Exercícios de Introdução ao Estudo de História

Voltar para exercícios de História

Quer colocar o estudo em prática? O Stoodi tem exercícios de Introdução ao Estudo de História dos maiores vestibulares do Brasil.

Estude História com esses e mais de 30000 que caíram no ENEM, Fuvest, Unicamp, UFRJ, UNESP e muitos outros vestibulares!

Gerar PDF da Página
  1. 1. UERN 2012
    Leia. As diferentes percepções do tempo Percepção I “Quando olhamos as horas no relógio e programamos os nossos compromissos, temos uma vivência bastante comum do tempo cronológico.” (Cotrim, Gilberto. História Global – Brasil e Geral. Volume Único. Ensino Médio. 8ª Ed. São Paulo: Saraiva 2005, p.12) Percepção II “O tempo é muito mais do que as horas marcadas por um relógio, ou os dias de um calendário, ou os anos de um século, é também tradição, mentalidade e ritmo.” (Cotrim, Gilberto. História Global – Brasil e Geral. Volume Único. Ensino Médio. 8ª Ed. São Paulo: Saraiva 2005, p.13) De acordo com as percepções depreende-se que
  2. 2. ENEM 2010
    Quem construiu a Tebas de sete portas? Nos livros estão nomes de reis. Arrastaram eles os blocos de pedra? E a Babilônia várias vezes destruída. Quem a reconstruiu tantas vezes? Em que casas da Lima dourada moravam os construtores? Para onde foram os pedreiros, na noite em que a Muralha da China ficou pronta? A grande Roma está cheia de arcos do triunfo. Quem os ergueu? Sobre quem triunfaram os césares? BRECHT, B. Perguntas de um trabalhador que lê. Disponível em: http://recantodasletras.uol.com.br. Acesso em: 28 abr. 2010. Partindo das reflexões de um trabalhador que lê um livro de História, o autor censura a memória construída sobre determinados monumentos e acontecimentos históricos. A crítica refere-se ao fato de que
  3. 3. ENEM 2014
    A Praça da Concórdia, antiga Praça Luís XV, é a maior praça pública de Paris. Inaugurada em 1763, tinha em seu centro uma estátua do rei. Situada ao longo do Sena, ela é a intersecção de dois eixos monumentais. Bem nesse cruzamento está o Obelisco de Luxor, decorado com hieróglifos que contam os reinados dos faraós Ramsés II e Ramsés III. Em 1829, foi oferecido pelo vice-rei do Egito ao povo francês e, em 1836, instalado na praça diante de mais de 200 mil espectadores e da família real. A constituição do espaço público da Praça da Concórdia ao longo dos anos manifesta o (a)
  4. 4. UERN 2015
    É impossível compreender seu tempo para quem ignora todo o passado. Ser uma pessoa contemporânea e também ter consciência das heranças, consentidas ou contestadas. (René Remond. in Bittencourt, C. Ensino da História. Fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez. 2004. p. 155.) A história tem um caráter instrumental para a compreensão das experiências sociais, culturais, tecnológicas, políticas e econômicas da humanidade ao longo do tempo. Sobre o papel da história na formação da cidadania, assinale a alternativa correta.
  5. 5. UECE 2015
    Para escrever a História é necessário reunir fontes ou testemunhos, que são objetos e documentos – restos do passado – que ajudam a compreender um contexto em determinado período. Sobre as fontes documentais, é correto afirmar que 
  6. 6. UFSM 2011
    Leia os textos: Texto I "A intensa radiação solar na região equatorial é responsável direta pelas altas taxas de evaporação da água de sua superfície, levando à formação de massas de ar quente e úmido que condicionam os altos índices pluviométricos observados. Assim, elevadas temperaturas, intensa radiação solar e muita chuva caracterizam o clima das regiões tropicais e nos fazem entender as luxuriantes formações florestais e as riquezas dos recifes de corais típicos dessas latitudes. Esses fatores reunidos explicam, ainda, a elevada produtividade associada aos referidos ecossistemas." UZUNIAN & BIRNER. Biologia. São Paulo: Harbra, 2007. p.820. Texto II "É seguramente fácil encontrar casos de correlação íntima entre um fato geográfico e um fato social. A contiguidade* de duas regiões, planície e montanha, onde a ordem dos trabalhos não é a mesma e onde as colheitas amadurecem em datas diferentes, torna disponíveis os trabalhadores que alugarão periodicamente seus braços. A presença de uma grande cidade faz nascer à sua porta cultivos especiais, associados a hábitos igualmente especiais, como o dos horticultores. A ocorrência bem localizada de um produto de primeira necessidade pode engendrar consequências sociais e políticas." VIDAL DE LA BLANCHE, Paul. As condições geográficas dos fatos sociais. http://www4.fct.unesp.br/raul/saude_ambiental/condicoes_geograficas_faros_sociais.pdf *contiguidade = proximidade, vizinhança. O desenvolvimento das ciências neste século XXI oferece uma variedade de explicações sobre os processos que envolvem as relações entre os seres humanos e os ecossistemas. A História, ciência social, na medida em que estabelece o diálogo e o debate com os demais campos do conhecimento científico, pode confrontar explicações e buscar novas e mais abrangentes formas de entender o conjunto dos processos que envolveram as ações humanas ao longo do tempo e nos diversos espaços. Como se pode perceber, através das informações da Biologia e da Geografia nos textos apresentados, essa abertura é possível e necessária, porque a História é uma ciência cada vez mais
  7. 7. UFLA 2007
    As alternativas a seguir indicam os principais conceitos utilizados pelos historiadores para a construção de uma "ciência histórica", EXCETO:
  8. 8. ENEM 2016
    A história não corresponde exatamente ao que foi realmente conservado na memória popular, mas àquilo que foi selecionado, escrito, descrito, popularizado e institucionalizado por quem estava encarregado de fazê-lo. Os historiadores, sejam quais forem seus objetivos, estão envolvidos nesse processo, uma vez que eles contribuem, conscientemente ou não, para a criação, demolição e reestruturação de imagens do passado que pertencem não só ao mundo da investigação especializada, mas também à esfera pública na qual o homem atua como ser político. HOBSBAWN, E.; RANGER, T. A Invenção das tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984 (adaptado).   Uma vez que a neutralidade é inalcançável na atividade mencionada, é tarefa do profissional envolvido
  9. 9. UDESC 2015
    “A incompreensão do presente nasce fatalmente da ignorância do passado. Mas talvez não seja menos vão esgotar-se em compreender o passado se nada se sabe do presente.” Marc Bloch. Apologia da História ou o ofício do historiador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001, p. 65. Assinale a alternativa que contém a definição de história mais coerente com a citação do historiador Marc Bloch.
  10. 10. UEMA 2016
    Um líder jihadista egípcio convocou a população muçulmana para destruir a Esfinge e as Pirâmides de Gizé, informa o site árabe Al Arabiya. Murgan Salem al-Gohary, que afirma ter ligações com o Talibã, pediu que os egípcios repetissem o que foi feito no Afeganistão, quando estátuas de Buda foram removidas após a chegada dos fundamentalistas ao poder. “A destruição da memória, da História, do passado é algo terrível para uma sociedade”. Jacques Le Goff, Revista Veja. A destruição de patrimônios históricos da Humanidade, como as estátuas de Buda no Afeganistão, e a ameaça à Esfinge de Gizé e às Pirâmides não se restringem aos conflitos político-religiosos que assolam o Oriente Médio há séculos, mas fazem parte de um processo maior de reconfiguração da Memória e da História da sociedade. O processo acima descrito está diretamente relacionado ao (à)
  11. 11. UNICENTRO 2004
    A colaboração de ciências, como a Lingüística, a Antropologia e a Arqueologia, para a produção do conhecimento histórico, relaciona-se com
  12. 12. UNICENTRO 2009
    Durante muito tempo, a origem do homem foi situada historicamente com base na existência da escrita. Hoje os historiadores levam em conta outros tipos de fontes históricas para o estudo da vida humana considerando que nem todas as sociedades são letradas e que o homem existiu antes da escrita. Assinale a alternativa correta.
  13. 13. UFG 2009
    Leia a citação a seguir. Com efeito, um simples relato pode ser correto sem ter nenhuma utilidade; acresce-lhe em compensação a exposição da causa, e a prática da história torna-se fecunda. Buscando as analogias atuais, encontramos meios e indicações para prever o futuro: o passado nos protege, [...] permitindo-nos realizar nossas empresas sempre mais confiantes. POLÍBIO. História. Apud PINSKY, J. Modos de produção na Antiguidade. São Paulo: Global, 1984. (Adaptado).   O texto demarca um tipo de relação temporal construída pela História. Considerando a reflexão de Políbio, a ideia que expressa a relação entre passado e presente é a seguinte:
  14. 14. UNICENTRO 2013
    Assinale a alternativa correta a respeito da disciplina de História.
  15. 15. UNICENTRO 2013
    A história é o conhecimento do passado humano. A partir desse ponto, defina o que é História e assinale a alternativa correta.
  16. 16. UPE 2012
    É possível fazer – e se faz – história de tudo: clima, vida material, técnicas, economia, classes sociais, rituais, festas, arte, instituições, vida política, partidos políticos, armamentos, guerras, religiões, sentimentos (o amor), emoções (o medo), sensibilidade, percepções (os odores), mares, desertos, etc. Pela questão é que se constrói o objeto histórico, ao proceder a um recorte original no universo ilimitado dos fatos e documentos possíveis. PROST, Antoine. Doze lições sobre a História. Belo Horizonte: Autêntica, 2008, p. 75.   Ao refletir sobre a natureza do conhecimento histórico, o texto nos revela que
  17. 17. UNICENTRO 2006
    “Quem construiu Tebas, a das sete portas? Nos livros constam os nomes dos reis, Mas foram os reis que transportaram as pedras? Babilônia, tantas vezes destruída, Quem outras tantas a reconstruiu? Em que casas Da Lima dourada moravam seus obreiros? No dia em que ficou pronta a Muralha da China para onde Foram os seus pedreiros? A grande Roma Está cheia de arcos de triunfo. Quem os ergueu? Sobre quem Triunfaram os Césares? (...) O jovem Alexandre conquistou as Índias Sozinho? (...) (Disponível em: . Acesso em: 01 ago. 2005.)    Esses versos são parte do poema “Perguntas de um operário que lê”, composto pelo teatrólogo alemão Bertold Brecht (1898-1956). É correto afirmar que o poema de Bertold Brecht pode ser entendido como:
  18. 18. UNICENTRO 2013
    Leia o texto a seguir. Não podemos alcançar o passado por processos encantatórios. Não podemos alcançar o passado diretamente, mas apenas através dos traços, inteligíveis para nós, que ele deixou atrás de si, na medida em que esses traços subsistiram, em que os reencontramos e em que somos capazes de interpretá-los. Encontramos aqui a primeira e a mais pesada das servidões técnicas que pesam sobre a elaboração da história. (MARROU, H. I. Sobre o conhecimento histórico. Rio de Janeiro: Zahar, 1978, p.55.) Com base no texto e nos conhecimentos sobre o que é e como se escreve história, assinale a alternativa correta.
  19. 19. UNICENTRO 2008
    No estudo e no ensino de História, no Brasil, a história da África foi quase inexistente, até muito pouco tempo atrás. A preocupação dos historiadores com a presença africana no Brasil ou com as relações mantidas, ao longo dos séculos, com aquele continente era muito pequena. Essa situação mudou significativamente e, hoje, é cada vez maior a preocupação em articular a história do Brasil escravista à da África pré-colonial, em entender as comunidades negras à luz da bagagem cultural trazida da África, desde, aproximadamente, três séculos. (SOUZA, Marina de Melo e. A importância da história da África. Revista de História. São Paulo: Editora da Biblioteca Nacional, n. 21, ano 2, jun. 2007. Adaptado.).   A partir da análise do texto e dos conhecimentos sobre a importância do conhecimento histórico, identifique as afirmativas verdadeiras. I. O dogmatismo adotado pela historiografia, no mundo atual, como princípio fundamental, tem impedido uma nova interpretação da História. II. O estudo da História, ao permitir a articulação entre a trajetória de vida de sociedades que mantiveram contato entre si, ao longo do tempo, possibilita a identificação de traços comuns entre elas. III. O conhecimento histórico funciona como instrumento que norteia o processo de resgate da identidade étnica e cultural de uma determinada sociedade. IV. A produção do conhecimento histórico independe da experiência de outras ciências, devido à especificidade da própria ciência histórica. V. A aproximação do Brasil em relação à África e às suas raízes históricas, do século XVI ao século XIX, se intensificou após a descolonização do mundo afro-asiático.   A alternativa que indica todas as alternativas verdadeiras é a
  20. 20. UNESP 2010
    A Ilíada, de Homero, data do século VIII a.C. e narra o último ano da Guerra de Troia, que teria oposto gregos e troianos alguns séculos antes. Não se sabe, no entanto, se esta guerra de fato ocorreu ou mesmo se Homero existiu. Diante disso, o procedimento usual dos estudiosos tem sido:
  21. 21. UNICENTRO 2013
    A característica básica do conhecimento histórico é a sua própria historicidade. A partir dessa premissa, assinale a alternativa INCORRETA.
  22. 22. UNICENTRO 2011
    O significado de conhecimento histórico distingue-se do significado de realidade histórica, porque o primeiro
  23. 23. UNICENTRO 2014
    Leia o texto a seguir. O próprio sujeito de conhecimento tem uma história, a relação do sujeito com o objeto, ou, mais claramente, a própria verdade tem uma história. (FOUCAULT, M. A verdade e as formas jurídicas. 3.ed., Rio de Janeiro: NAU-PUC, 2002, p.8.) Com base no teor do texto e na compreensão sobre a produção do conhecimento histórico, em nosso momento atual, assinale a alternativa correta.
  24. 24. UNICENTRO 2013
    Leia o texto a seguir. No transcorrer de uma vida, e às vezes mesmo de um dia, nossa experiência do tempo e da duração não deixa de variar. Uma hora de aborrecimento não equivale jamais a uma hora consagrada a uma atividade apaixonante. Nossa experiência do tempo não é uma experiência absoluta. Se somos capazes de considerá-la em sua relatividade, por que não poderíamos dirigir o mesmo olhar para as escolhas que fazemos? (ATLAN, H. A ciência é inumana? Ensaio sobre a livre necessidade. Tradução de Edgard de Assis Carvalho. São Paulo: Cortez, 2005, p.45.) Sobre a concepção da categoria Tempo, assinale a alternativa correta.
  25. 25. UNICENTRO 2011
    Por volta de 10.000 a.C., teve lugar a Revolução do Neolítico. Apesar de o homem do Neolítico ter produzido novas ferramentas de pedra polida, essa não foi a transformação mais importante ocorrida no período. Muito mais significativa foi a produção de alimentos por meio da agricultura, reduzindo a prioridade da caça e da coleta na alimentação. (CAMPOS; MIRANDA, 2005, p. 21). A utilização da nomenclatura “a. C.” no calendário atual justifica-se pelo fato de    
  26. 26. UNICENTRO 2012
    [...] ter consciência histórica significa ter consciência do nosso poder de transformação, do nosso poder de sermos os agentes da História e não seres passivos, acomodados, que sofrem a História. Por isso, ter consciência histórica significa sermos verdadeiramente homens, homens conscientes para podermos construir um mundo melhor – não como objetos, não como instrumentos de trabalho de uma classe dominante, mas como seres humanos inteiros e criativos que trabalham realizando tarefas produtivas, intelectuais ou braçais, que atendam às necessidades da coletividade. (AQUINO; FRANCO; LOPES, 1980, p. 17).   A leitura do texto e os conhecimentos de História permitem afirmar que a aquisição da consciência histórica
  27. 27. UNICENTRO 2011
    A diversidade de fontes históricas reveladas e legitimadas pelo movimento da “Nova História” trouxe como contribuição à moderna produção historiográfica a
  28. 28. UNICENTRO 2012
    Segundo o paradigma tradicional, a História é objetiva. A tarefa do historiador é apresentar aos leitores os fatos, ou, como apontou Ranke em uma frase muito citada, dizer “como eles realmente aconteceram”.   Hoje em dia, este ideal é, em geral, considerado irrealista. Por mais que lutemos arduamente para evitar os preconceitos associados a cor, credo, classe ou sexo, não podemos evitar olhar o passado de um ponto de vista particular. (BURKE, Peter (org.). Tradução Magda Lopes. A escrita na História: novas perspectivas. São Paulo: UNESP, 1992.).   O texto e os conhecimentos sobre a produção do conhecimento histórico, na contemporaneidade, permitem afirmar que o historiador, ao estudar os fatos históricos,
  29. 29. UNICENTRO 2012
    Leia o texto a seguir: “A palavra História possibilita diferentes compreensões, já que existem, pelo menos, três usos correntes para o conceito. Um primeiro que se refere ao efetivamente ocorrido, ao conjunto de ações humanas existentes ao longo do tempo. O segundo que designa as diferentes narrativas sobre as ações dos homens no tempo entre as quais se encontram as crônicas, as fábulas, os contos, as memórias. Finalmente, a História como o conhecimento histórico das ações humanas ao longo do tempo, narrada em conformidade com procedimentos que a disciplina demanda”. (Silvia H. Zanirato, Teorias da História, Eduem, 2011, p.14). A respeito da História como conhecimento histórico, podemos afirmar que
  30. 30. UPE 2013
    O trabalho do historiador implica seleção, preferência, recorte e manipulação de fontes. Sobre o historiador e sua relação com suas fontes, assinale a alternativa CORRETA.
Gerar PDF da Página
Conta de email não verificada

Não foi possível realizar o seu cadastro com a sua conta do Facebook pois o seu email não está confirmado no Facebook.

Clique aqui para ver como confirmar sua conta de email no Facebook ou complete seu cadastro por aqui.

Entendi
Clicando em "Criar perfil", você aceita os termos de uso do Stoodi.
Tem perfil no Stoodi? Fazer Login