Decidir qual graduação seguir não é tarefa fácil. Envolve tempo, dedicação e muita reflexão para chegar naquele curso que alinha satisfação pessoal, estabilidade financeira e reconhecimento profissional. Uma faculdade que vem conquistando cada vez mais alunos é a Terapia Ocupacional, você já conhece?

Com o objetivo de melhorar a vida de alguém com dificuldades físicas e mentais, a Terapia Ocupacional trabalha com as atividades laborais e de lazer para auxiliar no tratamento dessas pessoas.

Quer saber mais sobre o curso? Então, continue lendo nosso artigo! Nele, nós separamos todas as informações sobre a faculdade de Terapia Ocupacional para você. Boa leitura!

O que é Terapia Ocupacional?

Antes de saber como acontece o curso, é preciso entender o que é Terapia Ocupacional e quais são as possibilidades de atuação desse profissional. Bom, de maneira geral, o terapeuta tem como objetivo principal utilizar as atividades de lazer e trabalho durante um tratamento ou processo psicoterapêutico.

Nesse sentido, ele pode trabalhar tanto em hospitais privados como em centros de reabilitação, ambulatórios, instituições geriátricas, ONGs, centros de convivência e unidades de saúde, dependendo da disponibilidade da organização.

Em outras palavras, a Terapia Ocupacional é uma ciência e profissão que visa promover o bem-estar da população por meio de atividades, tanto laborais quanto de lazer, para estimular cognitiva, psicológica e fisicamente o sujeito que apresenta certo grau de desconforto — físico e psíquico.

Para que esse trabalho seja realizado de forma ética e responsável, o profissional deve cursar a graduação de Terapia Ocupacional e conhecer as bases do pensamento terapêutico, bem como a sua função nas organizações e o trabalho multidisciplinar que será desempenhado.

Curso de Terapia Ocupacional

No tópico anterior, comentamos sobre a necessidade de investir em um curso de Terapia Organizacional (TO) para adquirir os conhecimentos fundamentais que orientarão a sua prática no campo, certo? Bom, a faculdade de TO é bastante ampla, já que existem diversas oportunidades no mercado de trabalho.

Isso quer dizer que você pode fazer tanto bacharelado quanto tecnólogo, dependendo dos seus objetivos enquanto profissional, aprendendo conceitos sobre a rede pública brasileira, saúde humana, Psicologia, Sociologia, Antropologia Fisiologia Humana e muitos outros.

Vale lembrar, ainda, que algumas universidades voltam o seu olhar para a potencialidade que a arte traz no tratamento de dificuldades físicas e mentais. Assim, existem cursos que dão uma importância maior para o estudo e a prática artística alinhado à Terapia Ocupacional.

E mais, a faculdade de Terapia Ocupacional alinha aulas teóricas e práticas, principalmente a modalidade de tecnólogo, já que o seu foco é formar profissionais com eficiência sem perder a qualidade de ensino e atuação. Isso faz com que o terapeuta saia da graduação com um conhecimento profundo sobre a sua prática.

Para que isso seja viável, o Ministério da Educação (MEC) definiu as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de Terapia Ocupacional, orientando as universidades sobre as competências e habilidades que os alunos devem desenvolver para serem bons profissionais. A seguir, você pode conferir as principais:

  • entender os aspectos políticos, econômicos, sociais e culturais do Brasil;
  • identificar a saúde como um direito primordial de qualquer pessoa, atuando na garantia desse direito e na integralidade do trabalho realizado;
  • conhecer as relações entre saúde e sociedade, bem como de inclusão e exclusão social, com o intuito de formular novos projetos e políticas que promovam o bem-estar e a diminuição da estigmatização de populações em situações de vulnerabilidade;
  • lançar mão do pensamento da Terapia Ocupacional para orientar a prática;
  • ter domínio dos conceitos históricos, teóricos e metodológicos da TO para garantir um trabalho bem feito e alinhado com os princípios da terapia.

Terapia Ocupacional: salário

Quando estamos decidindo qual profissão seguir, sempre bate aquela dúvida em relação à remuneração. Afinal, devo ou não utilizar o salário como base para tomar minha decisão? Via de regra, o dinheiro ganho ao final do mês não deve ser a informação principal que orientará a sua decisão.

Isso porque a remuneração logo depois de formado pode não ser aquela que você esperava, assim como a dinâmica do mercado pode mudar, fazendo com que você não receba o mesmo salário de um terapeuta ocupacional que já está há mais tempo no mercado.

Isso quer dizer que você precisa excluir essa informação e tomar a sua decisão independentemente da recompensa financeira? Na verdade, não. É muito importante saber a média salarial do seu curso de preferência para montar um planejamento financeiro eficiente, que traga estabilidade e confiança para a sua vida profissional.

Se você pensa em cursar a Terapia Ocupacional, deve saber que o salário médio é entre R$ 1.500,00 e R$ 2.600,00, sendo que esse valor altera de acordo com a instituição em que você atua, o trabalho desempenhado e o estado em que você está inserido.

Por exemplo, quem trabalha no Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Maranhão tem mais vantagem em relação aos outros estados, já que essas são regiões que apresentam uma remuneração bem acima da média para o terapeuta ocupacional.

Vale lembrar, ainda, que existem diversos profissionais que optam por seguir carreira autônoma, trabalhando como consultor de organizações que desejam melhorar o clima e a cultura, avaliação física, psíquica e técnica em espaços comunitários e privados, e estimulação cognitiva e fisiológica de pessoas com dificuldades.

Assim, você poderá estimular um preço base para o seu trabalho — considerando que a Terapia Ocupacional não apresenta, ainda, um piso salarial para regulamentar a remuneração dos profissionais — e fazer um bom planejamento financeiro para se manter estável e feliz.

Terapia Ocupacional: estágio

O vestibular é um período desafiador. Entre tantos estudos, planejamentos e dedicação, as vezes até esquecemos que depois de entrar na graduação também temos diversos desafios e questionamentos, mas agora relacionados ao universo profissional que está aparecendo.

Uma das maiores preocupações dos estudantes universitários é a conquista de uma boa posição no mercado de trabalho, que é competitivo e demanda uma excelente qualificação profissional.

Para agregar o currículo e garantir uma experiência prática antes mesmo de estar formado, muitos alunos optam por realizar estágios não obrigatórios, entrando em contato com o campo e criando um bom networking para o futuro. Isso faz com que o aluno ganhe um ótimo reconhecimento, além de desenvolver novas habilidades de trabalho antes de entrar no campo real.

Assim, é possível trabalhar e forma ética, mas também se permitir errar e aprender com isso, encontrando outras formas de enxergar os problemas laborais, além de desenvolver um pensamento organizacional eficiente que permitirá um bom desempenho no futuro.

Para encontrar uma vaga de estágio em Terapia Ocupacional, você pode participar do Programa Novos Valores do governo brasileiro, pesquisar oportunidades em sites de emprego — como o Catho, Sine e NUBE (Núcleo Brasileiro de Estágio) — e entrar em contato por conta própria com instituições que atuam nessa área.

É importante você ter em mente, também, que a maioria das faculdades de Terapia Organizacional demandam a realização obrigatória de um período de estágio, podendo chegar a até 20% da carga horária do curso. Isso porque eles entendem que essa atuação prática agrega — e muito — na vida do futuro profissional.

Duração do curso

Por fim, outra informação que você deve conhecer sobre o curso de Terapia Ocupacional é a sua duração. Você se lembra que no início deste artigo comentamos sobre a possibilidade de realizar tanto o bacharelado quanto o tecnólogo de TO? Para cada uma dessas modalidades o tempo de duração será diferente.

Afinal, quem optar por bacharelado necessariamente escolhe um curso mais longo, já que ele apresenta discussões metodológicas, aprofundamento teórico e técnico, além de reservar um bom período para desenvolver suas habilidades práticas no campo.

Nesse sentido, você deverá cursar pelo menos quatro anos de graduação, considerando que nenhuma matéria será deixada de lado e que o período de estágio ocorra em conjunto com as aulas obrigatórias.

Agora, se você escolher o tecnólogo, terá que realizar, em média, dois anos de curso. Isso porque essa modalidade é mais objetiva, voltando o seu olhar para a prática profissional, embora ensine os conceitos principais sobre Terapia Ocupacional.

Terapia Ocupacional: faculdades

Até agora, você já conheceu o que é Terapia Ocupacional e como acontece o seu curso. Mas, então, onde que é possível realizar a graduação e se tornar um trabalhador preparado para enfrentar as belezas e dificuldades dessa profissão?

O Brasil apresenta diversas instituições de ensino que disponibilizam o curso de Terapia Ocupacional. A seguir, nós separamos as duas mais bem avaliadas e que conquistaram um forte reconhecimento nacional. Vamos lá?

Terapia Ocupacional UFPR

A Universidade Federal do Paraná (UFPR) é uma das instituições que apresentam o curso de Terapia Ocupacional. No caso, ele é realizado na modalidade bacharelado, tendo como foco formar profissionais críticos e reflexivos para atuar de maneira ética, ou seja, sustentados pelas teorias e metodologias estudadas ao longo da graduação.

Assim, a faculdade de Terapia Ocupacional da UFPR apresenta disciplinas que estabelecem uma relação entre o singular e o plural, as novas e antigas tecnologias presentes no campo e as sociedades micro e macro que existem no Brasil.

Terapia Ocupacional USP

A Universidade de São Paulo (USP) segue a mesma linha da UFPR, isto é, volta o seu olhar para o desenvolvimento de competências e habilidades que possibilitam um olhar ampliado dos futuros profissionais, capacitando-os para atuar na rede de saúde e educação, integrando os conhecimentos sociais, psicológicos, fisiológicos e terapêuticos para promover o bem-estar da população.

Nesse sentido, a matriz curricular é construída a partir dos conceitos de desempenho ocupacional, ciclo de vida — criança, adolescente, adulto e idoso — e as redes públicas estabelecidas no território brasileiro, bem como sua articulação e funcionalidade.

Ainda, o curso de Terapia Ocupacional da USP pode ser feito em dois diferentes campos: de São Paulo e de Ribeirão Preto, sendo que as metodologias de ensino seguem a mesma linha teórica e técnica.

Faculdade Terapia Ocupacional a distância

Não é nenhum mistério que a tecnologia veio para ficar. Capaz de revolucionar as formas de comunicação, relacionamento e aprendizagem, a inovação tecnológica ganhou espaço em todas as esferas da nossa vida, exercendo uma grande influência no dia a dia de qualquer pessoa.

Da mesma forma que ela invadiu os espaços comuns, a tecnologia também tomou um grande espaço da educação tradicional, inovando as formas de pensar na relação ensino-aprendizagem, bem como de estimular os alunos a darem continuidade aos seus estudos de forma dinâmica e eficiente.

Assim, surgiu a educação a distância, que cada vez mais encanta os jovens estudantes por ser prática, funcional e adaptável às rotinas corridas que muitas vezes se estabelecem no cotidiano. Isso fez com que ocorresse uma grande democratização do ensino, permitindo acesso ao ensino superior para as comunidades que estão em certa situação de vulnerabilidade social.

Atualmente, é possível realizar a faculdade de Terapia Ocupacional EAD, flexibilizando seus horários e garantindo uma experiência única de graduação. Vale lembrar que todas as universidades que apresentam a modalidade a distância são privadas, envolvendo certo gasto para poder realizá-la.

Terapia Ocupacional: nota de corte

Você já deve ter percebido que tomar uma decisão em relação à futura profissão não é tarefa fácil. Isso porque é preciso ponderar uma série de informações, como ambição e desejo profissional, remuneração mensal, oportunidades do mercado de trabalho e, é claro, a nota de corte do curso desejado.

Nesse sentido, analisar quais são as notas mínimas que você precisa atingir para entrar na sua graduação preferida é uma excelente forma de planejar um estudo eficiente e orientar a sua concentração, garantindo que a sua aprendizagem seja qualificada e que você conquiste uma excelente nota no vestibular.

Se você ainda não sabe quais são as maiores notas de corte da Terapia Organizacional, confira a lista que nós separamos abaixo. Nela, apresentamos as dez universidades mais concorridas de todo o Brasil, com base nos dados do Sisu.

  • Universidade Federal do Pará, campus Instituto de Ciências da Saúde (ICS), turno matutino —789.0;
  • Universidade Federal do Paraná, campus Centro (Reitoria), turno integral — 710.0;
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro, campus Cidade Universitária, turno integral — 704.0;
  • Universidade Federal do Paraná, campus Jardim Botânico, turno noturno — 695.0;
  • Universidade Federal de São Carlos, campus Unidade Sede, turno integral — 684.0;
  • Universidade Federal de Minas Gerais, campus Pampulha, turno matutino — 678.0;
  • Universidade Federal de São Paulo, campus Baixada Santista (Unidade Silva Jardim), turno integral — 678.0;
  • Universidade de Brasília, campus UnB Ceilândia, turno integral — 671.0;
  • Universidade Federal do Espírito Santo, campus Thomaz Tomazzi (Centro de Ciências da Saúde), turno integral — 667.0;
  • Universidade Federal de Pernambuco, campus Universitário Cidade do Recife, turno integral — 666.0.

Terapia Ocupacional: grade curricular

No tópico anterior, explicamos que uma das principais informações que você deve considerar para tomar a sua decisão profissional é a nota de corte, você se lembra? Pois é, outro dado que você não pode deixar de lado é a grade curricular, já que ela apresenta todas as disciplinas que o curso de Terapia Ocupacional ministra.

Isso permite uma compreensão mais profunda do curso, além de facilitar a sua visualização enquanto futuro estudante. Em outras palavras, você consegue imaginar-se dentro da sala de aula, estudando os conteúdos e debatendo os temas com seus colegas. Enfim, identificando se aquela graduação é realmente para você.

Pensando em ajudá-lo nessa difícil decisão, nós listamos abaixo as principais disciplinas da faculdade de Terapia Ocupacional. Lembre-se de que elas podem variar de instituição para instituição, sendo necessário analisar a grade curricular original da sua universidade preferida, ok?

  • Antropologia Cultural;
  • Abordagens grupais aplicadas a Terapia Ocupacional;
  • Pediatria Básica;
  • Terapia ocupacional e programas hospitalares;
  • Antropologia Teológica;
  • Terapia Ocupacional e as práticas corporais;
  • Estatística;
  • Ergonomia;
  • Terapia Ocupacional, saúde e trabalho;
  • Histologia;
  • Biologia Tecidual;
  • Bioquímica;
  • Atividades e recursos terapêuticos;
  • Ortopedia;
  • Traumatologia;
  • Constituição do campo da Terapia Ocupacional;
  • Fisiologia e Anatomia Humana;
  • Neurologia;
  • Terapia Ocupacional em saúde mental;
  • Sociologia;
  • Terapia Ocupacional em Deficiência mental e distúrbios globais do desenvolvimento;
  • Psicopatologia;
  • Terapia Ocupacional social;
  • Psicologia do Desenvolvimento.

É importante você lembrar, ainda, que algumas universidades exigem o desenvolvimento de um Trabalho de Conclusão de Curso, além do estágio obrigatório, para concluir a graduação com excelência, implicando em novas disciplinas de metodologia de pesquisa.

desenhos terapia ocupacional

O profissional de Terapia Ocupacional

Até agora nós já vimos bastante coisa, não é mesmo? Conhecemos o que é Terapia Ocupacional, como ocorre o seu curso, as melhores faculdades do Brasil que disponibilizam a TO, as principais notas de corte e tantas outras informações para você tomar uma decisão consciente e segura.

No entanto, nosso artigo não seria completo se nós não falássemos do profissional de Terapia Ocupacional, isto é, suas funções, atribuições e responsabilidades no campo prático e real da atuação.

De maneira geral, o terapeuta ocupacional tem como objetivo principal formular intervenções para auxiliar o tratamento de pessoas com algum nível de desconforto físico e psíquico, trabalhando de maneira multidisciplinar com psicólogos, médicos, fonoaudiólogos, dentistas, fisioterapeutas e assistentes sociais.

Assim, ele utiliza as atividades laborais e de lazer para formular suas intervenções. Em outras palavras, é por meio de práticas relacionadas ao dia a dia do sujeito que o terapeuta ocupacional intervém no tratamento, auxiliando o próprio paciente e outros profissionais a identificarem as melhores formas de lidar com a situação.

Isso faz com que o profissional avalie amplamente as relações que aquela pessoa estabelece consigo, com os outros e com o mundo, as alterações nas funções cognitivas, motoras e psíquicas do paciente, a faixa etária que ele apresenta e sua etapa de desenvolvimento — seja físico ou psíquico — para criar projetos de intervenção éticos e eficientes.

Além disso, existem outras práticas que o terapeuta ocupacional pode desenvolver, como:

  • potencializar as formas de reinserção no mercado de trabalho;
  • estimular bebês e crianças a partir da perspectiva da psicologia do desenvolvimento;
  • fortalecer a aprendizagem de crianças com algum problema cognitivo, auxiliando na sua inclusão escolar e social;
  • estimular a reabilitação e inclusão dos idosos;
  • auxiliar o trabalho e tratamento de pessoas que apresentam dificuldades psíquicas, principalmente nos serviços de saúde mental, voltando o foco para a inclusão ocupacional desses sujeitos;
  • assistir pessoas que passaram por algum acidente grave e carregam traumas físicos e psíquicos;
  • prestar serviços que potencializam a saúde do trabalhador, principalmente por meio de ações preventivas contra doenças laborais;
  • criar projetos de intervenção para sujeitos em situação de dependência química;
  • potencializar a reinserção social dos menores infratores, voltando seu olhar para as possibilidades de trabalho e educação;
  • trabalhar como docente e pesquisador, seguindo carreira acadêmica.

Perfil do terapeuta ocupacional

No tópico anterior, nós explicamos os principais trabalhos que o terapeuta ocupacional pode realizar. No entanto, para que o exercício da profissão ocorra de maneira eficiente e funcional, o terapeuta precisa desenvolver uma série de habilidades e competências, tanto profissionais quanto pessoais.

Isso não quer dizer que, caso você não apresente características específicas de personalidade, não poderá realizar um trabalho de qualidade. Na verdade, essas habilidades são formadas ao longo da graduação e da prática. Então, com o tempo, você consegue trabalhá-las em você para ter mais reconhecimento no mercado de trabalho.

Para facilitar a compreensão, nós listamos a seguir as principais competências que você deve desenvolver para ter satisfação profissional. Vamos lá?

  • ser dinâmico e saber trabalhar em equipe;
  • ser proativo e não ter medo de assumir a liderança;
  • transmitir segurança para os colegas de trabalho e população atendida;
  • conseguir lidar com o público de forma empática e respeitosa;
  • ter boa observação de campo;
  • ser criativo para criar os projetos de intervenção e colocá-los em prática;
  • conseguir lidar com situações adversas e desafiadoras;
  • saber trabalhar sob pressão;
  • ter uma escuta qualificada;
  • ser organizado.

Mercado de trabalho

Para concluir nosso guia completo sobre Terapia Ocupacional, é preciso falar sobre o mercado de trabalho. Afinal, ele é um dos elementos principais que orientam a prática do terapeuta, informando as oportunidades que você encontrará depois de formado.

Assim, quem segue a carreira de terapeuta ocupacional lida diretamente com a rede pública, tanto de saúde e assistência social quanto de educação, assim como no ambiente corporativo, para trabalhar com situações de doenças ocupacionais.

Vale lembrar que para a atuação legal da profissão, é necessário estar cadastrado no Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (Crefito) do seu estado. Assim, você tem uma prática regulamentada e pode usufruir dos benefícios trabalhistas que o seu concelho apresenta.

Você percebe como a Terapia Ocupacional apresenta diversas oportunidades para você? Afinal, é possível trabalhar no serviço público e privado, promovendo o bem-estar de trabalhadores, pessoas em situação de vulnerabilidade e sujeitos com dificuldades físicas e psíquicas. Lembre-se de que para entrar nesse curso superior é necessário focar nos seus estudos para atingir um excelente resultado no vestibular.

E aí, gostou do curso de Terapia Ocupacional? Então, aproveite para conhecer o nosso Plano de Estudos e montar um excelente planejamento que orienta sua aprendizagem e o auxilia a conquistar uma nota incrível nos exames!