Você com certeza já percebeu que existem várias engenharias, não é mesmo? Diante de tantas possibilidades na área das exatas, como saber qual profissão seguir e ter uma carreira de sucesso? Ainda que essa seja uma pergunta complexa, um excelente primeiro passo para respondê-la é identificar seus gostos e ambições.

Uma das profissões que sempre teve destaque no universo das engenharias é a Engenharia de Materiais. Isso porque ela é uma das áreas que apresenta muitas oportunidades de trabalho para os futuros profissionais.

Pensando em ajudar você a escolher qual carreira seguir, nós queremos compartilhar com você todas as informações sobre Engenharia de Materiais para você tomar uma decisão consciente. Vamos lá?

O que é Engenharia de Materiais?

Você concorda que antes mesmo de saber como acontece o curso, você precisa saber o que é Engenharia de Materiais? Afinal, como que você saberá se essa é realmente a graduação certa se não conhece o mercado de trabalho e a sua história? Bom, a profissão é uma das mais antigas dentro das engenharias e, por isso, é de grande notoriedade entre os trabalhadores da área.

Vamos pensar juntos: qualquer atividade que nós desempenhamos no dia a dia, dependemos de materiais, não é mesmo? Para você ler este artigo, você provavelmente está sentado em uma cadeira, com o seu computador à frente, luzes ligadas e todo um equipamento ao seu redor. Ou, ainda, você está acessando-o por meio do seu celular.

Independentemente do lugar onde estamos, os materiais estão presentes. E isso não acontece somente na atualidade, é algo que faz parte da nossa história: desde o primórdio da humanidade, precisamos de pedra, madeira, ossos e ferro, por exemplo, para assegurar nossa sobrevivência.

É por isso que o estudo desses materiais que atravessam as nossas vidas se torna tão importante na contemporaneidade, tendo em vista que ainda precisamos, constantemente, de itens que auxiliam o nosso dia a dia — como o seu celular ou computador.

Bom, mas o que é então Engenharia de Materiais? Ela nada mais é do que o ramo da engenharia que pesquisa e estuda as inovações que existem na área, fazendo com que o profissional selecione, especifique e implemente novos materiais e compostos que podem ser utilizados no meio industrial, urbano e natural.

Nesse sentido, a Engenharia de Materiais trabalha em conjunto com outras ciências, como a química, física e matemática, tendo em vista a importância de conhecer a composição dos materiais, seus processamentos, propriedades e aplicações no dia a dia.

Com isso em mente, fica bem mais fácil entender que o engenheiro de materiais tem como principal objetivo o desenvolvimento de materiais otimizados. Para isso, é fundamental conhecer a sua aplicação e a seleção de matéria prima que traga eficiência não só para a sua produção, como também para o seu uso final.

Curso de engenharia de materiais

Diante de todas essas informações, surge a grande dúvida: como acontece o curso de Engenharia de Materiais? Como você já deve ter percebido, é uma graduação que envolve outras ciências — física, química e matemática, principalmente. Isso faz com que você tenha diversas aulas com outros cursos.

Além disso, a graduação em Engenharia de Materiais é dividida em disciplinas práticas e teóricas. Afinal, você lembra que comentamos sobre a necessidade de entender a aplicação do material no dia a dia? Sem matérias práticas no curso, fica muito mais difícil compreender como o seu trabalho é usufruído por outras pessoas.

E mais: sem o conhecimento prático do desenvolvimento de materiais, você diminui suas as oportunidades no mercado, tendo em vista que poucas empresas querem contratar profissionais que não conhecem a composição dos itens que estão criando.

Com isso em mente, o curso de Engenharia de Materiais é dividido em duas partes: a primeira, que foca no aprendizado de disciplinas mais básicas, como história, química, matemática, composição dos materiais e física. Já no segundo período, a faculdade aprofunda os seus conhecimentos sobre a área.

Assim, a partir do terceiro ano da faculdade, você precisa escolher uma especialidade de atuação: cerâmica, metais ou polímeros. Cada um desses materiais desempenha uma função diferente na nossa sociedade e, portanto, apresenta diversas formas de atuação no mercado.

Nesse sentido, antes mesmo de você se formar, é necessário escolher uma área específica de trabalho para desenvolver o seu conhecimento ainda na graduação. Depois, você pode — e deve! — investir em uma pós-graduação para qualificar a sua profissão e garantir mais possibilidades no campo.

Estágio: Engenharia de Materiais

No tópico anterior falamos sobre a necessidade de escolher uma especialização antes de formado. Para otimizar ainda mais o seu contato com a prática, todas as universidades que oferecem o curso de Engenharia de Materiais exigem a realização de um período de estágio.

Vamos pensar em um exemplo para facilitar a compreensão do porquê? Imagine que você está saindo da graduação e é contratado por uma grande empresa produtora de metal para obras. Perfeito, não é mesmo? Acontece que o seu cargo exige uma compreensão profunda da composição química e as formas de ligação dos metais.

Infelizmente, existem universidades que não aprofundam nesse conteúdo, sendo necessário ter uma experiência extraclasse para conseguir atuar de forma correta. Se você já realizou um período de estágio nessa área antes de ser contratado, fica muito mais fácil trabalhar de maneira otimizada na empresa.

Nesse sentido, as universidades compreendem que não podem oferecer todos os conteúdos e, então, solicitam que seus alunos cumpram um período obrigatório de estágio para, justamente, ter um contato mais aprofundado com a prática.

Além disso, investir nessa experiência profissional permite, também, uma ampliação da sua rede de contatos, auxiliando a sua entrada no mercado de trabalho depois de formado. Assim, você é beneficiado não só com uma excelente vivência, como também com possibilidades futuras de contratação.

Vale lembrar que a maioria das universidades disponibilizam o campo de estágio de acordo com a área que você escolheu lá no terceiro ano de graduação. No entanto, caso você deseje seguir outra carreira, é possível ir atrás de empresas e organizações que ofereçam vagas exclusivas de estágio.

Duração do curso

No início do artigo explicamos que tomar a decisão sobre qual profissão seguir não é tarefa fácil — mas isso você já sabia, não é mesmo? Uma excelente forma para ajudar nessa escolha é recolher várias informações sobre os cursos em potencial. Assim, você consegue analisar com mais calma todos os dados.

Um dos mais importantes é a duração do curso, tendo em vista que é ele que dirá o quanto você deverá estudar para se qualificar e poder atuar de fato no mercado. O Ministério da Educação (MEC) informa que o curso de Engenharia dos Materiais precisa ter, no mínimo, cinco anos de duração.

Isso quer dizer que você deverá estudar por pelo menos 10 semestres até conseguir o seu diploma. Isso sem considerar, é claro, os casos de repetição em matérias, trancamento de disciplinas e greves institucionais.

Vale lembrar, ainda, que caso você queira oferecer um trabalho mais qualificado, é fundamental investir em uma pós-graduação. Nesse sentido, você precisará se dedicar mais dois ou três anos ao estudo para ser especialista na sua área de atuação e conseguir outras oportunidades na carreira.

Faculdade de engenharia de materiais

Até agora, nós falamos bastante sobre o que é Engenharia de Materiais e como acontece o seu curso. Então, quais são as melhores faculdades que oferecem essa graduação? Existem diversas instituições de ensino que são bem reconhecidas pelo MEC e apresentam uma boa nota do ENADE (Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes).

Se você ainda não sabe quais são as melhores faculdades de Engenharia de Materiais, não se preocupe! Nós listamos as principais para você. Confira a seguir:

  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS);
  • Fundação Universidade Federal do ABC (UFABC);
  • Universidade Federal de Sergipe (UFS);
  • Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR);
  • Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC);
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ);
  • Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG);
  • Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP);
  • Universidade Federal do Pará (UFPA);
  • Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). 

Nessa lista, apresentamos as principais universidades públicas que oferecem o curso. Porém, o nosso artigo não estaria completo se nós não falássemos sobre as faculdades privadas, não é mesmo? A seguir, você pode conferir as principais instituições de ensino privadas que oferecem Engenharia de Materiais no Brasil.

  • Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC);
  • Universidade de Caxias do Sul (UCS);
  • Universidade Presbiteriana Mackenzie (Mackenzie);
  • Universidade São Francisco (USF);
  • Centro Universitário do Leste de Minas Gerais (UNILESTEMG);
  • Instituto Superior Tupy (IST);
  • Centro Universitário Fundação Santo André (CUFSA);
  • Faculdade do Centro-Leste (UCL). 

Engenharia de Materiais: UFSC

No tópico anterior você pôde perceber que a UFSC é uma das melhores universidades que oferecem o curso de Engenharia de Materiais, concorda? Pois é, ainda que ele não tenha a nota máxima no ENADE, é uma das graduações mais buscadas pelos vestibulandos, tendo em vista a visibilidade que a universidade traz para os profissionais.

A faculdade de Engenharia de Materiais da UFSC é conhecida pelo seu modelo curricular cooperativo, no qual a formação dos estudantes não acontece somente dentro do campus, mas também nas empresas de Santa Catarina por meio dos estágios curriculares.

Nesse sentido, a partir da terceira fase os futuros engenheiros já ingressam nos estágios obrigatórios e começam desde cedo a sua iniciação no mercado de trabalho. Para que isso seja possível sem comprometer a duração do curso, a graduação é trimestral em vez de semestral.

No entanto, o movimento estudantil da Engenharia de Materiais da UFSC entrou em discordância com os coordenadores, exigindo um curso semestral para conseguirem assimilar com mais facilidade os conteúdos. Isso porque o modelo trimestral demanda menos tempo de férias e um maior número de disciplinas.

Assim, em 2019 o curso passou a ser dividido de forma semestral somente para algumas turmas, entrando em estado de análise para conferir a viabilidade de tornar toda a graduação no mesmo modelo sem prejudicar a sólida formação acadêmica que a UFSC apresenta.

Engenharia de Materiais: USP

Indo mais além, a Universidade de São Paulo (USP) também é outra instituição de referência na área da Engenharia de Materiais, não só no Brasil como também em toda a América Latina. Isso acontece porque ela tem como principal missão a formação de profissionais com excelência técnica e científica.

Assim, o curso de Engenharia de Materiais da USP visa desenvolver engenheiros que tenham traços de empreendedores para que se tornem líderes inovadores na área, com coragem para propor novas estratégias de atuação que tragam não só relevância científica para o campo, como também social para toda a população.

É importante você saber, também, que a graduação da USP é pautada em sete grandes competências: integridade, racionalidade, respeito, postura criativa, postura educativa, rigor acadêmico e responsabilidade social.

Engenharia de Materiais

Engenharia de Materiais EAD

Você já sabe como funciona o ensino a distância? Não é nenhum mistério que esse é um dos modelos mais utilizados pelos estudantes de todo o Brasil. Afinal, é uma forma facilitada de aprender, que alinha um estudo de qualidade com uma rotina organizada, ampliando o acesso ao ensino superior.

O MEC, em conjunto com as universidades públicas e privadas, compreendeu que investir no ensino a distância oferece mais oportunidades para os vestibulandos que vivem em regiões remotas do país, assim como facilita o equilíbrio entre estudo e trabalho.

Acontece que existem graduações que não podem ser realizadas a distância, existindo uma forte fiscalização do MEC em cima disso. Isso acontece porque algumas faculdades demandam momentos práticos que não podem ser feitos a distância, como é o caso da Medicina e Psicologia.

Tendo em vista que a Engenharia de Materiais é um dos cursos que demanda uma experiência prática ao longo da graduação, ela não pode ser ofertada na modalidade EAD. Assim, se você deseja seguir essa área, tenha em mente que só poderá cursá-la de forma integral e presencial, ok?

Engenharia de Materiais: nota de corte

Você lembra que comentamos sobre a importância de conhecer diversos dados sobre os seus cursos favoritos para escolher a profissão que mais combina com a sua personalidade? Pois é, além da duração do curso, outra informação que você precisa conhecer é a nota de corte.

Afinal, você conseguiria montar um plano de estudo eficiente sem conhecer a pontuação mínima que precisa alcançar no vestibular? É por isso que nós separamos a seguir as principais notas de corte da Engenharia de Materiais para você mandar bem nas provas. Confira!

  • Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará, campus de Marabá, turno integral — 753.0;
  • Universidade Federal de São Carlos, campus sede, turno integral — 749.0;
  • Universidade Federal do Pará, campus universitário de Ananindeua, turno integral — 747.0;
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro, campus cidade universitária, turno integral — 741.0;
  • Universidade Federal de Santa Catarina, campus Reitor João David Ferreira Lima, turno integral — 732.0;
  • Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI), campus Itajubá, turno integral — 729.0;
  • Universidade Tecnológica Federal do Paraná, campus Londrina, turno integral — 710.0;
  • Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais, campus sede, turno integral — 717.0;
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul, campus escola de Engenharia, turno integral — 706.0;
  • Universidade Federal de Santa Catarina, campus Blumenau (sede administrativa), turno integral — 696.0.

Vale lembrar que esses valores se referem às universidades públicas. Caso você tenha interesse em realizar o curso em faculdades privadas, é fundamental conhecer as formas de ingresso que cada uma delas oferece para montar o seu planejamento, combinado?

Engenharia de Materiais: grade curricular 

Para concluir as informações que você precisa conhecer para tomar a sua decisão profissional, nós separamos as principais disciplinas do curso de Engenharia de Materiais a seguir. Aproveite esse momento para analisar cada matéria e imaginar-se estudando seus conteúdos.

  • Metodologia Científica e Tecnológica;
  • Eletricidade Aplicada;
  • Comunicação e Expressão;
  • Expressão Gráfica;
  • Corrosão e Degradação de Materiais;
  • Ciências do Ambiente;
  • Fenômenos de Transporte;
  • Informática;
  • Ciência e Tecnologia dos Materiais;
  • Economia;
  • Química dos Polímeros;
  • Humanidades, Ciências Sociais e Cidadania;
  • Processamento de Termoplásticos;
  • Computação e desenho;
  • Física dos materiais;
  • Técnicas de Análise de Materiais;
  • Mecânica dos Sólidos;
  • Comportamento Mecânico dos Materiais;
  • Transformações de Fases;
  • Tratamentos Térmicos;
  • Matemática;
  • Química dos materiais;
  • Administração;
  • Análise de Falhas. 

mulher Engenharia de Materiais

O profissional de Engenharia de Materiais

Nós já vimos bastante coisa até agora, não é mesmo? Desde o que é Engenharia de Materiais, passando pela estrutura do seu curso, até as principais informações que você precisa conhecer para saber se essa área é realmente a melhor para você. Então, o que falta para deixar o nosso guia completo?

Nós não podemos deixar de apresentar para você a carreira do engenheiro de materiais e suas oportunidades no mercado de trabalho. Até porque, é por meio desses dados que você saberá qual é a perspectiva para o seu futuro profissional para planejar a sua carreira de sucesso.

Depois de formado, o engenheiro atua no campo de desenvolvimento de novos materiais mediante ligas e combinações químicas e físicas. Assim, você analisa a resistência ao impacto e variações de temperatura desse novo material, bem como a sua aplicabilidade pela população.

Ao escolher a sua especialização — cerâmica, metal ou polímero — você determina qual função poderá exercer. Em outras palavras, cada uma dessas classes apresenta processos de ocupação diferentes. Por exemplo, na área da cerâmica, você atua na avaliação do processo de criação desse material, controlando a qualidade da produção.

Já no caso dos metais, o engenheiro tem como objetivo formar novas ligas metálicas ou aprimorar as já existentes de acordo com a sua utilização. Isso pode ser feito tanto em metalúrgicas quanto em siderúrgicas, empresas de consultorias e fabricantes de produtos metálicos.

Por fim, no mercado dos polímeros, você deve aprimorar a qualidade dos plásticos em relação a sua utilização, investindo na criação de borrachas, resinas e acrílicos inovadores, considerando não só a responsabilidade social como também a ambiental na produção.

Perfil do profissional

Diante de todas essas informações, é comum que você se questione se existem características específicas que o engenheiro de materiais deve ter. Na verdade, a resposta é positiva. Assim como qualquer profissão, existem competências e habilidades que você precisa desenvolver para ter reconhecimento na área.

Além disso, são essas características que permitirão um trabalho de maior qualidade, oferecendo segurança ética no seu dia a dia ocupacional. A seguir, listamos as principais competências que você precisa aprimorar para se tornar um bom engenheiro. Confira!

  • ter afinidade com a matemática;
  • gostar de física e química;
  • ser organizado e proativo;
  • ter interesse pelos estudos e pesquisas científicas;
  • apresentar boa comunicação escrita e oral;
  • ter traços de liderança;
  • saber trabalhar em equipe.

Mercado de trabalho

Começamos este artigo falando sobre como utilizamos materiais em todas as esferas das nossas vidas. Para estudar, trabalhar e aproveitar os momentos de lazer, estamos constantemente utilizando itens que não só otimizam o nosso tempo, como também trazem uma sensação de conforto e segurança.

A tendência da nossa sociedade é investir cada vez mais em tecnologia e sistemas de informação que permitam um contato mais aproximado entre as pessoas. Para que isso seja possível, precisamos de materiais de qualidade. É por isso que o mercado de trabalho da Engenharia de Materiais não para de crescer.

Muitas empresas buscam profissionais especializados que possam desenvolver materiais que não prejudicam o meio ambiente e aumentam a qualidade de vida da população. Assim, você pode trabalhar em conjunto com instituições da construção civil, tecnologia e Engenharia Ambiental.

Engenharia de Materiais: salário

Para concluir o nosso guia completo, precisamos falar sobre a remuneração que um engenheiro de materiais tem. Por ser uma profissão que exige muita dedicação, tanto nos estudos quanto na prática, o salário tende a ser mais alto do que as outras engenharias.

Em 1966 entrou em vigor uma lei que regulamenta a remuneração de todos os engenheiros de acordo com a carga horária de trabalho que eles desempenham. No caso da Engenharia de Materiais, o salário é organizado em jornadas de seis, sete e oito horas.

No caso de trabalhos com carga horária de seis horas por dia, você precisa ganhar pelo menos seis salários mínimos. Já nas jornadas de sete horas por dia, as empresas precisam oferecer 7,25 salários-mínimos. Por fim, se você trabalha oito horas por dia, precisa receber 8,5 salários-mínimos por mês.

Considerando que o salário-mínimo vale R$1.006,00 em 2019, quem segue carreira nessa área recebe, pelo menos, R$ 6.036,00, podendo chegar até R$ 8.551,00.

Você percebe como a Engenharia de Materiais é ampla e oferece muitas oportunidades, inclusive logo depois de formado? Para entrar nessa graduação, lembre-se de que é necessário ter um bom desempenho no vestibular e conquistar a sua vaga na faculdade. Por isso, invista no seu estudo, revise bem os conteúdos e desenvolva uma estratégia eficiente de aprendizagem.

E então, acha que Engenharia de Materiais é a carreira certa para você? Aproveite para organizar a sua aprendizagem com o nosso plano de estudos e conquiste uma excelente nota no vestibular!