Tenha acesso completo aos conteúdos do Stoodi

Plano de estudos, exercícios, videoaulas, correção de redação e mais!

Exercícios de Expansão Marítima

Voltar para Expansão Marítima

Quer colocar o estudo em prática? O Stoodi tem exercícios de Expansão Marítima dos maiores vestibulares do Brasil.

Estude História com esses e mais de 30000 que caíram no ENEM, Fuvest, Unicamp, UFRJ, UNESP e muitos outros vestibulares!

Gerar PDF da Página
  1. 1. ENEM 2014
    Todo homem de bom juizo, depois que tiver realizado sua viagem, reconhecerá que é um milagre manifesto ter podido escapar de todos os perigos que se apresentam em sua peregrinação; tanto mais que há tantos outros acidentes que diariamente podem ai ocorrer que seria coisa pavorosa àqueles que aí navegam querer pô-los todos diante dos olhos quando querem empreender suas viagens. J. PT. 'Histoire de plusieurs voyages aventureux'. 1600. In: DELUMEAU, J. História do medo no Ocidente: 1300-1800. São Paulo Cia. das Letras. 2009 (adaptado). Esse relato, associado ao imaginário das viagens marítimas da época moderna, expressa um sentimento de
  2. 2. UFF 2012
    Considerando o processo de expansão da Europa moderna a partir dos séculos XV e XVI, pode-se afirmar que Portugal e Espanha tiveram um papel predominante. Esse papel, entretanto, dependeu, em larga medida, de uma rede composta por interesses
  3. 3. PUC-PR 1998
    "Os navegadores dos séculos XV e XVI deixaram o Mundo menor e o Homem maior". Analise o mapa abaixo e relacione os roteiros com seus respectivos navegadores.
  4. 4. UEPB 2013
    "Hoje, os aviões nos levam, por exemplo, de São Paulo ou Rio de Janeiro a Lisboa em apenas 9 horas, de maneira confortável, de modo que, ao chegarmos ao nosso destino, pouco sentimos o efeito da viagem de tantos milhares de quilômetros. Coisa bem diferente passava a tripulação das caravelas que cruzava o Atlântico, por mais de 45 dias sem ver terra" (José Alves de Freitas Neto e Célio Ricardo Tasinafo. História Geral e do Brasil. HARBRA. p. 231) Sobre as Grandes Navegações e' correto afirmar
  5. 5. FGV 2014
    Sobre as relações entre os reinos ibéricos e a expansão ultramarina, é correto afirmar que a
  6. 6. Espcex (Aman) 2011
    Um conjunto de forças e motivos econômicos, políticos e culturais impulsionou a expansão comercial e marítima europeia a partir do século XV, o que resultou, entre outras coisas, no domínio da África, da Ásia e da América. (Extraído SILVA, 1996) O fato que marcou o início da expansão marítima portuguesa foi o (a)
  7. 7. PUC-PR 1999
    Em plena Idade Média (1139/1140) nasceu Portugal, originário do Condado Portucalense. Enquanto o feudalismo era a marca política da Europa Ocidental, em Portugal mostrava-se frágil: o pequeno reino nascia unificado. Sobre o tema e evolução posterior, assinale a opção correta: I - O Condado Portucalense transformou-se em Estado, tendo sua independência proclamada por D. Afonso Henriques. II - Nos finais do século XIV ocorreu uma crise dinástica: com a morte de D. Fernando extinguiu-se a dinastia de Borgonha. III - A Revolução de Avis levou ao trono D. João, Mestre de Avis, apoiado pela burguesia de Lisboa e do Porto, além da adesão entusiástica da "arraia miúda". IV - A dinastia de Avis repeliu a política de expansão marítima, fixando prioridades da agricultura, meio de agradar à alta nobreza lusitana. V - Devido à política da dinastia de Avis, a expansão marítima somente ocorreria com o advento da dinastia de Bragança.
  8. 8. UECE 2015
    Acerca do projeto de expansão marítima dos portugueses, que resultou na chegada às terras americanas no século XVI, é INCORRETO afirmar que
  9. 9. PUC-MG 2006
    Em meio a grave conflito diplomático, em 1494, foi assinado o famoso Tratado de Tordesilhas para "dividir o mundo descoberto ou por descobrir" entre Portugal e Espanha. A partilha do mundo ultramarino, assegurada com esse acordo, garantia a Coroa portuguesa:
  10. 10. FGV 2000
    Leia atentamente as afirmações abaixo, sobre a expansão marítima e comerciaI moderna, e assinale a alternativa correta. I. O papel pioneiro na expansão marítima e comercial moderna foi dos Países Ibéricos, tendo Portugal iniciado o feito. II. O papel pioneiro na expansão marítima e comercial moderna foi dos Países Ibéricos, tendo a Espanha iniciado o feito. III. As conquistas espanholas em África (Ilhas Canárias) durante o século XIV, demonstraram a força da Invencível Armada as demais nações europeias. IV. A Revolução de Avis foi um marco antecedente fundamental para essa expansão. V. Bartolomeu Dias, navegador portugues, foi o responsável pela passagem pelo sul da Africa e pela chegada às Indias.
  11. 11. UDESC 2012
    “O século XVI assistiu à transição da geografia fantástica para a da experiência. Os relatos de viagem que surgiram neste período, portanto, estão impregnados pela mudança na forma de ver e de descrever o mundo. [...] O imaginário europeu quinhentista caracterizava-se pelo ‘fantástico’, pelo ‘maravilhoso’, pelo ‘prodigioso’, pelo ‘monstruoso’, etc. Esse imaginário aplicava-se ao remoto, ao distante, ao longínquo... Quanto maior o afastamento da Europa civilizada, maior também o ‘maravilhoso’! [...] O imaginário europeu foi transplantado para o novo mundo. Os seres e lugares fantásticos que existiram na Ásia e na África, também passaram a existir na América”. STEIGLEDER, Carlos Geovane. Staden, Thevet e Léry. Olhares europeus sobre os índios e sua religiosidade. São Luís/MA: EDUFMA, 2010, p. 23-50. Analise as proposições considerando o contexto histórico e as questões a ele referentes, abordadas no excerto: I. Os viajantes europeus do século XVI destacavam, em seus relatos, a produção de um olhar eurocêntrico sobre os continentes africano, asiático e americano. II. O contexto abordado pelo autor refere-se à Idade Média. Os escritores medievais – em sua maioria pertencentes à Igreja Católica – escreviam histórias fantásticas sobre os lugares do mundo, para além da Europa. Esses lugares e os personagens que neles habitavam quase sempre eram caracterizados com elementos do inferno, demônios e outros monstros fantásticos. III. Ao escrever que “o século XVI assistiu à transição da geografia fantástica para a da experiência”, o autor do excerto refere-se ao fato de que a ideia de uma geografia fantástica marcada por mapas ilustrados de monstros marinhos e abismos que informavam o “fim do mundo” passaria, aos poucos, a ser substituída por uma geografia marcada pela observação e experiência de diferentes viajantes que se lançaram aos mares, no contexto da expansão marítima europeia. IV. Ao escrever que “Os seres e lugares fantásticos que existiram na Ásia e na África, também passaram a existir na América”, o autor do excerto refere-se ao fato de que as viagens no contexto da expansão marítima europeia acabaram também fortalecendo as relações culturais nos diferentes continentes, haja vista que os viajantes não apenas levavam nativos americanos para a Europa, mas também traziam asiáticos e africanos para o Brasil. Assinale a alternativa correta. 
  12. 12. UNESP 2016
    Entre os motivos do pioneirismo português nas navegações oceânicas dos séculos XV e XVI, podem-se citar   
  13. 13. UFRGS 2020
    Leia o enunciado abaixo. No contexto das grandes navegações, iniciou-se um processo de deslocamento do eixo comercial e econômico europeu do __________ para o __________. Em função da __________ do comércio, desenvolveram-se concepções econômicas na Europa, no século XVI, que ficaram conhecidas como __________. Assinale a alternativa que preenche corretamente as lacunas do enunciado acima, na ordem em que aparecem. 
  14. 14. FATEC 2019
    Em 1519, os navegadores Fernão de Magalhães e Sebastião del Cano partiram de Cádiz, na Espanha, para uma viagem que entraria para a história por   
  15. 15. UNICENTRO 2007
    Ó mar salgado, quanto do seu sal São lágrimas de Portugal! Por te cruzarmos, quantas mães choraram, Quantos filhos em vão rezaram! Quantas noivas ficaram por casar Para que fosses nosso, ó mar! Valeu a pena? Tudo vale a pena Se a alma não é pequena. Quem quer passar além do Bojador Tem que passar além da dor. Deus ao mar o perigo e o abismo deu Mas nele é que espelhou o céu.” (Fernando Pessoa. In: Pazzinato & Senise, 1997, p. 45)   O poema refere-se à participação portuguesa
  16. 16. UPE 2013
    O processo da Expansão Ultramarina tem início no século XV, porém um dos grandes destaques desse período da História Moderna foi o estabelecimento do Caminho das Índias após a viagem vitoriosa de Vasco da Gama. O principal objetivo dessa rota marítima foi
  17. 17. UFT 2014
    Avalie o texto descrito a seguir. “Para se compreender o caráter da colonização brasileira é preciso recuar no tempo para antes do seu início, e indagar das circunstâncias que a determinaram”. FONTE: PRADO JR, Caio. História Econômica do Brasil. São Paulo: Círculo do Livro, s/d, p. 11.   A colonização do Brasil pelos portugueses, a partir do século XVI, foi consequência de um amplo processo histórico denominado:
  18. 18. UNIRIO 1999
    Inúmeros escritores e poetas portugueses retrataram o imaginário que acompanhou o homem ibérico na sua aventura pelos mares nunca dantes navegados. Temores e fantasias não o impediram de se lançar às águas do mar Oceano, arriscando-se em busca, principalmente, de:
  19. 19. CESGRANRIO 1993
    Acerca da expansão marítima comercial implementada pelo Reino Português, podemos afirmar que:
  20. 20. UNESP 2016
    Os diários, as memórias e as crônicas de viagens escritas por marinheiros, comerciantes, militares, missioná- rios e exploradores, ao lado das cartas náuticas, seriam as principais fontes de conhecimento e representação da África dos séculos XV ao XVIII.   A barbárie dos costumes, o paganismo e a violência cotidiana foram atribuídos aos africanos ao mesmo tempo em que se justificava a sua escravização no Novo Mundo. A desumanização de suas práticas serviria como justificativa compensatória para a coisificação dos negros e para o uso de sua força de trabalho nas plantations da América. (Regina Claro. Olhar a África, 2012. Adaptado.)   A partir do texto, é correto afirmar que a dominação europeia da África, entre os séculos XV e XVIII,
  21. 21. UNICENTRO 2008
    Durante a Baixa Idade Média [do século XI ao século XV], as relações comerciais se davam entre o sudeste da Ásia, o norte da África e a Europa. O mercado estava limitado a essas regiões. A partir do século XV, com a circunavegação da África, a descoberta do caminho marítimo para as Índias por Vasco da Gama, a chegada de Colombo à América e a volta ao mundo por Fernão de Magalhães, expandiram-se as regiões produtoras e consumidoras, constituindo-se o mercado mundial. A descoberta de novos continentes, com o conseqüente surgimento de um mercado mundial, interligando Europa, África, Ásia e América, recebeu em História o nome de expansão marítima e comercial europeia. (CÁCERES, Florival. História do Brasil. São Paulo: Moderna, 1993.)   No processo de constituição do mercado mundial, a partir do século XV, como definido no texto, comprova-se
  22. 22. UNIMONTES 2011
    Em relação à expansão marítima e comercial europeia, nos séculos XV e XVI, leia as seguintes afirmativas: I - O papel de protagonistas da expansão marítima e comercial moderna foi dos países ibéricos, cabendo o pioneirismo a Portugal. II - As conquistas espanholas, durante o século XV, ameaçaram os avanços náuticos portugueses na costa da África. III - A Revolução de Avis foi o marco inicial da expansão francesa pelo Ocidente. IV - A grande importância dada por Portugal à Índia deveu-se à produção e ao comércio de especiarias. Estão CORRETAS as afirmativas
  23. 23. UNESP 2016
    Os diários, as memórias e as crônicas de viagens escritas por marinheiros, comerciantes, militares, missioná- rios e exploradores, ao lado das cartas náuticas, seriam as principais fontes de conhecimento e representação da África dos séculos XV ao XVIII.   A barbárie dos costumes, o paganismo e a violência cotidiana foram atribuídos aos africanos ao mesmo tempo em que se justificava a sua escravização no Novo Mundo. A desumanização de suas práticas serviria como justificativa compensatória para a coisificação dos negros e para o uso de sua força de trabalho nas plantations da América. (Regina Claro. Olhar a África, 2012. Adaptado.)   As “plantations da América”, citadas no texto, correspondem a
  24. 24. UNESP 2010
    [...] como puder, direi algumas coisas das que vi, que, ainda que mal ditas, bem sei que serão de tanta admiração que não se poderão crer, porque os que cá com nossos próprios olhos as vemos não as podemos com o entendimento compreender. CORTÉS, Hernán. Cartas de Relación de la Conquista de Mexico, escritas de 1519 a 1526.   O processo de conquista do México por Cortés estendeu-se de 1519 a 1521. A passagem acima manifesta a reação de Hernán Cortés diante das maravilhas de Tenochtitlán, capital da Confederação Mexica.   A reação dos europeus face ao novo mundo teve, no entanto, muitos aspectos, compondo admiração com estranhamento e repúdio. Tal fato decorre
  25. 25. UNIOESTE 2012
    Sobre o processo de ocupação e exploração da América Portuguesa e a relação entre portugueses e as populações indígenas, é correto afirmar que
  26. 26. UFJF 2011
    Leia o texto abaixo. Os primeiros habitantes do Brasil foram vítimas do processo colonizador. O europeu, com visão de mundo calcada em preconceitos, menosprezou o indígena e sua cultura. Se acreditarmos nos depoimentos deixados pelos viajantes e missionários, a partir de meados do século XVI, houve um decréscimo da população indígena, que se agravou nos séculos seguintes. Disponível em: . Acesso em: 06 fev. 2011. Os fatores que contribuíram para o decréscimo da população indígena foram
  27. 27. UFMG
    Leia estes trechos em que se trata das relações de trabalho nas colônias espanholas da América: I. As aldeias eram distribuídas entre os conquistadores, “que passavam a explorar-lhes o sobretrabalho sem, contudo, escravizar os índios. [...] podiam exigir tributos em gêneros [...] ou prestações de trabalho ...” Os colonizadores deveriam, em contrapartida, defender as aldeias e evangelizar os índios. II. “Cada comunidade deveria fornecer, periodicamente, uma quantidade de trabalhadores para as atividades coloniais [principalmente nas minas]. [...] Pelo trabalho [...], os índios deveriam receber um salário, parte do qual obrigatoriamente em moeda (ou metal), a fim de que pudessem pagar o tributo régio.”   III. “Na hacienda praticou-se, largamente, o sistema de endividamento de trabalhadores, a fim de retê-los na propriedade. [...] o trabalhador recebia como salário um crédito na tienda de raya (onde retirava alimentos, roupas, etc.), além de um lote mínimo de subsistência.” VAINFAS, Ronaldo. Economia e sociedade na América Espanhola. Rio de Janeiro: Graal, 1984. p. 61-4. Considerando-se as formas de exploração do trabalho indígena neles descritas, os trechos I, II e III referem-se, respectivamente, a  
  28. 28. FUVEST 2015
    Uma observação comparada dos regimes de trabalho adotados nas Américas de colonização ibérica permite afirmar corretamente que, entre os séculos XVI e XVIII,
  29. 29. UFSJ 2005
    “Como há quinhentos anos, a pirâmide das vítimas está formada pelos pobres: no ápice, os pobres brancos; depois os animais de trabalho chamados há quinhentos anos de “negros” e, ao pé da pirâmide, os animais de trabalho chamados há quinhentos anos de “índios”. (Heinz Dieterich Steffan, cientista social alemão) A colonização das Américas espanhola e portuguesa implicou determinadas formas de exploração de trabalhadores nativos e apresados pelo tráfico humano. Nesse sentido, é CORRETO afirmar que
  30. 30. UECE 2015
    A compreensão cristã do encontro dos portugueses com os primeiros habitantes da América teve forte conotação maniqueísta: de um lado estava o bem, simbolizado pelos europeus na sua suposta busca pelo paraíso; de outro, o mal, representado pelos indígenas e suas práticas diabólicas.   Analise as afirmações abaixo acerca dessa compreensão.   I. Tal compreensão foi alimentada por considerações imprecisas de alguns viajantes que classificavam de “demoníacas” certas práticas culturais dos povos americanos. II. A leitura das práticas dos povos americanos pelos europeus aliou a ideia da conquista de novas terras com o desejo de levar a palavra de Deus àquelas criaturas “demonizadas”. III. O pensamento cristão português dissociava-se das ideias e políticas expansionistas; desse modo, a propagação da fé era desvinculada da empresa marítima.   É correto o que se afirma em
Gerar PDF da Página
Conta de email não verificada

Não foi possível realizar o seu cadastro com a sua conta do Facebook pois o seu email não está confirmado no Facebook.

Clique aqui para ver como confirmar sua conta de email no Facebook ou complete seu cadastro por aqui.

Entendi
Tem perfil no Stoodi? Fazer Login