0.5x 1x 1.5x 2x
Biologia

Estudo do Núcleo - Visão Geral

Prof. Davis Posso timer 06:05

Qual a importância de se estudar o núcleo celular? O que há dentro do núcleo de uma célula? Quais as fases da vida de uma célula eucariota? O estudo do núcleo é importante para a classificação dos seres vivos nos Cinco Reinos? Uma visão geral deste importante assunto é fundamental para você mergulhar no grande centro controlador das células eucariotas... Tá preparado? Então vamos lá!

E aí beleza? Preparado para mais uma aula de biologia? Legal, então vamos lá! Estamos trabalhando aqui a citologia, continuando a nossa citologia, e a gente vai entrar agora no núcleo celular. Tudo bem? Quando a gente fala em núcleo celular, na verdade estamos falando de um componente que ele é exclusivo das células eucarióticas. Tudo bem? Então o primeiro ponto importante, tudo o que eu falar a partir de agora você tem que imaginar que eu estou falando de células eucarióticas, aquelas células mais complexas, as células encontradas em animais, em vegetais, em fungos, protozoários e algas, tranquilo? Então vamos lá! O núcleo, como eu já disse antes, ele é exclusivo de células eucarióticas e ele está associado basicamente a uma importante função que é armazenar o material genético, armazenar o DNA, e a partir daí, se você recordar um pouquinho funções do DNA, a partir daí ele vai passar a controlar o metabolismo da célula e também vai ser importante na questão da hereditariedade. Hereditariedade que é essa capacidade que a gente tem de transmitir nossas características para os descendentes e essa transmissão vai acontecer no DNA que vai estar dentro do núcleo celular. Tudo bem? Então a partir dessa grande função, que é armazenar o DNA celular, aparecem essas outras duas que é o controle do metabolismo, controlar as atividades da célula, e também transmitir as informações suas para os seus descendentes. Tranquilo? Muito bem! Aqui têm uma classificação muito simples, mas que é muito importante você saber que é a classificação das células com relação ao núcleo. Então imagina só, uma célula pode ser considerada anucleada, que é o caso das hemácias de mamíferos. O que acontece? Nós humanos somos mamíferos e tem um certo momento durante a nossa produção de hemácias em que as hemácias elas perdem o seu núcleo, isto acontece momentos antes delas irem parar na corrente sanguínea. Então elas eram células que tinham núcleo, mas passaram a ficar sem núcleo. Então se eu pego uma hemácia humana se eu faço por exemplo, um exame de sangue um hemograma e analiso as hemácias de qualquer mamífero, como a nossa, as nossas, eu não vou encontrar núcleo dentro da célula, então eu digo que essa célula ela é anucleada. Você deve saber que como consequência disso, como consequência da falta de núcleo, a hemácia vai ter uma duração de aproximadamente três a quatro meses na corrente sanguínea. Tudo bem? Ótimo! A maioria das células se enquadram nesse tipo uninucleada, ou seja, uma célula que tem um único núcleo, como é o caso de um espermatozoide, como é o caso de uma célula epitelial. Tranquilo? Ótimo! Agora, há células que são plurinucleadas, ou seja, células que têm vários núcleos, aqui eu queria chamar a sua atenção para uma pergunta que você deve estar se fazendo. Como é que uma célula pode ter vários núcleos? A formação de uma célula polinucleada ou plurinucleada, ela pode acontecer por dois fenômenos, um fenômeno que a gente chama de ‘sincício’, que aí eu vou explicar daqui um pouquinho, e pode também acontecer por um processo que a gente chama de ‘plasmódio’. Tudo bem? Quando eu tenho o processo sincício, que é o que acontece com a fibra muscular, eu tenho células uninucleadas que se fundem formando uma macro célula plurinucleada. Fácil? Pegou? Então, várias células uninucleadas que se fundem formando uma grande célula plurinucleada. Quando eu já tenho a formação de células plurinucleadas pelo processo de plasmódio, eu tenho uma célula uninucleada e acontecem fenômenos de divisão só do núcleo que origina dois, que origina quatro, que origina oito, e assim sucessivamente sendo que esses núcleos continuam guardados dentro de uma mesma estrutura celular. Tranquilo? Simples assim, ótimo. “Quais são, Davis, os componentes de um núcleo?” Aqui primeiro eu quero chamar a sua atenção para essa palavrinha. Quais são os componentes de um núcleo interfásico? Em breve você vai entender, vou explicar para você, que uma célula pode ser encontrada em dois estágios na sua vida ou ela está em um período chamado intérfase ou interfase no qual ela não está se dividindo, ela está por exemplo, realizando as suas funções normais ou essa célula pode estar em divisão celular que aí vai ser a mitose ou a meiose. Para eu estudar todos os componentes do núcleo de uma célula, eu preciso que essa célula não esteja se dividindo, porque a gente vai ver em breve que durante a divisão algumas dessas estruturas elas se desintegram, desaparecem. Então em uma célula que não está se dividindo, ou seja, uma célula que está em interfase. Quais são as partes que eu vou encontrar? Vou encontrar a carioteca, que é o revestimento do núcleo, vou encontrar o nucleoplasma, que é o material gelatinoso que preenche o núcleo, vou encontrar cromatina, que nada mais é do que o DNA associado a proteínas chamadas de histonas. Esse DNA está relativamente condensado e vou encontrar o nucléolo. O nucléolo que é uma importante região de produção do RNA Ribossômico. Tudo bem? Um dia esse RNA Ribossômico vai formar o ribossomo e este ribossomo por sua vez vai fazer a produção de proteínas. Tranquilo? Então o núcleo se resume a isso, super fácil, super tranquilo. Agora é a sua vez de chegar com o seu material, chegar no seu caderno, mandar ver nos estudos, resolver questões e me esperar para a próxima aula. Forte abraço!

Conta de email não verificada

Não foi possível realizar o seu cadastro com a sua conta do Facebook pois o seu email não está confirmado no Facebook.

Clique aqui para ver como confirmar sua conta de email no Facebook ou complete seu cadastro por aqui.

Entendi
Clicando em "Criar perfil", você aceita os termos de uso do Stoodi.