Basta o vestibular se aproximar para vários jovens começarem a bater o martelo sobre qual faculdade fazer e qual carreira querem ter. No entanto, muitos outros ainda seguem indecisos e buscando informações sobre aqueles cursos da área da saúde que mais despertam o interesse deles, como é o caso da Fonoaudiologia. Se esse também é o seu caso, não se preocupe! É normal ter dúvidas e não querer se precipitar em tomar uma decisão.

Afinal de contas, entrar no ensino superior é um passo importante e que merece, sim, uma boa dose de reflexão para você chegar na melhor escolha para o seu futuro. Para ajudá-lo nessa caminhada, preparamos um post completo com várias informações sobre a graduação em Fonoaudiologia e o mercado de trabalho para os profissionais desse ramo. Acompanhe até o fim e fique por dentro de tudo!

O que é Fonoaudiologia

A Fonoaudiologia é uma área que se dedica ao estudo da fala e da audição, ambas muito importantes não só para a nossa comunicação com as outras pessoas, como também a nossa percepção de mundo. É por isso que ela se aprofunda nos problemas que podem afetar as duas funções e como eles podem ser avaliados, diagnosticados, tratados ou até mesmo prevenidos.

Além disso, ela promove a reabilitação daqueles que passam (ou passaram) por deficiências físicas, traumas psicológicos e doenças recentes e precisam do apoio de um profissional para ter uma melhora no estado de saúde e, consequentemente, na qualidade de vida.

Curso de Fonoaudiologia

Deu para perceber o peso que a Fonoaudiologia tem para a nossa saúde e porque cada vez mais pessoas demonstram interesse em prestar vestibular para essa área, não é mesmo? Por isso, agora você verá os principais detalhes do curso, como a duração dele, a grade curricular, entre outros.

Duração do curso

Como é comum nos cursos da área de saúde, a faculdade de Fonoaudiologia existe apenas no formato de bacharelado que pode durar, dependendo da instituição de ensino escolhida, entre oito e dez semestres.

O motivo disso é que a formação nessa área une o aprendizado teórico com o ganho de conhecimento técnico para que quando você se forme possa trabalhar com a prática profissional. Ou seja, prestando atendimento aos pacientes, lidando com diferentes patologias e contribuindo diretamente para o bem-estar social.

Grade curricular de Fonoaudiologia

A grade curricular do curso de Fonoaudiologia é repleta de disciplinas que tratam da Neurologia, da Biologia e da Anatomia Humana para que os alunos aprendam não apenas como ocorrem a linguagem e a audição, mas quais são os processos que podem afetar essas duas funções tão importantes para os humanos. Abaixo, você confere algumas das principais:

  • Sistemas Reguladores;
  • Anatomia Aplicada à Fonoaudiologia;
  • Comunicação e Deglutição;
  • Intervenção Auditiva;
  • Disfagia;
  • Fonoaudiologia e Oncologia;
  • Fonoaudiologia Hospitalar;
  • Fisiopatologia da Audição;
  • Funções Estomatognáticas;
  • Ética Profissional;
  • Motricidade Orofacial;
  • Saúde e Aspectos Vocais;
  • Bioestatística;
  • Habilitação e Reabilitação Auditiva;
  • Patologias da Linguagem do Adulto e do Idoso;
  • Fonoaudiologia Educacional;
  • Bases Acústicas da Fonoarticulação;
  • Transtornos da Linguagem Oral.

Nota de corte de Fonoaudiologia

Se o seu objetivo é entrar em uma universidade federal ou estadual, você sabe que é muito importante não só estudar, fazer revisões das matérias e praticar exercícios com frequência, mas também acompanhar a cada semestre a nota de corte do curso desejado.

Dessa forma, é possível identificar se há uma mudança muito brusca nas notas de uma edição do Enem para outra, se a concorrência aumentou e, em especial, ter uma ideia de quanto é preciso tirar para ser aprovado.

Por sorte, o próprio Ministério da Educação disponibiliza uma página oficial para que os vestibulandos confiram esses dados: o Simulador Sisu. Na ampla concorrência do exame em 2019.1, por exemplo, a graduação em Fonoaudiologia foi oferecida em universidades de 13 estados brasileiros, sendo que desse total quase 40% deles são do Nordeste (Pernambuco, Paraíba, Sergipe, Rio Grande do Norte e Bahia).

Ou seja, é um número bem representativo, ainda mais se consideramos que esse curso não foi ofertado em instituições da região Norte do país. Além disso, vale destacar que a pontuação entre a universidade com maior concorrência e aquela com a menor concorrência por vaga foi de quase 100 pontos. Abaixo, você confere todas elas:

  • Universidade de São Paulo – 753,92;
  • Universidade Federal de Santa Catarina – 735,47;
  • Universidade Federal de Pernambuco – 715,05;
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul – 714,57;
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro – 713,40;
  • Universidade Federal de Minas Gerais – 706,60;
  • Universidade Federal do Espírito Santo – 696,89;
  • Universidade Federal Fluminense – 695,35;
  • Universidade do Estado da Bahia – 693,39;
  • Universidade Federal da Bahia – 688,99;
  • Universidade de Brasília – 685,82;
  • Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre – 680,86;
  • Universidade Federal de Sergipe – 679,59;
  • Universidade Federal da Paraíba – 666,28;
  • Universidade Federal do Rio Grande do Norte – 665,92;
  • Universidade Federal de Santa Maria – 665,56;
  • Universidade Estadual do Centro-Oeste – 652,83.

Média de ingressos e egressos da graduação em Fonoaudiologia

Quando se diz que a graduação em Fonoaudiologia segue em constante expansão no Brasil, não é exagero. Para se ter ideia, em 1995, foram registrados apenas 8.354 estudantes nessa área em todo o país. No mesmo período, somente 1.388 estudantes se formaram como fonoaudiólogos. Esses são os dados da primeira edição das Sinopses Estatísticas da Educação Superior, que é elaborado pelo Inep.

Um pouco mais de duas décadas depois, o mesmo levantamento constatou que o número de matrículas em 2017 cresceu, chegando a 12.495. Ou seja, houve um aumento de 33,15%. Além disso, 2.086 pessoas se graduaram no mesmo ano — o que, comparado ao resultado de 1995, representou um aumento de 33,47%.

Não é à toa que a expectativa para os próximos anos é que esses números aumentem de forma contínua e cada vez mais haja profissionais entrando para o mercado de trabalho.

médico paciente fonoaudiologia

A carreira de um fonoaudiólogo estuda a comunicação e a linguagem das pessoas. Ele é responsável por tratar problemas com a dicção, surdez, gagueira e outras dificuldades relacionadas à comunicação.

O fonoaudiólogo tem como principais características a liderança e a boa capacidade de se comunicar — e isso não é para menos. Afinal, ele está sempre cercado por pessoas. Em alguns casos, elas são os pacientes. Em outros, são os colegas de trabalho — já que em hospitais, postos e centros de saúde, por exemplo, ele está inserido em equipes com médicos, enfermeiros, psicólogos etc. Porém, não acaba aí.

O perfil de um fonoaudiólogo de qualidade também requer que ele seja alguém capaz de empatia e livre de pré-julgamentos, pois esse profissional lidará diretamente com indivíduos de diferentes contextos sociais, raças, gêneros, faixas etárias e muito mais.

Áreas de atuação

Um fonoaudiólogo pode atuar em diversas áreas, sendo no total 12 diferentes áreas. Abaixo, você confere as principais e fica por dentro de qual o foco que elas têm. Veja!

Audiologia

O fonoaudiólogo que se dedica à audiologia desenvolve atividades voltadas para a reabilitação das pessoas que têm algum tipo de deficiência auditiva (como é o caso da surdez). Para isso, ele promove terapias e acompanha pacientes com próteses auditivas.

Fonoaudiologia educacional

O fonoaudiólogo educacional, por sua vez, trabalha com crianças e jovens em fase escolar que enfrentam dificuldades de aprendizado e interação social por terem um ou mais transtornos de comunicação. Geralmente, ele atua em creches, colégios e faculdades e contribui para o desenvolvimento do plano de ensino para que cada uma dessas instituições possa acolher e, de fato, passar o conhecimento de forma adequada para eles.

Fonoaudiologia do trabalho

O fonoaudiólogo do trabalho, também conhecido como fonoaudiólogo ocupacional, é aquele que atende pessoas que trabalham em locais de risco para a saúde auditiva devido ao manuseio de máquinas ou por permanecerem por longos períodos em ambientes com pressões extremas (no fundo do mar ou em grandes altitudes, por exemplo).

É por isso que ele está sempre em busca de promover equipamentos capazes de proteger e evitar danos graves à audição e, em muitos casos, desenvolve parcerias com profissionais da segurança do trabalho de empresas, indústrias, fábricas, centros de pesquisa marinha etc.

Disfagia

Já a disfagia é um campo da fonoaudiologia voltado para o tratamento de indivíduos que têm dificuldade de deglutição — que pode se manifestar desde o nascimento ou devido a algum acidente sofrido, por exemplo. Afinal, esse tipo de problema afeta drasticamente a capacidade das pessoas de se alimentarem, especialmente quando estão internadas.

Motricidade Orofacial (MO)

O profissional que se especializa em motricidade orofacial lida com pacientes que sofrem com algum tipo de alteração física nas regiões do rosto e do pescoço. Dessa forma, ele pode evitar que se desenvolvam disfunções ao longo da vida que afetem a capacidade dessas pessoas de falarem, se alimentarem e até mesmo respirarem adequadamente.

Voz

Os formados em Fonoaudiologia que se especializam no estudo da voz trabalham com os transtornos que afetam a comunicação em público — que é imprescindível para políticos, empresários, palestrantes, coaches etc.

Fluência

A fluência é o campo de atuação mais recente da fonoaudiologia, tendo sido reconhecido pelo CFFa apenas em 2017. Basicamente, ele trata do domínio da fala e dos distúrbios anatômicos ou psicoemocionais que podem ocasionar falhas vocais.

Linguagem

A linguagem é a área voltada para o acompanhamento de crianças, adultos e idosos com problemas para se expressarem por meio do próprio idioma. Geralmente, essas pessoas enfrentam dificuldade em aplicar a gramática, a ortografia e outros aspectos da língua na construção de frases, o que provoca a dificuldade dos demais em entendê-las corretamente.

Neuropsicologia

A neuropsicologia, embora seja um segmento da Psicologia, também conta com o trabalho de fonoaudiólogos. O motivo disso é que esse campo realiza estudos, pesquisas e análises de como distúrbios neurológicos podem afetar o desenvolvimento e processamento da fala, da audição e da linguagem no cérebro.

criança e médica fonoaudiologia

Mercado de trabalho

Para concluir nosso post, vamos nos aprofundar um pouco mais sobre como é o mercado de trabalho para o fonoaudiólogo, especialmente no que diz respeito aos locais em que ele pode atuar e, é claro, qual a média salarial dessa profissão. Confira!

Locais de trabalho

O fonoaudiólogo pode desempenhar as áreas de atuação das quais falamos há pouco em vários espaços, atendendo de forma particular, por convênio com plano de saúde ou sem custo para o paciente — quando ele é contratado pela prefeitura ou pelo próprio Estado para atuar no SUS (podendo ou não ser concursado).

Os principais e mais conhecidos lugares, como já é de se imaginar, são os consultórios, as clínicas, os hospitais e os centros de saúde pública. Porém, além desses locais, é possível encontrá-lo também em instituições de ensino (como escolas e universidades), em empresas da iniciativa privada e em projetos realizados por Organizações não Governamentais (ONGs). Ou seja, você pode tem um leque grande de possibilidades!

Embora a profissão de fonoaudiólogo seja regulamentada desde 1981, como já mencionamos, nunca foi estabelecido um piso oficial ao nível nacional para a categoria.

Por conta disso, os ganhos de quem atua nessa área seguem as tabelas de honorários definidas pelos sindicatos e reconhecidas pelos Conselhos Regionais em convenções coletivas de cada estado. Logo, é comum que haja uma variação entre uma região e outra. Por exemplo, em Goiás, alguns dos valores de referência adotados pelo SINDFONO são:

  • consulta fonoaudiológica: R$ 220,00;
  • avaliação fonoaudiológica: R$ 350,00;
  • avaliação do processamento auditivo: R$ 500,00;
  • hora-aula como professor: R$ 350,00;

Já no Paraná, por sua vez, os valores de referência adotados pelo SINFOPAR para os mesmos procedimentos são diferentes. Veja:

  • consulta fonoaudiológica: R$ 126,00;
  • avaliação fonoaudiológica: R$ 126,00;
  • avaliação do processamento auditivo: R$ 347,00;
  • hora-aula como professor: R$ 210,00.

Como você viu, o curso de Fonoaudiologia lhe prepara para trabalhar em um segmento muito importante na nossa sociedade: o da saúde. É por isso que ela é uma formação tão completa e que exige bastante dedicação, já que você lidará constantemente com outras pessoas. É por essa razão que o mercado é tão promissor e com diversas oportunidades para a sua carreira!

Portanto, tenha um bom plano de estudos e invista nos exercícios e nas aulas da plataforma Stoodi para aumentar o seu aprendizado e garantir um ótimo resultado no vestibular!