Tenha acesso completo ao Stoodi

Assine o Stoodi e prepare-se para o ENEM com nossos conteúdos exclusivos!

UFU 2003

No dia 30 de junho de 2002 – mesmo dia em que a seleção brasileira de futebol conquistou o tetra - morria em Uberaba, no Triângulo Mineiro, o famoso médium Chico Xavier. Seu velório atraiu nada menos que 100 mil pessoas, movidas, a maioria delas, por suas crenças na reencarnação e na comunicação com os espíritos; por suas esperanças em curas extraordinárias; por seus valores éticos, como a caridade, e, naturamente, por seus laços afetivos com o grande líder religioso. Músicas e roupas alegres, coloridas, deram ao velório um clima de festa, aparentemente incompatível com um acontecimento fúnebre. O motivo era simples: para o espiritismo kardecista não existe luto, sendo a morte vista apenas como mais uma etapa cumprida num longo processo de aperfeiçoamento do espírito. Por isso, a morte de Chico Xavier não deveria ser lamentada, apesar de sentida.

Texto adaptado da Revista IstoÉ, de 10 de julho de 2002.

 

Analisando os acontecimentos descritos, de acordo com a teoria de Max Weber e, considerando tais acontecimentos dotados de sentido, pode-se afirmar que esse sentido

Escolha uma das alternativas.