Tenha acesso completo ao Stoodi

Assine o Stoodi e prepare-se para o ENEM com nossos conteúdos exclusivos!

Quer colocar o estudo em prática? O Stoodi tem exercícios de Karl Marx dos maiores vestibulares do Brasil.

Estude Sociologia com esses e mais de 30000 que caíram no ENEM, Fuvest, Unicamp, UFRJ, UNESP e muitos outros vestibulares!

Gerar PDF da Página
  1. 121. UEL 2010
    Do ponto de vista do cidadão, a equação de trabalhar sem prazer para viver livremente nos períodos de folga é dura demais, se considerarmos que passamos mais de 60% do dia envolvidos com o trabalho. E, como não há notícia de um ser humano que tenha conseguido desligar o cérebro durante suas tarefas, somos também nós mesmos durante o labor. Dá para ser feliz no trabalho?, Época, 13 de jul. 2009, p. 68.   Com base no texto e nos conhecimentos sobre a visão sociológica do trabalho, considere as afirmativas a seguir:   I. Segundo a teoria marxista, só é possível avaliarmos que “passamos mais de 60% de nossas vidas envolvidos com o trabalho” devido à organização capitalista que, em razão da propriedade privada dos meios de produção e do assalariamento, separa tempo de trabalho e tempo de não-trabalho. II. Para Max Weber, o desafio da explicação sociológica era o de reconstruir o processo por meio do qual se passou a aceitar o trabalho de forma disciplinada como um fim em si mesmo, tornando-o passível de uma avaliação moral positiva. Foi essa sua intenção ao analisar as afinidades eletivas do trabalho capitalista com a ética protestante. III. O sentimento do trabalhador em relação à sua atividade estava ausente nas ideias da sociologia clássica, já que a felicidade ou não dos sujeitos no trabalho é uma preocupação da sociedade contemporânea globalizada, que se baseia em valores individualistas e hedonistas. IV. Seguindo a linha de explicação oriunda de Émile Durkheim, a questão do prazer ou felicidade no trabalho não depende diretamente do número de horas trabalhadas, mas se há uma compreensão em cada indivíduo da importância de cada um no trabalho geral, em que exercemos nossa individualidade, “somos nós mesmos na execução de nossas especialidades”.   Assinale a alternativa correta.
  2. 122. UFU 2002
    Partindo de uma perspectiva marxista de análise da relação entre democracia e meios de comunicação de massa, aponte a alternativa correta.
  3. 123. UNCISAL 2015
    Antes de tudo, o trabalho é um processo de que participam o homem e a natureza, processo em que o ser humano com sua própria ação impulsiona, regula e controla seu intercâmbio material com a Natureza. Marx, Karl. O capital. São Paulo: Abril Cultural, 1983. v. I. p. 149. Partindo das concepções marxianas sobre o trabalho, assinale a alternativa correta.
  4. 124. UNICENTRO 2010
    A burguesia não pode existir sem revolucionar permanentemente os instrumentos de produção, por conseguinte as relações de produção, por conseguinte todas as relações sociais (...) O permanente revolucionar da produção, o abalar ininterrupto de todas as condições sociais, a incerteza e o movimento eternos distinguem a época da burguesia de todas as outras. (Marx e Engels. Manifesto do partido comunista. URSS: Edições progresso, 1987, p.37).   Considerando as características do capitalismo, de acordo com o pensamento marxista, assinale qual, entre as seguintes alternativas, está INCORRETA.
  5. 125. UFU 2011
    Segundo Marx, o fator fundamental do desenvolvimento social assenta-se nas contradições da vida material, na luta entre as forças produtivas da sociedade e as relações sociais de produção que lhe correspondem.
  6. 126. UFU 2001
    A relação entre indivíduo e sociedade se apresenta como tema central na Sociologia, desde os autores clássicos. Dentre as alternativas abaixo, assinale a alternativa INCORRETA.
  7. 127. UEL 2016
    A ópera-balé Os Sete Pecados Capitais da Pequena Burguesia, de Kurt Weill e Bertold Brecht, composta em 1933, retrata as condições dessa classe social na derrocada da ordem democrática com a ascensão do nazismo na Alemanha, por meio da personagem Anna, que em sete anos vê todos os seus sonhos de ascensão social ruírem. A obra expressa a visão marxista na chamada doutrina das classes.   Em relação à doutrina social marxista, assinale a alternativa correta.
  8. 128. UNIOESTE 2013
    Karl Marx (1818 – 1883), Émile Durkheim (1858 -1917) e Max Weber (1864 – 1920), teóricos da Sociologia, chegam a conclusões distintas em suas análises e reflexões sobre as funções das religiões nas sociedades. Com base na visão desses sociólogos, assinale a alternativa correta.
  9. 129. UEMA 2011
    Com o pós-fordismo e o avanço da política neoliberal, as relações sociais sofreram diversas transformações estruturais no mundo do trabalho, que são analisadas pela Sociologia. Nesse sentido, indique em qual opção estão os conceitos, relacionados à reestruturação produtiva, aplicados ao mundo do trabalho.
  10. 130. UFU 2003
    Considere o texto apresentado.   Em uma de suas colunas de opinião no jornal Folha de São Paulo de 02/05/2003, Clóvis Rossi refere-se à existência hoje de uma “hegemonia cultural e midiática das opiniões de gente do mundo financeiro”. Segundo esse jornalista, essa hegemonia do setor financeiro, não só no Brasil como no resto do mundo, leva os governos a optarem “por adotar políticas que não ofendam o poder real e, por extensão, a sua capacidade de gerar críticas virulentas à qualquer inovação. É mais fácil prejudicar ou deixar de atender assalariados e marginalizados em geral do que banqueiros, como é óbvio”.   Na análise sociológica marxista, o poder do dinheiro, incluindo suas projeções no plano ideológico, tem um nome: fetichismo da mercadoria.   Com relação ao tema abordado, atente-se para as afirmativas abaixo.   I - O caráter misterioso da mercadoria provém da utilidade particular que ela tem para cada indivíduo; e é, desta forma, que este avalia o próprio dinheiro. II - O fetichismo da mercadoria oculta a verdadeira relação entre os trabalhos particulares e o trabalho total, ao apresentá-la como uma relação objetiva entre os produtos do próprio trabalho. III - Os produtos do trabalho humano, ao serem trocados no mercado, adquirem uma realidade socialmente homogênea, distinta da sua heterogeneidade de objetos úteis, perceptíveis aos sentidos. IV - O caráter fetichista da mercadoria nada tem a ver com a questão do valor, pois o fetichismo é uma questão de ilusão, de se levar em conta tão somente que, hoje, o dinheiro “faz a cabeça” dos indivíduos. V - Com o fetichismo da mercadoria, dá-se uma inversão do sujeito em objeto, produzida pela alienação ou separação entre os produtores e os produtos de seus trabalhos na sociedade.   Assinale a ÚNICA alternativa que relaciona todas as afirmações corretas, a respeito do fetichismo da mercadoria
  11. 131. UNICENTRO 2014
    Leia o texto a seguir. O conjunto das forças produtivas e das relações sociais de produção forma o que Marx chama de a infraestrutura de uma sociedade que, por sua vez, é a base sobre a qual se constituem as demais instituições sociais. Segundo a concepção materialista da história, na produção da vida social, os homens geram também outra espécie de produtos que não têm forma material e que vêm a ser as ideologias políticas, concepções religiosas, códigos morais e estéticos, sistemas legais, de ensino, de comunica- ção, o conhecimento filosófico e científico, representações coletivas etc. – cujo conjunto é chamado de superestrutura ou supraestrutura. (QUINTANEIRO, T.; BARBOSA, M. L.; OLIVEIRA, M. Um toque de clássicos: Durkheim, Marx e Weber. 3ª reimpr. Belo Horizonte: UFMG, 2000. p.74.)   Sobre esse modo de entender e explicar a constituição da sociedade, assinale a alternativa correta.
  12. 132. UEL 2007
    Karl Marx exerceu grande influência na teoria sociológica. Segundo o autor: “[...] na produção social da sua existência, os homens estabelecem relações determinadas, necessárias, independentes da sua vontade, relações de produção... O conjunto destas relações de produção constitui a estrutura econômica da sociedade, a base concreta sobre a qual se eleva uma superestrutura jurídica e política e à qual correspondem determinadas formas de consciência social”. Fonte: MARX, K. Contribuição à crítica da economia política. Tradução de Florestan Fernandes. São Paulo, Ed. Mandacaru, 1989, p. 28.   De acordo com o texto e os conhecimentos sobre o autor, é correto afirmar que:
  13. 133. UFFS 2011
    É o foco principal de estudo da Economia Política:
  14. 134. UNICENTRO 2014
    Em relação ao Materialismo Histórico Dialético, considere as afirmativas a seguir.   I. É a teoria e a metodologia da ciência social associadas aos nomes de Marx e Engels. II. As ideias de Feuerbach tiveram impacto sobre a obra de Marx e Engels, que deram o passo para a formulação do materialismo dialético e histórico. Contudo, a formulação de Marx e Engels difere significativamente do materialismo de Feuerbach. III. O novo materialismo, formulado por Marx e Engels, é crítico e revolucionário. Da filosofia idealista, de Hegel, extraíram seu núcleo racional – a dialética. IV. Na obra A Ideologia Alemã, Marx e Engels se dizem materialistas contemplativos, ou seja, puramente teóricos. Eles criaram sua filosofia e sua concepção de história de fora do movimento operário.   Assinale a alternativa correta.
  15. 135. UNIMONTES 2010
    Para Karl Marx, a taxa de mais-valia, que é a razão entre trabalho excedente e trabalho necessário, é a expressão do grau de exploração da força de trabalho pelo capital. Considerando as reflexões de Karl Marx sobre esse tema, marque a alternativa INCORRETA.
  16. 136. UNICENTRO 2013
    O capitalismo vê a força de trabalho como mercadoria, mas é claro que não se trata de uma mercadoria qualquer. Ela é capaz de gerar valor. [...] O operário é o indivíduo que, nada possuindo, é obrigado a sobreviver da sua força de trabalho” (COSTA, 2005).   Segundo Karl Marx, a força de trabalho é alugada ou comprada por meio
  17. 137. UFU 2002
    Para Marx, o processo de trabalho é atividade dirigida com o fim de criar valores-de-uso, (...) é condição necessária da troca material entre o homem e a natureza; é condição natural eterna da vida humana, sem depender, portanto, de qualquer forma dessa vida, sendo antes comum a todas as suas formas sociais. MARX, Karl. O Capital. São Paulo: Difel, 1985, p. 208, Livro 1, Volume I. Com base neste trecho, considere as afirmações abaixo e, em seguida, escolha a alternativa correta. I - É possível a existência de uma sociedade na qual o trabalho não seja a atividade criadora de coisas úteis. II - Em todas as sociedades o intercâmbio dos homens com os recursos naturais se dá pelo trabalho, sempre no interior de determinadas relações sociais, como por exemplo: escravistas, feudais, capitalistas. III - A sociedade contemporânea, de alta tecnologia, não depende do trabalho humano para a produção de bens e serviços.
  18. 138. UEMA 2011
    Assinale a alternativa que apresenta as características de instituições sociais.
  19. 139. UFU 2012
    Em uma passagem de As aventuras do Barão de Munchausem, personagem do folclore alemão, ele e seu cavalo encontram-se atolados em um pantanal e, para sair dessa situação, o Barão puxa a si mesmo pelo cabelo, levantando-se, com sua montaria, do terreno movediço. Em mais de uma ocasião, os sociólogos usaram essa metáfora para aludir ao modo pelo qual os positivistas procuravam um método objetivo, neutro, livre das ideologias. Em oposição a essa suposta objetividade, Marx criticou veementemente os positivistas, uma vez que, para o autor,
  20. 140. UNICENTRO 2012
    Sobre o trabalho, Karl Marx (1989) observa que o homem “atuando assim sobre a natureza externa e modificando-a, ao mesmo tempo modifica a sua própria natureza”. A partir de uma reflexão sobre essa declaração e a respeito dos estudos referentes a trabalho, assinale V ou F, conforme sejam verdadeiras ou falsas as afirmativas.   ( ) O trabalho caracteriza-se por ser uma atividade realizada por seres vivos, que modificam a natureza visando satisfazer às suas necessidades. ( ) A formação da “classe operária” foi, na sua essência, um fato apenas econômico resultante do sistema fabril e das novas condições de trabalho. ( ) O surgimento da “classe operária” decorreu do crescimento da consciência de identidade de interesses entre todos os diversos grupos de trabalhadores que se manifestavam contra os interesses da burguesia.   A alternativa que contém a sequência correta, de cima para baixo, é a
  21. 141. UEL 2008
    Segundo o Human Development Report (HDR - Boletim da ONU) de 2001, 2002, pobreza significa a negação das oportunidades de escolha mais elementares para o desenvolvimento humano, tais como: ter uma vida longa, saudável e criativa; ter um padrão adequado de liberdade, dignidade, autoestima, e gozar de respeito por parte das outras pessoas. Pode-se constatar que o conceito de pobreza envolve um forte componente de subjetividade ideológica. Assim, numa perspectiva de interpretação neoclássica e conservadora, a pobreza é considerada uma condição ou um estágio na vida de um indivíduo ou de uma família. A linha de pobreza, neste caso, é definida como um padrão de vida (normalmente medido em termos de renda ou de consumo) abaixo da qual as pessoas são consideradas como pobres. Já, na perspectiva de que é historicamente determinada, a pobreza se constitui numa resultante da competição e dos conflitos que se dão pela posse daqueles ativos, sejam eles produtivos, ambientais ou culturais. As pessoas simplesmente não nascem pobres. Adaptado de: LEMOS, J. de J. e NUNES, E. L. L. Mapa da exclusão social num país assimétrico: Brasil. Revista econômica do Nordeste. Fortaleza: vol. 36, n. 2, abr./jun. 2005. Com base no texto, considere as afirmativas: I. A linha de pobreza situa-se numa posição passível de quantificação determinada pela posição relativa do indivíduo ou da família no que se refere à posse e ao acesso aos bens, serviços e à riqueza. II. O texto defende um eixo básico na definição de pobreza de um ponto de vista da economia política: a pobreza resulta das capacidades do indivíduo de superar as adversidades determinadas pela sua posição social ao nascer. III. Para a perspectiva neoclássica, pobreza não se trata simplesmente de um estado de existência; ela é determinada e definida pela forma como se dão as relações entre os grupos sociais, e no poder que determinado grupo tem de apoderar-se dos ativos gerados pelas diversas atividades sócio-culturais e ambientais. IV. Na perspectiva de que é determinada historicamente, a pobreza constitui-se nos resultados de conflitos que resultam, de forma competitiva, na privação do poder, da riqueza ou de diversos ativos, requisitos necessários ao bem estar das pessoas. Assinale a alternativa que contém todas as afirmativas corretas.
  22. 142. UNICENTRO 2010
    Meus heróis morreram de overdose Meus inimigos estão no poder Ideologia! Eu quero uma pra viver Ideologia! Eu quero uma pra viver... Ideologia! Pra viver Ideologia! Eu quero uma pra viver...   Esses versos, escritos e cantados por Cazuza em uma de suas canções, que chamou de Ideologia, servem para exemplificar como esse conceito de larga utilização sociológica também pode ser utilizado pelo senso comum.   Considerando as múltiplas acepções do termo ideologia assinale qual destas alternativas está INCORRETA.
  23. 143. UFU 2003
    De acordo com a teoria social de Karl Marx, o fetichismo da mercadoria não pode ser definido como:
  24. 144. UEL 2007
    De acordo com Octavio Ianni: “Para melhor compreender o processo de estratificação social, enquanto processo estrutural, convém partirmos do princípio. Isto é, precisamos compreender que a maneira pela qual se estratifica uma sociedade depende da maneira pela qual os homens se reproduzem socialmente”. Fonte: IANNI, O. Estrutura e História. In IANNI, Octavio (org). Teorias da Estratificação Social: leitura de sociologia. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1978, p. 11.   Com base no texto e nos conhecimentos sobre estratificação social, considere as afirmativas a seguir:   I. Os estamentos são formas de estratificação baseadas em categorias socioculturais como tradição, linhagem, vassalagem, honra e cavalheirismo. II. As classses sociais são formas de estratificação baseadas em renda, religião, raça e hereditariedade. III. As mudanças sociais estruturais ocorrem quando há mudanças significativas na organização da produção e na divisão social do trabalho. IV. As castas são formas de estratificação social baseadas na propriedade dos meios de produção e da força de trabalho.   A alternativa que contém todas as afirmativas corretas é:
  25. 145. UNIMONTES 2011
    Vários autores da Sociologia utilizam o conceito de ideologia, entre eles Karl Marx. Considerando as reflexões do autor sobre o significado de ideologia, julgue os itens a seguir: I - É um sistema de ideias, valores, projetos e crenças de um grupo ou de uma classe social. II - Trata-se de um processo amplo de produção de significados e ideias universalizantes para todo o meio social. III - Revela-se como falsa consciência ou sistema de crenças ilusórias pertencentes a uma classe, mas impostas a toda a sociedade. IV - Uma pessoa pode elaborar uma ideologia sem influências comunitárias para a sua sustentação e, com base em sua própria ideologia, poderá refletir e agir em sua sociedade. Estão CORRETOS os itens
  26. 146. UNICENTRO 2013
    Segundo Max Weber, é função da Sociologia
  27. 147. UNIMONTES 2013
    Para Karl Marx, sociólogo alemão (1818-1883), as crises no sistema capitalista devem-se à expansão da produção para além daquilo que o mercado pode absorver dentro de uma taxa de lucro considerada satisfatória. Havendo uma descida da taxa de lucro, o investimento diminui, parte da força de trabalho fica desempregada, o que, por sua vez, irá diminuir o poder de compra do consumidor, produzindo nova descida na taxa de lucro etc. A retomada da expansão e o início de um novo ciclo ocorrem quando empresas sobreviventes conquistam as seções do mercado que ficaram livres. São proposições relativas à teoria desse autor, EXCETO
  28. 148. UEMA 2011
    Uma das condições imprescindíveis, em Karl Marx, para que a mercadoria como força de trabalho possa ser vendida e comprada no mercado é:
  29. 149. UFU 2004
    O conceito de sociedade é fundamental às Ciências Sociais, ao lado do conceito de cultura e foi objeto de definições diferentes entre autores clássicos como Karl Marx e Émile Durkheim. Entre as alternativas a seguir, assinale a INCORRETA, confonne as concepções de sociedade desses autores.
  30. 150. UEL 2004
    “Depois de viajar nas alturas durante toda a campanha eleitoral no ano passado e resistir bravamente em alta durante o começo do governo Lula, o dólar finalmente começou a voltar a seu valor de equilíbrio, aquele em que reflete as condições econômicas do país sem os sustos especulativos das eleições e outros terremotos emocionais que os mercados usam com maestria para obter lucros.” (O dólar baixa a crista. Veja, São Paulo, v. 36, n. 17, p. 108, 30 abr. 2003.)   O texto expressa fenômenos típicos da sociedade capitalista: fetichismo e alienação. Sobre esses fenômenos, considere as seguintes afirmativas.   I. Na situação apresentada, integram um processo que, nesse caso, sujeita o capital financeiro a um comportamento racional cuja conseqüência é a alocação ótima de recursos. II. São fenômenos sociais nos quais as mercadorias e o capital aparecem às pessoas como possuidoras de vida própria. III. São fenômenos que, na situação apresentada, revelam a insensibilidade dos agentes econômicos às influências da esfera política e aos eventos de caráter psicossocial. IV. São fenômenos nos quais os homens, a exemplo da situação apresentada, não se reconhecem nas obras que criaram e deixam-se governar por elas.   Assinale a alternativa em que as afirmativas sintetizam de forma correta as análises sobre esses fenômenos.
Gerar PDF da Página
Conta de email não verificada

Não foi possível realizar o seu cadastro com a sua conta do Facebook pois o seu email não está confirmado no Facebook.

Clique aqui para ver como confirmar sua conta de email no Facebook ou complete seu cadastro por aqui.

Entendi
Clicando em "Criar perfil", você aceita os termos de uso do Stoodi.
Tem perfil no Stoodi? Fazer Login