Tenha acesso completo ao Stoodi

Assine o Stoodi e prepare-se para o ENEM com nossos conteúdos exclusivos!

UFJF 2012

Leia os trechos abaixo de Os Bruzundangas, romance de Lima Barreto, publicado em 1922.

 

 

O regíme de propriedade agrícola lá, regíme de latifúndios com toques feudais, faz que o trabalhador agrícola seja um pária, quase sempre errante de fazenda em fazenda, donde é expulso por dá cá aquela palha, sem garantias de espécie alguma – situação mais agravada ainda pela sua ignorância, pela natureza das culturas, pela politicagem roceira e pela incapacidade e cupidez dos proprietários. [...] Raro é o homem de bem que se faz eleitor, e se alista, para atender a pedidos de amigos, não tarda que o seu diploma sirva a outro cidadão mais prestante, que no dia do pleito, para fins eleitorais, muda de nome e toma o do pacato burguês que se deixa ficar em casa, e vota com eles. Isto é o que lá se chama: – "um fósforo".

BARRETO, Lima. Os Bruzundangas.

Disponível em:. Acesso em: 30 out. 2012.

 

 

Leia as afirmações abaixo.

 

 

I) Lima Barreto faz uma sátira da vida política brasileira na Primeira República, quando o eleitorado urbano estava livre das práticas clientelistas, enquanto a maioria do eleitorado rural estava submetida ao coronelismo.

 

II) A fraude no alistamento e no exercício do voto caracterizava a vida política na Primeira República, além do controle das lideranças políticas sobre o eleitorado, revelando a fragilidade das instituições da democracia liberal e o caráter excludente do sistema político.

 

III) Crítico mordaz da vida cultural e política durante a Primeira República, Lima Barreto inventa a Bruzundanga como sátira do Brasil, sobretudo de seus políticos, cujo poder repousava sobre a estrutura agrária que limitava a manifestação autônoma dos trabalhadores rurais.

 

 

Assinale a alternativa CORRETA.

Escolha uma das alternativas.