Tenha acesso completo ao Stoodi

Assine o Stoodi e prepare-se para o ENEM com nossos conteúdos exclusivos!

UNESP 2011

O Bumba-Meu-Boi

Entre os autos populares conhecidos e praticados no Brasil - pastoril, fandango, chegança, reisado, congada, etc. - aquele em que melhor o povo exprime a sua crítica, aquele que tem maior conteúdo jornalístico, é, realmente, o bumba-meu-boi, ou simplesmente boi. Para Renato Almeida, é o “bailado mais notável do Brasil, o folguedo brasileiro de maior significação estética e social". Luís da Câmara Cascudo, por seu turno, observou a sua superioridade porque "enquanto os outros autos cristalizaram, imóveis, no elenco de outrora, o bumba-meu-boi é sempre atual, incluindo soluções modernas, figuras de agora, vocabulário, sensação, percepção contemporânea. Na época da escravidão mostrava os vaqueiros escravos vencendo pela inteligência, astúcia e cinísmo. Chibateava a cupidez, a materialidade, o sensualismo de doutores, padres, delegados, fazendo-os cantar versinhos que eram confissões estertóricas. O capitão-do-mato, preador de escravos, assombro dos moleques, faz-sono dos negrinhos, vai "caçar" os negros que fugiram, depois da morte do Boi, e em vez de trazê-Ios é trazido amarrado, humilhado, tremendo de medo. O valentão mestiço, capoeira, apanha pancada e é mais mofino que todos os mofinos. Imaginem a alegria negra, vendo e ouvindo essa sublimação aberta, franca, na porta da casa-grande de engenho ou no terreiro da fazenda, nos pátios das vilas, diante do adro da igreja! A figura dos padres, os padres do interior, vinha arrastada com a violência de um ajuste de contas. O doutor, o curioso, metido a entender de tudo, o delegado autoritário, valente com a patrulha e covarde sem ela, toda a galeria perpassa, expondo suas mazelas, vícios, manias, cacoetes, olhada por uma assistência onde estavam muitas vítimas dos personagens reais, aIi subalternizados pela virulência do desabafo".
Como algumas outras manifestações folclóricas, o bumba-meu-boi utiliza uma forma antiga, tradicional; entretanto, fá-Ia revestir-se de novos aspectos, atualiza o entrecho, recompõe a trama. Daí “o interesse do tipo solidário que desperta nas camadas populares", como o assinala Édison Carneiro. Interesse que só pode manter-se porque o que no auto se apresenta não reflete apenas situações do passado, "mas porque têm importância para o futuro". Com efeito, tendo por tema central a morte e a ressurreição do boi, "cerca-se de episódios acessórios, não essenciais, muito desligados da ação principal, que variam de região para região... em cada lugar, novos personagens são enxertados, aparentemente sem outro objetivo senão o de prolongar e variar a brincadeira". Contudo, dentre esses personagens, os que representam as classes superiores são caricaturados, cobrindo-se de ridículo, o que torna "o folguedo, em si mesmo, uma reivindicação".
Sílvio Romero recolheu os versos de um bumba-meu-boi, através dos quais se constata a intenção caricaturesca nos personagens do folguedo. Como o Padre, que recita:

Não sou padre, não sou nada
"Quem me ver estar dançando
Não julgue que estou Iouco;
Secular sou como os outros".
Ou como o Capitão-do-Mato que, dando com o negro Fidélis, vai prendê-Io:

"CAPITÃO - Eu te atiro, negro
                  Eu te amarro, ladrão,
                  Eu te acabo, cão."

Mas, ao contrário, quem vai sobre o Capitão e o amarra é o Fidelis:

"CORO - Capitão de campo
              Veja que o mundo virou
              Foi ao mato pegar negro
              Mas o negro Ihe amarrou.

CAPITÃO - Sou valente afamado
                 Como eu não pode haver
                 Qualquer susto que me fazem
                 Logo me ponho a correr".

(Luiz Beltrão. Comunicação e folclore. São Paulo: Edições Melhoramentos, 1971.)

O capitão-do-mato, preador de escravos, assombro dos moleques, faz-sono dos negrinhos, vai "caçar" os negros que fugiram (...)
Nesta passagem, levando-se em conta o contexto, a função sintática e o significado, verifica-se que faz-sono é

Escolha uma das alternativas.