Sabe aquela vaga na universidade dos sonhos? Ela pode ser sua!

Matricule-se agora
Vagas abertas para o Extensivo 2022
Pessoa com tinta no rosto e com a palavra 'aprovadx' na testa sorrindo

Banco de Exercícios

Lista de exercícios

Quer colocar o estudo em prática? O Stoodi tem exercícios de Expansão Marítima dos maiores vestibulares do Brasil.

Estude História com esses e mais de 30000 que caíram no ENEM, Fuvest, Unicamp, UFRJ, UNESP e muitos outros vestibulares!

Gerar PDF da Página

Conteúdo exclusivo para assinantes

Assine um de nossos planos para ter acessos exclusivos e continuar estudando em busca da sua aprovação.

Ver planos

  1. 151

    UDESC 2015

    Analise o texto abaixo:   Las tres caravelas (…) Um navegante atrevido Saiu de Palos um dia Vinha com três caravelas A Pinta, a Nina e a Santa Maria Em terras americanas Saltou feliz certo dia Vinha com três caravelas A Pinta, a Nina e a Santa Maria Muita coisa sucedeu Daquele tempo pra cá O Brasil aconteceu É o maior, que é que há? (...) Viva Cristóvão Colombo Que para nossa alegria Veio com três caravelas A Pinta, a Nina e a Santa Maria (Algueró Jr. Moreau. Tradução: João de Barro)   Analise as proposições sobre essa canção popular, gravada por Caetano Veloso e Gilberto Gil no disco Tropicália ou Panis et Circensis (1968).   I. A letra faz referência a episódios históricos conhecidos como o “descobrimento da América” pelos europeus, por meio da viagem empreendida pelo almirante Cristóvão Colombo, partindo da costa da Espanha pelo Oceano Atlântico, e atingindo as ilhas do Caribe, no dia 12 de outubro de 1492. II. Os cantores da Tropicália utilizam a canção com ironia em relação ao discurso ufanista dos militares brasileiros durante a ditadura. Para eles, o Brasil estava submisso aos interesses econômicos dos Estados Unidos, como havia sido em relação às monarquias ibéricas no período colonial. III. O autor da letra, ao afirmar que o navegador “saltou feliz certo dia” nas terras americanas, identifica-se com os nativos, que consideram esse episódio o início de uma era de paz e prosperidade, pois Colombo veio “para nossa alegria”.   Assinale a alternativa correta.

  2. 152

    FATEC 2008

    A ocupação da América começou efetivamente com a chegada dos espanhóis (Colombo), em 1492. Ao chegar ao “Novo mundo” os europeus encontraram 

  3. 153

    PUC-CAMPINAS 2016

    Retrato do Brasil: ensaio sobre a tristeza brasileira, de Paulo Prado (escritor a quem Mário de Andrade dedicou Macunaíma), é hoje um livro quase esquecido. Quando saiu, porém, alcançou êxito excepcional: quatro edições entre 1928 e 1931. O momento era propício para tentar explicações do Brasil, país que se via a si mesmo como um ponto de interrogação. Terra tropical e mestiça condenada ao atraso ou promessa de um eldorado sul-americano? BOSI, Alfredo. Céu, inferno. São Paulo: Ática, 1988. p. 137.   A busca de metais preciosos ou de um eldorado onde o ouro fosse abundante foi a utopia de diversos conquistadores europeus. A acumulação de metais preciosos por nações como Espanha e Portugal, na época moderna, era

  4. 154

    UECE 2016

    No que diz respeito às civilizações pré- colombianas que habitavam o continente americano antes da chegada de Cristóvão Colombo em 1492 e suas respectivas localizações e desenvolvimento cultural, relacione as duas colunas abaixo, numerando a Coluna II de acordo com a Coluna I.   Coluna I 1. Astecas 2. Incas  3. Maias 4. Nazca   Coluna II ( ) Peru ― cerâmica policromada ( ) México ― códices escritos em cortiça ( ) Cordilheira dos Andes ― cidade fortificada ( ) México, Guatemala, Belize ― sistema de escrita   A sequência correta, de cima para baixo é:

  5. 155

    UNIMONTES 2009

    Acerca do expansionismo europeu dos séculos XVI (colonialismo) e XIX (neocolonialismo), é INCORRETO afirmar que

  6. 156

    UEL 2010

    Leia o texto a seguir: A partir do século XIII, foram-se definindo por uma série de batalhas algumas fronteiras da Europa que, no caso da França, da Inglaterra e da Espanha, permanecem aproximadamente as mesmas até hoje. Dentro das fronteiras foi nascendo o Estado como uma organização política centralizada, cuja figura dominante – o príncipe – e a burocracia em que se apoiava tomaram contornos próprios que não se confundiam com os grupos sociais mesmo os mais privilegiados, como a nobreza. Esse processo durou séculos e alcançou seu ponto decisivo entre 1450 e 1550. Também ocorreu uma expansão geográfica da Europa cristã, antecessora em outras condições da expansão marítima iniciada no século XV, pela reconquista de territórios ou a ocupação de novos espaços. A Península Ibérica foi sendo retomada dos mouros; o Mediterrâneo deixou de ser um ’lago árabe’, onde os europeus não conseguiam sequer colocar um barquinho; os cruzados ocuparam Chipre, a Palestina, a Síria, Creta e as ilhas do Mar Egeu; no noroeste da Europa, houve expansão inglesa na direção do País de Gales, da Escócia e da Irlanda; no leste europeu, alemães e escandinavos conquistaram as terras do Báltico e as habitadas pelos eslavos. (FAUSTO, B. História do Brasil. São Paulo: USP: Fundação para o Desenvolvimento da Educação, 1996. p. 20.)   Com base no texto, considere as afirmativas a seguir: I. A península ibérica, que vivenciou a ocupação de parte de seus territórios pelos muçulmanos – denominados mouros – deu início ao processo de formação de seu Estado com a luta dos cristãos para a retomada dos espaços ocupados por estes habitantes de origem árabe, e que ficou conhecida como Reconquista. II. Um dos aspectos da colonização do continente recém-descoberto – denominado América – deveu-se à preocupação das nações espanhola e portuguesa em relação à prática religiosa dos habitantes nativos. Estas nações, católicas, empreenderam um processo de evangelização cristã para as diferentes culturas indígenas que habitavam o Novo Mundo. III. Espanhóis e portugueses, que iniciaram conjuntamente o processo de expansão marítima, acordaram que as terras do Novo Mundo deveriam ser repartidas de maneira igualitária. A Espanha, com sua superioridade científica e militar, tentou romper o acordo, levando tais nações à arbitragem do Vaticano que com a bula papal Joao XXIII deu origem à formulação do Tratado de Tordesilhas. IV. A Espanha finalizou seu processo de centralização do poder monárquico por volta do ano de 1492, quando foram expulsos os últimos habitantes árabes de seu território – ainda presentes na região de Granada. A partir de então, entrou para o ciclo das grandes navegações marítimas pelo Atlântico, que já vinha sendo desenvolvido por Portugal. Assinale a alternativa correta.

  7. 157

    UFRGS 2016

    Em relação à história da Europa moderna, assinale a alternativa correta.

  8. 158

    ACAFE 2016

    Os povos pré-colombianos, habitantes do continente americano, formaram sociedades complexas com diversas características sociais. Sobre esses povos é correto afirmar, exceto:

  9. 159

    UFFS 2011

    As origens do subdesenvolvimento dos países periféricos podem ser localizadas exatamente em sua antiga condição de colônia das nações europeias a par­tir do século XVI. Desse movimento surgiram dois tipos de colônia: as de povoamento e as de exploração.     As características do tipo de colônia de povoamento são:

  10. 160

    UNESP 2014

    Inserido em um empreendimento mercantil, financiado com o objetivo de exploração econômica para o fortalecimento do absolutismo espanhol, o navegante genovês [Cristóvão Colombo] encontra uma realidade na América que não permite a identificação das imaginadas riquezas orientais, dando origem a uma dupla narrativa: a do esperado e a do experimentado, em que o discurso é pressionado pela necessidade de obter informações e um projeto colonizador. SILVA, Wilton Carlos Lima da. As terras inventadas, 2003 (adaptado).   Segundo o texto, o relato de Colombo

  11. 161

    FAAP

    A colonização portuguesa no Brasil é caracterizada por ser uma ampla empresa mercantil. É o próprio Estado metropolitano que, em conjugação com as novas forças sociais produtoras, ou seja, a burguesia comercial, assume o caráter da colonização das terras brasileiras. A partir daí os dois elementos - Estado e burguesia - passam a ser os agenciadores coloniais e, assim, a política definida com relação à colonização é efetivada através de alguns elementos básicos que se seguem: dentre eles apenas um NÃO corresponde ao exposto no texto; assinale-o.

  12. 162

    UFV 2011

    Muitos estudos analisaram o encontro entre os povos da América Central e os espanhóis, alguns enfatizando as conquistas, outros as trocas culturais. Sobre a colonização na América Central, é CORRETO afirmar que foi um processo:

  13. 163

    UEL 2010

    Sobre a América Latina Colonial, considere as afirmativas: I. A organização do trabalho colonial na América Espanhola baseou-se na exploração da mão de obra indígena, em formas variadas de servidão (como a encomienda e a mita), e no uso, em algumas regiões, do trabalho escravo africano. II. Na organização social das colônias espanholas na América, os brancos nascidos na América constituíram os criollos, grupo que concentrou a propriedade de terra e que tinha acesso restrito às mais altas funções dirigentes nos sistemas administrativo, judiciário e militar, privativos dos brancos nascidos na Espanha. III. No processo de independência das colônias espanholas na América, prevaleceu a proposta de Simon Bolívar (Bolivarismo), na qual os interesses particulares das novas nações eram mais importantes que uma unificação artificial baseada no passado comum da colonização ibérica. IV. Na colônia francesa do Haiti, a aliança entre os escravos e a elite branca local, a favor da independência, foi vitoriosa contra o Estado francês, o que permitiu a dominação da minoria branca na ilha, depois da emancipação política. Assinale a alternativa correta.

  14. 164

    UNCISAL 2016

    Estado. O que significa isso? Simplesmente que o chefe não dispõe de nenhuma autoridade, de nenhum poder de coerção, de nenhum meio de dar uma ordem. O chefe não é um comandante, as pessoas da tribo não têm nenhum dever de obediência. O espaço da chefia não é o lugar do poder [...]. A propriedade mais notável do chefe indígena consiste na ausência quase completa de autoridade. [...] O chefe é um fazedor de paz; ele é a instância moderadora do grupo [...]. Ele deve apaziguar as disputas, regular as divergências, não usando de uma força que não possui e que não seria reconhecida. [...] Os meios que o chefe detém para realizar sua tarefa de pacificador limitam-se ao uso exclusivo da palavra: não para arbitrar entre as partes opostas, pois o chefe não é um juiz e não pode se permitir tomar partido por um ou por outro, mas para, armado apenas de sua eloquência, tentar persuadir as pessoas da necessidade de se apaziguar [...]. CLASTRES, Pierre. A sociedade contra o estado. São Paulo: COSAC NAIFY, 2012 (adaptado).   O texto enfatiza uma característica dos povos nativos da América que, em geral, era interpretada pelos colonizadores como

  15. 165

    UEL 2008

    Leia o texto a seguir:   [...] Aqueles que deixaram a Espanha para converter os índios viram-se incumbidos de uma missão de especial importância no esquema divino da história, pois a conversão do Novo Mundo era um prelúdio necessário para seu término e para a segunda vinda de Cristo. Acreditavam também que, entre esses povos inocentes da América ainda não contaminados pelos vícios da Europa, poderiam construir uma Igreja que se aproximasse da de Cristo e os primeiros apóstolos. Os primeiros estágios da missão americana, com o batismo em massa de centenas de milhares de índios, pareciam garantir o triunfo desse movimento em prol de um retorno ao cristianismo primitivo que havia tão repetidamente sido frustrado na Europa. [...] No entanto, embora o índice de conversão fosse espetacular, sua qualidade deixava muito a desejar. Havia sinais alarmantes de que os índios que haviam adotado a fé com aparente entusiasmo ainda veneravam seus velhos ídolos em segredo. Os missionários também se chocaram contra muralhas de resistência nos pontos em que suas tentativas de incutir os ensinamentos morais do cristianismo conflitavam com padrões de comportamento estabelecidos havia muito tempo. Não era fácil, por exemplo, inculcar as virtudes da monogamia a uma sociedade que via as mulheres como servas e o acúmulo de mulheres como fonte de riqueza. (ELLIOT, J. H. A conquista espanhola e a colonização da América. In: BETHELL, L. (org.). História da América Latina: América Latina Colonial I. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1998, v. 1 p. 185-186.) Com base no texto e nos conhecimentos sobre a colonização das Américas portuguesa e espanhola, é correto afirmar:

  16. 166

    UFV 2011

    O processo de colonização da América teve uma contribuição muito importante da Igreja Católica. Em relação à essa contribuição, assinale a afirmativa CORRETA:

  17. 167

    UNICENTRO 2006

    “Os carniceiros desolaram as ilhas. Guanahani foi a primeira Nesta história de martírios. Os filhos da argila viram partido Seu sorriso, ferida Sua frágil estatura de gamos, E nem mesmo na morte entendiam. Foram amarrados e feridos, Foram queimados e abrasados, Foram mordidos e enterrados. E quando o tempo deu sua volta de valsa O salão verde estava vazio. Só ficavam ossos Rigidamente colocados Em forma de cruz, para maior Glória de Deus e dos homens [...] (NERUDA, Pablo. Canto Geral. 6. ed. São Paulo: Difel, 1984. p. 5.)    Sobre o evento abordado no poema, considere as afirmativas a seguir. I. Ao serem enviados índios caraíbas para a Europa para serem vendidos como escravos, colocou-se de forma aguda uma questão que iria dominar a história da relação entre Europa e América nos cinquenta anos seguintes: o status a atribuir à população indígena. II. Muitas das práticas e instituições que seriam mais tarde transplantadas para o continente conquistado, eram produto do sistema administrativo aplicado em Hispaniola, que por sua vez se calcava nas experiências da reconquista na Espanha e da conquista das Canárias. III. A diferença entre o espiritual e o temporal não era sentida pelos homens daquela época da mesma forma do que por nós hoje, possibilitando que a “espada” e a “cruz” agissem juntas no que se convencionou chamar de “guerra justa”. IV. A ação de conquista empreendida por um Estado laico europeu, propiciou, após os ferrenhos conflitos dos primeiros anos, a implantação de uma sociedade democrática, sobretudo no que diz respeito às estruturas econômicas e sociais.   Estão corretas apenas as afirmativas:

  18. 168

    PUC-RJ 2016

    Sobre a conquista espanhola da América nos séculos XV e XVI, assinale a afirmativa CORRETA.

  19. 169

    UNB 2011

    Relativamente às grandes navegações, sobretudo quanto ao contexto histórico em que aconteceram e às transformações delas decorrentes, coloque C para Certo e E para Errado nas afirmativas abaixo.   (    ) O modelo de colonização ibérica utilizado na América, excetuando-se a região platina, foi submetido às determinações do mercantilismo, o que justifica as práticas simultâneas da escravidão e do trabalho assalariado, além da ênfase na produção agrícola de subsistência. (    ) Na realidade histórica advinda das grandes navegações, estavam erradicadas as formas de organização política, econômica, social e cultural vigentes no feudalismo medieval, a começar pela substituição da força institucional da Igreja Católica pelo poder, após a Reforma, das religiões não cristãs. (    ) A expansão comercial e marítima europeia dos séculos XV e XVI, pioneiramente conduzida por Portugal, levou ao estabelecimento de colônias na África, na Ásia e nas terras americanas, entre as quais o Brasil.   Assinale a alternativa que apresenta a sequência CORRETA.

  20. 170

    FUVEST 1994

    Durante o século XVI, a Europa conheceu um processo inflacionário profundamente perturbador - conhecido como "revolução dos preços"- que provocou uma acentuada transferência de renda entre os grupos sociais e, até mesmo, entre países. Esse processo foi causado

  21. 171

    UPE 2012

    O tráfico atlântico de escravos tem sido, há décadas, objeto de sérios e detalhados estudos, destinados a explicar seu papel na organização dos impérios coloniais europeus na América. Afinal, não se pode desconsiderar o fato de que o tráfico atlântico se prolongou do século XVI à segunda metade do século XIX, com uma fase de apogeu entre 1600 e 1800. Estima-se que, ao longo desse período, foram trazidos para a América cerca de 11.000.000 de indivíduos. MENDONÇA, Marina Gusmão de. Histórias da África. São Paulo: LCTE Editora, 2008, p. 27. (Adaptado)   Com base nas informações contidas no texto, analise as proposições seguintes:   I. Apesar de a estimativa do número de africanos trazidos para a América ser pertinente, a cronologia do tráfico apresentada no texto está incorreta. II. O tráfico de escravos foi uma das grandes atividades do complexo econômico atlântico entre os séculos XVI e XVIII. III. Muitos dos escravos retirados do solo africano, cerca de 40%, foram levados para o mercado europeu. IV. Os portugueses e os ingleses se destacaram no comércio de escravos. V. O tráfico negreiro foi uma das bases de construção do poderio europeu na América e em África.   Estão CORRETAS

  22. 172

    PUC-CAMPINAS 2015

    (...) a insistência em descrever a natureza, arrolar os seus bens e historiar a vida ainda breve da Colônia indica um primeiro passo da consciência do colono, enquanto homem que já não vive na Metrópole e, por isso, deve enfrentar coordenadas naturais diferentes, que o obrigam a aceitar e, nos casos melhores, repensar diferentes estilos de vida. Se por um lado sua atitude em face do índio, por exemplo, prende-se aos comuns padrões culturais de português e católico-medieval, seu contato com os nativos leva-o a uma observação curiosa, da qual pode nascer uma nova avaliação. (Adaptado de: BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. São Paulo: Cultrix, 1982. 3. ed., 3a tiragem, p. 20)     Esse fragmento do crítico e historiador Alfredo Bosi, em sua parte final, ressalta o fato de que, em contato direto com os nativos, o colono

  23. 173

    UNIRIO 1996

    Ao longo dos séculos XV e XVI desenvolveram-se na Europa as Grandes Navegações, que lançaram algumas nações à descoberta de novas terras e continentes. A expansão ultramarina acarretou o(a):

  24. 174

    UFU 1999

    Durante a colonização da América, os espanhóis utilizaram diversas formas de trabalho de acordo com o tipo de economia predominante em cada região. Observe as alternativas abaixo e assinale a correta.

  25. 175

    PUC-RJ 1999

    Leia as afirmativas abaixo sobre a expedição de Pedro Álvares Cabral, que saiu de Lisboa em março de 1500:   I) A missão da esquadra era expandir a fé cristã e estabelecer relações comerciais com o Oriente, de modo a trazer as valiosas especiarias para Portugal; desta maneira, reunia num mesmo episódio os esforços da Coroa, da Igreja e dos grupos mercantis do Reino.   II) Chegar às Índias através de um caminho inteiramente marítimo só foi possível após o longo "périplo" realizado pelas costa africana, durante o século XV, por diversos navegadores portugueses, cujos expoentes foram Bartolomeu Dias e Vasco da Gama.   III) A viagem expressou a subordinação da Coroa portuguesa à Igreja Católica, na época dos descobrimentos, já evidenciada quando o Papa estabeleceu a partilha do Mundo Novo, em 1494, através do tratado de Tordesilhas.   IV) Era objetivo da viagem tomar posse de terras a Oeste, de modo a assegurar o controle do Oceano Atlântico Sul e, consequentemente, da rota marítima para as Índias.   Assinale a alternativa que contém as afirmativas corretas:

  26. 176

    UNICENTRO 2006

    “Foi portanto como prêmio da vitória que foram dados os índios aos espanhóis (...) Como, depois de ganho, o Novo Mundo ficasse tão distante do Rei, não podia de modo algum mantê-lo em seu poder se os mesmos que o tinham descoberto e conquistado não o guardassem acostumando os índios às nossas leis (...) Segue-se que tratemos do serviço pessoal dos índios, no qual se compreende toda a utilidade que pode obter o encomendero do trabalho do índio.” (Trecho de História Natural e Moral das Índias de José de Acosta, cronista do século XVI. FREITAS, G. 900 Textos e Documentos de História, v. II, Plátano Editoria, p. 127.)   Com base no texto e nos conhecimentos sobre o tema, considere as afirmativas a seguir. I. Os indígenas constituíram o segmento mais numeroso e a base da economia colonial espanhola; sua escravização acabou sendo proibida, porém as condições de trabalho a que foram submetidos tornam difícil distinguir entre a escravidão de fato e de direito. II. Inicialmente, a organização política das Índias Ocidentais não obedeceu a um critério administrativo prévio que mostrasse, de imediato, a tendência para o estatismo; pelo contrário, foi a iniciativa particular que apareceu com força, tendo seu limite fixado pelo estado. III. Originária da Espanha, a encomienda estabelecia o trabalho coletivo de uma comunidade indígena colocada a serviço de um particular que, sem remunerar os indígenas, comprometia-se a dar assistência material e religiosa a esta comunidade. IV. A inaptidão dos nativos americanos para o trabalho, bem como seu número reduzido em todo o território das Índias Ocidentais, transformou os negros africanos em mão-de-obra fundamental da empresa colonial espanhola.   Estão corretas apenas as afirmativas:

  27. 177

    PUC-RJ 2007

    Na Época Moderna, as narrativas de cronistas, viajantes, missionários e naturalistas, representaram o Novo Mundo ora como Paraíso, ora como Inferno. Qual das afirmativas abaixo NÃO se encontra corretamente identificada com essa ideia?

  28. 178

    UFLA 2013

    A colonização da América, além da navegação e das práticas mercantilistas, envolve toda uma dinâmica políticoadministrativa imposta pela metrópole à colônia. Foram os modelos adotados na primeira metade do século XVI por espanhóis e portugueses para administrar suas terras na América, EXCETO:

  29. 179

    UNESP 2012

    Os africanos não escravizavam africanos, nem se reconheciam então como africanos. Eles se viam como membros de uma aldeia, de um conjunto de aldeias, de um reino e de um grupo que falava a mesma língua, tinha os mesmos costumes e adorava os mesmos deuses. (...) Quando um chefe (...) entregava a um navio europeu um grupo de cativos, não estava vendendo africanos nem negros, mas (...) uma gente que, por ser considerada por ele inimiga e bárbara, podia ser escravizada. (...) O comércio transatlântico (...) fazia parte de um processo de integração econômica do Atlântico, que envolvia a produção e a comercialização, em grande escala, de açúcar, algodão, tabaco, café e outros bens tropicais, um processo no qual a Europa entrava com o capital, as Américas com a terra e a África com o trabalho, isto é, com a mão de obra cativa. (Alberto da Costa e Silva. A África explicada aos meus filhos, 2008. Adaptado.)     Ao caracterizar a escravidão na África e a venda de escravos por africanos para europeus nos séculos XVI a XIX, o texto

  30. 180

    PUC-CAMPINAS 2016

    Considere o texto abaixo.   Nos poemas indianistas, o heroísmo dos indígenas em nenhum momento é utilizado como crítica à colonização europeia, da qual a elite era a herdeira. Ao contrário, pela resistência ou pela colaboração, os indígenas do passado colonial, do ponto de vista dos nossos literatos, valorizavam a colonização e deviam servir de inspiração moral à elite brasileira. (...) Já o africano escravizado demorou para aparecer como protagonista na literatura romântica. Na segunda metade do século XIX, Castro Alves, na poesia, e Bernardo Guimarães, na prosa, destacaram em obras suas o tema da escravidão. (Adaptado de: NAPOLITANO, Marcos e VILLAÇA, Mariana. História para o ensino médio. São Paulo: Atual Editora, 2013, p. 436-37)   Por muito tempo vigorou, nos livros didáticos, uma simplificação dos conceitos colonização de exploração e colonização de povoamento. Tal simplificação se baseava na hipótese de que

Gerar PDF da Página

Conteúdo exclusivo para assinantes

Assine um de nossos planos para ter acessos exclusivos e continuar estudando em busca da sua aprovação.

Ver planos