Você está estudando para o Enem e procura uma graduação que é a sua cara? Talvez o jornalismo seja a opção para quem gosta de se expressar, se comunicar. Entretanto, essa é uma área profissional para perfis bem diversificados, desde que você tenha facilidade em noticiar fatos e também contar uma história que envolva os seus leitores ou espectadores.

O curso de jornalismo desde 2009 não é mais é obrigatório para exercer a profissão. Mesmo assim, se você pensa em virar notícia trazer notícia de qualidade para atualizar as pessoas sobre o mundo, veja as vantagens de fazer essa graduação.

Existem muitas áreas em que um jornalista pode atuar, por exemplo o jornalismo investigativo, político, esportivo e cultural. Neste guia reunimos diversas informações para que você faça sua cobertura por meio de fontes confiáveis e tire suas próprias conclusões. Boa leitura!

O que é jornalismo?

O jornalista atua como um mediador entre tudo o que acontece no mundo, entregando o melhor dos fatos para o seu público. Apesar de ter se popularizado apenas na idade média, existem registros de jornais em Roma, durante o império de Júlio César, por volta de 60 a.C. O Acta Diurna, que mantinha os cidadãos inteirados sobre as notícias políticas e sociais.

Na China também surgiram os jornais escritos por volta do século VIII. Agora imagine o trabalho, pois eles eram feitos à mão! Foi a invenção da prensa por Gutenberg no final da idade média que possibilitou a reprodução de textos. Além de impulsionar a literatura da época, replicando romances, surgiram os veículos bem parecidos do que conhecemos hoje.

Assim o papel do jornalista se tornou apresentar os fatos que aconteciam no mundo, de maneira ética, ou imparcial. Com o tempo as pessoas se habituaram a usar este meio de comunicação para se manterem informadas, mantendo a curiosidade para descobrir o que acontece na sua região e no mundo.

Coletivos de jornalistas

computador jornalismo

Um movimento que surgiu nos últimos anos dentro dessa profissão são os coletivos de jornalistas. A ideia é reunir profissionais recém-formados e, até mesmo, os experientes, em torno de um assunto ou causa social. Dessa forma, os profissionais ganham experiência e visibilidade. A ideia normalmente é a divulgação das matérias em mídias online, tirando o foco dos conhecidos veículos de massa.

Resumo do curso

O curso de jornalismo normalmente trabalha qualidades para que o aluno tenha domínio da escrita e também entenda sobre a ética da área, responsável por garantir produções de qualidade. Mesmo que o estudante pretenda atuar com um assunto específico, como moda ou entretenimento, por exemplo, ele aprenderá a ter uma visão crítica sobre diversos assuntos, além de:

  • desenvolver as pautas de acordo com assuntos relevantes;
  • saber como encontrar e identificar fontes confiáveis;
  • escrever matérias de qualidade e com ética.

Jornalismo salário

Se você pretende seguir a carreira jornalística, provavelmente também quer saber sobre o mercado e média salarial da área, não é mesmo? Então, confira a seguir alguns dados relevantes sobre os recebimentos deste profissional. Uma pessoa que se forma nessa graduação não necessariamente se ocupará em escrever textos jornalísticos.

Então, para explicar quanto ganha um jornalista, vamos falar um pouco sobre as atuações deste profissional:

  • Redator — responsável em desenvolver as pautas para jornais (seja ele impresso, audiovisual ou mesmo online). Inicialmente um jornalista redator pode receber de 1 salário-mínimo a R$2.500,00. Com o passar do tempo, o salário pode chegar até os R$7.000,00;
  • Editor — a carreira do redator não se resume apenas à escrita, um profissional mais experiente pode ser promovido a editor. Nesse caso, a faixa salarial pode começar em torno de R$2.000,00 e alcançar os R$10.500,00;
  • Fotojornalista — aquele profissional que consegue capturar o texto em uma imagem. Ele deixa as matérias mais ricas com fotos relevantes sobre o assunto noticiado. Nesse caso, a faixa salarial varia entre R$3.500,00 e R$8.500,00;
  • Âncora — aquele que apresenta o jornal televisivo. O apresentador do Jornal Nacional, da Rede Globo, William Bonner, é um âncora. Existe uma variação muito grande nesse salário que pode iniciar por volta de R$5.000,00 e chegar a 200 mil reais;
  • Cinegrafista — filma os jornais televisivos. O salário varia entre R$1.800,00 a R$4.500,00 para iniciantes e pode chegar a R$12.000,00;
  • Editor de vídeo — responsável em fazer os cortes necessários para que o jornal que vai ao ar aconteça de maneira fluida e coerente para os telespectadores, sem erros de gravação. Mesmo que ele seja um jornal ao vivo, é comum ter uma diferença de uns 30 segundos entre o momento em que grava e é exibido para que o editor possa atuar, se necessário. Quem escolhe seguir carreira nessa área pode começar o trabalho recebendo um pouco mais do que um salário-mínimo, mas os ganhos podem chegar em torno de R$13.500,00;
  • Coordenador de comunicação — outra possibilidade para quem é formado em jornalismo é o trabalho como coordenador de comunicação, nesse caso, a pessoa atua dentro de uma empresa ajudando a desenvolver as estratégias de comunicação interna e externa, além de ações de endomarketing (marketing desenvolvido para o público interno, ou colaboradores da empresa). O piso salarial dessa função é de R$1.500,00 enquanto um profissional experiente pode chegar a receber R$18.000,00;
  • Gerente de comunicação — um cargo acima do coordenador, esse profissional tem como objetivo alinhar todas as ações de acordo com a empresa em que atua. Seu maior papel é acompanhar os planejamentos e resultados das ações desenvolvidas. Um gerente de comunicação pode ganhar de R$3.000,00 até R$23.500,00;
  • Coordenador de mídias sociais — responsável em manter um bom engajamento do público com o jornal (ou uma empresa) nas redes sociais. No caso de grandes portais, por exemplo, existem notícias constantemente e o profissional precisa estar atento para fazer com que exista um fluxo de pessoas que se reúne nas comunidades das redes sociais e, ao mesmo tempo, visitam o portal. Os salários para esse profissional começam a partir R$2.000,00 e chegam até R$8.000,00.

Estágio jornalismo

Em 1978, os jornalistas se reuniram para proibir o estágio para jornalistas no Brasil. O motivo dessa discussão foi que essa é uma área com baixa demanda de trabalho e grande oferta de profissionais. Assim, o jornalista estagiário representava uma concorrência para os profissionais mais experientes. De qualquer forma, essa atividade continuou funcionando normalmente.

Foi com a lei de número 11.788, de 25 de setembro de 2008 que a atividade voltou a ser legalizada. Além disso, o estágio passou a ser obrigatório para os estudantes dessa graduação. Lembrando que a carga horária não pode ultrapassar as 20 horas semanais ou mesmo 30 horas semanais (de acordo com a instituição), totalizando um mínimo de 200 horas.

A partir de então, mesmo sem ser contratado sob as leis da CLT(Consolidação das Leis do Trabalho), o estágio passou a ter alguns benefícios como:

  • recesso de 30 dias a cada ano trabalhado (de preferência na época das férias escolares);
  • seguro contra acidentes pessoais;
  • acompanhamento de um professor e um funcionário para assegurar o processo de ensino-aprendizagem durante a prática.

Duração do curso

Normalmente o curso de jornalismo é organizado com a duração de 8 semestres, ou 4 anos. Para que o estudante possa se formar nesse período é preciso ter o aproveitamento mínimo exigido pela universidade em todas as disciplinas. Além disso, pode ser necessário ter realizado uma carga horária das disciplinas complementares para ter a quantidade mínima.

Também é preciso que 2 itens sejam entregues para que o estudante consiga colar grau e ter acesso ao certificado de conclusão de curso e diploma. São eles:

  • Estágio — conforme explicamos anteriormente, é preciso ser cumprida uma carga horária, além de ter a “aprovação” do professor-orientador que normalmente exige a entrega de relatórios;
  • TCC — o Trabalho de Conclusão de Curso se parece com uma monografia. Nela o aluno escolhe um assunto referente à graduação e realiza o processo de pesquisa e produção acadêmica.

Curso de Jornalismo

Apesar de existirem diferenças entre as graduações de jornalismo ofertadas pelas instituições de ensino superior no nosso país, o MEC — Ministério da Educação — regulamenta o curso de jornalismo. Assim, apesar de as universidades e os coordenadores de cada graduação poderem criar ênfases e oportunidades para os alunos, a base do curso será a mesma.

Grade curricular Jornalismo

A matriz curricular em jornalismo varia de acordo com cada instituição de ensino. Entretanto, existe uma base de disciplinas que normalmente é trabalhada neste curso, sendo em comum para a maioria dos cursos de graduação. A seguir, apresentaremos a grade curricular de jornalismo da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), considerada uma das melhores do país quando o assunto é formar jornalistas.

  • Apuração e Texto Jornalístico I;
  • Introdução ao Jornalístico;
  • Linguagem (Língua Portuguesa);
  • Economia;
  • História do Jornalismo;
  • Estatística;
  • Sociologia;
  • Fotografia;
  • Apuração e Texto Jornalístico II;
  • Produção Jornalística e Edição em Rádio I;
  • Fotojornalismo;
  • Cibercultura;
  • Teorias da Comunicação;
  • Projeto Gráfico;
  • História do Brasil Contemporâneo;
  • Filosofia;
  • Produção Jornalística em Mídia Impressa;
  • Produção Jornalística e Edição em Rádio II;
  • Produção Jornalística e Edição em TV I;
  • Teorias do Jornalismo;
  • Geoeconomia Internacional;
  • Marketing I;
  • Antropologia;
  • Infográficos;
  • Grande Reportagem;
  • Produção Jornalística e Edição em TV II;
  • Perspectiva Crítica da Notícia;
  • Assessoria de Imprensa;
  • Produção Audiovisual para Internet;
  • Ciência Política;
  • Marketing ll;
  • Pesquisa Quantitativa e Qualitativa;
  • Documentário em Vídeo;
  • Produção e Edição de Conteúdo Multiplataforma;
  • Comunicação Corporativa;
  • Narrativas de Análise e Opinião;
  • Jornalismo de Dados;
  • Comunicação e Responsabilidade Socioambiental;
  • Legislação em Jornalismo;
  • Jornalismo Internacional;
  • Estudos Aplicados de Conteúdo On-line;
  • Finanças de Mercado;
  • Empreendedorismo e Gestão em Negócios de Mídia;
  • Comunicação em Instituições Públicas;
  • Ciência e Pesquisa;
  • PGJ I;
  • Planejamento em Comunicação;
  • Seminários Avançados;
  • Cenários Midiáticos Locais e Regionais;
  • Gerenciamento de Crise e Reputação;
  • Ética no Jornalismo;
  • Direitos Humanos e Jornalismo;
  • PGJ II.

Faculdade de jornalismo

Existem muitas instituições de ensino superior que oferecem a graduação em jornalismo. Provavelmente você já ouviu falar que quem faz os estudos é o aluno, mas também deve saber que a escola em que você estuda certamente o ajudará a desenvolver uma determinada perspectiva, ter boas referências para desenvolver o conhecimento e se aprofundar no que é interessante.

Independentemente da faculdade de jornalismo que você escolher, provavelmente terá que fazer o Enem para ingressar no curso. Existe a opção do Fies e do Prouni para as instituições de ensino superior da rede privada e também o Sisu que distribui as vagas para as IES (instituições de ensino superior) das universidades federais. Veja a seguir a nossa lista com as melhores faculdades para você cursar jornalismo no Brasil:

  • Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM);
  • Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG);
  • Universidade de São Paulo (USP);
  • Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC);
  • Universidade Nove de Julho (Uninove);
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS);
  • Faculdade Cásper Líbero (FCL);
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ);
  • Faculdades Integradas Rio Branco (FRB);
  • Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS);
  • Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUCSP);
  • Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio (CEUNSP);
  • Universidade de Ribeirão Preto (Unaerp);
  • Universidade Federal do Paraná;
  • Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC MINAS);
  • Faculdade Estácio do Pará (Estácio FAP);
  • Instituto Esperança de Ensino Superior (IESPES);
  • Universidade Federal de São João Del Rei (UFSJ);
  • Centro Universitário de Maringá (Unicesumar);
  • Universidade Presbiteriana Mackenzie (MACKENZIE);
  • Universidade Federal da Bahia (UFBA);
  • Universidade Federal do Ceará (UFC);
  • Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS).

Ainda é possível usar o Enem para estudar em Portugal, nesse caso, você pode tentar jornalismo em várias faculdades como:

  • Universidade de Coimbra;
  • Universidade da Beira Interior;
  • Universidade do Minho (Ciências da Comunicação);
  • Universidade da Madeira (Comunicação, Cultura e Organizações);
  • Universidade do Porto;
  • Universidade do Algarve;
  • Universidade Lusófona;
  • Universidade Católica Portuguesa;
  • Universidade Fernando Pessoa;
  • Instituto Universitario da Maia;
  • Universidade Europeia de Lisboa.

Jornalismo nota de corte

Seja uma universidade federal, estadual ou particular, o Enem continua sendo a principal forma de ingressar na faculdade de jornalismo. Apesar da nota de corte do Enem ser apenas uma estimativa, que se baseia no desempenho dos alunos em edições anteriores e os valores que foram mínimo e máximo, esse cálculo é muito importante para se ter uma ideia de quantos pontos você precisará fazer.

Como essa nota não é apenas por curso, mas também de acordo com cada instituição, apresentaremos os valores mínimo e máximo para cada modalidade:

  • Sisu (para ingresso nas instituições de ensino públicas) — enquanto a nota mínima para aprovação em jornalismo foi 619 na UESPI (Universidade Estadual do Piauí), a maior nota de corte foi 767 na UFPR (Universidade Federal do Paraná);
  • Fies (para o financiamento do curso em faculdades privadas) — nessa modalidade, a nota de corte mínima foi de 452 na UNIRONDON e a PUC SP foi a instituição que exigiu maior nota, 725;
  • Prouni (para a concessão de bolsas para estudantes de graduações em universidades particulares) — nesse caso a FACCAT foi a que teve menor nota, 569 e a UNI7 foi a que exigiu maior nota, 709.

Curso de jornalismo a distância

Os cursos presenciais são uma excelente oportunidade de ter um estudo mais frequente, fazer amigos que poderão se tornar contatos importantes no meio profissional e ter um acompanhamento próximo dos professores. Entretanto, nem sempre é possível contar com essa possibilidade e os cursos à distância têm sido uma excelente solução para quem não pode acompanhar as aulas presenciais.

A boa notícia é que o curso de jornalismo tem a versão EAD, para que você se forme estudando de casa ou de qualquer lugar em que você estiver (desde que tenha uma conexão com a internet). É claro que se você decidir estudar online será preciso ter atenção para conseguir um bom desempenho no seu curso de jornalismo a distância:

  • criar uma rotina de estudo;
  • não deixar trabalhos para entregar depois;
  • procurar as referências apresentadas pelos professores para se aprofundar nos estudos.

O profissional de jornalismo

jornalista esportivo

 

Para se tornar um aluno de jornalismo, você deve querer saber quais as características fundamentais para quem atua nessa área. Então confira as principais:

  • curiosidade — é muito importante que você tenha a capacidade de se interessar por diversos assuntos. Afinal, esse é o ponto de partida para a investigação, peça-chave do jornalismo;
  • imparcialidade — mesmo que você já tenha uma opinião a respeito de uma coisa, não significa que os seus leitores, ouvintes ou espectadores precisam pensar da mesma forma. O jornalismo imparcial é aquele que não esconde os fatos e tenta passá-los de forma que cada um possa formar seu ponto de vista — observando a maioria dos jornais, vemos como a tarefa difícil;
  • desconfiança — o jornalista deve estar pronto para ir além do óbvio, buscar versões não oficiais sobre uma mesma notícia, descobrir o que realmente aconteceu;
  • gramática impecável — mesmo que hoje existam muitas formas de usar o português, como as escritas próprias nas redes sociais, ainda assim, é importante prezar pelo nosso vocabulário. Uma gramática e ortografia corretas ajudam na leitura, fluidez e interpretação dos seus textos;
  • versatilidade — é preciso saber de tudo um pouco e ser capaz de associar e usar os diversos conhecimentos para a construção dos textos jornalísticos;
  • objetividade — apesar de ser comum a expressão “jornalismo sensacionalista”, um texto jornalístico não deve ter função emotiva. O profissional precisa separar essa habilidade para os trabalhos poéticos ou que caibam essa forma de expressão;
  • multidisciplinaridade — o jornalista precisa ser generalista, dominando diversos assuntos e também as diferentes plataformas. Mesmo que você consiga atuar como apresentador de um jornal esportivo, isso não significa que você trabalhará nessa função até o fim dos dias. TV, rádio, jornal impresso e plataformas web são os principais meios;
  • ética — o jornalismo conta com um conjunto de normas que são a ética do jornalismo, isso não tem a ver com moral, que pode ter uma interpretação subjetiva, individual.

Perfil do jornalista

trabalho

Ainda existem características específicas do profissional que tem ligação com a sua área de atuação. Enquanto um profissional da web precisa aprender a escrever com muita agilidade para o jornalista de uma revista o foco maior estará em matérias completas e aprofundadas sobre os assuntos abordados. Veja algumas áreas de atuação.

Reportagem

Multiplataforma, o repórter está presente em jornais impressos, web, TV, coletivos de jornalista. Ele é o responsável pela elaboração das matérias que serão apresentadas para o público. Apesar de ser a entrada para se tornar um âncora ou editor (veja a seguir cada uma dessas modalidades), quem faz a reportagem é fundamental para que exista o jornalismo como conhecemos.

Âncora

É o apresentador dos jornais televisivos, esse profissional normalmente é o coordenador do jornal. Além disso, ele ajuda na centralização da informação e sugestão de pauta. Entretanto, não são todas as pessoas que apresentam uma notícia nos telejornais que são âncoras. Isso porque quem assume esse papel deveria ter a possibilidade de emitir a sua opinião após a notícia, agregando personalidade ao jornal.

Edição

Assim como o âncora está para a TV, para o jornal impresso existe o editor. Ele é o responsável em aprovar a linha das produções textuais. Além disso, ele vai coordenar sobre a linha editorial (assunto e posicionamento que uma determinada seção ou caderno trata) e diagramação (layout das páginas).

Fotojornalismo

fotojornalismo

 

Nesse caso o trabalho é com fotografia (que está na grade curricular do curso), produzindo imagens que transmitam informações de maneira clara e com objetividade. É algo que chama a atenção do leitor e o prende para o texto.

Comunicação empresarial

Aqui o público principal são os funcionários da empresa. Por isso, o profissional desenvolverá jornais internos e cuidará de outros meios de comunicação da empresa com o objetivo de manter os colaboradores atualizados.

Mídias digitais

Desde a ampliação do acesso à internet que a indústria cultural precisou se adaptar a esse novo estilo de fazer notícia. Afinal, hoje as pessoas não precisam mais de veículos de massa como a televisão e o rádio para se manterem atualizadas. Para alcançar esse público, foram desenvolvidos vários trabalhos que, assim como a comunicação empresarial, apesar de não serem exclusivos dos jornalistas, são excelentes opções para esse profissional. Por exemplo:

  • produtores de conteúdos para sites e blogs, atuando na área de marketing de conteúdo;
  • social media, trabalhando com estratégias para engajamento e gestão das redes sociais;
  • jornalista de dados, que usa as quase infinitas informações armazenadas em meios tecnológicos para fazer buscas detalhadas e encontrar o que precisa para fazer notícia.

Mercado de trabalho

jornal

O Brasil tem uma grande demanda nessa área. Entretanto, se seu objetivo for trabalhar na TV, por exemplo, precisa saber que essa é uma área mais disputada e com poucas oportunidades, necessitando de muito mais empenho. Já para quem decide se aventurar nas mídias digitais ou comunicação empresarial, o mercado está muito bom, com oportunidades para iniciantes e crescimento de carreira.

Como você viu, o jornalismo abre campo para uma atuação bem diversa, sendo um curso que pode ser feito tanto presencial quanto virtualmente. Se você gosta de se comunicar e vê a importância de ajudar outras pessoas a se manterem bem informadas, essa é uma área promissora para você. É claro que a escrita é uma das competências básicas para essa profissão.

Por isso, convidamos você a ler o nosso guia completo sobre redação para que você possa ser um jornalista nota 1.000!