Sabe aquela vaga na universidade dos sonhos? Ela pode ser sua!

Matricule-se agora
Vagas abertas para o Extensivo 2022
Pessoa com tinta no rosto e com a palavra 'aprovadx' na testa sorrindo

Banco de Exercícios

Lista de exercícios

Quer colocar o estudo em prática? O Stoodi tem exercícios de Antiguidade Clássica - Roma dos maiores vestibulares do Brasil.

Estude História com esses e mais de 30000 que caíram no ENEM, Fuvest, Unicamp, UFRJ, UNESP e muitos outros vestibulares!

Gerar PDF da Página

Conteúdo exclusivo para assinantes

Assine um de nossos planos para ter acessos exclusivos e continuar estudando em busca da sua aprovação.

Ver planos

  1. 61

    FAAP

    A religião romana era essencialmente politeísta, e o culto ao imperador era de grande significado pelo fator da unidade que representava. Durante um período determinado, teve início o questionamento dessa idéia e um grupo que não reconhecia a divindade do Imperador, a saber:

  2. 62

    MACKENZIE 1998

    Durante a República Romana, a conquista da igualdade civil e política, os tribunos da plebe e a lei das Doze tábuas foram decorrentes:

  3. 63

    UFV 2012

    Entre 264 e 146 a.C., durante o processo de expansão de Roma pelo Mediterrâneo ocidental, três grandes guerras opuseram os Romanos e os seus principais concorrentes. Esses conflitos, conhecidos como Guerras Púnicas, tiveram como consequência principal:

  4. 64

    FUVEST 1992

    Importantes transformações políticas, econômicas e sociais ocorreram com a expansão romana pelo Mediterrâneo, entre elas:

  5. 65

    UNESP 2014

    Apesar de não ter sido tão complexo quanto os governos modernos, o Império [Romano] também precisava pagar custos muito altos. Além de seus funcionários, da manutenção das estradas e da realização de obras, precisava manter um grande exército distribuído por toda a sua extensão. A cobrança de impostos é que permitia ao governo continuar funcionando e pagando seus gastos. MACHADO, Carlos Augusto Ribeiro. Roma e seu império. São Paulo: Saraiva, 2000.   Os gastos militares intensificaram-se a partir dos séculos III e IV d.C., devido

  6. 66

    UNICENTRO 2011

    As invasões germânicas ao território do Império Romano, tiveram início no século I d.C e intensificaram-se nos séculos seguintes causando

  7. 67

    FUVEST

    Sobre as invasões dos "bárbaros" na Europa Ocidental, ocorridas entre os séculos III e IX, é correto afirmar que:

  8. 68

    UNICENTRO 2016

    A decadência do Império Romano permitiu que os territórios ocidentais fossem invadidos por povos bárbaros vindos do norte e do leste europeus. Esse fato provocou

  9. 69

    UFV 2010

    A partir do século III d. C. Roma passou de uma potência conquistadora e expansionista a um império acuado e preocupado cada vez mais com sua própria defesa. Tendo em vista as particularidades da história romana do século III d. C. até a queda do Império Romano do Ocidente, é INCORRETO afirmar que:

  10. 70

    FUVEST 1990

    A expansão de Roma durante a República, com o consequente domínio da bacia do Mediterrâneo, provocou sensíveis transformações sociais e econômicas, dentre as quais: 

  11. 71

    FEI

    A colônia fenícia de Cartago, localizada onde hoje se encontra a cidade de Túnis, ao norte da África, havia se desenvolvido consideravelmente, a ponto de se constituir em poderosa rival dos interesses romanos no Mediterrâneo. Por mais de um século, os romanos lutaram para destruir Cartago, acabando por arrasá-la (146 a.C.). Esses acontecimentos são conhecidos como:

  12. 72

    UEL 2009

    A expansão imperial romana resultou, a partir do século I d.C., na utilização do trabalho escravo em grande escala e no aumento significativo do número de plebeus desocupados, aos quais se juntaram levas de pequenos agricultores arruinados. Isso incrementou o êxodo rural e provocou o inchamento das cidades, especialmente de Roma. Para amenizar o problema social dessas massas, o Estado passou a dar-lhes subsídios. Esta política caracterizou-se pela distribuição de

  13. 73

    UFV 2011

    A Pax Romana era a expressão utilizada pelos romanos antigos para se referir à “Paz Romana”, período de relativa paz experimentado pelo Império Romano nos séculos I e II d. C. Assinale a alternativa que indica CORRETAMENTE o que significou o período da Pax Romana:

  14. 74

    UFJF 2014

    Leia o seguinte texto:   Roma no período da República era dirigida por um grupo de famílias nobres, mas o povo, teoricamente, dispunha de grande poder; as assembleias populares elegiam magistrados, votavam leis e julgavam os casos judiciários mais importantes. Mas era uma sociedade com distinções legais de status, baseadas na qualificação censitária do cidadão. Ele era um soldado, um contribuinte que pagava impostos e um eleitor, com privilégios e encargos de acordo com seu status pessoal. CORASSIN, Maria Luiza. O cidadão romano na República. Projeto História, São Paulo, n. 33, p. 271-287, dez. 2006.   Com base nessa citação e em seus conhecimentos, assinale a alternativa CORRETA.

  15. 75

    UNCISAL 2016

    Os pesquisadores que têm se aproximado das questões que envolviam o Império Romano no reinado de Constantino I (306 - 337), encontram grande diversidade de ideias e imagens ao retratá-lo. Ora visto como um político astuto, pragmático em suas decisões, ora visto como um imperador com preocupações místicas religiosas. Mas uma coisa é inegável, “um dos acontecimentos decisivos da história ocidental, e mesmo mundial, se produziu em 312, no imenso Império Romano”, sob o governo de Constantino. SILVA, Diogo Pereira da. As abordagens historiográficas sobre Constantino I (306-337): uma revisão. Dimensões, Vitória, vol. 25, p. 32-45, 2010 (adaptado).   O texto faz referência a acontecimentos importantes do governo de Constantino, entre os quais se destaca

  16. 76

    UEFS 2015

    Segundo o Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa (Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986), os termos, “plebeu” e “plebe” significam, no mundo atual, homem do povo, peão, povinho.   Na Roma antiga, todavia, o termo identificava

  17. 77

    FATEC 2009

    As civilizações da antiguidade clássica - Grécia e Roma - desenvolveram uma estrutura socioeconômica alicerçada no escravismo. Sobre essa temática, pode-se afirmar que:   I. a escravidão foi indispensável para a manutenção do ideal democrático em Atenas, uma vez que os cidadãos ficavam desincumbidos dos trabalhos manuais e das tarefas ligadas à sobrevivência.   II. a escravidão foi abolida em Atenas quando Péricles estabeleceu o direito político a todos os cidadãos, reconhecendo, dessa forma, a igualdade jurídica e social da população da Grécia.   III. os escravos romanos, por terem pequenas propriedades e direitos políticos, conviveram pacificamente com os cidadãos romanos, como forma de evitar conflitos e a perda de direitos.   IV. os escravos romanos, que se multiplicavam com o expansionismo de Roma, estavam submetidos à autoridade de seu senhor, e sua condição obedecia mais ao direito privado do que ao direito público.   É correto apenas o que se apresenta em: 

  18. 78

    UNICENTRO 2015

    Sobre a história de Roma, atribua V (verdadeiro) ou F (falso) às afirmativas a seguir. ( ) Entre os movimentos sociais que marcaram a República Romana, podem-se destacar as lutas entre patrícios e plebeus. ( ) A Igreja Cristã, perseguida pelos romanos, transformou-se na instituição religiosa oficial do Império Romano a partir do século IV d.C. ( ) Paz Romana é a expressão usada pelos historiadores para caracterizar o período no qual foi permitido que as regiões dominadas recuperassem sua liberdade. ( ) No Império Romano, eram designados patrícios os membros de uma casta social da qual, tradicionalmente, eram oriundos os comerciantes. ( ) Na República Romana, os escravos podiam adquirir sua liberdade de várias maneiras, comprando-a ou obtendo-a graciosamente pelos serviços prestados. Assinale a alternativa que contém, de cima para baixo, a sequência correta.

  19. 79

    UEFS 2015

    “Nero foi um tolo e um megalomaníaco, mas um tolo também pode ser cativante e interessante”, diz Andrea Carandini. “Uma coisa que ele inventou e foi copiada por todos os demagogos depois dele foi acarinhar as massas. Em um gesto mirabolante, convidou todo o povo a entrar em sua Dominus Aurea, que abrangia um terço da cidade, e fez uma exibição colossal”. (AMBIÇÃO..., 2014, p.58).   A política de “acarinhar as massas”, adotada por imperadores romanos que sucederam Otávio Augusto, nos séculos d.C., decorria

  20. 80

    UNB 2013

    Só há pouco tempo, a democracia foi guindada ao Olimpo das virtudes políticas: o fato de ser um conceito tão invocado hoje em dia não poderá dissimular a sua juventude. Escarnecida na Antiguidade, a democracia só veio a ser incensada a partir do final do século XVIII. Norbert Roland. Roma, democracia impossível? Os agentes do poder na urbe romana. Brasília: Ed. UnB, 1997, p. 391 (com adaptações).   Considerando que o texto de que foi extraído o fragmento acima foi publicado pela primeira vez em 1981, assinale a opção correta.

  21. 81

    UFJF 2010

    Felizmente, o passado nunca morre completamente para o homem. O homem pode esquecê-lo, mas deste passado guardará sempre recordação. Com efeito, tal como se apresenta em cada época, o homem é produto e o resumo de todas as suas épocas anteriores. E se cada homem auscultar a sua própria alma, nela poderá encontrar e distinguir as diferentes épocas, e o que cada um desses períodos lhe legou. Fonte:COULANGES, Fustel de. A Cidade Antiga: estudo sobre o culto, o direito e as instituições da Grécia e de Roma. São Paulo: Hemus, 1975. Sobre o legado da Antiguidade grega e romana para o mundo ocidental contemporâneo aponte a afirmativa INCORRETA.

  22. 82

    UFLA 2012

    As classes sociais do século IX haviam-se constituído não no atoleiro de uma civilização declinante, mas nas dores do parto de uma nova civilização. As relações entre poderosos proprietários agrários e camponeses escravizados, que haviam sido para os romanos a forma de desagregação sem esperança do mundo antigo, eram agora, para a nova geração, o ponto de partida de um novo desenvolvimento. Fonte: Adaptado de PARAIN, C. Do feudalismo ao capitalismo: uma discussão histórica. 5. ed. revisada. São Paulo: Contexto, 1996. p. 30 (Coleção textos e documentos 2).   A periodização clássica que se enquadra, mais adequadamente, no contexto histórico expresso pelas ideias do texto é:

  23. 83

    UFJF 2010

    A partir do século III, assiste-se ao longo processo de crise do Império Romano do Ocidente e ao desenvolvimento das instituições feudais, que daria início ao período medieval. Assinale o item que NÃO se enquadra nesse contexto.

  24. 84

    UFLA 2012

    As classes sociais do século IX haviam-se constituído não no atoleiro de uma civilização declinante, mas nas dores do parto de uma nova civilização. As relações entre poderosos proprietários agrários e camponeses escravizados, que haviam sido para os romanos a forma de desagregação sem esperança do mundo antigo, eram agora, para a nova geração, o ponto de partida de um novo desenvolvimento. Fonte: Adaptado de PARAIN, C. Do feudalismo ao capitalismo: uma discussão histórica. 5. ed. revisada. São Paulo: Contexto, 1996. p. 30 (Coleção textos e documentos 2).   Os trechos “relação entre poderosos proprietários agrários e camponeses” e “haviam sido para os romanos a forma de desagregação [...] do mundo antigo”, referem-se:

  25. 85

    FATEC 1999

    A expansão romana pelo Mar Mediterrâneo gerou importantes transformações políticas, econômicas e sociais. Dentre elas temos: 

  26. 86

    UNICENTRO 2013

    Em determinado período histórico, na Europa Ocidental, a população receosa de ataques de povos considerados bárbaros buscou proteção ao redor dos grandes castelos. Sobre o assunto, assinale a alternativa correta.

  27. 87

    UNAERP 1996

    Na história de Roma, o século III da era cristã é considerado o século das crises. Foi nesse período que: 

  28. 88

    UNEMAT 2013

    Na sociedade romana dos primeiros tempos da República (1889-1897), os cargos políticos eram ocupados pelos patrícios. Os clientes eram protegidos pelos patrícios, em troca de prestação de serviços. Os plebeus eram pequenos camponeses, artesãos e comerciantes, mas não lhes era permitida participação política e nem que se casassem com elementos do patriciado. Abaixo deles, vinham os escravos, que, com a República, foram se tornando mais numerosos, pois a tomada de territórios fazia com que parte da população se somasse aos escravos existentes.   As informações trazidas pelo texto acerca da República romana demonstram que:

  29. 89

    PUC-CAMPINAS 2016

    Considere o texto abaixo.   Nos poemas indianistas, o heroísmo dos indígenas em nenhum momento é utilizado como crítica à colonização europeia, da qual a elite era a herdeira. Ao contrário, pela resistência ou pela colaboração, os indígenas do passado colonial, do ponto de vista dos nossos literatos, valorizavam a colonização e deviam servir de inspiração moral à elite brasileira. (...) Já o africano escravizado demorou para aparecer como protagonista na literatura romântica. Na segunda metade do século XIX, Castro Alves, na poesia, e Bernardo Guimarães, na prosa, destacaram em obras suas o tema da escravidão. (Adaptado de: NAPOLITANO, Marcos e VILLAÇA, Mariana. História para o ensino médio. São Paulo: Atual Editora, 2013, p. 436-37)   A escravidão, com características diferenciadas, também existiu na Roma Antiga, onde, a partir do século IV a.C., houve a

  30. 90

    UFRGS 2011

    Durante a República Romana, a escravidão aumentou consideravelmente sua importância na sociedade e na economia, contribuindo para a crescente dependência da República Romana em relação à mão de obra escrava.  A dependência da mão de obra escrava na República Romana devia-se   

Gerar PDF da Página

Conteúdo exclusivo para assinantes

Assine um de nossos planos para ter acessos exclusivos e continuar estudando em busca da sua aprovação.

Ver planos