Tenha acesso completo ao Stoodi

Assine o Stoodi e prepare-se para o ENEM com nossos conteúdos exclusivos!

UPE 2014

Quando Jasão conquistou o velocino de ouro, e a nau Argos velejava com Medeia rumo à Grécia, o sonho da princesa parecia realidade. Quem ainda se lembrava do monstro? Contudo, para o herói, o monstro jamais é um só. Por isso se deixa esquecer; todo monstro é um prelúdio ao monstro sucessivo. É mais fácil que a princesa seja esquecida. Os monstros possuem uma identidade difusa, que se encontra e se repete em cada fragmento do monstro, ao passo que cada mulher é um perfil e, a todo momento, um novo perfil pode encobrir os outros. Assim, as histórias entre os heróis e as princesas tendem a terminar mal.
(CALASSO, Roberto. As núpcias de Cadmo e Harmonia. São Paulo: Companhia das Letras, 1990, p. 225. Adaptado.)

 

O texto remonta à mitologia grega, cujo ponto principal é a história de Medeia, escrita por Eurípedes. No sistema mitológico, a figura de Medeia foi definida como uma

Escolha uma das alternativas.