brasil, em 7 de setembro de 1822. A análise da autora, a respeito do fato histórico, aponta que

  14. 14

    ENEM 2019

    Entre os combatentes estava a mais famosa heroína da Independência. Nascida em Feira de Santana, filha de lavradores pobres, Maria Quitéria de Jesus tinha trinta anos quando a Bahia começou a pegar em armas contra os portugueses. Apesar da proibição de mulheres nos batalhões de voluntários, decidiu se alistar às escondidas. Cortou os cabelos, amarrou os seios, vestiu-se de homem e incorporou-se às fileiras brasileiras com o nome de Soldado Medeiros. GOMES, L. 1822. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2010. No processo de Independência do Brasil, o caso mencionado é emblemático porque evidencia a

  15. 15

    ENEM 2011

    No clima das ideias que se seguiram à revolta de São Domingos, o descobrimento de planos para um levante armado dos artífices mulatos na Bahia, no ano de 1798, teve impacto muito especial; esses planos demonstravam aquilo que os brancos conscientes tinham já começado a compreender: as ideias de igualdade social estavam a propagar-se numa sociedade em que só um terço da população era de brancos e iriam inevitavelmente ser interpretados em termos raciais. MAXWELL, K. Condicionalismos da Independência do Brasil. In: SILVA, M. N. (coord.) O Império luso-brasileiro, 1750-1822. Lisboa: Estampa, 1966. O temor do radicalismo da luta negra no Haiti e das propostas das lideranças populares da Conjuração Baiana (1798) levaram setores da elite colonial brasileira a novas posturas diante das reivindicações populares. No período da Independência, parte da elite participou  ativamente do processo, no intuito de 

  16. 16

    UFSJ 2005

    “Os Povos começaram a inquietar-se e os Cidadãos, que pensam, a estremecer de horror, achando que o Gênio do mal, semeando discórdias, e intrigas entre Irmãos e Amigos, ameaçava a todos com os espantosos males, que costuma a preparar a anarquia. Já ao longe fuzilara o raio precursor, e um momento mais de demora, decidiria para sempre da sorte do Brasil, quando Vossa Alteza Real prevendo a horríssona tempestade, e acautelando seus tremendos efeitos, soube qual destro Nauta, desviar a Nau do Estado dos escolhos, em que estava a pique de naufragar. E de que modo, Senhor, a salvou Vossa Alteza Real! Elevando o Brasil à Dignidade de uma Nação livre, concedendo-lhe o beneficio de uma Constituição justa, própria, e adequada as suas circunstâncias, e relações, e Mandando convocar desde já uma Assembléia Geral de Deputados para exercerem a Soberania, que essencialmente reside em a Nação.” (Câmara Municipal da Vila de São João del Rei, 30 de junho de 1822.) A liderança de D. Pedro na Independência do Brasil e adoção da monarquia deveu-se

  17. 17

    ENEM - 3 APLICACAO 2016

    É hoje a nossa festa nacional. O Brasil inteiro, da capital do Império a mais remota e insignificante de suas aldeolas, congrega-se unânime para comemorar o dia que o tirou dentre as nações dependentes para colocá-Io entre as nações soberanas, e entregou-lhe os seus destinos, que até então haviam ficado a cargo de um povo estranho. Gazeta de Notícias, 7 set. 1883. As festividades em torno da Independência do Brasil marcam o nosso calendário desde os anos imediatamente posteriores ao 7 de setembro de 1822. Essa comemoração está diretamente relacionada com

  18. 18

    UNB 2011

    Acerca das convulsões políticas que marcaram o século XIX, assinale a opção correta.

  19. 19

    FAAP

    Nas lutas conhecidas como Guerras da Independência e no reconhecimento externo da Independência, o Brasil foi auxiliado pelo(a):

  20. 20

    CEFET-RJ 2009

    - “Liberdade!, Liberdade!/Abre as asas sobre nós/E que a voz da igualdade/Seja sempre a nossa voz.” (GRES Imperatriz Leopoldinense – 1989)   Os versos deste conhecido samba-enredo fazem referência a alguns princípios extremamente caros aos pensadores iluministas franceses do século XVIII: “Liberdade” e “Igualdade”, que também estiveram presentes nas lutas pela independência do Brasil. Em 1822, quando esta independência se concretizou, a idéia de “Liberdade” se referia principalmente à defesa  

  21. 21

    UNEMAT 2010

    Em 1822, o Brasil se tornou uma nação independente. Fatores diversos contribuíram para a ruptura definitiva entre colônia e metrópole.   Analise as alternativas e assinale a que trata corretamente o tema.

  22. 22

    ENEM 2007

    Após a Independência, integramo-nos como exportadores de produtos primários à divisão internacional do trabalho, estruturada ao redor da Grã-Bretanha. O Brasil especializou-se na produção, com braço escravo importado da África, de plantas tropicais para a Europa e a América do Norte. Isso atrasou o desenvolvimento de nossa economia por pelo menos uns oitenta anos. Éramos um país essencialmente agrícola e tecnicamente atrasado por depender de produtores cativos. Não se poderia confiar a trabalhadores forçados outros instrumentos de produção que os mais toscos e baratos. O atraso   econômico forçou o Brasil a se voltar para fora. Era do exterior que vinham os bens de consumo que fundamentavam um padrão de vida “civilizado”, marca que distinguia as classes cultas e “naturalmente” dominantes do povaréu primitivo e miserável. (...) E de fora vinham também os capitais que permitiam iniciar a construção de uma infraestrutura de serviços urbanos, de energia, transportes e comunicações.  Paul Singer. Evolução da economia e vinculação internacional. In: I. Sachs; J. Willheim; P. S. Pinheiro (Orgs.). Brasil: um século de transformações. São Paulo: Cia. das Letras, 2001, p. 80. Levando-se em consideração as afirmações acima, relativas à estrutura econômica do Brasil por ocasião da independência política (1822), é possível inferir que o país

  23. 23

    ENEM 2009

    No tempo da independência do Brasil, circulavam nas classes populares do Recife trovas que faziam alusão à revolta escrava do Haiti: "Marinheiros e caiados Todos devem se acabar, Porque só pardos e pretos O país hão de habitar." AMARAL, F. P. do. Apud CARVALHO, A. Estudos pernambucanos.  Recife: Cultura Acadêmica, 1907.   O período da independência do Brasil registra conflitos raciais, como se depreende

  24. 24

    UEMA 2014

    Quem desconhece ser mais interessante para as províncias do Norte do Cabo de São Roque obedecer antes a Portugal que ao Rio de Janeiro? [...] Haverá, porventura, alguém tão louco que troque o certo, pelo duvidoso? Acaso não temos nós já os nossos direitos declarados, a nossa propriedade garantida, e o que é mais apreciável, os nossos nomes de homens livres inscritos, nas bases da constituição que abraçamos e juramos? Fonte: JORNAL O CONCILIADOR. [s.n.], n. 88, 15 mai. 1822.   Publicadas em um jornal de grande circulação na cidade de São Luís-MA, essas palavras expressam o repúdio de algumas províncias do Norte da América portuguesa à possibilidade de

  25. 25

    PUC-SP 2016

    “Em 1822, a América espanhola, de independência conquistada em oposição a uma metrópole e suas Cortes em muitos aspectos tidas por opressoras, agora plenamente reconhecida por uma potência de primeira grandeza como eram os Estados Unidos, ofereceria um modelo para a independência do Brasil.” João Paulo Pimenta. A independência do Brasil e a experiência hispano-americana (1808-1822). São Paulo: Hucitec, 2015, p. 448.     O caráter exemplar que a independência da América espanhola representou, segundo o texto, para aqueles que lutavam pela independência do Brasil pode ser identificado, por exemplo, na

  26. 26

    UFLA 2011

    Os acontecimentos abaixo se relacionam com a crise do sistema colonial no Brasil e possibilitaram o processo de Independência , EXCETO:

  27. 27

    PUC-RS 2014

    Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822). I. O movimento intelectual chamado de Iluminismo teve grande influência na crise do Antigo Sistema Colonial, pois, além de criticar as bases do Antigo Regime, como o absolutismo monárquico e os privilégios da nobreza, condenava também o sistema colonial e o monopólio comercial. II. Os conflitos na Europa decorrentes da expansão do império napoleônico estiveram na base desse processo, na medida em que Napoleão, tentando bloquear o acesso da Inglaterra ao mercado colonial ibérico, invadiu Espanha e Portugal, precipitando, assim, o processo de independência da América. III. A vinda da corte portuguesa para o Brasil é considerada como um fator que retardou o processo de inde- A vinda da corte portuguesa para o Brasil é considerada como um fator que retardou o processo de independência brasileiro, pois a presença do monarca lusitano na América estreitou ainda mais os laços entre Brasil e Portugal, tornando o primeiro ainda mais dependente do segundo. IV. A Independência do Brasil foi marcada por um forte conflito entre o novo país e a sua antiga metrópole europeia, devido à rejeição das elites político-econômicas da antiga colônia portuguesa ao modelo agroexportador implantado pela coroa lusitana, baseado na grande propriedade da terra e na mão de obra escrava. Estão corretas apenas as afirmativas

  28. 28

    PUC-RS 2016

    Associe os nomes dos países (coluna A) à política adotada para o reconhecimento da Independência do Brasil (coluna B). Coluna A 1. Inglaterra 2. França 3. Estados Unidos 4. Espanha Coluna B ( ) País pioneiro no reconhecimento da independência brasileira entre as nações livres, desejava intensificar suas trocas comerciais com o Brasil e impor sua influência na América Latina. ( ) Apesar de o pedido da diplomacia brasileira ter ocorrido ainda em 1826, esta nação só veio a reconhecer a Independência do Brasil em 1834, quando o Primeiro Reinado já havia terminado no País. ( ) Nação signatária do Tratado de Versalhes e integrante da Santa Aliança, somente reconheceu a Independência do Brasil depois que Portugal oficialmente aceitou esta situação. ( ) Intermediou o reconhecimento da Independência do Brasil por Portugal através de um Tratado no qual a Coroa Lusitana exigia, dentre outras medidas, que a governo brasileiro não reivindicasse a anexação de Angola.   A numeração correta dos parênteses, de cima para baixo, é

  29. 29

    UECE 2016

    Atente ao que se diz a respeito dos dois partidos políticos denominados Partido Português e Partido Brasileiro, considerando os acontecimentos que culminaram com o processo de emancipação política brasileira de 1822.   I. O Partido Português, composto em sua maioria por comerciantes portugueses, gostaria de ver mantidos os privilégios a eles proporcionados pela estrutura colonial e desejava o retorno de Dom Pedro a Portugal para que as medidas recolonizadoras fossem aplicadas. II. O Partido Brasileiro reunia burocratas, grandes proprietários de terras, advogados e investidores urbanos nascidos no Brasil. Esse grupo foi privilegiado pela abertura dos portos de 1808 e gostaria que fosse mantida a elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal e Algarves.   Acerca das duas proposições acima, é correto afirmar que

  30. 30

    UNAMA 2013

    Recentemente, a descoberta, no Arquivo Público de nosso Estado, da ata original da Adesão do Pará à Independência do Brasil, trouxe a tona um novo dia: 16 de agosto e não o 15, oficialmente estabelecido por decreto governamental como a data oficial desse reconhecimento do império brasileiro.   Sobre esse episódio pode-se afirmar que

Gerar PDF da Página

Conteúdo exclusivo para assinantes

Assine um de nossos planos para ter acessos exclusivos e continuar estudando em busca da sua aprovação.

Ver planos