Tenha acesso completo aos conteúdos do Stoodi

Plano de estudos, exercícios, videoaulas, correção de redação e mais!

Banco de Exercícios

Lista de exercícios

Quer colocar o estudo em prática? O Stoodi tem exercícios de Expansão Marítima dos maiores vestibulares do Brasil.

Estude História com esses e mais de 30000 que caíram no ENEM, Fuvest, Unicamp, UFRJ, UNESP e muitos outros vestibulares!

Gerar PDF da Página

Conteúdo exclusivo para assinantes

Assine um de nossos planos para ter acessos exclusivos e continuar estudando em busca da sua aprovação.

Ver planos

  1. 211

    UNESP 1992

    A transição gradativa do Mundo Medieval para o Mundo Moderno dependeu da conjugação de inúmeros fatores, europeus e extra-europeus, que ganharam dimensões e características novas. A inserção do Mundo não-europeu no contexto do colonialismo mercantilista, inaugurado pelos grandes descobrimentos, contribuiu para:

  2. 212

    UFV 2012

    Dentre as consequências do Renascimento Comercial, Cultural e Urbano vivenciado entre fins da Idade Média e início da Idade Moderna, é INCORRETO afirmar que:

  3. 213

    PUC-RJ 2000

    "Diziam que haviam visto chegar em sua terra certas pessoas muito diferentes de nosso costume e vestiário, que pareciam viracochas, que é o nome pelo qual antigamente denominamos o Criador de todas as coisas...; primeiro porque se diferenciavam muito de nosso traje e semblante...; andavam em uns animais muito grandes, os quais tinham os pés de prata...; porque os viram falar sozinhos em uns panos brancos como uma pessoa falava com outra...; uns eram de barbas negras e outros de barbas vermelhas e os viam comer em prata; e também porque tinham yllapas, nomes que nós temos para os trovões e isto diziam por causa dos arcabuzes, porque pensavam que eram trovões do céu..."  (Descrição dos conquistadores atribuída a Titu Cusi Yupanqui, filho de Manco II, que ocupou o trono inca em Vilcabamba, de 1557 a 1570, ditada ao agostiniano Frei Marcos García)   O relato apresenta algumas ideias que, num primeiro momento, os incas construíram a respeito dos conquistadores espanhóis. Sobre elas estão corretas as seguintes afirmativas, com EXCEÇÃO de:

  4. 214

    UFAM 2009

    “Mas qual seria o coração, por duro que ser pudesse, que não fosse pungido de piedoso sentimento, vendo assim aquela campanha? Que uns tinham as caras baixas e os rostos lavados com lágrimas, olhando uns contra os outros; (...) outros feriam seu rosto com suas palmas, lançando-se estendidos no meio do chão; outros faziam suas lamentações em maneira de canto, segundo o costume de sua terra, nas quais, posto que as palavras da linguagem dos nossos não pudesse ser entendida, bem correspondia ao grau de sua tristeza.” Gomes Eanes Zurara, Crônica dos Feitos da Guiné, 1452-1453 O cronista Zurara foi responsável por uma das primeiras descrições sobre o tráfico de africanos na época moderna, quando as áreas coloniais assistiram à retomada de formas de trabalho compulsório, vivendo um processo oposto ao que vinha ocorrendo no Velho Mundo onde a mão-de-obra estava sendo progressivamente liberada. A partir desta afirmação, analise as alternativas abaixo e assinale aquela que contempla as dimensões deste processo no Brasil colonial. I. A alta rentabilidade do tráfico negreiro possibilitava novos mecanismos de acumulação de capital para a burguesia mercantil, seja na colônia, seja na metrópole; II. A continuidade da tradição ibérica de escravização de populações da África que já vinha sendo empreendida, desde o século XV, durante a ocupação das ilhas africanas no Atlântico; III. Nas áreas litorâneas, a crescente insuficiência de mão-de-obra indígena para atender às necessidades dos engenhos, considerando tanto a resistência quanto o extermínio das populações nativas, aumentava a demanda por africanos; IV. Uma insuperável restrição de recursos coloniais para efetuar o pagamento de salários, considerando que suas mercadorias eram comercializadas a baixo preço na metrópole, fazendo com que a escravidão fosse a alternativa mais viável;

  5. 215

    UEL 2010

    Leia os textos a seguir: A agressão da conquista espanhola e as transformações econômicas e sociais impostas pelo sistema colonial, desestruturaram o aparato cultural e simbólico das populações autóctones da América, advindo entre elas um sentimento de desreferencialização do mundo. (FERREIRA, J. L. Conquista e colonização da América Espanhola. São Paulo: Ática, 1992. p. 67.) Quando os espanhóis perguntavam aos índios (e isto acontecia não uma vez, mas frequentemente), se eram cristãos, o índio respondia: “Sim, senhor, já sou um pouco cristão, pois já sei mentir um pouco; um dia saberei mentir muito e serei muito cristão”. (TODOROV, T. A conquista da América: a questão do outro. São Paulo: Martins Fontes, 1988. p. 87.) Com base nos aspectos mencionados nesses textos, sobre características da conquista da América, é correto afirmar que I. o encontro entre europeus e nativos e as evidentes diferenças culturais, religiosas e sociais levou os primeiros a colocar em prática o processo de conquista com cautela, observando as particularidades dos hábitos e costumes de cada civilização, encontradas na América de colonização portuguesa e espanhola. II. os padres jesuítas, no Brasil, percorriam as comunidades nativas cristãs, punindo com a inquisição e excomunhão os indígenas evangelizados que recusassem a aceitar a prática cristã de serem missionários nas bandeiras do território português. III. a propagação da religião católica com a prática da punição àqueles que se recusassem a aceitá-la explica a adoção massiva do cristianismo na América de colonização portuguesa e o processo da evangelização neste território. IV. aos povos nativos americanos foi imposto o catolicismo como um aspecto da dominação colonial, embora não tenha surtido tanto efeito em função da indiferença das populações dominadas e da dificuldade de entender a esfera e o valor religioso cristão, que era diferente da do indígena. Assinale a alternativa correta.

  6. 216

    UEAP 2009

    “A colonização portuguesa e espanhola no século XVI havia se limitado quase que exclusivamente à América, com raras exceções, as terras africanas e asiáticas não foram ocupadas. Contudo, no século XIX se deu a nova corrida colonial em direção aos territórios africanos e asiáticos." (ARRUDA, Jobson; PILETTI, Nelson. Toda a História: História Geral e do Brasil. São Paulo: Ática, 2000, p. 302.)   Com relação ao processo de colonização e neo-colonização, analise as afirmativas a seguir:   I. No Brasil, até 1530, não se deu um processo efetivo de colonização por parte de Portugal, já que a exploração de pau-brasil não deu origem ao estabelecimento de povoados, limitando-se à construção de feitorias, que funcionavam como depósito e fortaleza. II. No período colonial brasileiro, predominou o sistema de plantation, que tinha como uma das suas características a monocultura da cana-de-açúcar, cuja produção, associada ao desenvolvimento das técnicas agrícolas, não permitiu a exploração de outras riquezas naturais. III. A colonização da África e da Ásia, no século XIX, pelas potências industriais europeias, se deu em função da expansão dos mercados consumidores de produtos manufaturados e procura de fornecedores de matérias primas.  IV. A administração neo-colonialista foi organizada nas colônias francesas e inglesas a partir de dois tipos básicos de dominação: as colônias, administradas diretamente pelos colonizadores; e os protetorados, administrados por pessoas da região, supervisionados pelas metrópoles.   Assinale a alternativa correta: 

  7. 217

    UEL 2009

    Com base nos conhecimentos sobre a crise do sistema colonial, é correto afirmar.

  8. 218

    UNICENTRO 2016

    Leia o texto a seguir.   “Ainda que vocês na Espanha achem um pouco forte meu casamento com uma índia, aqui isso não é, de modo algum, uma desonra, pois a nação dos índios goza de alta estima”. É assim que, em 1571, um comerciante espanhol do México explica sua união para um sobrinho instalado perto de Madri, em uma época em que a Europa se dilacera: as guerras de religião devastam a França e os Países Baixos, a noite de São Bartolomeu é iminente. Essa aliança entre um espanhol e uma índia ignora as barreiras étnicas, sociais e culturais. Ela coloca, de uma maneira brutal, uma questão que nos preocupa talvez ainda mais que aos contemporâneos de Montaigne, Shakespeare e Cervantes, a das mestiçagens. (Adaptado de: BERNAND, C.; GRUZINSKI, S. História do Novo Mundo 2. As Mestiçagens. Trad. de Mary Amazonas Leite de Barros. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2006. p.9.)   Com base no texto e nos conhecimentos sobre as mestiçagens no processo de conquista e colonização da América, considere as afirmativas a seguir.   I. Os mestiços, que começaram a nascer na América em maior número a partir de 1570, eram festejados com grande alegria e esperança por suas famílias e comunidades, pois eram vistos como a grande oportunidade de ascensão social familiar, pela possibilidade de aproximação dos espanhóis e de sua cultura. II. A história do Novo Mundo se reduziu a um enfrentamento entre civilizações europeias e civilizações índias, duas unidades culturais desiguais em confronto, resultando na sobreposição da cultura espanhola sobre a cultura indígena, com a eliminação da cultura vencida. III. Ainda que se considere a fala repleta de positividade do comerciante espanhol sobre sua relação com uma índia, aos olhos das autoridades espanholas, os mestiços, oriundos desse tipo de relação, apareciam como uma coletividade ameaçadora, portadora da insubordinação natural, “sugada no leite materno”. IV. As condições demográficas permitem opor várias formas de mestiçagens; frente a importantes concentrações indígenas – no México, nos Andes –, as sociedades europeias são obrigadas a levar em conta a presença dos índios. Em áreas como a costa do Brasil, os índios que sobreviveram às epidemias são por demais dispersos ou raros para modificar a colonização.   Assinale a alternativa correta.

  9. 219

    UFMG

    Sabe-se que Cristóvão Colombo não descobre a América, pois imagina estar chegando à Ásia, à ilha de Cipango [o Japão], perto da costa da China e da corte do Grão-Cã. O que procurava? As "Ilhas Douradas", Tarsis e Ofir, de onde saíam as fabulosas riquezas que o rei Salomão explorara [...]. Aliás, o Almirante era um homem obstinado. Convencido de ter chegado ao Continente Asiático quando desembarcou em Cuba, ele obrigou seus partidários a partilharem de sua idéia fixa. GRUZINSKI, Serge. A passagem do século. 1480-1520: as origens da globalização. São Paulo: Companhia das Letras, 1999. p.21.     Considerando-se as informações desse texto, é CORRETO afirmar que:

  10. 220

    UNICENTRO 2008

    A desagregação do mundo medieval é mais bem percebida a partir do século XIV. No plano econômico, assistimos à derrocada da economia feudal e ao renascimento do comércio, que culminou com as grandes navegações do século XVI. No plano social, houve o desenvolvimento de uma camada de mercadores – a burguesia – e o progressivo declínio da nobreza feudal. Na política, houve uma centralização do poder e o contínuo enfraquecimento dos senhores feudais. (CÁCERES, 1996, p. 158)   A centralização do poder, ocorrida no plano político, no século XVI, a que o texto se refere,

  11. 221

    UNIMONTES 2015

    Longe dos centros principais da vida da colônia, a região do atual Norte do Brasil (incluindo o atual Estado do Maranhão) viveu uma existência muito diversa das outras áreas da colonização portuguesa na América. Acerca da colonização dessa região, marque com a letra C (CORRETA) ou com a letra I (INCORRETA) cada uma das afirmativas. (   ) Nessa vasta região, a colonização ocorreu lentamente, tendo sua integração econômica com o mercado europeu ocorrido de forma precária até fins do século XVIII. (   ) Nessa parte do Brasil, predominou o trabalho escravo africano, introduzido desde o século XVI, para trabalhar nas grandes plantações de algodão. (   ) A grande presença de indígenas fez do Norte um dos principais campos de atividade missionária, com destaque para a atuação dos jesuítas. (   ) No seu conjunto, a produção do Norte baseou-se no extrativismo de produtos da floresta com destaque para a extração de látex, que era exportado para a Inglaterra, na época da Primeira Revolução Industrial. A sequência CORRETA é

  12. 222

    UEL 2011

    Sobre a crise colonial e os movimentos pelas independências dos territórios americanos colonizados pelos espanhóis e portugueses, é correto afirmar:

  13. 223

    UNAMA 2008

    “Não houve nada em toda a América do Sul que se compare ao desenvolvimento ocorrido nos Andes. Em 1500, o império Inca estendia -se por cerca de 4300 Km, desde o que é hoje a fronteira sul da Colômbia até o rio Maule, no Chile. (...) a elite incaica conseguia controlar um vasto território habitado, por talvez, 10 milhões de pessoas”. (Carlos Fausto. Os índios antes do Brasil. Rio de Janeiro: Zahar, 2000, pp. 16-17.)   Baseado no texto acima e em seus conhecimentos, responda como a elite Inca controlava seu imenso povo dentro das regras de trabalho.

  14. 224

    UFRGS 2016

    Assinale a alternativa correta sobre a história do Império colonial português na América, durante o século XVIII.

  15. 225

    UNICENTRO 2005

    “Como já disse, nossos espanhóis descobriram, percorreram, converteram enormemente terras em sessenta anos de conquista. Nunca nenhum rei e nenhuma nação percorreram e subjugaram tantas coisas em tão pouco tempo, como nós fizemos, nem fizeram nem mereceram o que nossas gentes fizeram e mereceram pelas armas, pela navegação, pela pregação do Santo Evangelho e pela conversão dos idólatras. [...] Abençoado seja Deus que lhes deu essa graça e esse poder.” (Lopez de Gomara apud FERRO, Marc. História das colonizações: das conquistas às independências, séculos XIII a XX. São Paulo: Companhia das Letras, 1996. p. 49.) Com base na narrativa de Gomara e nos conhecimentos sobre a conquista da América Espanhola, é correto afirmar:

  16. 226

    CESGRANRIO 1995

    O descobrimento do Brasil foi parte do plano imperial da Coroa Portuguesa, no século XV. Embora não houvesse interesse específico de expansão para o Ocidente,...

  17. 227

    PUC-RS 2014

    Analise as afirmativas sobre o Descobrimento do Brasil, preenchendo os parênteses com V (verdadeiro) ou F (falso). ( ) Pode ser enquadrado no processo de expansão comercial europeia do início da Era Moderna, que objetivava a descoberta de novas fontes de metais preciosos e de mercadorias atrativas para o mercado consumidor europeu. ( ) Foi fundamental na construção do império ultramarino português, na medida em que as riquezas logo encontradas na nova terra levaram a coroa lusitana a promover a imediata colonização do atual território brasileiro. ( ) Atendeu aos interesses estratégicos da coroa portuguesa, pois a rota descoberta por Vasco da Gama para o comércio com as Índias, em 1498, necessitava de portos no Atlântico Sul onde fosse possível reparar e reabastecer os navios. ( ) É considerado um momento trágico para as populações originais do atual território brasileiro, porque a exploração do pau-brasil, primeira riqueza encontrada no novo território, levou à escravização do indígena. O correto preenchimento dos parênteses, de cima para baixo, é

  18. 228

    UNIOESTE 2007

    O pacto colonial constituiu-se como um dos elementos fundamentais do Antigo Sistema colonial. A respeito dos seus fundamentos, assinale a alternativa INCORRETA:

  19. 229

    MILTON CAMPOS 2013

    Ao se fazer uma comparação entre os processos de formação dos Estados Nacionais no Brasil e na América hispânica, no século XIX, identifica-se que

  20. 230

    PUC-RS 2013

    Considere as afirmações abaixo sobre o processo de colonização da América Portuguesa pela Coroa Lusitana, iniciado com a expedição de Martin Afonso de Souza, em 1530. I. A experiência adotada no Brasil, a partir desse momento, irá seguir de perto o modelo já adotado pelos portugueses nos arquipélagos da Madeira e Cabo Verde, baseado no sistema de Capitanias Hereditárias e na produção açucareira voltada para o mercado europeu. II. A decisão pela colonização do Brasil foi tomada, dentre outras razões, pela enorme dificuldade encontrada pela Coroa Portuguesa em manter a posse da nova terra, tendo em vista a ameaça representada pela presença de franceses na costa brasileira e a resistência do indígena em se submeter à escravidão para extração de pau-brasil, principal riqueza que os lusitanos levavam da América para a Europa, nesse período. III. Dentre os motivos que levaram à decisão pelo sistema de Capitanias Hereditárias, devemos citar a falta de condições financeiras da Coroa Portuguesa em empreender uma colonização com recursos pró- prios, em função de seu envolvimento na exploração das rotas comerciais com o Oriente. Está/Estão correta(s) apenas a(s) afirmativa(s)

  21. 231

    ENEM CANCELADO 2009

    Formou-se na América tropical uma sociedade agrária na estrutura, escravocrata na técnica de exploração econômica, híbrida de índio — e mais tarde de negro — na composição. Sociedade que se desenvolveria defendida menos pela consciência de raça do que pelo exclusivismo religioso desdobrado em sistema de profilaxia social e política. Menos pela ação oficial do que pelo braço e pela espada do particular. Mas tudo isso subordinado ao espírito político e de realismo econômico e jurídico que aqui, como em Portugal, foi desde o primeiro século elemento decisivo de formação nacional; sendo que entre nós através das grandes famílias proprietárias e autônomas; senhores de engenho com altar e capelão dentro de casa e índios de arco e flecha ou negros armados de arcabuzes às suas ordens. FREYRE, G. Casa-grande e senzala. Rio de Janeiro: José Olympio, 1984.   De acordo com a abordagem de Gilberto Freyre sobre a formação da sociedade brasileira, identifica-se que

  22. 232

    PUC-RS 2016

    Depois de três séculos de exploração de uma das mais ricas áreas coloniais americanas, Portugal chega ao final do século XVIII como uma das metrópoles mais atrasadas da Europa. A propósito disso, o historiador Fernando Novais afirma: “o fato de a metrópole não se desenvolver paralelamente (à colônia) é que criou condições para os transladamentos dos tesouros. Em outras palavras: os estímulos da exploração colonial portuguesa iam sendo acumulados por outras potências”. Portugal e Brasil na crise do Antigo Sistema Colonial, Fernando Novaes. 1986, p. 236.   I. A incapacidade de Portugal de aproveitar as riquezas que retirava do Brasil para o seu próprio desenvolvimento deveu-se ao fato de a Coroa Lusitana nunca ter conseguido constituir um estado forte e centralizado na Metrópole. II. Dentre os motivos que explicam essa situação, está a formação socioeconômica portuguesa, que privilegiava as atividades tradicionais voltadas ao cultivo da terra e à produção de vinho em detrimento do investimento em manufaturas. III. Um dos fatores que contribuiu para que Portugal continuasse um país eminentemente agrícola, não desenvolvendo um setor de manufaturas, foi o Tratado de Methuen, assinado com a Inglaterra, em 1703. IV. Dentre os problemas enfrentados pela Coroa Portuguesa estava a sua incapacidade de controlar tanto o contrabando de bens manufaturados para a sua colônia americana, quanto a fabricação desses bens no Brasil, cuja produção foi liberada pelo Marquês de Pombal quando Primeiro Ministro do rei D. José I. Estão corretas apenas as afirmativas

  23. 233

    UNIOESTE 2010

    No decorrer do século XVIII o Pacto colonial deixa de ser visto pelos colonos como um contrato entre irmãos. Fatores como o aumento e o enriquecimento da população depois da descoberta do ouro nas Minas Gerais e a expansão relativa do mercado interno coincidiu com a expansão do mercado internacional. Ademais, o impacto da independência das colonias inglesas da América do Norte e os ideais da Revolução Francesa inspiraram levantes contra a coroa portuguesa. Sobre a crise da colonização portuguesa na América no século XVIII é INCORRETO afirmar que

  24. 234

    UFMG 2002

    A Espanha, ao conquistar e colonizar vastas regiões do Continente Americano, implementou, nas colônias, algumas instituições. Entre essas instituições, incluíam-se

  25. 235

    UFRGS 2015

    Com o processo de expansão marítima, empreendido nos séculos XV e XVI, Portugal constituiu-se como um império ultramarino, espalhado em diversas regiões do globo.    Assinale com V (verdadeiro) ou F (falso) as afirmações abaixo, sobre a história do Império português e da colonização no Brasil.     ( ) A organização das instituições eclesiásticas nas colônias lusitanas foi estabelecida a partir da subordinação do Estado português à Igreja católica, prevista no chamado padroado régio.   ( ) O Estado português valeu-se, pela primeira vez no Brasil, do trabalho escravo de africanos, posteriormente estendendo o mesmo procedimento ao conjunto das suas colônias.    ( ) A estrutura política do Império português foi marcada por redes de poder locais que permitiam aos colonos um considerável grau de autonomia política e econômica, tornando, muitas vezes, conflitivas as relações entre metrópole e colônias.   ( ) Os colonos e os mercadores estabelecidos no Brasil não mantinham relações comerciais com as colônias africanas, pois todo o sistema mercantil português estava centrado na metrópole, por onde necessariamente passavam os produtos comercializados.     A sequência correta de preenchimento dos parênteses, de cima para baixo, é

  26. 236

    UFLA 2011

    São atribuições do Conselho Ultramarino, criado por D. João IV, EXCETO:

  27. 237

    UNB 2010

    É interessante ressaltar a diferença mais crucial entre presente e passado: a da própria forma da existência social. O mundo greco-romano não se estruturava como os Estados nacionais contemporâneos, mas de modo bem distinto, como cidades-estado. As cidades-estado, conhecidas, graças à tradição escrita, pela epigrafia ou pelas fontes arqueológicas, eram muito diferentes entre si: nas dimensões territoriais, em suas riquezas, em suas histórias particulares e nas diferentes soluções, ao longo dos séculos, para os conflitos de interesses entre seus componentes. Há a tendência de se pensar a História antiga como parte essencial da história do mundo, como uma de suas etapas em direção ao presente. Trata-se, contudo, de um efeito ilusionista produzido pela necessidade que a Europa sentiu, sobretudo a partir do século XIX, de definir o Ocidente em sua relação com o resto do mundo, traçando suas origens na tradição literária do mundo greco-romano e projetando-a, no presente, como berço da civilização humana. Norberto L. Guarinello. Cidades-estado na antiguidade clássica. In: Carla B. Pinsky. História da cidadania. São Paulo: Contexto, 2003, p. 30-31 (com adaptações).   No mundo ibérico, o Estado moderno percorreu longo caminho de construção da sua autoridade, apresentando diversas configurações e experiências, mas fundamentado, basicamente, em três razões de Estado: fé, comércio e fazenda. Com relação à colonização da América, os melhores exemplos desses fundamentos são

  28. 238

    UFV 2011

    Os portugueses tiveram um desempenho destacado no cenário dos grandes descobrimentos. Assinale a alternativa que apresenta uma explicação INCORRETA para tal desempenho português:

  29. 239

    UNESP 2013

    As redes de comércio, os fortes costeiros, as relações tecidas ao longo dos séculos entre comerciantes europeus e chefes africanos, continuaram a ser o sustentáculo do fornecimento de mercadorias para os europeus, só que agora estas não eram mais pessoas, e sim matérias-primas. (Marina de Mello e Souza. África e Brasil africano, 2007.)     O texto refere-se à redefinição das relações comerciais entre europeus e africanos, ocorrida quando

  30. 240

    UFG 2009

    No século XVIII, os colonos anglo-americanos enfrentaram os franco-americanos na chamada Guerra dos Sete Anos (1756- 1763). Na década seguinte, os colonos anglo-americanos rebeldes lutaram lado a lado com voluntários franceses na guerra de independência dos Estados Unidos da América (1775- 1781). Nesses dois contextos, as diferentes alianças dos colonos anglo-americanos tiveram como motivação comum

Gerar PDF da Página

Conteúdo exclusivo para assinantes

Assine um de nossos planos para ter acessos exclusivos e continuar estudando em busca da sua aprovação.

Ver planos