Tenha acesso completo aos conteúdos do Stoodi

Plano de estudos, exercícios, videoaulas, correção de redação e mais!

Exercícios de Período Pré-colonial

Voltar para Período Pré-colonial

Quer colocar o estudo em prática? O Stoodi tem exercícios de Período Pré-colonial dos maiores vestibulares do Brasil.

Estude História com esses e mais de 30000 que caíram no ENEM, Fuvest, Unicamp, UFRJ, UNESP e muitos outros vestibulares!

Gerar PDF da Página
  1. 1. PUC-SP 2014
    "Descoberto o Novo Mundo e instaurado o processo de colonização, começou a se desenrolar o embate entre o Bem e o Mal." Laura de Mello e Souza. Inferno Atlântico. São Paulo: Companhia das Letras, 1993. p. 22-23. Na percepção de muitos colonizadores portugueses do Brasil, uma das armas mais importantes utilizadas nesse "embate entre o Bem e o Mal" era a
  2. 2. Espcex (Aman) 2015
    "Os primeiros trinta anos da História do Brasil são conhecidos como período Pré-Colonial. Nesse período, a coroa portuguesa iniciou a dominação das terras brasileiras, sem, no entanto, traçar um plano de ocupação efetiva. L.) A atenção da burguesia metropolitana e do governo português estavam voltados para o comércio com o Oriente, que desde a viagem de Vasco da Gama, no final do século XV, havia sido monopolizado pelo Estado português. [...l O desinteresse português em relação ao Brasil estava em conformidade com os interesses mercantilistas da época, como observou o navegante Américo Vespúcio, após a exploração do litoral brasileiro, pode-se dizer que não encontramos nada de proveito". Berutti. 2004. Sobre o período retratado no texto, pode-se afirmar que o(a)
  3. 3. UFPI 2008
    O período da nossa história conhecido como Pré-colonizador pode ser caracterizado pelos seguintes pontos: I. A descoberta de metais preciosos, particularmente, prata e diamantes na região amazônica. II. A montagem de estabelecimentos provisórios, conhecidos como feitorias, onde eram feitas trocas comerciais entre os navegantes portugueses e os povos indígenas do Brasil. III. A criação das cidades de São Vicente e Desterro no litoral da America Portuguesa. IV. A utilização da mão de obra indígena para a exploração de madeira, particularmente, do pau-brasil. Dentre as afirmativas anteriores estão corretas apenas:
  4. 4. UNESP 2012
    Nas primeiras três décadas que se seguiram à passagem da armada de Cabral, além das precárias guarnições das feitorias [...], apenas alguns náufragos l...) e 'lançados' atestavam a soberania do rei de Portugal no litoral americano do Atlântico Sul. (Adriana Lopez e Carlos Guilherme Mota. História do Brasil: uma interpretação. 2008) No processo de ocupação portuguesa do atual território do Brasil, as primeiras três décadas que se seguiram à passagem da armada de Cabral podem ser caracterizadas como um periodo em que
  5. 5. PUC-SP 2012
    Mostraram-lhes um carneiro; não fizeram caso dele. Mostraram-lhes uma galinha; quase tiveram medo dela, e não lhe queriam por mão. Depois lhe pegaram, mas como espantados. Deram-lhes ali de comer pão e peixe cozido, confeitos, bolos, mei, figos-passa. Não quiseram comer daquilo quase nada; e se provaram alguma coisa, logo a lançavam fora. Trouxeram-lhes vinho em uma taça; mal lhe puseram a boca, não gostaram dele nada, nem quiseram mais. "A carta de Pero Vaz Caminha". maio de 1500. Extraído de Dea Ribeiro FeneIon. 50 textos de história do Brasil. São Paulo: Hucitec, 1986, p. 23. O documento mostra um dos primeiros contatos entre portugueses e nativos do atual BrasiI. Podemos dizer, entre outras coisas, que a carta, na sua íntegra, demonstra a
  6. 6. UNIMONTES 2012
    O período compreendido entre 1500 e 1530 é denominado, pela historiografia tradicional, de "período pré-colonial". Entre as características dessa época, é INCORRETO elencar
  7. 7. UNESP 2013
    [Os tupinambás] têm muita graça quando falam [...]; mas faltam-lhe três letras das do ABC, que são F, L, R grande ou dobrado, coisa muito para se notar; porque, se não têm F, é porque não têm fé em nenhuma coisa que adoram; nem os nascidos entre os cristãos e doutrinados pelos padres da Companhia têm fé em Deus Nosso Senhor, nem têm verdade, nem lealdade a nenhuma pessoa que lhes faça bem. E se não têm L na sua pronunciação, é porque não têm lei alguma que guardar, nem preceitos para se governarem; e cada um faz lei a seu modo, e ao som da sua vontade; sem haver entre eles leis com que se governem, nem têm leis uns com os outros. E se não têm esta letra R na sua pronunciação, é porque não têm rei que os reja, e a quem obedeçam, nem obedecem a ninguém, nem ao pai o filho, nem o filho ao pai, e cada um vive ao som da sua vontade [...]. (Gabriel Soares de Souza. Tratado descritivo do Brasil em 1587, 1987.) O texto destaca três elementos que o autor considera inexistentes entre os tupinambás, no final do século XVI. Esses três elementos podem ser associados, respectivamente,
  8. 8. ENEM 2011
    Em geral, os nossos tupinambás ficaram admirados ao ver os franceses e os outros dos paises longinquos terem tanto trabalho para buscar o seu arabotã, isto é, pau-brasil. Houve uma vez um ancião da tribo que me fez esta pergunta: "Por que vindes vós outros, mairs e péros (franceses e portugueses), buscar lenha de tão longe para vos aquecer? Não tendes madeira em vossa terra?" LÉRY, J. Viagem à Terra do Brasil. In: FERNANDES. F. Mudanças Sociais no Brasil. São Paulo: Difel. 1974. O viajante francês Jean de Léry (1534-1611) reproduz um diálogo travado, em 1557, com um ancião tupinambá, o qual demonstra uma diferença entre a sociedade europeia e a indígena no sentido
  9. 9. UNICAMP 2011
    Em carta ao rei D. Manuel, Pero Vaz de Caminha narrou os primeiros contatos entre os indígenas e os portugueses no Brasil: "Quando eles vieram, o capitão estava com um colar de ouro muito grande ao pescoço. Um deles fitou o colar do Capitão, e começou a fazer acenos com a mão em direção à terra, e depois para o colar, como se quisesse dizer-nos que havia ouro na terra. Outro viu umas contas de rosário, brancas, e acenava para a terra e novamente para as contas e para o colar do Capitão, como se dissesse que dariam ouro por aquilo. lsto nós tomávamos nesse sentido, por assim o desejarmos! Mas se ele queria dizer que levaria as contas e o colar, isto nós não queríamos entender, porque não havíamos de dar-lhe." (Adaptado de Leonardo Arroyo, A carta de Pero Vaz de Caminha. São Paulo: Melhoramentos; Rio de Janeiro: INL, 1971, p. 72-74.) Esse trecho da carta de Caminha nos permite concluir que o contato entre as culturas indígena e europeia foi
  10. 10. UDESC 2015
    Leia com atenção o fragmento retirado da Carta de Pero Vaz de Caminha. "E quando veio ao Evangelho, que nos erguemos todos em pé, com as mãos levantadas, eles [os índios] se levantaram conosco e alçaram as mãos, ficando assim, até ser acabado; e então tornaram-se a assentar como nós. E quando levantaram a Deus, que nos pusemos de joelhos, eles se puseram assim todos, como nós estávamos com as mãos levantadas, e em tal maneira sossegados, que, certifico a Vossa Alteza, nos fez muita devoção" Pero Vaz de Caminha. In: 0LJVIERI, A. C. e VILLA, M. A. Crônicas do descobrimento. São Paulo: Atica, 1999. p. 23. Em relação à Carta de Caminha para o Rei de Portugal, pode-se dizer que é:
  11. 11. UFRGS 2004
    Por volta de 1811, o Império napoleônico atingiu o seu apogeu. Direta ou indiretamente, Napoleão dominou mais da metade do continente europeu. Tal conjuntura, no entanto, reforçou os sentimentos nacionalistas da população dessas regiões. A ideia de nação, inspirada nas próprias concepções francesas, passou a ser uma arma desses nacionalistas contra Napoleão. Assinale a afirmação correta, relativa a conjuntura acima delineada.
  12. 12. ENEM 2018
    TEXTO I E pois que em outra cousa nesta parte me não posso vingar do demônio, admoesto da parte da cruz de Cristo Jesus a todos que este lugar lerem, que deem a esta terra o nome que com tanta solenidade lhe foi posto, sob pena de a mesma cruz que nos há de ser mostrada no dia final, os acusar de mais devotos do pau-brasil que dela. BARROS, J. In: SOUZA, L. M. Inferno atlântico: demonologia e colonização: séculos XVI-XVIII. São Paulo: Cia. das Letras, 1993. TEXTO II E deste modo se hão os povoadores, os quais, por mais arraigados que na terra estejam e mais ricos que sejam, tudo pretendem levar a Portugal, e, se as fazendas e bens que possuem souberam falar, também lhes houveram de ensinar a dizer como os papagaios, aos quais a primeira coisa que ensinam é: papagaio real para Portugal, porque tudo querem para lá. SALVADOR, F. V. In: SOUZA, L. M. (Org.). História da vida privada no Brasil: cotidiano e vida privada na América portuguesa. São Paulo: Cia. das Letras, 1997. As críticas desses cronistas ao processo de colonização portuguesa na América estavam relacionadas à
  13. 13. UNEMAT 2007
    “Uma vez um velho perguntou-me por que: vindes vós outros, mairs e pêros [franceses e portugueses] buscar lenha de tão longe para vos aquecer? Não tem madeira em vossa terra? Respondi que tínhamos muitas, mas não daquela qualidade, e que não a queimávamos, como ele o supunha, mas dela extraímos tinta para tingir, tal qual o faziam eles com seus cordões de algodão e suas plumas.” (Melatti, Julio cezar, Índios de Brasil, p. 178.)   Esta passagem retrata um momento da história do Brasil. Assinale a alternativa CORRETA.
  14. 14. ENEM PPL 2010
    Dali avistamos homens que andavam pela praia, obra de sete ou oito. Eram pardos, todos nus. Nas mãos traziam arcos com suas setas. Não fazem o menor caso de encobrir ou de mostrar suas vergonhas; e nisso tem tanta inocência como em mostrar o rosto. Ambos traziam os beiços de baixo furados e metidos neles seus ossos brancos e verdadeiros. Os cabelos seus são corredios. CAMINHA, P. V. Carta. RIBEIRO, D. et al. Viagem pela história do Brasil: documentos. São Paulo: Companhia das Letras, 1997 (adaptado).   O texto é parte da famosa carta de Pero Vaz de Caminha, documento fundamental para a formação da identidade brasileira. Tratando da relação que, desde esse primeiro contato, se estabeleceu entre portugueses e indígenas, esse trecho da carta revela a
  15. 15. UFJF 2011
    O texto, abaixo, foi escrito por Pero Vaz de Caminha ao rei de Portugal, em 1500. À tarde vimos terra. Antes, uma grande montanha, muito alta e redonda. Vimos outras terras mais baixas, ao sul dessa montanha, e vimos mais terra, com muitas árvores. Carta de Pero Vaz de Caminha. 1500. Esse trecho da carta
  16. 16. UFMG 2004
    É CORRETO afirmar que a prática da antropofagia entre algumas tribos indígenas brasileiras se devia:
  17. 17. UEMA 2010
    Após a conquista portuguesa, a Coroa teve como preocupação imediata o reconhecimento da terra e a preservação do território. Desse modo, somente a partir de 1530 o governo português decidiu concretizar a posse da terra, dando início ao período colonial. Sobre o processo de colonização do Brasil, é correto afirmar:
  18. 18. UNIMONTES 2014
    Na América portuguesa, durante o período pré-colonial, os portugueses iniciaram a extração da primeira riqueza destinada ao mercado europeu. Acerca da exploração dessa riqueza, escreva C (correto) ou I (incorreto) em cada um dos parênteses abaixo. ( ) O pau-brasil foi explorado no litoral da região colonial dentro do regime de Estanco (monopólio régio). ( ) Os portugueses criaram as Capitanias Hereditárias, ainda no período pré-colonial, para coordenar a exploração do pau-brasil. ( ) No litoral do território posteriormente conhecido como Brasil, foram construídas as primeiras vilas por Fernando de Noronha, para a instalação dos trabalhadores. ( ) Por meio da prática do Escambo, os portugueses exploraram a mão de obra indígena na extração da madeira. A seqüência CORRETA é
  19. 19. PUC-RS 2016
    Sobre o período pré-colonial na História do Brasil, é correto afirmar que
  20. 20. UNCISAL 2015
    A contestação francesa ao Tratado de Tordesilhas teve no monarca Francisco I o mais veemente representante. Em 1540 chegou a dizer que “o sol brilhava tanto para ele como para os outros" e que "gostaria de ver o testamento de Adão para saber de que forma este dividira o mundo...". Declarou também que só a ocupação criava o direito, que descobrir um país, isto é, vê-lo ou atravessá-lo, não constituía um ato de posse e que considerava como domínio estrangeiro unicamente "os lugares habitados e defendidos. São essas as bases da colonização moderna”. MOUSNIER, Roland. História Geral das Civilizações. Tomo IV Os Séculos XVI e XVII. Tomo IV. 2 Volumes. São Paulo: Diofel, 1958. A crítica feita por Francisco I ao Tratado de Tordesilhas baseia-se
  21. 21. UPE 2012
    O que é atualmente o território brasileiro está repleto de testemunhos arqueológicos, que guardam importantes evidências da história da colonização humana em nosso continente. GASPAR, Madu. A arte rupestre no Brasil. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2003, p. 7.   Sobre essa realidade, analise as afirmações seguintes:   I. A presença do homem na América do Sul só se deu com a chegada dos europeus, no século XVI. II. Uma das marcas da presença humana no Brasil pré-cabralino são os monumentais sambaquis do litoral. III. Os sítios arqueológicos com vestígios dos caçadores que iniciaram a ocupação da América do Sul inexistem na faixa litorânea brasileira. IV. Há sítios arqueológicos de inúmeras aldeias de grupos ceramistas dispersos por todo o país. V. A arte rupestre é um dos grandes legados culturais dos povos pré-cabralinos.   Estão CORRETAS
  22. 22. FUVEST 2008
    “Os cosmógrafos e navegadores de Portugal e Espanha procuram situar estas costas e ilhas da maneira mais conveniente aos seus propósitos. Os espanhóis situam-nas mais para o Oriente, de forma a parecer que pertencem ao Imperador (Carlos V); os portugueses, por sua vez, situam-nas mais para o Ocidente, pois deste modo entrariam em sua jurisdição.” Carta de Robert Thorne, comerciante inglês, ao rei Henrique VIII, em 1527. O texto remete diretamente
  23. 23. PUC-GO 2016
    Queimada   À fúria da rubra língua do fogo na queimada envolve e lambe o campinzal estiolado em focos fenos sinal. É um correr desesperado de animais silvestres o que vai, ali, pelo mundo incendiado e fundo, talvez, como o canto da araponga nos vãos da brisa!   Tambores na tempestade [...] E os tambores e os tambores e os tambores soando na tempestade, ao efêmero de sua eterna idade. [...] Onde? Eu vos contemplo à inércia do que me leva ao movimento de naufragar-me eternamente na secura de suas águas mais à frente! Ó tambores ruflai sacudi suas dores! Eu que não me sei não me venho por ser busco apenas ser somenos no viver,   nada mais que isso! (VIEIRA, Delermando. Os tambores da tempestade. Goiânia: Poligráfica, 2010. p. 164, 544, 552.)     Os versos do texto tratam da destruição da fauna e da flora em uma queimada e de tambores. Esse cenário nos lembra a situação da América antes da conquista dos europeus. O continente era habitado por cerca de 50 milhões de pessoas, que possuíam diversos níveis culturais. Assinale a alternativa que indica corretamente tal diversidade entre os povos ameríndios e suas respectivas regiões:
  24. 24. UFMG 1999
    "As águas são muitas e infindas. E em tal maneira [a terra] é grandiosa que, querendo aproveitá-la, tudo dará nela, por causa das águas que tem. Porém, o melhor fruto que dela se pode tirar me parece que será salvar esta gente. E esta deve ser a principal semente que Vossa Alteza nela deve lançar. E que não houvesse mais que ter aqui Vossa Alteza esta pousada para a navegação [...], isso bastava. Mas ainda, disposição para nela cumprir-se - e fazer - o que Vossa Alteza tanto deseja, a saber o acrescentamento da nossa Santa Fé!" Carta de Pero Vaz de Caminha, 1º de maio de 1500. Com base nesse trecho da carta de Caminha, o descobrimento do Brasil pode ser relacionado
  25. 25. UPE 2011
    Ao longo da História do Brasil, as populações indígenas foram sendo empurradas para o interior, assimiladas ou exterminadas pelos conquistadores. Apesar da legislação em defesa dos direitos indígenas, a questão do índio aborda, com seriedade, um dos problemas mais graves da nossa sociedade. Sobre a sociedade indígena brasileira, analise as afirmativas a seguir:   I. O indígena é julgado, como qualquer brasileiro, pelo Código Penal e pelo Código Civil em vigor. O critério será estabelecido caso a caso, dependendo da análise do juiz sobre o grau de “aculturação” do índio. II. O bandeirismo e o ciclo da mineração fizeram os índios serem expulsos de suas terras, escravizados e perseguidos pelos bandeirantes. III. Os índios brasileiros, na fase pré-cabralina, encontravam-se em diferentes estágios de desenvolvimento cultural. IV. A mão de obra indígena nunca foi valorizada nem utilizada na produção açucareira por ser considerada incapaz e inadequada.   Está CORRETO o que se afirma em
  26. 26. UFAM 2005
    Segundo Fernando Novais, o Tratado de Tordesilhas foi um “acordo político num mundo onde a diplomacia não existia”, tornando-se o precursor das relações internacionais. Assinale a alternativa que, segundo este acordo diplomático, indica a situação geopolítica da região ocupada pelo atual Estado do Amazonas: 
  27. 27. UFF 2000
    A "Carta de Pero Vaz de Caminha", escrita em 1500, é considerada como um dos documentos fundadores da Terra Brasilis e reflete, em seu texto, valores gerais da cultura renascentista, dentre os quais destaca-se:
  28. 28. FGV-SP 1995
    Com relação às populações indígenas brasileiras, NÃO é correto afirmar:
  29. 29. UFLA 2011
    Analise as afirmações referentes ao período da História do Brasil, conhecido como “Pré-Colonial” (1500-1532), coloque verdadeira (V) ou falsa (F) e assinale a alternativa que apresenta a sequência CORRETA: ( ) A Coroa portuguesa reservou para si o monopólio comercial sobre o pau-brasil, embora pudesse transferir tal monopólio a particulares. ( ) O comerciante Fernando de Noronha financiou uma expedição em 1503, cuja tarefa era estabelecer as bases para a produção do açúcar, pelo sistema de “plantation”. ( ) A participação dos índios, pelo sistema de estanco, foi de grande importância no processo de exploração do pau-brasil. ( ) Os navegantes franceses se tornaram uma ameaça ao governo português, pois não respeitavam a ideia do “mar fechado”, nem reconheciam o monopólio da Coroa portuguesa sobre a exploração do pau-brasil.
  30. 30. FAMERP 2016
    O Capitão-mor perguntou a todos se nos parecia ser bem mandar a nova do achamento desta terra a Vossa Alteza pelo navio dos mantimentos, para a melhor mandar descobrir e saber dela mais do que agora nós podíamos saber, por irmos de nossa viagem. E foi por todos ou a maior parte dito que seria muito bem. Perguntou mais se seria bom tomar aqui por força um par destes homens para os mandar a Vossa Alteza e deixar aqui por eles outros dous destes degradados. A isto acordaram que não era necessário tomar por força homens por ser gente que ninguém entende. (Pero Vaz de Caminha. Carta a el-rei dom Manuel sobre o achamento do Brasil, 1974. Adaptado.) A carta de Pero Vaz de Caminha para o rei de Portugal, datada de 1 de maio de 1500, revela
Gerar PDF da Página
Conta de email não verificada

Não foi possível realizar o seu cadastro com a sua conta do Facebook pois o seu email não está confirmado no Facebook.

Clique aqui para ver como confirmar sua conta de email no Facebook ou complete seu cadastro por aqui.

Entendi
Clicando em "Criar perfil", você aceita os termos de uso do Stoodi.
Tem perfil no Stoodi? Fazer Login