Tenha acesso completo ao Stoodi

Assine o Stoodi e prepare-se para o ENEM com nossos conteúdos exclusivos!

Exercícios de História

Listagem de exercícios

UNIOESTE 2009

Leia o texto abaixo, escrito pelo Prof. Carlos Eugenio Líbano Soares:

“Da marginalidade ao Pan? Berimbau, roda, jogo: a palavra capoeira hoje, em qualquer parte do Brasil, remete a imagens familiares para a grande maioria das pessoas. Para algumas, um esporte autenticamente nacional; para outras, a memória de uma ancestralidade africana. Mas se mergulharmos no passado em busca das raízes da capoeira, o quadro antes tão nítido vai se tornando mais complexo. Dois séculos atrás, em vários pontos do Rio de Janeiro, grupos de africanos e crioulos se reuniam para disputar lutas simuladas, como a que foi eternizada pelo pintor Rugendas décadas depois. Os documentos policiais mostram que eles gostavam de demonstrar força nas grandes praças e nos largos, talvez como exibição de suas habilidades. Aparentemente, os senhores toleravam estas correrias de “capoeira” quando não ocorriam dentro do recinto doméstico. Capoeira era então o termo usado pelas autoridades policiais (mas não somente) para designar uma prática comum dos escravos da época, que envolvia golpes de habilidade marcial e uso de facas ou instrumentos cortantes. Tudo indica que suas origens remotas eram africanas, mas a inexistência de um uso exclusivo por determinado grupo étnico e a presença de crioulos (escravos negros nascidos no Brasil) entre seus adeptos demonstra que a prática foi gestada em terras brasileiras. A tarefa de conter a “capoeiragem”, que antes era incumbência dos quadrilheiros coloniais (grupos armados pela Câmara Municipal, que rondavam as quadras de noite), ficou em seguida com a polícia, a partir de sua criação, em 1808, após a chegada da Corte portuguesa. Durante a época joanina (1808-1821), os “capoeiras” foram o inferno dos zeladores da ordem pública. Após a Independência, o imperador em pessoa chegou a encarregar a Guarda Real de controlar os “malfeitores”. Entretanto, por volta da metade do século XIX, a prática da capoeira ainda era um sério problema de segurança pública. No século XX, a luta sofreu uma metamorfose que alterou para sempre o seu destino. Grandes mestres, como Bimba e Pastinha, deram-lhe um perfil próximo do esporte, marca dos novos tempos. Hoje, há quem defenda sua entrada nos Jogos Olímpicos e Pan-Americanos, fato que provoca muita polêmica dentro e fora da própria capoeira. Alguns praticantes não aceitam a versão da capoeira como esporte, e têm receio do rígido controle internacional a que todo esporte olímpico é submetido, isto principalmente na capoeira angola. Outros, de fora da capoeira, afirmam que ela não tem regras fixas, e por isso não pode ser incluída como modalidade em competições internacionais. E não existe consenso sobre as próprias regras da capoeira nem mesmo entre aqueles que querem fazer dela um esporte olímpico. A esperança é que os novos caminhos trilhados pelos capoeiristas (que ficaram no lugar dos capoeiras) mantenham acesa a chama da memória desta prática ancestral.”

In Revista de História. Rio de Janeiro, Biblioteca Nacional, nº 22, julho de 2007.

Assinale a alternativa correta.

Conta de email não verificada

Não foi possível realizar o seu cadastro com a sua conta do Facebook pois o seu email não está confirmado no Facebook.

Clique aqui para ver como confirmar sua conta de email no Facebook ou complete seu cadastro por aqui.

Entendi
Clicando em "Criar perfil", você aceita os termos de uso do Stoodi.
Tem perfil no Stoodi? Fazer Login