Tenha acesso completo ao Stoodi

Assine o Stoodi e prepare-se para o ENEM com nossos conteúdos exclusivos!

Exercícios de Gramática

Listagem de exercícios

UEL 2011

Pau de Dois Bicos

 

        Um morcego estonteado pousou certa vez no ninho da coruja, e ali ficaria de dentro se a coruja ao regressar não investisse contra ele.

        – Miserável bicho! Pois te atreves a entrar em minha casa, sabendo que odeio a família dos ratos?

        – Achas então que sou rato? Não tenho asas e não voo como tu? Rato, eu? Essa é boa!...

        A coruja não sabia discutir e, vencida de tais razões, poupou-lhe a pele.

        Dias depois, o finório morcego planta-se no casebre do gato-do-mato. O gato entra, dá com ele e chia de cólera.

        – Miserável bicho! Pois te atreves a entrar em minha toca, sabendo que detesto as aves?

        – E quem te disse que sou ave? - retruca o cínico - sou muito bom bicho de pelo, como tu, não vês?

        – Mas voas!...

        – Voo de mentira, por fingimento...

        – Mas tem asas!

        – Asas? Que tolice! O que faz a asa são as penas e quem já viu penas em morcego? Sou animal de pelo, dos legítimos, e inimigo das aves como tu. Ave, eu? É boa...

        O gato embasbacou, e o morcego conseguiu retirar-se dali são e salvo.

       

Moral da Estória:

O segredo de certos homens está nesta política do morcego. É vermelho? Tome vermelho. É branco? Viva o branco!

 

(LOBATO, José Bento Monteiro. Fábulas. 45. ed. São Paulo: Brasiliense, 1993. p. 49.)

A hesitação do gato, na fábula, e do caçador, na charge, deve-se

 

Conta de email não verificada

Não foi possível realizar o seu cadastro com a sua conta do Facebook pois o seu email não está confirmado no Facebook.

Clique aqui para ver como confirmar sua conta de email no Facebook ou complete seu cadastro por aqui.

Entendi
Clicando em "Criar perfil", você aceita os termos de uso do Stoodi.
Tem perfil no Stoodi? Fazer Login