Tenha acesso completo ao Stoodi

Assine o Stoodi e prepare-se para o ENEM com nossos conteúdos exclusivos!

UNICENTRO 2012

A leitura no Brasil

 

é lugar-comum dizer que o brasileiro não lê. Consta que lemos apenas 1, 8 livro por ano. Há países que alcançam 5, 7, 10 e até 15. O Brasil lê pouco, em primeiro lugar, pelo grande contingente de analfabetos. Muitos países entraram o século 20 sem analfabetos. Dizem que a Argentina é um deles. Pois varamos o século XX, entramos no XXI com analfabetos puros, pessoas que não sabem ler e escrever, e mais os chamados analfabetos funcionais, gente que esteve na escola aprendeu a ler e a escrever, mas não é capaz de entender o que lê, e não consegue escrever um texto simples.

 

Esse analfabetismo funcional tem sido demonstrado nos diversos exames nacionais e internacionais. Nestes últimos, promovidos com frequência pela Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), os estudantes
brasileiros não passam dos últimos e penúltimos lugares, entre os colegas de 30, 40 países. Tais exames versam sobre ciências, matemática, leitura. Como é possível aprender outras disciplinas com a leitura deficiente? A propaganda oficial garante que 97% das crianças de sete a 14 anos estão na escola. Devia ser 100%, como manda a Constituição. Tudo bem, mas e a qualidade? Ao lado dos analfabetos e da escola pública precária, está o preço elevado do livro, porque as tiragens são pequenas. Há ainda a comissão das livrarias.

 

Outro dia um escritor dizia que parece que o Brasil tem somente três mil leitores, com boa vontade, uma vez tais tiragens costumam encalhar, em parte ou no 30 todo. Finalmente, há o subemprego, os salários baixos, o desemprego que não permitem nem aquisição de comida, quanto mais de livros, revistas e jornais! E o poder público não supre, como devia, a população com bibliotecas públicas. Escolas precárias e escassez de 35 livros não levarão o Brasil a lugar nenhum.

SIQUEIRA, Jack. A leitura no Brasil. Jornal O Tempo. Disponível em:. Acesso em: 29 jun. 2011.

 

A análise linguística dos elementos que compõem o primeiro parágrafo permite afirmar:

Escolha uma das alternativas.