Tenha acesso completo ao Stoodi

Assine o Stoodi e prepare-se para o ENEM com nossos conteúdos exclusivos!

UNCISAL 2016

HOJE NA HISTÓRIA: 1913 – IGOR STRAVINSKY ESTREIA EM PARIS SEU POLÊMICO BALÉ 'A SAGRAÇÃO DA PRIMAVERA'

 

Quando as cortinas do recém-inaugurado – e arquitetonicamente controverso – Teatro de Champs-Elysees se abriram, parecia que toda a sociedade parisiense ali estava. Havia uma grande expectativa cercando a nova produção. A publicidade do espetáculo dizia ser arte real e verdadeira que desprezava os tradicionais limites de espaço e tempo.

 

Assim que os primeiros acordes e os primeiros passos se viram e ouviram, a plateia começou a reagir ruidosamente com assobios, vaias e gritos. Originalmente intitulado "A Vítima", o balé de Stravinsky representava uma celebração pagã em que uma virgem se sacrifica ao deus da primavera. A música era dissonante e estranha, enquanto a coreografia de Nijinsky marcava um radical afastamento do balé clássico, os bailarinos dobrando os dedões dos pés e seus membros movimentando-se mecanicamente em ângulos em vez de suaves e sinuosos movimentos.

 

A incontrolável plateia tornou-se tão participante do espetáculo quanto os bailarinos e músicos. Cerca de um quarto dos que protestavam foram levados para fora à força, porém não foi suficiente para sufocar o distúrbio. As luzes do auditório foram totalmente acesas, mas o barulho continuou.

 

A dançarina Piltz representava a moça do sacrifício executando sua estranha dança de histeria religiosa num palco ofuscado pelas luzes fulgurantes da plateia, aparentemente acompanhando os desconexos desvarios de uma multidão de homens e mulheres encolerizados. A cobertura pela imprensa do balé – que hoje é considerado uma das grandes realizações musicais do século 20 – foi gritantemente negativa. A música foi qualificada como mero barulho e a dança como uma paródia horrivelmente feia do balé tradicional. [...]

Disponível em:. Acesso em: 06 nov. 2015.

 

O evento referido pelo texto, a estreia do ballet "A Sagração da Primavera", de Igor Stravinsky, ocorreu em 1913. A partir das informações do texto, interpreta-se esse evento como um dos mais emblemáticos exemplos de

 

Escolha uma das alternativas.