Tenha acesso completo ao Stoodi

Assine o Stoodi e prepare-se para o ENEM com nossos conteúdos exclusivos!

Exercícios de Arte

Listagem de exercícios

UPE 2012

Texto 1

 

Pronominais

 

Dê-me um cigarro

Diz a gramática

Do professor e do aluno

E do mulato sabido

Mas o bom negro e o bom branco

Da Nação Brasileira

Dizem todos os dias

Deixa disso camarada

Me dá um cigarro.

SCHWARTZ, Jorge (Org.). Literatura Comentada Oswald de Andrade. São Paulo, Nova Cultural, 1985.

 

Texto 2 

 

Evocação do Recife

 

“A vida não me chegava pelos jornais nem pelos livros

Vinha da boca do povo na língua errada do povo

Língua certa do povo

Porque ele é que fala gostoso o português do Brasil

Ao passo que nós

O que fazemos

É macaquear

A sintaxe lusíada…”

BANDEIRA, Manuel. Estrela da vida inteira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2007.

 

Considerando os textos 1 e 2, analise as afirmativas a seguir:

 

I. Os textos tratam da mesma questão: um jeito brasileiro de falar mais autêntico; livre da rigidez normativa, que advém da tradição do idioma imposto desde a época da colonização. Em ambos os casos, é explícita a exaltação à fala coloquial defendida por outros modernistas, como Mário de Andrade.

II. “Me dá um cigarro” é “língua errada”, mas é a representação da “língua certa do povo”, que se opõe à “sintaxe lusíada”, referida por Bandeira, poeta modernista, praticante da irregularidade métrica e do lirismo repleto de cenas do cotidiano, que oscilava entre a vida e a morte.

III. Em: “É macaquear / A sintaxe lusíada...”, há o que se pode compreender como oposição à forma exigida pela gramática normativa de “Dê-me um cigarro”, de Oswald de Andrade, cuja produção poética vai do penumbrismo simbolista à ironia e ao humor do Movimento Pau-Brasil e da Antropofagia.

IV. “Ao passo que nós / O que fazemos / É macaquear / A sintaxe lusíada” são versos que expressam a opinião do eu lírico sobre as diferenças existentes entre o português falado pelo povo no Brasil e o português falado pelos lusitanos. Isso deixa explícita a posição do eu lírico quando da comparação entre os dois modos de perceber a língua.

V. “Porque ele é que fala gostoso o português do Brasil” é um verso que traduz a ironia presente na literatura de Manuel Bandeira, fazendo notar que a acidez do poeta o distancia do lirismo, já não muito relevante em sua poesia densa e propensa à crítica social.

 

Está CORRETO o que se afirma em

Conta de email não verificada

Não foi possível realizar o seu cadastro com a sua conta do Facebook pois o seu email não está confirmado no Facebook.

Clique aqui para ver como confirmar sua conta de email no Facebook ou complete seu cadastro por aqui.

Entendi
Clicando em "Criar perfil", você aceita os termos de uso do Stoodi.
Tem perfil no Stoodi? Fazer Login