Você já teve curiosidade em saber sobre a origem do Universo, como é a composição dos outros planetas ou como é o comportamento de um buraco negro? Então, você já teve interesse sobre assuntos da área de Astronomia.

Se hoje sabemos que o nosso Sol é uma estrela, que as estrelas cadentes são, na verdade, meteoros viajando a uma enorme velocidade pelo espaço, e que o nosso sistema solar está situado em uma galáxia — a Via Láctea — é por causa de pesquisas de Astronomia.

Sendo assim, venha com a gente descobrir tudo sobre essa área, desde o que ela é, como se tornar um astrônomo e até como está o mercado de trabalho. Dessa forma, você poderá analisar e ver se é isso que espera de um curso de Astronomia e da carreira como astrônomo. Então, vamos lá!

O que é Astronomia?

A Astronomia é a ciência que estuda os astros, a origem do Universo, as dinâmicas que ocorrem entre os componentes, a composição dos planetas, as estrelas, entre outros. Ela é considerada a mais antiga das ciências.

É importante não misturar o que é Astronomia de astrologia. Essa última é uma pseudociência que estuda a influência energética dos planetas e Sol nas nossas vidas. Feito essa observação, vamos conferir um pouco sobre a história da Astronomia.

Resumo sobre a história da Astronomia

Na Grécia Antiga existiam pensadores que foram importantes para várias áreas da ciência, inclusive para a Astronomia. Entre eles, podemos citar Tales de Mileto e Pitágoras.

Foi Tales de Mileto (623 – 558 a.C.) quem constatou que a Lua é iluminada pelo Sol e, a partir disso, explicou o eclipse solar. Já Pitágoras (571 – 479 a.C.) fez outras descobertas e acreditava que a Terra era esférica, que o Sol, a Lua e outros planetas giravam em torno da Terra e que as órbitas dos planetas formavam círculos perfeitos.

Com o passar dos anos, mais estudos foram feitos por mais cientistas, como Nicolau Copérnico, Tycho Brahe, Johannes Kepler, Galileo Galilei, Isaac Newton, entre outros. Você com certeza já deve de ter lido sobre algum deles nas suas aulas de Ciências do Ensino Fundamental ou de Física do Ensino Médio.

Dessa forma, chegamos aos conhecimentos que temos hoje, em que os planetas giram em órbitas elípticas ao redor do Sol, que estamos situados em uma galáxia, que nosso Sol é uma estrela etc. Tudo isso foi possível por meio de muita pesquisa e experimentos.

A Astronomia foi muito utilizada antigamente para saber qual era a melhor época para plantar alimentos, para medir o tempo, nas navegações e para explicar eventos físicos que aconteciam, como o eclipse solar e lunar, as marés cheias e as estrelas cadentes, por exemplo.

Ao longo do tempo, essa ciência foi se tornando um ramo específico e se subdividindo em várias áreas, como Cosmologia, Astrofísica, Análise de Dados em Astronomia, entre outras. Assim, você pode ser formar um astrônomo, mas se especializar em uma área específica.

Hoje, um astrônomo pode estudar sobre a composição dos planetas, os movimentos que os astros fazem, pesquisar se há vida fora da Terra e o que vai acontecer com o nosso Universo daqui alguns milhares de anos. Aliás, por meio dos estudos da astronomia conseguimos determinar quando vão acontecer os próximos eventos astronômicos, como os eclipses ou a chegada de um meteoro na Terra.

Hoje em dia, diferente da época de Tales de Mileto e Pitágoras, existem muitos aparatos tecnológicos para auxiliar na observação e pesquisa em astronomia, como o telescópio (criado por Hans Lippershey, em 1608), computadores, radiotelescópios e observatórios espaciais.

Foi só por causa desses aparatos mais tecnológicos que foi possível, por exemplo, ter a primeira “fotografia” de um buraco negro. Na verdade, a conquista mais divulgada do início de 2019 não é bem uma só fotografia, pois a imagem divulgada é uma junção de vários dados captados por oito radiotelescópios espalhados pela Terra.

Assim, depois de horas de processamento dos dados é que se pôde formar a imagem do buraco negro e constatar que as pesquisas feitas no início do século XX estavam no caminho certo. É importante citar que naquela época os cientistas não tinham todo o equipamento que temos hoje e as pesquisas desenvolvidas para os buracos negros eram apenas teóricas.

Porém, ainda há muitos mistérios a serem explicados pela Astronomia, como, por exemplo, do que é composta a matéria escura, para que servem as bolhas de Fermi, o que existia antes do Big Bang e a existência de vida fora da Terra. Sendo assim, há muito do que estudar sobre o Universo e você pode contribuir para isso!

Então, se você gosta de pesquisar sobre os mistérios do Universo e de Física, a Astronomia é uma área em que você pode se encontrar e seguir. Para isso, vamos falar agora sobre como é o curso de Astronomia e em quais universidades você consegue cursá-lo.

telescópio astronomia

Resumo do curso

É comum pensarmos que quando entramos num curso de Astronomia vamos ficar observando o céu e anotando o que reconhecemos. Porém, sinto informar, mas não é bem por aí. No curso de Astronomia você aprenderá conceitos de Física avançada e de Matemática avançada, além de temas sobre o Universo.

Além disso, durante o período de estudos você aprenderá a utilizar programas essenciais para a vida do astrônomo, como o MatLab, e ter aulas no laboratório. No decorrer do curso você vai entrar em contato com a pesquisa científica, o melhor caminho para quem quer se tornar um pesquisador.

Porém, também existem outras possibilidades de carreira para o astrônomo. Veremos mais adiante sobre elas.

Curso de astronomia

Como citado, no curso são ensinadas várias matérias que são essenciais para formar os astrônomos. Nos primeiros anos é dado ênfase para disciplinas de Física Experimental, Álgebra Linear, Física, Cálculo Diferencial e Integral e Astronomia.

Assim que o curso avança surgem outras matérias, como Mecânica Estatística, Astrofísica, Cosmologia, Análise de dados etc. Além disso, como em qualquer outro bacharelado, você precisa escolher disciplinas optativas. Ao final do curso é necessário desenvolver o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) e apresentá-lo para uma banca avaliadora.

No Brasil, temos disponíveis o curso de Astronomia em três universidades:

  • Universidade Federal de Sergipe (UFS);
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ);
  • Universidade de São Paulo (USP).

A parte das citadas, em outras universidades pelo país há departamentos de Astronomia, já que elas oferecem Mestrado ou Doutorado na área. Esse é o caso da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Faculdade de astronomia: Brasil

Para ficar mais simples de explicarmos, vamos focar mais na oferta da USP, pois as outras universidades oferecem versões semelhantes a essa. Sendo assim, vamos ver um pouco como é o curso de Astronomia na Universidade de São Paulo e o que fazer depois de se formar.

Astronomia USP

O curso de Astronomia da USP tem duração ideal de oito semestres, ou seja, 4 anos. Porém, o estudante pode concluir seus estudos entre sete e doze semestres. A carga horária total dele é de 2820 horas, distribuídas entre disciplinas obrigatórias, optativas livres e eletivas.

Sendo assim, o aluno deve cursar algumas matérias que são obrigatórias e, a partir do segundo semestre, ele pode escolher disciplinas da lista de eletivas para estudar. Nos primeiros semestres o estudante lida com assuntos do núcleo de exatas, como Física, Cálculo e Geometria Analítica. Além disso, ele vai ver um pouco sobre história da Astronomia.

Assim que o curso avança, surgem matérias mais relacionadas à Astronomia, como Cosmologia, Astrofísica, Instrumentação. Essa é a diferença principal entre um curso de Física e esse, que traz mais conteúdos voltados para as disciplinas específicas. Além disso, ele poderá começar a participar de projetos de pesquisa na área que mais se interessar.

Um aluno que queira entrar para o curso precisa gostar, principalmente, de Física e Matemática. Além, é claro, de Astronomia. Ademais, ele precisa ter um perfil que engloba curiosidade, disciplina, organização e meticulosidade. Porém, se não tiver algumas dessas qualidades bem desenvolvidas, não tem problema, pois ele irá desenvolvê-las melhor durante os estudos e os projetos de pesquisa.

Duração do curso

Como já citado, o curso de bacharelado em Astronomia tem duração de sete a doze semestres. O esperado é que o aluno termine em quatro anos. Essa é a média de tempo da maioria das graduações.

Aliás, se você não entende a diferença entre um curso de bacharelado e licenciatura, saiba que em uma licenciatura você terá disciplinas de didática, além das de Física, Astronomia e Cálculo. Nelas são ensinadas teorias de aprendizagem para formar futuros professores.

Já em um curso de bacharelado não são estudadas disciplinas para formar professores, pois o foco é formar astrônomos para trabalhar em empresas ou instituições governamentais que se dedicarão apenas à pesquisa.

O curso da USP é de bacharelado. Porém, nas disciplinas optativas você encontra algumas voltadas para a educação, como Didática e Metodologia do Ensino de Física. Elas preparam você para a carreira acadêmica.

Nota de corte do curso de Astronomia

A nota de corte para os cursos de Astronomia muda um pouco para cada um dos três cursos disponíveis hoje. Em 2018, por exemplo, os valores foram:

  • USP (vestibular Fuvest): 44 (de 0 a 100);
  • UFS (ENEM Sisu): 682 (de 0 a 1000);
  • UFRJ (ENEM Sisu): 747 (de 0 a 1000).

Sendo assim, você pode se candidatar para as três universidades em um mesmo ano. Para isso, precisa prestar o vestibular Fuvest, que é o utilizado pela USP. Além disso, pode fazer o ENEM e se inscrever no Sisu. Assim, é possível escolher os outros dois cursos — da UFS e da UFRJ — como primeira e segunda opção.

Tanto o ENEM como o vestibular Fuvest são feitos apenas uma vez ao ano. Em 2019, o vestibular Fuvest lançou o edital em agosto e o período de inscrição durou entre 12 de agosto a 20 de setembro.

Contudo, se você quer fazer o ENEM, o edital de 2019 já foi publicado e o período de inscrição começou no dia 06 de maio e foi até o dia 17 do mesmo mês. Portanto, caso tenha perdido as datas desse ano, fique ligado, o edital costuma ser publicado por volta de março.

calculadora astronomia

Grade curricular astronomia

Já citamos algumas das disciplinas do curso da USP, mas agora vamos falar de forma mais detalhada sobre a grade curricular do curso de Astronomia. A seguir, veremos as disciplinas obrigatórias do curso da USP por semestre:

Semestre 1:

  • Física I;
  • Física Experimental I;
  • Astronomia: Uma Visão Geral I;
  • Cálculo Diferencial e Integral I;
  • Vetores e Geometria.

Semestre 2:

  • Física II;
  • Física Experimental II;
  • Astronomia: Uma Visão Geral II;
  • Cálculo Diferencial e Integral II;
  • Álgebra Linear I.

Semestre 3:

  • Física III;
  • Física Experimental III;
  • Planetas e Sistemas Planetários;
  • Introdução à Computação para Ciências Exatas e Tecnologia;
  • Cálculo Diferencial e Integral III.

Semestre 4:

  • Física Matemática I;
  • Física IV;
  • Física Experimental IV;
  • Cálculo Diferencial e Integral IV.

Semestre 5:

  • Mecânica I;
  • Física Quântica;
  • Física Experimental V;
  • Astrofísica Estelar;
  • Métodos Numéricos em Astronomia.

Semestre 6:

  • Eletromagnetismo I;
  • Mecânica Estatística;
  • Mecânica Quântica I.

Semestre 7:

  • Trabalho de Graduação I;
  • Astrofísica Galáctica e Extragaláctica;
  • Introdução à Cosmologia;
  • Análise de Dados em Astronomia I.

Semestre 8:

  • Trabalho de Graduação II.

Além dessas matérias, o aluno deve cursar 540 horas de disciplinas optativas livres e eletivas. Para isso, ele pode escolher entre as 90 que são ofertadas pela USP para o curso de Astronomia. Elas são relacionadas à Física, Astronomia, Cálculo, divulgação científica e até a outras áreas, como é o caso da Climatologia I.

É importante ressaltar que a maioria das matérias tem requisitos. Isso quer dizer que para cursar determinada disciplina é preciso ter cursado outra. Por exemplo, para fazer Física Quântica é preciso ter cursado Física III e Cálculo Diferencial e Integral III.

Astronomia estágio

Para concluir o curso de Astronomia na USP não tem uma disciplina de estágio obrigatório. Porém, o estudante pode optar por fazer um, seja no próprio campus ou em uma empresa de fora quando abrir vagas.

No campus, o estudante pode fazer estágio em programas de iniciação científica. Assim, você terá contato com as técnicas utilizadas na pesquisa científica, desde análise de dados astronômicos até a execução de missões observacionais em telescópios.

Há a possibilidade de fazer um estágio supervisionado no Observatório Gemini no Chile. Assim, o estudante consegue três meses para fazer o estágio, com direito a Bolsa Santander/Países Ibéricos.

Além disso, é possível estagiar em museus de ciência e planetários. Dessa forma, o estudante auxiliará os palestrantes, fará o manuseio de telescópios e de outros equipamentos.

Já na área de divulgação científica, é possível auxiliar jornalistas ou instituições de Astronomia, seja em dar suporte em relação a algum conhecimento mais aprofundado ou até produzir conteúdo para as mídias impressas ou digitais.

Especialidade de astronomia

Após o término da graduação em Astronomia, o astrônomo que deseja seguir na área de pesquisa ou dar aula em universidades precisa continuar a se especializar. Sendo assim, o próximo passo é fazer um mestrado e um doutorado.

Para entrar em um mestrado o candidato deve fazer uma prova ou apresentar um projeto de pesquisa. Sendo assim, não é preciso participar de um programa de pós-graduação na mesma universidade que foi feito o curso de graduação.

O indicado é que o candidato reflita sobre qual área de pesquisa mais se identifica e, assim, pesquise em qual universidade é oferecido algo relacionado a esse tema. A partir disso, ele precisa verificar quais os procedimentos que serão necessários para entrar no mestrado e, então, se candidatar.

O mestrado tem duração de dois anos. Durante os estudos é preciso que o aluno curse disciplinas obrigatórias e optativas. Além disso, ele deve realizar a sua pesquisa. Ao final do programa, para concluir e conseguir o título de mestre, o astrônomo precisa apresentar uma dissertação para uma banca avaliadora.

Após o mestrado vem o doutorado. Para a conclusão dessa etapa são necessários, em média, quatro anos. Esse programa de pós-graduação funciona como o mestrado, pois é preciso cursar as disciplinas obrigatórias e algumas optativas. Além disso, é necessário desenvolver seu projeto de pesquisa e, ao final, apresentar uma tese para uma banca avaliadora.

O astrônomo pode tentar fazer tanto o mestrado como o doutorado em uma universidade do exterior. Para isso, é preciso se candidatar e, ainda, ter a proficiência na língua do país. Ou então, fazer um pós-doutorado no exterior.

O profissional de astronomia

Falamos sobre como ingressar no curso de Astronomia e como se especializar. Agora vamos discutir sobre a carreira nesse campo, desde como é o perfil profissional até o mercado de trabalho.

Perfil do profissional

É comum termos uma visão um pouco romantizada do astrônomo. Se você já pensou que seu trabalho consiste em observar o céu noturno durante horas, desenhar os astros e fazer anotações, é certo que não é bem por aí.

Antigamente, lá na Grécia Antiga, era isso mesmo que os cientistas faziam. Porém, com o desenvolvimento da Matemática e com a criação de tecnologias, como o computador e os telescópios, a forma de se observar o céu mudou.

Hoje é muito comum você encontrar astrônomos que observam os astros de dentro de uma sala por meio de um computador, apenas controlando o telescópio que está a quilômetros de distância e analisando as imagens e dados colhidos em um software.

Sendo assim, um astrônomo precisa gostar de cálculo, Física, ter curiosidade pelo funcionamento do Universo e ter facilidade com softwares e aparelhos tecnológicos. Além disso, é essencial saber inglês, pois a maior parte das pesquisas e publicações na área estão nessa língua.

Para concluir, o perfil profissional de um astrônomo precisa incluir organização, meticulosidade e disciplina. Com isso, ele certamente será um bom pesquisador.

Astronomia salário

Agora que você já sabe tudo sobre como entrar no curso de Astronomia, sobre o que você vai estudar, como fazer seu estágio e qual é o perfil do profissional é hora de falar sobre o salário de um astrônomo.

Em empresas, na área de divulgação científica, um astrônomo tem um salário médio inicial entre R$ 5.000,00 e R$ 7.000,00. Já na área acadêmica, isso depende de cada concurso ou da bolsa de pesquisa, mas a média salarial inicial também fica em torno de R$ 5.000,00. Porém, quanto mais títulos e experiências no exterior ele tiver, mais bem remunerado ele será.

Mercado de trabalho

Muitos astrônomos seguem na área da pesquisa, seja nas universidades ou em institutos, como o INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). Porém, no Brasil, quem faz pesquisa em universidade precisa também lecionar. Já quem trabalha nos institutos ou outras empresas privadas atua apenas desenvolvendo sua pesquisa.

O profissional pode seguir apenas a carreira acadêmica e dar aulas em universidades ou no Ensino Médio. Além disso, é possível trabalhar em museus, planetários, observatórios e centros de cultura na montagem de exposições, gestão do espaço e coordenação das visitas.

Para os astrônomos que têm mais facilidade com a parte computacional e instrumental, há espaço para trabalhar em empresas de tecnologia. Assim, eles poderão fazer análise e tratamento de dados e controle de dispositivos.

São vários os caminhos profissionais que um bacharel em Astronomia pode seguir. Para isso, no entanto, é preciso que ele saiba com o que mais tem afinidade de trabalhar e fazer o que for necessário em termos de estudo para conquistar a vaga pretendida.

Há muitas pessoas que não sabem se querem mesmo estudar Astronomia e fazem bacharel em Física para depois fazer mestrado e doutorado na área de Astronomia. Eles também são considerados astrônomos e podem seguir a mesma carreira profissional.

Sendo assim, a Astronomia é uma área que engloba Física e Matemática. Então, é bom já começar a estudar para os vestibulares e, assim, conquistar uma vaga no curso da universidade pretendida. Se você não sabe por onde começar, aproveite nosso plano de estudos. Com ele, você vai conseguir ter um direcionamento para estudar e, assim, passar no vestibular.