Tenha acesso completo aos conteúdos do Stoodi

Plano de estudos, exercícios, videoaulas, correção de redação e mais!

Banco de Exercícios

Lista de exercícios

Quer colocar o estudo em prática? O Stoodi tem exercícios de Ortografia dos maiores vestibulares do Brasil.

Estude Gramática com esses e mais de 30000 que caíram no ENEM, Fuvest, Unicamp, UFRJ, UNESP e muitos outros vestibulares!

Gerar PDF da Página

Conteúdo exclusivo para assinantes

Assine um de nossos planos para ter acessos exclusivos e continuar estudando em busca da sua aprovação.

Ver planos

  1. 1

    G1 1996

    Assinale a alternativa que completa corretamente os espaços das frases a seguir 1 - Era uma questão ________ resolvida. 2 - Aquele aluno é um ________ exemplo para os outros. 3 - ________ tocou o sinal, os alunos se retiraram. 4 - Escolheu um ________ momento para sair.

  2. 2

    IFSC 2011

    Assinale a alternativa na qual está correta a grafia de todas as palavras.

  3. 3

    Gl 1996

    Assinalar a forma correta do plural de "O cristão vê, no cesto, apenas um peixinho e um pãozinho".

  4. 4

    IFSC 2012

    Quanto à ortografia e à acentuação, assinale a alternativa CORRETA.

  5. 5

    FGV 2009

    Leia o conto de Clarice Lispector para responder a(s) questão(ões) NÃO SOLTAR CAVALOS Como em tudo, no escrever também tenho uma espécie de receio de ir longe demais. Que será isso? _________? Retenho-me, como se _________ as rédeas de um cavalo que poderia galopar e me levar Deus sabe onde. Eu me guardo. Por que e para quê? para o que estou eu me poupando? Eu já tive clara consciência disso quando uma vez escrevi: "é preciso não ter medo de criar". Por que o medo? Medo de conhecer os limites de minha capacidade? ou medo do aprendiz de feiticeiro que não sabia como parar? Quem sabe, assim como uma mulher que se guarda intocada para dar-se um dia ao amor, talvez eu queira morrer toda inteira para que Deus me tenha toda. " Os espaços do texto devem ser preenchidos, respectivamente, com:

  6. 6

    UFSM 2007

    Observe a palavra destacada: A Justiça Eleitoral se mobiliza para conseguir o número suficiente de mesários para coordenar cada uma das 380.945 SEÇÕES eleitorais do país. Assinale a alternativa que apresenta o emprego correto da paIavra destacada.

  7. 7

    Gl 1996

    Assinale a alternativa em que todas as palavras estão grafadas corretamente:

  8. 8

    CFTSC 2008

    Analise as sentenças a seguir quanto à ortografia e à acentuação gráfica dos termos em destaque. Assinale a alternativa NAO HÁ ERRO quanto a esses critérios.

  9. 9

    FEI 1994

    Assinalar a alternativa que preenche corretamente as lacunas das frases adiante: I. Guardando sigilo, você agirá com _________. II. Os bancos transacionam somas _________. III. Os culpados devem _________ suas falhas. IV. O secretário _________ o pedido do funcionario. V. O professor _________ -Ihe um duro castigo.

  10. 10

    UFSM 2007

    Em artigo de opinião, um especialista formulou a seguinte questão: "POR QUE razão alguém investiria numa campanha eleitoral um valor muito superior ao que irá receber como subsídio nos próximos quatro anos? O segmento destacado aparece também em outros enunciados. Assinale a alternativa que apresenta uma forma de emprego INCORRETA.

  11. 11

    G1 - CMRJ 2020

    Ana Maria Machado utiliza a construção “Mas há mais” (referência 15) para concluir sua lista de “boas razões para a gente chegar perto dos clássicos”. Os termos destacados têm semelhança sonora e diferença de sentido, e correspondem, respectivamente, a    

  12. 12

    FASEH 2013

    No Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa (2008), foram estabelecidas regras para o uso do hífen em palavras formadas por prefixos (anti, super, ultra, sub, etc.) ou por elementos que podem funcionar como prefixos (aero, agro, auto, eletro, geo, hidro, macro, micro, mini, multi, neo etc.). Assinale a alternativa em que a regra de emprego do hífen NÃO está de acordo com a determinação do referido acordo.

  13. 13

    UFRGS 2018

    Nada mais importante para chamar a atenção sobre 1uma verdade do que exagerá-la. 2Mas também, nada mais perigoso, _________ um dia vem 3a 4reação indispensável e 5a relega injustamente para a categoria do erro, até que se efetue a operação difícil de 6chegar a um ponto de vista objetivo, sem desfigurá-7la de um lado nem de outro. 8É o que tem ocorrido com o estudo da relação entre a obra e o seu condicionamento social, que a certa altura chegou a ser vista como 9chave para compreendê-la, depois foi 10rebaixada como falha de visão, — e talvez só agora comece a ser proposta nos devidos termos. 11De fato, antes se procurava mostrar que o valor e o significado de uma obra dependiam de ela 12exprimir ou não certo aspecto da realidade, e que este aspecto constituía o que ela tinha de essencial. Depois, chegou-se à posição oposta, procurando-se mostrar que a matéria de uma obra é secundária, e que a sua importância deriva das operações formais postas em jogo, conferindo-lhe uma peculiaridade que a torna de fato independente de 13quaisquer condicionamentos, sobretudo social, considerado inoperante como elemento de compreensão. 14Hoje sabemos que a integridade da obra não permite adotar 15nenhuma dessas visões _________; e que só a podemos entender fundindo texto e contexto numa interpretação 16dialeticamente íntegra, em que tanto o velho ponto de vista que 17explicava pelos fatores 18externos, quanto o outro, norteado pela 19convicção de que a estrutura é virtualmente independente, se combinam como momentos 20necessários do processo interpretativo. Sabemos, ainda, que o 21externo (no caso, o social) importa, não como causa, nem como significado, mas como elemento que desempenha certo papel na constituição da estrutura, tornando-22se, 23portanto, interno. Neste caso, saímos dos aspectos periféricos da sociologia, ou da história sociologicamente orientada, para chegar a uma interpretação estética que assimilou a dimensão social como fator de arte. Quando isto se dá, ocorre o 24paradoxo assinalado inicialmente: o externo se torna interno e a crítica deixa de ser sociológica, para ser apenas crítica. Segundo esta ordem de ideias, o ângulo sociológico adquire uma validade maior do que tinha. Em __________, não pode mais ser imposto como critério único, ou mesmo preferencial, 25pois a importância de cada fator depende do caso a ser analisado. Uma crítica que se queira integral deve 26deixar de ser unilateralmente sociológica, psicológica ou 27linguística, para utilizar livremente os elementos capazes de conduzirem a uma interpretação coerente. Adaptado de: CANDIDO, Antônio. Literatura e sociedade. 9. ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2006.   Assinale a alternativa que preenche corretamente as lacunas do primeiro, segundo e terceiro parágrafo, nessa ordem. 

  14. 14

    ACAFE 2018

    Assinale a frase na qual os termos destacados em negrito estão corretos.  

  15. 15

    UFRGS 2019

    1– Para mim esta é a melhor hora do dia – Ema disse, voltando do quarto dos meninos. – Com as crianças na cama, a casa fica tão sossegada. – Só que já é noite – a amiga corrigiu, sem tirar os olhos da revista. Ema agachou-se para recolher o quebra-cabeça esparramado pelo chão. – É força de expressão, sua boba. O dia acaba quando eu vou dormir, isto é, o dia tem vinte quatro horas e a semana tem sete dias, não está certo? – Descobriu um sapato sob a poltrona. Pegou-o e, quase deitada no tapete, procurou, 2depois, o par _____1_____ dos outros móveis. Era bom 3ter uma 4amiga 5experiente. Nem precisa ser da mesma idade – deixou-se cair no sofá – Bárbara, 6muito mais sábia. Examinou-a a ler: uma linha de luz dourada 7valorizava o perfil privilegiado. As duas eram tão inseparáveis quanto seus maridos, colegas de escritório. Até ter filhos juntas conseguiram, 8acreditasse quem quisesse. Tão gostoso, ambas no hospital. A semelhança física teria 9contribuído para o perfeito entendimento? “Imaginava que fossem irmãs”, muitos diziam, o que sempre causava satisfação. 10– O que está se passando nessa cabecinha? – Bárbara estranhou a amiga, só doente 11pararia quieta. Admirou-a: os 12cabelos soltos, caídos no rosto, escondiam os olhos _____2_____, azuis ou verdes, conforme o reflexo da roupa. De que cor estariam hoje 13seus olhos? Ema aprumou o corpo. – Pensava que se nós morássemos numa casa grande, vocês e nós... Bárbara sorriu. Também ela uma vez tivera a 14ideia. – As crianças brigariam o tempo todo. 15Novamente a amiga tinha razão. 16Os filhos não se suportavam, discutiam por qualquer motivo, ciúme doentio de tudo. 17O que sombreava o relacionamento dos casais. – Pelo menos podíamos morar mais perto, então. Se o marido estivesse em casa, 18seria obrigada a assistir à televisão, _____3_____, ele mal chegava, ia ligando o aparelho, ainda que soubesse que ela detestava sentar que nem múmia diante do aparelho – levantou-se, repelindo a lembrança. Preparou uma jarra de limonada. _____4_____ todo aquele interesse de Bárbara na revista? Reformulou a pergunta em voz alta. – Nada em especial. Uma pesquisa sobre o comportamento das crianças na escola, de como se modificam 19as personalidades longe dos pais.   Adaptado de: VAN STEEN, Edla. Intimidade. In: MORICONI, Italo (org.) Os cem melhores contos brasileiros do século. 1. ed. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009. p. 440-441.      Assinale a alternativa que preenche corretamente as lacunas 1, 2, 3 e 4, nessa ordem. 

  16. 16

    UNIR 2011

    No verdô da minha idade mode acalentá meu choro minha vovó de bondade falava em grandes tesôro era história de reinado prencesa, prinspe incantado com feiticêra e condão essas história ingraçada tá selada e carimbada dentro do meu coração Mas porém eu sinto e vejo que a grande sodade minha não é só de história e bejo da querida vovozinha demanhazinha bem cedo sodade dos meu brinquedo meu bodoque e meu bornó o meu cavalo de pau meu pinhão, meu berimbau e a minha carça cotó. (Digo e não peço perdão. São Paulo: Escrituras Ed., 2002.) Reescrevendo os versos essas história ingraçada / tá selada e carimbada na escrita padrão, ficariam:

  17. 17

    UNICENTRO 2014

    Leia o texto, a seguir, e responda à questão.   O grande marechal Cândido Rondon, que desbravou os rincões brasileiros, tinha como lema na colonização de terras indígenas o famoso “Morrer se preciso for; matar nunca”. Os lendários irmãos Villas Bôas, mundialmente famosos por terem feito o primeiro contato com os índios gigantes da Amazônia, os crenacarores, pautavam-se pelos mesmos cuidados de Rondon. A manutenção da vida e a saúde dos índios eram uma obrigação do estado brasileiro em sua política de expansão das fronteiras civilizadas sobre terras habitadas pelas populações originais pré-cabralinas. A Rondon e aos irmãos Villas Bôas não escapava a melancólica sensação da inevitabilidade da extinção ou, em um cenário benigno, da mutilação das culturas daqueles povos. Sempre foi trágico para o mais fraco o milenar encontro de populações em estágios díspares de desenvolvimento tecnológico. “Quem carregava o aço, a pólvora ou os germes mais fortes dizimava o outro. Assim caminhou a humanidade desde tempos imemoriais”, escreveu o geógrafo americano Jared Diamond. A conclusão é que não existe política indigenista justa para os índios. Qual a solução para a questão indígena brasileira? A pergunta não tem resposta simples. Está na hora de tirar o problema do âmbito do Conselho Indigenista Missionário e das ONGs estrangeiras e tratá-lo como uma questão de estado norteada pelo tema do marechal Rondon e pela insatisfatória, mas realista, visão dos irmãos Villas Bôas. Os índios precisam de proteção do estado para que não sejam usados como massa de manobra por manipuladores a quem mais interessam os mártires. (Adaptado de: A questão indígena. Veja. Carta ao Leitor. 12 jun. 2013. São Paulo: Ed. Abril, ano 46, n.24. p.12.)   Assinale a alternativa que apresenta, corretamente, a reescrita do trecho “Os índios precisam de proteção do estado para que não sejam usados como massa de manobra”, com o mesmo sentido expresso no texto.

  18. 18

    ACAFE 2014

    Assinale o texto em que se utiliza o imperativo, mantendo sempre a mesma pessoa gramatical.

  19. 19

    ENEM PPL 2015

    Em primeiro lugar gostaria de manifestar os meus agradecimentos pela honra de vir outra vez à Galiza e conversar não só com os antigos colegas, alguns dos quais fazem parte da mesa, mas também com novos colegas, que pertencem à nova geração, em cujas mãos, com toda certeza, está também o destino do Galego na Galiza, e principalmente o destino do Galego incorporado à grande família lusófona. E, portanto, é com muito prazer que teço algumas considerações sobre o tema apresentado. Escolhi como tema como os fundadores da Academia Brasileira de Letras viam a língua portuguesa no seu tempo. Como sabem, a nossa Academia, fundada em 1897, está agora completando 110 anos, foi organizada por uma reunião de jornalistas, literatos, poetas que se reuniam na secretaria da Revista Brasileira, dirigida por um crítico literário e por um literato chamado José Veríssimo, natural do Pará, e desse entusiasmo saiu a ideia de se criar a Academia Brasileira, depois anexada ao seu título: Academia Brasileira de Letras. Nesse sentido, Machado de Assis, que foi o primeiro presidente desde a sua inauguração até a data de sua morte, em 1908, imaginava que a nossa Academia deveria ser uma academia de Letras, portanto, de literatos. BECHARA, E. Disponível em: www.academiagalega.org. Acesso em: 31 jul. 2012. No trecho da palestra proferida por Evanildo Bechara, na Academia Galega da Língua Portuguesa, verifica-se o uso de estruturas gramaticais típicas da norma-padrão da língua. Esse uso

  20. 20

    ENEM 1998

    Aí, Galera   Jogadores de futebol podem ser vítimas de estereotipação. Por exemplo, você pode imaginar um jogador de futebol dizendo “estereotipação” ? E, no entanto, por que não? - Aí, campeão. Uma palavrinha pra galera. -Minha saudação aos aficionados do clube e aos demais esportistas, aqui presentes ou no recesso dos seus lares. - Como é? - Aí, galera. - Quais são as instruções do técnico? - Nosso treinador vaticinou que, com um trabalho de contenção coordenada, com energia otimizada, na zona de preparação, aumentam as probabilidades de, recuperado o esférico, concatenarmos um contragolpe agudo com parcimônia de meios e extrema objetividade, valendo-nos da desestruturação momentânea do sistema oposto, surpreendido pela reversão inesperada do fluxo da ação. - Ahn? - É pra dividir no meio e ir pra cima pra pegá eles sem calça. (...)   Correio Braziliense, 13/05/1998.   A expressão “pegá eles sem calça” poderia ser substituída, sem comprometimento de sentido, em língua culta, formal, por

  21. 21

    UEMS 2006

    As palavras “aquário”, “táctil” e “páginas” recebem acento gráfico porque são, respectivamente:

  22. 22

    FGV-SP 2004

    A palavra que está graficamente acentuada pela mesma regra que determina o acento em inadimplência é:

  23. 23

    MACKENZIE 2015

    Texto I Marketing viral ou publicidade viral são técnicas de marketing que tentam explorar redes sociais pré-existentes para produzir maior divulgação de uma marca. São processos parecidos com o de uma epidemia, uma doença. Inicialmente, marketing viral era a prática de vários serviços livres de e-mail de adicionar publicidade às mensagens que saem de seus usuários para alcançar um usuário suscetível, que será infectado e reenviará o e-mail a outras pessoas suscetíveis, infectando-as também. Atualmente, o conceito de marketing viral não está associado a uma ameaça para o computador, e o termo “viral” está relacionado com a velocidade de propagação da informação. Adaptado de www.significados.com.br     Sobre o Texto I, assinale a alternativa correta.

  24. 24

    UFPR 2008

    Assinale a alternativa que reescreve o texto abaixo de acordo com a norma culta, mantendo-lhe o sentido. Os presídios não é uma forma de mudar o ponto de vista de qualquer pessoa que esteja lá presa, um marginal que já fez de tudo na vida não é que vai preso que ele vai mudar totalmente.

  25. 25

    UTFPR 2016

    Trânsito – Táxis parados na Sete geram reclamação. Uma postagem feita na página da Prefeitura de Curitiba no facebook na noite de segunda-feira gerou bastante ______________ entre os internautas. Com quase mil curtidas até o fim da noite de ontem e dezenas de comentários, a postagem diz que taxistas ficam parados diariamente na Av. Sete de Setembro no fim da tarde afetando o fluxo do trânsito no local. O autor do post, aluno da UTFPR, escreveu que buzinas e xingamentos dos motoristas que passam pela via podem ser ouvidos facilmente dentro das salas de aula. Ontem pela manhã a prefeitura respondeu argumentando que o local é um dos que mais têm gerado notificações a taxistas. “A Urbs e a Setran têm intensificado a fiscalização dos táxis nesta área, notificando os motoristas parados em área não definida para táxi e que ficam sujeitos a multas por__________ ao regulamento do táxi e ao código de trânsito”, diz trecho. Comentários de outros usuários dizem que o ___________ acontece há meses e a qualquer hora do dia. Outros já haviam reclamado pelo 156. Jornal Metro, 16 de setembro de 2015, p. 03 Assinale a alternativa que apresenta, respectivamente, as palavras que preenchem as lacunas, grafadas de forma correta.

  26. 26

    ENEM PPL 2009

    S.O.S. Português Por que os pronomes oblíquos têm esse nome e quais as regras para utilizá-los? As expressões “pronome oblíquo” e “pronome reto” são oriundas do latim (casus obliquus e casus rectus). Elas eram usadas para classificar as palavras de acordo com a função sintática. Quando estavam como sujeito, pertenciam ao caso reto. Se exerciam outra função (exceto a de vocativo), eram relacionadas ao caso oblíquo, pois um dos sentidos da palavra oblíquo é “não é direito ou reto”. Os pronomes pessoais da língua portuguesa seguem o mesmo padrão: os que desempenham a função de sujeito (eu, tu, ele, nós, vós e eles) são os pessoais do caso reto; e os que normalmente têm a função de complementos verbais (me, mim, comigo, te, ti, contigo, o, os, a, as, lhe, lhes, se, si, consigo, nos, conosco, vos e convosco) são os do caso oblíquo. NOVA ESCOLA. Coluna “Na dúvida”, dez. 2008, p. 20. Na descrição dos pronomes, estão implícitas regras de utilização adequadas para situações que exigem linguagem formal. A estrutura que está de acordo com as regras apresentadas no texto é: 

  27. 27

    UFPR 2010

    Considere as seguintes formas verbais:   1. havia recebido 2. tinha recebido 3. estava recebendo 4. iria estar recebendo   Na frase “Todas as notícias daquele dia foram redigidas a partir dos documentos que a direção do jornal recebera do ministério público”, a forma verbal grifada pode ser substituída, mantendo-se a relação de sentido temporal e sem prejuízo à obediência à língua culta, por: 

  28. 28

    MACKENZIE 2015

    Os bebês nascem com instintos que os ajudam a sintonizar rapidamente os ritmos da fala e a gramática. São muito sensíveis à direção do olhar de outra pessoa, que os ajuda a decifrar frases incompreensíveis, como “olha aquele cachorro engraçado”. Os bebês murmuram e balbuciam, ações que tornam as cordas vocais mais afinadas. Eles também viram a cabeça instintivamente por causa de um barulho e se extasiam com a voz da mãe ou do pai. O elo afetivo é muito importante para o seu desenvolvimento intuitivo e emocional. Embora a linguagem ainda não esteja conectada no seu cérebro, o bebê tem várias artimanhas genéticas que lhe permitem aprender desde o dia de seu nascimento. John McCrone   Assinale a alternativa que apresenta melhor paráfrase para o trecho abaixo, considerando a manutenção do sentido original e o uso da norma culta.   Os bebês murmuram e balbuciam, ações que tornam as cordas vocais mais afinadas. Eles também viram a cabeça instintivamente por causa de um barulho e se extasiam com a voz da mãe ou do pai.

  29. 29

    FCMMG 2015

    SAÚDE SOFRE ESCASSEZ CRÔNICA DE RECURSOS   Dos pilares do ambicioso modelo de seguridade social criado pela Constituição de 1988, o Sistema Único de Saúde é o que enfrenta os maiores entraves orçamentários. Enquanto os gastos públicos brasileiros com Previdência, assistência social e amparo ao trabalhador são comparáveis, como proporção da economia, aos do Primeiro Mundo, a saúde padece de escassez crônica de verbas. Com base em dados de 2009, o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) estimou o gasto público em saúde em 3,8% do Produto Interno Bruto; com valores de 2011, um estudo do IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) calculou muitos semelhantes 3.9% do PIB. Embora crescente nos últimos anos, o montante é inferior aos 4,8% da renda nacional gastos pelas famílias com planos privados, medicamentos e outros bens de serviços de saúde, nas contas do IBGE. É muito menos, ainda, que a média de 6,5% do PIB desembolsada pelos governos dos países da OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico), a maioria desenvolvidos. Segundo as regras constitucionais, estabelecidas em 2000, a União deve elevar suas despesas em saúde conforme o crescimento anual da economia do país. Estados e municípios devem destinar ao setor, respectivamente, 12% e 15% de suas receitas. (PATU, G.;NUBLAT, J. Folha de São Paulo. 29/03/2014. Caderno especial de Saúde, p.8. Texto adaptado.)     A substituição do vocábulo destacado altera o sentido do texto em:

  30. 30

    UFABC 2007

    A regência e o emprego do sinal indicativo de crase estão de acordo com a norma culta em:

Gerar PDF da Página

Conteúdo exclusivo para assinantes

Assine um de nossos planos para ter acessos exclusivos e continuar estudando em busca da sua aprovação.

Ver planos