Tenha acesso completo ao Stoodi

Assine o Stoodi e prepare-se para o ENEM com nossos conteúdos exclusivos!

UNAMA 2009

Leia os fragmentos a seguir:

 

A revolução triunfante não perdeu um só minuto; guiou para a Câmara Povo e davam vivas ao “ilustre Porfírio”. Este ia na frente, empunhando tão destramente a espada, como se ela fosse apenas uma navalha um pouco mais comprida. A vitória cingia-lhe a fronte de um nimbo misterioso. A dignidade de governo começava a eurijar-lhe os quadris. O barbeiro, acompanhado de alguns de seus tenentes, entrava na sala da vereança intimava à Câmara a sua queda. A Câmara não resistiu, entregou-se e foi dali para a cadeia.

(O Alienista, Machado de Assis)

 

Os cabelos do capitão Ferreira puseram-se de pé e duro como estacas. Ele bem sabia o que aquilo era. Aquela voz era a voz de cobra grande, da colossal sucuriju, que reside no fundo dos rios e lagos. Eram os lamentos do monstro em laborioso parto (...). Mas a voz, a terrível voz aumentava de volume. Cresceu mais, cresceu tanto afinal, que os ouvidos do capitão zumbiram, tremeram-lhe as pernas e caiu no limiar de uma porta. Com a queda, espantou um grande pássaro escuro que ali parecia pousado, e que voou cantando. – Acauã, acauã!

(Acauã, Inglês de Souza)

 

De repente, chega ao Mutum, um senhor de óculos (Dr. Lourenço) e a amizade se estabelece (...). Era isto mesmo: Miguilim era piticego, tinha vista curta, e não sabia. E então o senhor (que era doutor) tirou os óculos e deu-os a Miguilim: “Olha, agora!” Miguilim olhou. Nem não podia acreditar! Tudo era uma claridade, tudo novo e lindo e diferente, as coisas, as árvores, as caras das pessoas. O Mutum era bonito! - agora Miguilim via claramente. E então veio o convite: - O doutor era homem muito bom, levava o Miguilim, lá ele comprava uns óculos pequenos, entrava para a escola, depois aprendia ofício. E, assim, Miguilim teria uma nova perspectiva na vida: a criança de calça curta ia penetrar, agora, em um novo mundo.

(Manuelzão e Miguilim, Campo Geral – Guimarães Rosa)

 

A leitura das narrativas de O Alienista, de Machado de Assis, Acauã, de Inglês de Souza, e Manuelzão e Miguilim, de Guimarães Rosa, permitem avaliar as cinco afirmativas a seguir, a respeito dos fragmentos dados à leitura.

 

I. As três narrativas constroem-se em espaço natural, aberto, embora com paisagens totalmente diversas, onde se pode ter contato íntimo com a natureza e ainda se povoam tradições e valores deixados pelos antepassados.

II. Nos contos de Inglês de Souza e de Guimarães Rosa há, respectivamente, presença de palavras que nomeiam aves noturnas e de mau agouro: Acauã e Mutum. Essas palavras, em ambas as narrativas citadas, dão nomes carregados de significação aos lugares onde acontecem as histórias contadas por esses autores.

III. O fragmento de O Alienista expõe a visão pessimista machadiana sobre a conduta humana: o Boticário, que se pronunciava “amigo” do Alienista, muda de lado de modo egoísta, para salvar-se da perseguição do novo governo, mostrando a instabilidade ideológica do homem.

IV. O trecho do conto de Guimarães Rosa se encerra com uma cena simbólica: a descoberta de que Miguilim era míope, e a possibilidade de uma nova vida em outro lugar.

V. Em Acauã, a aparição do pássaro é tida como prenúncio de episódio sobrenatural e o trecho desse conto de Inglês de Souza exemplifica a presença da ave sombria, pelo canto agourento.

 

O correto está em

Escolha uma das alternativas.