Tenha acesso completo ao Stoodi

Assine o Stoodi e prepare-se para o ENEM com nossos conteúdos exclusivos!

Exercícios de Gramática

Listagem de exercícios

UNICENTRO 2013

TEXTO 1

Vacinas necessárias

Vicente Amato Neto e Renato de Ávila Kfouri

 

Há muito é conhecido o poder das vacinas. Quandoelas se tornam política pública, reduzem a mortalidade infantil, eliminam doenças e reduzem custos no setor de saúde.

 

Foi através de amplos programas de imunização que se eliminou a varíola do planeta e que obtivemos o controle de várias outras doenças.

 

Mas duas inquietudes aindaprecisam ser resolvidas: o acesso de todos e o desenvolvimento de vacinas contra doenças negligenciadas - ou, como dizem, "doenças órfãs".

 

O acesso obedece à lógica do capitalismo, em que a indústria farmacêutica, que investe no desenvolvimento de novas moléculas e vacinas, recebe o retorno de seus grandes investimentos após o licenciamento desses produtos, aprovados após rigorosos exames feitos pelas agências regulatórias.

 

Fica evidente que são os países mais ricos, possivelmente os que menos necessitam, que se beneficiam com a inclusão de novos imunizantes em seus programas públicos.

 

No Brasil, nosso elogiado e copiado Programa Nacional de Imunizações (PNI) tem sido exitosonão somente pelo número de vacinas contempladas, mas principalmente pelas altas coberturas vacinais atingidas, quase imbatíveis quando comparadas às de outros países.

 

Contudo, lembramos que existem medidas cogitáveis, como a inclusão das vacinas contra:

 

- A varicela, ou catapora, muitas vezes tida como benigna, mas podendo não raramente apresentar complicações;

- O vírus do papiloma humano (HPV), importante agente sexualmente transmissível capaz de causar verrugas e câncer em homens ou mulheres;

- Hepatite A, que representa importante agravo à saúde.

 

Essas vacinas citadas são hoje administradas somente em serviços privados de imunização.

 

Outros avanços aindaesperados são: ampliar o emprego da anti-hepatite B para todas as idades, expandir a utilização da vacina contra a meningite entre os adolescentes, contar com a prevenção da coqueluche em adultos, além de disponibilizarmos as protetoras de pneumonias de maneira mais efetiva para os idosos.

 

A propósito de males esquecidos, precisamos investir no desenvolvimento de imunizantes contra a dengue, a malária, a tuberculose, a AIDS e a hepatite C.

 

Convém conhecer quem estará à frente dos processos de pesquisas e desenvolvimento dessas novas vacinas. Os laboratórios públicos não conseguem competir com o investimento da indústria farmacêutica privada. As exigências, acertadamente cada vez mais severas para licenciar novos produtos, demandam estudos dispendiosos e com um enorme número de envolvidos. 

 

Por isso, ficamos reféns de interesses no âmbito da produção de imunobiológicos, e assimocorrem menos benefícios em países pobres.

 

Algumas iniciativas como a GAVI (Aliança Global de Apoio às Imunizações) e os altos investimentos em munização da Fundação Bill e Melinda Gates, fervorosos apoiadores dos progressos em imunizações, talvez não sejam suficientes para reduzir o grande abismo que há entre as nações. Entretanto, certamente são diligênciascomo essas que estabelecerão o tamanho da diferença. 

 

É hora de pensarmos em promoção de saúde através da prevenção, e não somente o intento de curar pessoas alcançadas por distúrbios indesejados. Agir assimrequer esforços e investimentos muito maiores, sempre recordando que aliviar o sofrimento humano não tem preço.

Folha de S.Paulo, 22 de julho de 2012. Tendências e debates

 

Assinale a alternativa INCORRETA quanto ao que se afirma a respeito dos elementos linguísticos destacados.

Conta de email não verificada

Não foi possível realizar o seu cadastro com a sua conta do Facebook pois o seu email não está confirmado no Facebook.

Clique aqui para ver como confirmar sua conta de email no Facebook ou complete seu cadastro por aqui.

Entendi
Clicando em "Criar perfil", você aceita os termos de uso do Stoodi.
Tem perfil no Stoodi? Fazer Login