Exercícios de Introdução à Filosofia

Voltar para Introdução à Filosofia

Quer colocar o estudo em prática? O Stoodi tem exercícios de Introdução à Filosofia dos maiores vestibulares do Brasil.

Estude Filosofia com esses e mais de 30000 que caíram no ENEM, Fuvest, Unicamp, UFRJ, UNESP e muitos outros vestibulares!

Gerar PDF da Página
  1. 1. UEMA 2015
    Leia a fábula de La Fontaine, uma possível explicação para a expressão ”o amor é cego”. No amor tudo é mistério: suas flechas e sua aljava, sua chama e sua infância eterna. Mas por que o amor é cego? Aconteceu que num certo dia o Amor e a Loucura brincavam juntos. Aquele ainda não era cego. Surgiu entre eles um desentendimento qualquer. Pretendeu então o Amor que se reunisse para tratar do assunto o conselho dos deuses. Mas a Loucura, impaciente, deu-lhe uma pancada tão violenta que lhe privou da visão. Vênus, mãe e mulher, pôs-se a clamar por vingança, aos gritos. Diante de Júpiter, de Nêmesis – a deusa da vingança – e de todos os juízos do inferno, Vênus exigiu que aquele crime fosse reparado. Seu filho não podia ficar cego. Depois de estudar detalhadamente o caso, a sentença do supremo tribunal celeste consistiu em declarar a loucura a servir de guia ao Amor. Fonte: LA FONTAINE, Jean de. O amor e a loucura. In: Os melhores contos de loucura. Flávio Moreira da Costa (Org.). Rio de Janeiro: Ediouro, 2007. A fábula traz uma explicação oriunda dos deuses para uma realidade humana. Esse tipo de explicação classifica-se como
  2. 2. UEG 2013
    O ser humano, desde sua origem, em sua existência cotidiana, faz afirmações, nega, deseja, recusa e aprova coisas e pessoas, elaborando juízos de fato e de valor por meio dos quais procura orientar seu comportamento teórico e prático. Entretanto, houve um momento em sua evolução histórico-social em que o ser humano começa a conferir um caráter filosófico às suas indagações e perplexidades, questionando racionalmente suas crenças, valores e escolhas. Nesse sentido, pode-se afirmar que a filosofia
  3. 3. UNIMONTES 2013
    Deleuze e Guattari entendem a filosofia como possibilidade de instauração do caos. Nesse sentido, a filosofia é capaz de criticar a si mesma e também às outras formas de pensar e agir. Com relação à filosofia, podemos afirmar:
  4. 4. UNIOESTE 2013
    “Nada indigna mais uma cabeça filosófica do que ouvir dizer que, de agora em diante, toda filosofia tem de ficar aprisionada nos grilhões de um único sistema. Nunca esse espírito se sentira maior do que ao ver diante de si a infinidade do saber. Toda a sublimidade de sua ciência consistiria justamente em nunca poder perfazer-se. No instante em que ele próprio acreditasse ter perfeito seu sistema, ele se tornaria insuportável para si mesmo. Nesse mesmo instante, deixaria de ser criador e se reduziria a um instrumento de sua criatura. […] nada pode ser mais pernicioso para a dignidade da filosofia que a tentativa de forçá-la a entrar nos limites de um sistema teórico universalmente válido” Schelling. Considerando o texto acima, é INCORRETO afirmar que
  5. 5. UPE 2013
    A filosofia, no que tem de realidade, concentra-se na vida humana e deve ser referida sempre a esta para ser plenamente compreendida, pois somente nela e em função dela adquire seu ser efetivo. VITA, Luís Washington. Introdução à Filosofia, 1964, p. 20. Sobre esse aspecto do conhecimento filosófico, é CORRETO afirmar que
  6. 6. UFSJ 2013
    A construção de uma cosmologia que desse uma explicação racional e sistemática das características do universo, em substituição à cosmogonia, que tentava explicar a origem do universo baseada nos mitos, foi uma preocupação da Filosofia
  7. 7. UNIMONTES 2013
    Muitos pensam que os mitos são lendas restritas aos povos tribais e que teriam desaparecido com a crítica do pensamento científico moderno. No que se refere ao mito, podemos afirmar, EXCETO
  8. 8. UEL 2015
    De onde vem o mundo? De onde vem o universo? Tudo o que existe tem que ter um começo. Portanto, em algum momento, o universo também tinha de ter surgido a partir de uma outra coisa. Mas, se o universo de repente tivesse surgido de alguma outra coisa, então essa outra coisa também devia ter surgido de alguma outra coisa algum dia. Sofia entendeu que só tinha transferido o problema de lugar. Afinal de contas, algum dia, alguma coisa tinha de ter surgido do nada. Existe uma substância básica a partir da qual tudo é feito? A grande questão para os primeiros filósofos não era saber como tudo surgiu do nada. O que os instigava era saber como a água podia se transformar em peixes vivos, ou como a terra sem vida podia se transformar em árvores frondosas ou flores multicoloridas. Adaptado de: GAARDER, J. O Mundo de Sofia. Trad. de João Azenha Jr. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. p.43-44. Com base no texto e nos conhecimentos sobre o surgimento da filosofia, assinale a alternativa correta.
  9. 9. UPE 2013
    Sobre o conhecimento filosófico, atente ao texto que se segue: O conhecimento filosófico é, diversamente do conhecimento científico, um conhecimento crítico, no sentido de que põe sempre em problema o conhecimento obtido pelos processos da Ciência. MARTINS, José Salgado. Preparação à Filosofia, 1969, p. 9. Tomando como base o conhecimento filosófico, coloque V nas afirmativas verdadeiras e F nas falsas. (     ) A filosofia é um tipo de saber, que não diz tudo o que sabe e uma norma que não enuncia tudo aquilo que postula. O saber filosófico, portanto, é profundo, mesmo quando parece mais claro e transparente. (     ) A filosofia deve ser estudada e ensinada com base nos problemas que suscita e não apenas em virtude das respostas que proporciona a esses mesmos problemas. (     ) A filosofia se faz presente como reflexão crítica a respeito dos fundamentos do conhecimento e da ação, por isso mesmo distinta da ciência pelo modo de abordagem do seu objeto que, no caso desta, é particular e, no caso da filosofia, é universal. (     ) O percurso da filosofia é caracterizado pela exigência de clareza e de livre crítica. (     ) O conhecimento filosófico apresenta-se como a ciência dos fundamentos. Sua dimensão de profundidade e radicalidade o distingue do conhecimento científico. Assinale a alternativa que apresenta a sequência CORRETA.
  10. 10. UEG
    A cultura grega marca a origem da civilização ocidental e ainda hoje podemos observar sua influência nas ciências, nas artes, na política e na ética. Dentre os legados da cultura grega para o Ocidente, destaca-se a ideia de que
  11. 11. UFU 2013
    A atividade intelectual que se instalou na Grécia a partir do séc. VI a.C. está substancialmente ancorada num exercício especulativo-racional. De fato, “[...] não é mais uma atividade mítica (porquanto o mito ainda lhe serve), mas filosófica; e isso quer dizer uma atividade regrada a partir de um comportamento epistêmico de tipo próprio: empírico e racional”. SPINELLI, Miguel. Filósofos Pré-socráticos. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1998, p. 32. Sobre a passagem da atividade mítica para a filosófica, na Grécia, assinale a alternativa correta.
  12. 12. UEMA 2015
    Leia o poema do moçambicano Craveirinha, Cantiga do negro do betelão. Se me visses morrer Os milhões de vezes que nasci... Se me visses chorar Os milhões de vezes que te riste... Se me visses gritar Os milhões de vezes que me calei... Se me visses cantar Os milhões de vezes que morri... E sangrei Digo-te, irmão europeu Também tu Havias de nascer Havias de chorar Havias de cantar Havias de gritar Havias de morrer E sangrar... Milhões de vezes como eu Fonte: CRAVEIRINHA. In: Revista do Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas da FFCLH da USP. São Paulo: Edusp, 2002, p.100. O poeta constrói ou reconstrói a realidade em seus versos e o filósofo, ao ser “tocado” pela poesia, é chamado a refletir sobre ela. A primeira condição ou primeira virtude para o filosofar é
  13. 13. ENEM 2018
    O filósofo reconhece-se pela posse inseparável do gosto da evidência e do sentido da ambiguidade. Quando se limita a suportar a ambiguidade, esta se chama equívoco. Sempre aconteceu que, mesmo aqueles que pretenderam construir uma filosofia absolutamente positiva, sô conseguiram ser filósofos na medida em que, simultaneamente, se recusaram o direito de se instalar no saber absoluto. O que caracteriza o filósofo é o movimento que leva incessantemente do saber à ignorância, da ignorância ao saber, e um certo repouso neste movimento. MERLEAU-PONTY, M. Elogio da filosofia. Lisboa: Guimarães, 1998 (adaptado).   O texto apresenta um entendimento acerca dos elementos constitutivos da atividade do fllósofo, que se caracteriza por
  14. 14. UFU 2007
    Partindo do modelo de comunidade originária, John Locke descreve os pressupostos de sua teoria da propriedade. É um dever do homem se conservar e, portanto, preservar a sua vida. Esta tese pressupõe que todos os indivíduos racionais são proprietários de sua própria pessoa e, em conseqüência disso, do trabalho de suas mãos, da energia gasta no processo de apropriação e transformação dos recursos naturais. Mais exatamente, o fundamento irredutível da propriedade é a propriedade de si mesmo, de sua própria pessoa, e do trabalho que essa pessoa realiza. Em conformidade com o pensamento de Locke, assinale a alternativa correta.  
  15. 15. UEAP 2013
    Para a voz corrente é muito simples: ser livre é poder fazer tudo o que se quer, como se quer, quando se quer [...]. Infelizmente, não existe [...] sociedade humana que permita fazer tudo o que se quer. Existem sempre motivos (‘razões’) ou causas [...] que ‘determinam’ a nossa ação. [...].   Refletindo sobre a liberdade Rousseau chegou a seguinte conclusão: ‘A obediência à lei que se estatuiu a si mesmo é liberdade’. Ou seja, a liberdade consistiria não em recusar obedecer, negar os constrangimentos e rejeitar as determinações, mas sim em assumi-las plenamente, tentando refletir antes de agir, ajuizar o mais lúcida e racionalmente possível, para não cair em excessos de toda a ordem. (HUISMAN, Denis. A Filosofia para principiantes. Lisboa, Publicações Dom Quixote, 1983, p. 64 a 68, Texto adaptado.)   Tendo como referência o texto, é correto afirmar que, para Huisman, a liberdade consiste em
  16. 16. UEMA 2014
    Em 1854, o presidente dos Estados Unidos da América, Franklin Pierce, enviou uma carta ao cacique Noah Sealth da tribo Duwanaish na qual manifesta o interesse de adquirir a terra onde viviam aqueles índios. Veja um pequeno fragmento da resposta dada pelo cacique ao presidente.   Como é que se pode comprar ou vender o céu, o calor da terra? [...] Cada pedaço desta terra é sagrado para o meu povo. Cada ramo brilhante de um pinheiro, cada punhado de areia das praias, a penumbra na floresta densa, cada clareira e inseto a zumbir são sagrados na memória e experiência do meu povo. A seiva que percorre o corpo das árvores carrega consigo as lembranças do homem vermelho. Os mortos do homem branco esquecem sua terra de origem quando vão caminhar entre as estrelas. Nossos mortos jamais esquecem esta bela terra, pois ela é a mãe do homem vermelho. Somos parte da terra e ela faz parte de nós. As flores perfumadas são nossas irmãs; o cervo, o cavalo, a grande águia, são nossos irmãos. Os picos rochosos, os sucos úmidos nas campinas, o calor do corpo do potro, e o homem - todos pertencem a mesma família. Portanto, quando o Grande Chefe em Washington manda dizer que deseja comprar nossa terra, pede muito de nós. O Grande Chefe diz que nos reservará um lugar onde possamos viver satisfeitos. Ele será nosso pai e nós seremos seus filhos. Portanto, nós vamos considerar sua oferta de comprar nossa terra. Mas isso não será fácil. Esta terra é sagrada para nós. Essa água brilhante que escorre nos riachos e rios não é apenas água, mas o sangue de nossos antepassados. Se lhes vendermos a terra, vocês devem lembrar-se de que ela é sagrada, e devem ensinar as suas crianças que ela é sagrada e que cada reflexo nas águas límpidas dos lagos fala de acontecimentos e lembranças da vida do meu povo. Fonte: CULTURABRASIL. Carta do Chefe Sealth. Disponível em: . Acesso em: 12 ago. 2013.   A partir da explicação do cacique na carta, cultura pode ser caracterizada como uma forma de
  17. 17. UEMA 2014
    Quando se espalhou por São Paulo um protesto contra o aumento de 20 centavos na passagem de ônibus, todo mundo sentiu que a coisa era bem maior. Tão maior, mais inebriante, mais mobilizador, mais assustador e mais apaixonante que, em uma semana, multidões bem acima de 1 milhão de pessoas jorraram Brasil afora na história de quinta-feira. Assim, o povo brasileiro, durante as manifestações de rua, demonstrou toda a sua indignação com a atual conjuntura política ao expor cartazes com frases do tipo: “O povo unido não precisa de partido”. Fonte: REVISTA VEJA. São Paulo: Abril, ano 46, nº 26, 24 jun. 2013.   Essa reação popular demonstra que o povo, ao reivindicar os seus direitos, é
  18. 18. UEMA 2014
    O texto publicado na Revista Veja pelo leitor Marcelo Saramago da cidade do Rio de Janeiro, demonstrando a sua indignação com a atual conjuntura política dos transportes, no Brasil, comenta que   O que são 20 centavos em comparação ao mensalão? O que são 20 centavos perto de todas as obras superfaturadas, inacabadas ou mal-acabadas? O que são 20 centavos quando há vários políticos condenados (que nós ainda não conseguimos entender por que não estão atrás das grades), querendo calar o Ministério Público e arregimentar a Justiça? Vinte centavos foram o pingo que faltava para transbordar a nossa paciência, para tirar todos que bancam essa farra da inércia. Fonte: REVISTA VEJA. São Paulo: Abril, ano 46, nº 26, 24 jun. 2013.   Pode-se observar na carta do leitor um questionamento para uma melhor compreensão da realidade política brasileira. Essa é uma característica da filosofia, denominada
  19. 19. UNICENTRO 2016
    Leia o texto a seguir. O “estado de natureza”, ou “natural”, em que o homem se encontraria, abstração feita da constituição da sociedade organizada e do governo, é o estado de “guerra de todos contra todos”. O homem é “o lobo do homem” e movido por suas paixões e desejos não hesita em matar e destruir o outro, seu semelhante. (MARCONDES, D. Iniciação à História da Filosofia. Dos Pré-Socráticos a Wittgenstein. Rio de Janeiro: Zahar, 2007. p.40.)   Assinale a alternativa que apresenta, corretamente, a concepção antropológica de homem, retratada no texto, e o seu defensor.
  20. 20. UNICENTRO 2016
    Leia o texto a seguir. A ruptura da relação harmoniosa entre o homem e a natureza é uma marca característica da filosofia moderna. Essa separação foi provocada pela convergência de múltiplos fatores de transformação e de inovação dos quais os mais importantes se situam na esfera da filosofia e da ciência e das descobertas de novas terras. (LANDIM, M. L. P. F. A relação homem-natureza em Tomás de Aquino e na Modernidade. In. STEIN, E. (org.) A cidade dos homens e a cidade de Deus. Porto Alegre: EST Edições, 2007. p.80.)   Com base no texto e nos conhecimentos sobre a modernidade, considere as afirmativas a seguir. I. Apresenta a natureza como objeto passível de manipulação. II. Consolida a primazia da epistemologia. III. Estrutura-se com base no antropocentrismo. IV. Orienta-se pela caráter preservacionista da natureza.   Assinale a alternativa correta.
  21. 21. UNICENTRO 2015
    A filosofia contemporânea buscou superar a ideia metafísica de uma essência universal do homem. O pensador alemão Peter Sloterdijk desenvolve a tese de que aquilo que nós conhecemos como ser humano foi desenvolvido por uma série de exercícios e protocolos – religiosos, educativos, culturais etc. – nomeados por ele de antropotécnicas. Em relação às implicações dessa reflexão sobre a Bioética, assinale a alternativa correta.
  22. 22. UNICENTRO 2015
    Leia o texto a seguir.   O cientista nunca dialoga com a natureza pura, mas com certo estado de relação entre a natureza e a cultura, definível pelo período da história no qual ele vive, sua civilização, os recursos materiais dos quais ele dispõe. (LÉVI-STRAUSS, C. apud CHRÉTIEN, C. A Ciência em Ação: mitos e limites. Campinas: Papirus, 1994. p.44.)   Sobre essa afirmação de Lévi-Strauss, assinale a alternativa correta.
  23. 23. UNICENTRO 2015
    O homem arcaico se reconhece como real na medida em que ele participa de um arquétipo que confere ao mundo um sentido. Todos os atos importantes da vida foram revelados, na sua origem, por deuses e heróis, e os homens procuram repetir esses gestos paradigmáticos e exemplares. Cada ritual resgata um início, um ato criador, um instante eterno. Com isso ele busca superar o horror ao evento, que traz a mudança e o novo: a memória primitiva é anti-histórica. Sobre as funções do mito e sua relação com a posterioridade filosófica, considere as afirmativas a seguir.   I. Na medida em que busca superar a evasão do tempo, o mito é contraposto à metafísica filosófica. II. A lembrança mítica é poética e não factual. III. Através de rituais, o homem arcaico transforma as ações profanas – caça, pesca, agricultura, jogos, conflitos, sexualidade – em algo que participa de um sentido sagrado. IV. Os rituais periódicos são purificações: a cada ano se recria o mundo, renova-se a esperança.   Assinale a alternativa correta.
  24. 24. UNICENTRO 2015
    Se observei corretamente, em geral “a não liberdade de arbítrio” é vista como problema por dois lados inteiramente opostos, mas sempre de maneira profundamente pessoal: uns não querem por preço algum abandonar sua “responsabilidade”, a fé em si, o direito pessoal ao seu mérito (os tipos vaidosos estão desse lado); os outros, pelo contrário, não desejam se responsabilizar por nada, ser culpados de nada, e, a partir de um autodesprezo interior, querem depositar o fardo de si mesmos em algum outro lugar. Estes últimos, quando escrevem livros, costumam agora tomar a defesa dos criminosos. (NIETZSCHE, F. Além do Bem e do Mal. São Paulo: Companhia das Letras, 2005. Aforismo 21. p.26.)   Considerando essa passagem, assinale a alternativa correta.
  25. 25. UNICENTRO 2015
    Sobre a Ética do período homérico, considere as afirmativas a seguir.   I. A não separação entre ética e estética era a característica do pensamento grego primitivo. II. Nesse período não havia um pensamento ético sistematizado, sendo o exemplo dos grandes homens o guia para a ação. III. No período homérico, a compaixão era o elemento que guiava as ações humanas. IV. Era uma ética fundamentalmente racional.   Assinale a alternativa correta.
  26. 26. UNICENTRO 2015
    Depois de por muito tempo ler nos gestos e nas entrelinhas dos filósofos, disse a mim mesmo: a maior parte do pensamento consciente deve ser incluída entre as atividades instintivas, até mesmo o pensamento filosófico; em sua maior parte, o pensamento consciente de um filósofo é secretamente guiado e colocado em certas trilhas pelos seus instintos. Todos eles agem como se tivessem descoberto ou alcançado suas opiniões próprias pelo desenvolvimento de uma dialética fria, pura, divinamente impertubável (à diferença dos místicos de toda espécie, que são mais honestos e toscos – falam de “inspiração”), quando no fundo é uma tese adotada de antemão, uma ideia inesperada, uma “intuição”. (NIETZSCHE, F. Além do Bem e do Mal. São Paulo: Companhia das Letras, 2005. Aforismo 3. p.10.)   Com base nessa passagem, considere as afirmativas a seguir.   I. O pensamento místico é superior ao pensamento racional. II. A razão é a superação de qualquer interesse particular. III. A razão procura justificar posteriormente um pré-conceito inicial. IV. A dimensão instintiva do ser humano permeia sua atividade racional.   Assinale a alternativa correta.
  27. 27. UNICENTRO 2015
    Em relação aos conceitos de autonomia e liberdade, atribua V (verdadeiro) ou F (falso) às afirmativas a seguir.   ( ) A partir da modernidade, autonomia e liberdade são concebidas como um movimento de emancipação em relação à racionalidade. ( ) A partir do século XVII, autonomia e liberdade deixaram de ser princípios universais indissociáveis, fontes de inspiração da conduta humana e do reconhecimento da própria dignidade do homem. ( ) No mundo antigo, autonomia e liberdade jamais foram pensadas como atributos imanentes ao homem ou à natureza humana. Não eram considerados como propriedades ou qualidades da natureza humana, pois só podiam se atualizar no mundo sob certas condições definidas. ( ) No período áureo das cidades-estados gregas, a liberdade constituía uma experiência política fundada na igualdade dos participantes do espaço público e comum da ágora democrática. ( ) Os exercícios ascéticos da Antiguidade nada mais eram do que diversas formas de ação do indivíduo sobre si mesmo, por meio dos quais ele visava se tornar senhor de si ao regrar e determinar sua dieta, suas relações sexuais, suas amizades, seu próprio corpo.   Assinale a alternativa que contém, de cima para baixo, a sequência correta.
  28. 28. UNICENTRO 2015
    Parafraseando o dito de Kant, poderíamos dizer que intuição mítica, sem o elemento formador do Logos, ainda é “cega” e que a conceitualização lógica, sem o núcleo vivo da “intuição mítica” originária, permanece “vazia”. (JAEGUER. W. Paideia: a formação do homem grego. São Paulo: Martins Fontes, 2003. p.192.)   Sobre essa frase, considere as afirmativas a seguir.   I. A imaginação tem um papel fundamental na constituição abstrata de conceitos. II. A Filosofia não surge com o abandono do mito, mas como transposição das estruturas mitológicas para a esfera conceitual. III. A Filosofia contribui com o mito, na medida em que este, por si só, é vazio de sentido. IV. O mito é um estado provisório do pensamento humano até que este atinja a razão.   Assinale a alternativa correta.
  29. 29. UNICENTRO 2014
    A divisão entre o mito, por um lado, entendido como uma narrativa fabulosa das origens e que coloca em cena personagens imaginários ou divindades, assegurando a coesão de um grupo social primitivo, e a filosofia, por outro, entendida como discurso explicativo e coerente do logos, remete a pesquisas e estudos, em que o que está em jogo, em ambos os registros, é a veracidade característica do contexto a que pertencem. Com base nessas informações e nos conhecimentos acerca da diferença entre mito e filosofia, assinale a alternativa correta.
  30. 30. UNICENTRO 2014
    Sobre as condições que permitiram, no final do século VII a.C. e no início do século VI a.C., o surgimento da Filosofia, assinale a alternativa correta.
Gerar PDF da Página
Conta de email não verificada

Não foi possível realizar o seu cadastro com a sua conta do Facebook pois o seu email não está confirmado no Facebook.

Clique aqui para ver como confirmar sua conta de email no Facebook ou complete seu cadastro por aqui.

Entendi
Clicando em "Criar perfil", você aceita os termos de uso do Stoodi.
Tem perfil no Stoodi? Fazer Login