Tenha acesso completo ao Stoodi

Assine o Stoodi e prepare-se para o ENEM com nossos conteúdos exclusivos!

PUC-GO 2016

Queimada

 

À fúria da rubra língua
do fogo
na queimada
envolve e lambe
o campinzal
estiolado em focos
fenos
sinal.
É um correr desesperado
de animais silvestres
o que vai, ali, pelo mundo
incendiado e fundo,
talvez,

como o canto da araponga
nos vãos da brisa!

 

Tambores na tempestade

[...]
E os tambores
e os tambores
e os tambores
soando na tempestade,
ao efêmero de sua eterna idade.

[...]

Onde?
Eu vos contemplo
à inércia do que me leva
ao movimento

de naufragar-me
eternamente
na secura de suas águas
mais à frente!

Ó tambores

ruflai

sacudi suas dores!

Eu

que não me sei

não me venho

por ser

busco apenas ser somenos

no viver,

 

nada mais que isso!

(VIEIRA, Delermando. Os tambores da tempestade. Goiânia: Poligráfica, 2010. p. 164, 544, 552.)

 

 

Os versos do texto tratam da destruição da fauna e da flora em uma queimada e de tambores. Esse cenário nos lembra a situação da América antes da conquista dos europeus. O continente era habitado por cerca de 50 milhões de pessoas, que possuíam diversos níveis culturais. Assinale a alternativa que indica corretamente tal diversidade entre os povos ameríndios e suas respectivas regiões:

Escolha uma das alternativas.