Tenha acesso completo ao Stoodi

Assine o Stoodi e prepare-se para o ENEM com nossos conteúdos exclusivos!

UNICENTRO 2014

Leia o texto, a seguir, e responda à questão.

 

O grande marechal Cândido Rondon, que desbravou os rincões brasileiros, tinha como lema na colonização de terras indígenas o famoso “Morrer se preciso for; matar nunca”. Os lendários irmãos Villas Bôas, mundialmente famosos por terem feito o primeiro contato com os índios gigantes da Amazônia, os crenacarores, pautavam-se pelos mesmos cuidados de Rondon. A manutenção da vida e a saúde dos índios eram uma obrigação do estado brasileiro em sua política de expansão das fronteiras civilizadas sobre terras habitadas pelas populações originais pré-cabralinas. A Rondon e aos irmãos Villas Bôas não escapava a melancólica sensação da inevitabilidade da extinção ou, em um cenário benigno, da mutilação das culturas daqueles povos. Sempre foi trágico para o mais fraco o milenar encontro de populações em estágios díspares de desenvolvimento tecnológico. “Quem carregava o aço, a pólvora ou os germes mais fortes dizimava o outro. Assim caminhou a humanidade desde tempos imemoriais”, escreveu o geógrafo americano Jared Diamond. A conclusão é que não existe política indigenista justa para os índios. Qual a solução para a questão indígena brasileira? A pergunta não tem resposta simples. Está na hora de tirar o problema do âmbito do Conselho Indigenista Missionário e das ONGs estrangeiras e tratá-lo como uma questão de estado norteada pelo tema do marechal Rondon e pela insatisfatória, mas realista, visão dos irmãos Villas Bôas. Os índios precisam de proteção do estado para que não sejam usados como massa de manobra por manipuladores a quem mais interessam os mártires.
(Adaptado de: A questão indígena. Veja. Carta ao Leitor. 12 jun. 2013. São Paulo: Ed. Abril, ano 46, n.24. p.12.)

 

A partir do fragmento “O grande marechal Cândido Rondon, que desbravou os rincões brasileiros, tinha
como lema na colonização de terras indígenas o famoso ‘Morrer se preciso for; matar nunca”’, atribua
V (verdadeiro) ou F (falso) às afirmativas a seguir.


( ) Em “O grande marechal”, a troca de posição do adjetivo (de anteposto para posposto) em relação ao
substantivo não altera o sentido da expressão.
( ) A oração “que desbravou os rincões brasileiros” pode ser substituída por “desbravador dos rincões
brasileiros” sem perder sua função adjetiva.
( ) As aspas foram utilizadas no trecho “Morrer se preciso for; matar nunca” por se tratar de um dito
popular.
( ) O pronome “que” é um elemento de coesão e pode ser substituído, sem alterar o sentido original, por
“o qual”.
( ) No trecho “Morrer se preciso for; matar nunca”, o ponto e vírgula tem valor adversativo e pode ser
substituído por “porém”.

 

Assinale a alternativa que contém, de cima para baixo, a sequência correta.
 

Escolha uma das alternativas.