Tenha acesso completo ao Stoodi

Plano de estudos, correção de redação, todas as aulas e muito mais!

Exercícios de Introdução e Arte na Pré-História

Voltar para Introdução e Arte na Pré-História

Quer colocar o estudo em prática? O Stoodi tem exercícios de Introdução e Arte na Pré-História dos maiores vestibulares do Brasil.

Estude Arte com esses e mais de 30000 que caíram no ENEM, Fuvest, Unicamp, UFRJ, UNESP e muitos outros vestibulares!

Gerar PDF da Página
  1. 1. ENEM 2007
    Pintura rupestre da Toca do Pajaú – PI. Disponível em: . A pintura rupestre, que é um patrimônio cultural brasileiro, expressa
  2. 2. UEMA 2016
    Arte rupestre é o mais antigo tipo de arte da História. Também é conhecida como gravura ou pintura rupestre. Esse tipo de arte teve início no período Paleolítico Superior e é encontrada em todos os continentes. O estudo da arte rupestre favoreceu o conhecimento de pesquisadores em relação aos hábitos dos povos da Antiguidade e a sua cultura. As matérias-primas utilizadas para a expressão artística dos povos da antiguidade eram pedras, ossos e sangue de animais. O sangue, assim como o extrato de folhas de árvores, era utilizado para tingir, constituindo o que devem ser as mais primitivas expressões artísticas, conforme a imagem abaixo. Durante muito tempo, os povos que assim se expressavam foram conhecidos como ¯ “Pré-históricos”. Essa denominação, hoje em desuso entre a maioria dos historiadores, mas ainda presente nos livros didáticos, está diretamente relacionada ao fato de esses povos
  3. 3. UECE 2015
    Em várias grutas pré-históricas, ricamente decoradas, foram encontradas pinturas retratando cenas de caça, ou animais como o cavalo e o bisão. Assim é a arte rupestre comumente feita sobre a pedra que pode também ser encontrada em incisões em ossos e madeira. As pinturas e as incisões rupestres surgiram no período 
  4. 4. IFSUL 2016
    Nesta época, o ser humano habitava cavernas, muitas vezes tendo que disputar esse tipo de habitação com animais selvagens. Quando acabavam os alimentos da região em que habitavam, as famílias tinham que migrar para uma outra região. Dessa forma, o ser humano tinha uma vida nômade (sem habitação fixa). Vivia da caça de animais de pequeno, médio e grande porte, da pesca e da coleta de frutos e raízes. Usava instrumentos e ferramentas feitos a partir de pedaços de ossos e pedras. Os bens de produção eram de uso e de propriedade coletivas. Disponível em: http://www.suapesquisa.com/prehistoria/. Acesso em 20 out. 2015. O texto acima se refere ao período do(a)
  5. 5. ENEM 2017
    TEXTO I Frevo: Dança de rua e de salão, é a grande alucinação do Carnaval pernambucano. Trata-se de uma marcha de ritmo frenético, que é a sua característica principal. E a multidão ondulando, nos menieos da dança, fica a ferver. E foi dessa ideia de fervura (o povo pronuncia frevura, frever) que se criou o nome frevo. CASCUDO, L. C. Dicionário do folclore brasileiro. São Paulo: Global, 2001 (adaptado). TEXTO II Frevo é Patrimônio Imaterial da Humanidade O frevo, ritmo genuinamente pernambucano, agora é do mundo. A música que hipnotiza milhões de foliões e dá o tom do Carnaval no estado foi oficialmente reconhecida como Patrimônio Imaterial da Humanidade. O anúncio foi feito em Paris, nesta quarta-feira, durante cerimônia da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). Disponível em: www.diariodepernambuco.com.br. Acesso em: 14 jun. 2015. Apesar de abordarem o mesmo tema, os textos I e II diferenciam-se por pertencerem a gêneros que cumprem, respectivamente, a função social de
  6. 6. UERN 2012
    Leia o texto que ressalta o caráter simbólico da arte rupestre. A arte rupestre O homem Paleolítico deixou-nos belíssimas representações nas paredes das cavernas e objetos decorativos com fino senso artístico. O cuidado com os mortos, já comum entre os homens de Neanderthal, é enriquecido com símbolos, isto é, sinais com significados, que remetem a uma vida futura. [...] Ele recorre a sinais que não atendem apenas às necessidades básicas, como os animais. O homem inventa sinais, sons e gestos de um valor simbólico porque remetem a algum significado. Esses sinais podem ir além das necessidades de sobrevivência (arte, religião). O elevado nível cultural desse homem já moderno explica seu sucesso e sua difusão por todo o planeta, com uma ampla variedade de expressões, mas sempre um único ímpeto criativo. (Facchini, Fiorenzo. O Homem. São Paulo: Moderna, 1997, p.36) Com base no texto, analise. I. A arte foi, sem sombra de dúvida, a primeira forma de expressão do homem primitivo. II. Os grupos humanos criaram símbolos para representar o mundo em que viviam e seu cotidiano. III. A ausência de documentos escritos deixados pelos seres humanos da Pré-História nos impede de levantar hipóteses sobre a forma como viveram. IV. Embora muitas questões fiquem sem respostas, os vestígios arqueológicos encontrados têm-nos permitido conhecer parte do cotidiano Pré-Histórico. Estão corretas apenas as afirmativas
  7. 7. UERN 2013
    As gravuras se referem aos monumentos megalíticos, constantes objetos de estudo de arqueólogos e historiadores. Observe. Acerca dessas formações rochosas misteriosas, devidamente arrumadas na natureza por nossos antepassados, é correto afirmar que
  8. 8. ENEM 2014
    Queijo Minas vira patrimônio cultural brasileiro O modo artesanal da fabricação do queijo em Minas Gerais foi registrado nesta quinta-feira (15) como patrimônio cultural imaterial brasileiro pelo Conselho Consultivo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). O veredicto foi dado em reunião do conselho realizada no Museu de Artes e Ofícios, em Belo Horizonte. O presidente do Iphan e do conselho ressaltou que a técnica de fabricação artesanal do queijo está “inserida na cultura do que é ser mineiro”. Folha de S. Paulo, 15 maio 2008. Entre os bens que compõem o patrimônio nacional, o que pertence à mesma categoria citada no texto está representado em:
  9. 9. ENEM 2016
    O Google Art é uma ferramenta on-line que permite a visitação virtual dos mais importantes museus do mundo e a visualização de suas obras de arte. Por meio da tecnologia Street View e de um veículo exclusivamente desenvolvido para o projeto, fotografou-se em  graus o interior de lugares como o MoMA, de Nova York, o Museu Van Gogh, em Amsterdã, e a National Gallery, de Londres. O resultado é que se pode andar pelas galerias assim como se passeia pelas ruas com o Street View. Além disso, cada museu escolheu uma única obra de arte de seu acervo para ser fotografada com câmeras de altíssima resolução, ou gigapixel. As imagens contêm cerca de sete bilhões de pixels, o que significa que é mais de mil vezes mais detalhada do que uma foto de câmera digital comum. Além disso, todas as obras vêm acompanhadas de metadados de proveniência, tais como títulos originais, artistas, datas de criação, dimensões e a quais coleções já pertenceram. Os usuários também podem criar suas próprias coleções e compartilhá-las pela web. Disponível em: http://oglobo.globo.com. Acesso em: 3 out. 2013 (adaptado). As tecnologias da computação possibilitam um novo olhar sobre as obras de arte. A prática permite que usuários
  10. 10. ENEM 2017
    Inspiração no lixo O paulistano Jaime Prades, um dos precursores do grafite e da arte urbana, chegou ao lixo por sua intensa relação com as ruas de São Paulo. “A partir da década de 1980, passei a perceber o desastre que é a ecologia urbana. Quando a gente fala em questão ambiental, sempre se refere à natureza, mas a crise ambiental urbana é forte”, diz Prades. Inspirado pela obra de Frans Krajcberg, há quatro anos Jaime Prades decidiu construir uma árvore gigante no Parque do Ibirapuera ou em outro local público, feita com sobras de madeira garimpadas em caçambas. “Elas são como os intestinos da cidade, são vísceras expostas”, conta Prades. “Percebi que cada pedaço de madeira carregava a memória da árvore de onde ela veio. Percebi que não estava só reciclando, e sim resgatando”. Sua árvore gigante ainda não vingou, mas a ideia evoluiu. Agora, ele pretende criar uma plataforma na internet para estimular outros artistas a fazer o mesmo. "Teríamos uma floresta virtual planetária, na qual se colocariam essas questões de forma poética, criando uma discussão enriquecedora.” VIEIRA, A. National Geographic Brasil, n. 65-A, 2015. O texto tematiza algumas transformações das funções da arte na atualidade. No trabalho citado, do artista Jaime Prades, considera-se a
  11. 11. ENEM 2012
    O que o projeto governamental tem em vista é poupar à Nação o prejuízo irreparável do perecimento e da evasão do que há de mais precioso no seu patrimônio. Grande parte das obras de arte até mais valiosas e dos bens de maior interesse histórico, de que a coletividade brasileira era depositária, têm desaparecido ou se arruinado irremediavelmente. As obras de arte típicas e as relíquias da história de cada país não constituem o seu patrimônio privado, e sim um patrimônio comum de todos os povos. ANDRADE, R. M. F. Defesa do patrimônio artístico e histórico. O Jornal, 30 out. 1936. In: ALVES FILHO, I. Brasil, 500 anos em documentos. Rio de Janeiro: Mauad, 1999 (adaptado). A criação no Brasil do Serviço do Patrimônio Histórico Artístico Nacional (SPHAN), em 1937, foi orientada por ideias como as descritas no texto, que visavam
  12. 12. UERN 2013
    O primeiro meio pelo qual o ser humano registrou sua própria existência foi a pedra – as pinturas rupestres mais antigas, encontradas em cavernas da Espanha, datam de cerca de quarenta mil anos atrás. Quando a escrita foi encontrada na Mesopotâmia, em 4.000 a.C., foi preciso um suporte que a tornasse portátil. A solução foram as tabuletas de argila, pranchas do tamanho de uma folha de papel, gravadas com argila ainda úmida, usando uma ponta afiada de madeira. Se as tabuletas se destinavam a uso definitivo, eram cozidas em fornos, como vasos de cerâmica – se não, eram apagadas. Um estilo de escrita desenvolvido foi chamado cuneiforme. (Revista Aventuras na História. Edição 114. Janeiro de 2013. p. 14.) A partir dessas formas de registro, outras foram surgindo e a escrita tornou-se um meio para a transmissão de tradições, transformando-se num veículo de expressão e organização social. Com base na relação entre o surgimento da escrita e a aceleração do desenvolvimento das civilizações, é correto afirmar que
  13. 13. UEL 2015
    Leia o texto a seguir. A arte pré-histórica é uma arte de linhas e croquis; é uma etapa além da percepção, um artifício que ajuda a reter a imagem na mente. Na arte pré-histórica, encontramos figuras humanas, geralmente armadas, em ação, seja perseguindo animais, lutando ou dançando. Os animais são representados de forma naturalista, ou seja, reproduções de imagens perceptíveis. As figuras humanas, pelo contrário, estão muito estilizadas; se estão em movimento, os braços e as pernas são alargados. O objetivo do artista foi indicar o movimento; as formas são ditadas por sensações internas mais que observação externa. Os dois principais estilos pré-históricos são vitalistas e se acham determinados pela imagem captada exteriormente e pela sensação internamente sentida. A arte pode haver estado associada com ritos, com a intenção de exercer os poderes mágicos através de um retrato fiel que apresenta naturalismo nas representações animais. Já o símbolo estilizado e dinâmico da forma humana é determinado por um sentimento interno. Adaptado de: READ, H. “Imagen e Idea”. La función Del arte en el desarollo de la conciencia humana. México: FCE, 2003. p.23-31. Com base no texto e nos conhecimentos sobre o tema, assinale a alternativa que apresenta, correta e respectivamente, as imagens da arte pré-histórica que representam o estilo animal naturalista (reprodução de imagens perceptíveis) e os símbolos estilizados e dinâmicos da forma humana determinados mais pela sensação que pela observação e que buscam indicar o movimento.
  14. 14. ENEM 2016
    TEXTO I Disponível em: http://portal.iphan.gov.br. Acesso em: 6 abr. 2016. Disponível em: http://portaliphan.gov.br Acesso em 6 abr. 2016 TEXTO II A eleição dos novos bens, ou melhor, de novas formas de se conceber a condição do patrimônio cultural nacional, também permite que diferentes grupos sociais, utilizando as leis do Estado e o apoio de especialistas, revejam as imagens e alegorias do seu passado, do que querem guardar e definir como próprio e identitário. ABREU, M.; SOIHET, R.; GONTIJO, R. (Org.). Cultura política e leituras do passado: historiografia e ensino de história, Rio de Janeiro Civilização Brasileira, 2007 O texto chama a atenção para a importância da proteção de bens que, como aquele apresentado na imagem, se identificam como:
  15. 15. UEPB 2013
    “As Itaquatiaras são gravuras feitas em rochas, pintadas ou não, que circundam leitos de rios. Há exemplares desta técnica em Pernambuco, tanto às margens do São Francisco como nos limites com a Paraíba.” (Antônio Clarindo Barbosa de Souza e Fábio Gutemberg R. B. Souza – História da Paraíba. EDUFCG p. 19) Assinale a alternativa correta: 
  16. 16. UFG 2010
    As pinturas rupestres são evidências materiais do desenvolvimento intelectual dos seres humanos. Embora tradicionalmente estudadas pela Arqueologia, elas ajudaram a redefinir a concepção de que a História se inicia com a escrita, pois 
  17. 17. UFPI 2008
    Nas últimas décadas o Piauí vem figurando como um tema obrigatório nas discussões sobre o primitivo povoamento do território americano, o que decorre, principalmente, dos achados arqueológicos da Serra da Capivara, no município piauiense de São Raimundo Nonato. Sobre esse assunto, assinale, nas alternativas a seguir, aquela que está INCORRETA:
  18. 18. CESGRANRIO 2011
    Formas sinuosas, flores, folhagens, desenho delicado facilmente reconhecido em objetos, móveis, esculturas, pinturas e edifícios. Esse estilo, que, se estendendo a todas as formas de arte, procurou promover a unidade de todo o fazer artístico do início do século XX é denominado estilo
  19. 19. UNCISAL 2016
    HOJE NA HISTÓRIA: 1913 – IGOR STRAVINSKY ESTREIA EM PARIS SEU POLÊMICO BALÉ 'A SAGRAÇÃO DA PRIMAVERA'   Quando as cortinas do recém-inaugurado – e arquitetonicamente controverso – Teatro de Champs-Elysees se abriram, parecia que toda a sociedade parisiense ali estava. Havia uma grande expectativa cercando a nova produção. A publicidade do espetáculo dizia ser arte real e verdadeira que desprezava os tradicionais limites de espaço e tempo.   Assim que os primeiros acordes e os primeiros passos se viram e ouviram, a plateia começou a reagir ruidosamente com assobios, vaias e gritos. Originalmente intitulado "A Vítima", o balé de Stravinsky representava uma celebração pagã em que uma virgem se sacrifica ao deus da primavera. A música era dissonante e estranha, enquanto a coreografia de Nijinsky marcava um radical afastamento do balé clássico, os bailarinos dobrando os dedões dos pés e seus membros movimentando-se mecanicamente em ângulos em vez de suaves e sinuosos movimentos.   A incontrolável plateia tornou-se tão participante do espetáculo quanto os bailarinos e músicos. Cerca de um quarto dos que protestavam foram levados para fora à força, porém não foi suficiente para sufocar o distúrbio. As luzes do auditório foram totalmente acesas, mas o barulho continuou.   A dançarina Piltz representava a moça do sacrifício executando sua estranha dança de histeria religiosa num palco ofuscado pelas luzes fulgurantes da plateia, aparentemente acompanhando os desconexos desvarios de uma multidão de homens e mulheres encolerizados. A cobertura pela imprensa do balé – que hoje é considerado uma das grandes realizações musicais do século 20 – foi gritantemente negativa. A música foi qualificada como mero barulho e a dança como uma paródia horrivelmente feia do balé tradicional. [...] Disponível em:. Acesso em: 06 nov. 2015.   O evento referido pelo texto, a estreia do ballet "A Sagração da Primavera", de Igor Stravinsky, ocorreu em 1913. A partir das informações do texto, interpreta-se esse evento como um dos mais emblemáticos exemplos de  
  20. 20. UFES 2015
    NÃO são características da arte e da arquitetura romanas:
  21. 21. UFES 2014
    Sobre a arte bizantina, é INCORRETO afirmar:
  22. 22. UFES 2014
    Em relação à arte e à arquitetura romana, é INCORRETO afirmar:
  23. 23. UFES 2015
    Sobre a arte Romana, é INCORRETO afirmar:
  24. 24. UFES 2015
    Em relação à arte e à arquitetura bizantinas, é INCORRETO afirmar:
  25. 25. UFES 2011
    Entre os principais complementos da arquitetura bizantina, pode-se considerar
  26. 26. UFES 2013
    Sobre a escultura na antiguidade romana, é CORRETO afirmar:
  27. 27. UFES 2012
    Os antigos romanos, apesar de possuírem uma religião politeísta e de dedicarem diversos templos a seus deuses, também se ocuparam em reverenciar e homenagear seus imperadores. Desse modo, muitas obras de arte eram feitas em honra do Império. Sobre a arte romana, é INCORRETO afirmar:
  28. 28. UFES 2012
    Sobre a arquitetura na antiguidade romana, é CORRETO afirmar:
  29. 29. UFES 2011
    Em relação à arte bizantina, a afirmativa INCORRETA é
  30. 30. UFES 2011
    Os romanos revelaram habilidade e talento na arte de executar relevos em arcos de triunfo, abóbadas, altares e frisos de templos, nos quais exaltaram fatos históricos notáveis e conquistas de seus imperadores. Nesse sentido, podemos afirmar que a Coluna de Trajano (Roma) consiste
Gerar PDF da Página
Conta de email não verificada

Não foi possível realizar o seu cadastro com a sua conta do Facebook pois o seu email não está confirmado no Facebook.

Clique aqui para ver como confirmar sua conta de email no Facebook ou complete seu cadastro por aqui.

Entendi
Clicando em "Criar perfil", você aceita os termos de uso do Stoodi.
Tem perfil no Stoodi? Fazer Login