Tenha acesso completo aos conteúdos do Stoodi

Plano de estudos, exercícios, videoaulas, correção de redação e mais!

Banco de Exercícios

Lista de exercícios

Quer colocar o estudo em prática? O Stoodi tem exercícios de Segunda Revolução Industrial dos maiores vestibulares do Brasil.

Estude História com esses e mais de 30000 que caíram no ENEM, Fuvest, Unicamp, UFRJ, UNESP e muitos outros vestibulares!

Gerar PDF da Página

Conteúdo exclusivo para assinantes

Assine um de nossos planos para ter acessos exclusivos e continuar estudando em busca da sua aprovação.

Ver planos

  1. 1

    ENEM PPL 2012

    A figura representada por Charles Chaplin critica o modelo de produção do início do século XX, nos Estados Unidos da América, que se espalhou por diversos países e setores da economia e teve como resultado

  2. 2

    FGV-RJ 2012

    A chamada Segunda Revolução Industrial, ocorrida nas últimas décadas do século XIX, foi caracterizada:

  3. 3

    MACKENZIE 1999

    Sobre a Segunda Revolução Industrial é INCORRETO afirmar que:

  4. 4

    ENEM PPL 2012

    Outro importante método de racionalização do trabalho industrial foi concebido graças aos estudos desenvolvidos pelo engenheiro norte-americano Frederick Winslow Taylor. Uma de suas preocupações fundamentais era conceber meios para que a capacidade produtiva dos homens e das máquinas atingisse seu patamar máximo. Para tanto, ele acreditava que estudos científicos minuciosos deveriam combater os problemas que impediam o incremento da produção. Taylorismo e Fordismo. Disponível em www.brasiIescoIa.com. Acesso em: 28 fev. 2012. O Taylorismo apresentou-se como um importante modelo produtivo ainda no inicio do século XX, produzindo transformações na organização da produção e, também, na organização da vida social. A inovação técnica trazida pelo seu método foi a

  5. 5

    FGV 2014

    A nova entrada da pobreza indigente será não mais um fenômeno temporário do desemprego ou como resistência ao trabalho dos pobres não moralizados, mas como Criatura da própria sociedade industrial, como resíduo que, produzido por ela, nela não tem lugar. É em Londres que o sistema de fábrica despeja sua escória humana. Mais uma vez questiona-se o pensamento liberal em um dos seus pressupostos básicos, o laissez-faire. Uns pedem ao governo leis severas de controle da superpopulação e medidas no sentido de se exportar o residuo para as colônias. (Maria Stella Bresciani, Londres e Paris no século XIX. p. 104-7. Adaptado) Segundo o texto,

  6. 6

    UEL 2008

    Com base na imagem, considere as afirmativas a seguir. I. No século XIX, com a descoberta de novas técnicas e a consequente mecanização da produção, os industriais intensificaram a exploração da mão de obra para recuperar os investimentos com as maquinarias e aumentar os lucros com a produção. Para conseguir tal intento, os assalariados tinham que cumprir em média 15 horas de trabalho por dia, sendo que mulheres e crianças - consideradas inferiores - foram comumente utilizadas como mão de obra por se constituírem em força de trabalho mais barata. II. A crise econômica que arrasou a Inglaterra na segunda metade do século XIX abriu espaço para que os Estados Unidos colocassem no mercado seus produtos industrializados. A partir de então, o capitalismo foi se consolidando numa perspectiva mais financeira e abriu espaço para o surgimento das grandes potências bancárias. III. A Iuta de classes tornou-se uma realidade a partir do momento em que a sociedade ficou dividida em duas classes antagônicas: burguesia e proletariado. As diferenças entre aqueles que eram donos dos meios de produção - e do capital - e aqueles que possuíam a força de trabalho - mão de obra - levou estes últimos a organizarem-se em sindicatos, partidos, associações para lutar contra a exploração a que eram submetidos. IV. O anarquismo como doutrina política foi primordial para a constituição da classe burguesa, no século XIX, porque defendia a importãncia do capital na consolidação desta nova ordem social. Defendia também que todos os indivíduos tinham o direito de Iutar para garantir melhores salários e qualidade de vida. Assinale a alternativa que contém todas as afirmativas corretas.

  7. 7

    UEPB 2013

    Entre as décadas de 60 e 70 do século XIX, o mundo experimentou a chamada "Segunda Revolução Industrial". Foi o momento em que a economia capitalista foi impulsionada com um ritmo ainda mais acelerado em termos de produção e com avanços significativos no processo de industrialização. Sobre este momento histórico, que Eric Hobsbawn chama de a "Era dos Impérios", assinale a única alternativa INCORRETA.

  8. 8

    PUC-MG 2001

    O avanço da industrialização na segunda metade do século XIX provocou transformações profundas no âmbito da sociedade, o que pode ser verificado através, EXCETO:

  9. 9

    PUC-MG 2004

    PRODUÇÃO DE CARVÃO, FERRO FUNDIDO E AÇO NA GRA-BRETANHA, ALEMANHA E ESTADOS UNIDOS NO FINAL DO SÉCULO XIX E INICIO DO SÉCULO XX. A análise e contextualização histórica das informações apresentadas pela tabela acima permitem afirmar

  10. 10

    UEPB 2014

    Entre os séculos XIX e XX, uma nova forma de organização do trabalho se tornou comum. O Fordismo-Taylorismo fez evoluir a taI ponto o sistema produtivo que se passou a considerar que a Revolução Industrial (do século XVIII) estava passando por uma etapa de renovação. Assinale a única alternativa INCORRETA.

  11. 11

    MACKENZIE 2001

    No Japão moderno, o trabalho e a educação são supervalorizados. É normal que um cidadão japonês sinta-se humilhado porque está desempregado, estudou pouco ou, até mesmo, porque mudou de emprego. Os conglomerados industriais e financeiros possuem hino e bandeira e chegam a se constituir como a segunda família de seus empregados. As origens do Japão atual estão ligadas à Era Meiji que corresponde: 

  12. 12

    ENEM PPL 2018

    O parlamento britânico aprovou uma lei, em 1835, cujo objetivo era regular o tráfego crescente nas principais vias no interior da Inglaterra, uma espécie de “código rodoviário”. A lei de 1835 estabeleceu a velocidade máxima de 4 milhas por hora para veículos autopropulsionados. As regras foram revistas pelo parlamento em 1896, quando foi aumentada a velocidade máxima para 10 milhas. Em 1903, novamente elevou-se o limite de velocidade para 20 milhas por hora. Em 1930, aboliu-se o limite de velocidade para carros e motos. ELIAS, N. Tecnização e civilização. In: ELIAS, N. Escritos e ensaios. Rio de Janeiro: Zahar, 2006 (adaptado). O processo descrito alude à necessidade de atualização da legislação conforme 

  13. 13

    UNICAMP 2013

    As exposições universais do século XIX, sobretudo as de Londres e Paris, se caracterizavam 

  14. 14

    UNESP 2016

    A divisão capitalista do trabalho – caracterizada pelo célebre exemplo da manufatura de alfinetes, analisada por Adam Smith – foi adotada não pela sua superioridade tecnológica, mas porque garantia ao empresário um papel essencial no processo de produção: o de coordenador que, combinando os esforços separados dos seus operários, obtém um produto mercante. (Stephen Marglin. In: André Gorz (org.). Crítica da divisão do trabalho, 1980.) Ao analisar o surgimento do sistema de fábrica, o texto destaca 

  15. 15

    UNAMA 2011

    Londres, no século XIX, concentrava um grande número de fábricas e de operários, entre eles crianças e mulheres, que desenvolviam atividades fabris.   A utilização da mão de obra infantil e feminina presente no início da Revolução Industrial, na Europa, significava

  16. 16

    UNEMAT 2015

    Revolução que emerge em meados do Século XVIII, tem entre suas principais características a apropriação privada dos meios de produção e a livre concorrência.   O texto acima refere-se ao sistema:

  17. 17

    UEG 2002

    MAL-ESTAR AINDA PREDOMINA NO TRABALHO Onze gerações separam o fim da escravidão e o atual exercício do trabalho no âmbito do capitalismo brasileiro. Nesse tempo, o balanço evolucionista do trabalho não parece animador, mesmo considerando que o país deixou de ser uma grande fazenda geradora de produtos primários voltados à exportação para se localizar, neste início de terceiro milênio, entre as dez principais economias industriais do mundo. POCHMANN, Márcio. Folha de S. Paulo. São Paulo, 24 mar. 2002. p. 8. [Especial].   A respeito do trabalho no Brasil, considere os itens a seguir:   I. Existe uma defasagem entre a remuneração auferida pelo trabalhador, principalmente aquele que recebe salário mínimo, e suas necessidades básicas, como saúde, educação, moradia, lazer e alimentação. II. Apesar de a legislação regulamentar a jornada de trabalho, na prática esta se estende por maior tempo e, na maioria das vezes, o trabalhador não recebe remuneração pelas horas extras. III. Pela Constituição brasileira, os direitos são iguais para homens e mulheres, negros e brancos, mas, no mundo do trabalho, mulheres e negros sofrem discriminação ao receber, na maioria das vezes, salários inferiores aos dos homens brancos. IV. A globalização da economia provoca no Brasil o aumento dos postos de trabalho no setor formal e o desaparecimento do trabalho informal.   Marque a alternativa CORRETA:

  18. 18

    UFU 2014

    Pouco antes de a Guerra Civil quase dividir os EUA em dois, o Exército imperial da Rússia enfrentou os Exércitos aliados da Grã-Bretanha, França e Império Otomano nos campos de batalha da Península da Crimeia, naquela que se tornou a primeira guerra moderna. Os campos de batalha da Crimeia testemunharam um terrível fato: 25 mil britânicos, 100 mil franceses e um milhão de russos morreram. A carnificina só não foi maior porque os avanços na área militar não haviam chegado para todas as partes do conflito. Este confronto também foi o primeiro a ser coberto em tempo real pelos jornalistas, que enviavam suas informações por telégrafo para Londres, Berlim e Paris. E as notícias não chegavam apenas em palavras, mas também em imagens pelas fotografias de Roger Fenton. Hoje, a Crimeia, península ao sul da Ucrânia, retorna ao noticiário.  GROLL, Elias; FRANKEL, Rebecca. “Era uma vez a Guerra da Crimeia”. Jornal Estado de São Paulo. Disponível em:. Acesso em: 18 mar. 2014. (Adaptado)     A Guerra da Crimeia, ocorrida entre os anos de 1854 e 1856, marca o momento de tensões e mudanças internas dentro do sistema de relações internacionais entre as grandes potências europeias, acentuadas nos Bálcãs e no Oriente a partir do desmembramento do império turco-otomano. Sua definição enquanto “guerra moderna” deriva, entre outras coisas,

  19. 19

    UNICENTRO 2011

    O processo de industrialização e urbanização ocorrido na Europa ocidental, na primeira metade do século XIX, estruturou as duas classes fundamentais da moderna sociedade capitalista — a burguesia e o proletariado; ao mesmo tempo, condicionou o surgimento de duas novas formas de pensamento econômica e social — o liberalismo e o socialismo. (MELLO, Leonel Itaussu A.; COSTA, Luís César A. História moderna e contemporânea. São Paulo: Scipione, 1993.).   Dentre os muitos setores alcançados pelas transformações introduzidas pela Revolução Industrial, a urbanização destaca-se entre os principais, em razão

  20. 20

    UFSM 2014

    A indústria foi modernizada na Inglaterra, durante o século XIX, mas os velhos métodos de exploração do trabalho não mudaram: as jornadas de trabalho foram prolongadas e os salários diminuídos, fazendo crescer os lucros, especialmente nas minas de carvão, com o trabalho infantil. Os escrúpulos humanitários resumiram-se às casas para trabalhadores desvalidos, sobre as quais escreveu Charles Dickens, em Oliver Twist: ‘os pobres têm duas escolhas, morrer de fome lentamente se permanecem no depósito, ou de repente, se saem de lá’. ARRUDA, J. Nova História Moderna e Contemporânea. Bauru, SP: Edusc 2005, v. 2, p. 40.   Quando examinei as três cabanas de barro que servem de hospital aos nativos em Leopoldville, todas deterioradas e duas com o teto de palha praticamente destruído, encontrei dezessete pacientes com doença do sono, homens e mulheres, jogados na pior sujeira. A maioria jazia no chão nu – muitos do lado de fora, em frente às casas e, pouco antes da minha chegada, uma mulher em estágio final de insensibilidade tinha caído no fogo e se queimado horrivelmente. FARIA, R.; MIRANDA, M., CAMPOS, H. Estudos de História, 2. São Paulo: FTD, 2009, p. 178. (adaptado)   Os textos relatam duas manifestações do(a)

  21. 21

    ENEM PPL 2015

    Uma dimensão da flexibilização do tempo e trabalho é a sutileza cada vez maior das fronteiras que separam o espaço de trabalho e o do lar, o tempo de trabalho e o de não trabalho. Os mecanismos modernos de comunicação permitem que, no horário de descanso, os trabalhadores permaneçam ligados à empresa. Mesmo não exercendo diretamente suas atividades profissionais, o trabalhador fica à disposição da empresa ou leva problemas para refletir em casa. É muito comum o trabalhador estar de plantão, para o caso de a empresa ligar para o seu celular ou pager. A remuneração para esse estado de alerta é irrisória ou inexistente. KREIN, J. D. Mudanças e tendências recentes na regulação do trabalho. In: DEDECCA, C. S.; PRONI, M. W. (Org.). Políticas púbicas e trabalho: textos para estudo dirigido. Campinas: IE/Unicamp; Brasília: MTE, 2006 (adaptado).   A relação entre mudanças tecnológicas e tempo de trabalho apresentada pelo texto implica o

  22. 22

    UPE 2011

    A vida, nos centros urbanos europeus do século XIX, foi bastante afetada pelo desenvolvimento industrial e suas consequências. Junto com o aumento populacional, vários problemas foram se acumulando. Grandes cidades, como Londres e Paris, começaram a sofrer com essas mudanças. Sobre esse fato, assinale a alternativa CORRETA.

  23. 23

    PUC-RJ 2012

    Sobre a Revolução Industrial inglesa no século XIX, é CORRETO afirmar que: 

  24. 24

    UNIMONTES 2012

    O século XIX assinalou a supremacia inglesa no contexto europeu e mundial. Acerca desse período, que praticamente coincide com a Era Vitoriana (1837-1901), assinale a alternativa CORRETA.

  25. 25

    UECE 1996

    "Na manufatura e nos ofícios, o trabalhador serve-se dos instrumentos; na fábrica, ele serve a máquina. No primeiro caso, ele é quem move o meio de trabalho; no segundo, ele só tem que acompanhar o movimento. Na manufatura, os trabalhadores são membros de um mecanismo vivo; na fábrica são apenas os complementos vivos de um mecanismo morto que existe independente deles." (Karl Marx, "O Capital".)   Estas críticas de Marx ao sistema industrial nos revelam algumas das transformações por que passava a economia capitalista na metade do século XIX. Sobre estas transformações, é correto afirmar que:

  26. 26

    PUC-CAMPINAS 1993

    "...o produto da atividade humana é separado de seu produtor e açambarcado por uma minoria: a substância humana é absorvida pelas coisas produzidas, em lugar de pertencer ao homem..." A partir do texto, pode-se afirmar que a Revolução Industrial:

  27. 27

    UPE 2014

    O novo local de trabalho exigia um esforço penoso de Maheu e seus companheiros. Aquele trecho do veio Filonnière era tão estreito que os britadores, espremidos entre o muro e o teto, esfolavam os cotovelos durante o abate. Além disso, era cada vez mais úmido, receava-se que a qualquer momento, a água jorrasse, numa dessas bruscas torrentes que rebentam as rochas e arrastam os homens. Na véspera, quando Etienne trabalhava metendo violentamente sua picareta na hulha, ao retirá-la, recebeu um jacto de água no rosto. Foi como um toque de alerta, e o recinto ficou simplesmente mais molhado e insalubre. (ZOLA, Émile. Germinal. São Paulo: Martin Claret, 2006, pp. 162-163.)   O famoso romance Germinal de Émile Zola, publicado em 1885, relata a saga de um grupo de trabalhadores de uma mina na França do século XIX. O trecho citado ilustra

  28. 28

    UNEMAT 2007

    Ao longo do século XIX vários países europeus e alguns fora deste continente, alcançaram expressivo ritmo de industrialização. Sobre o assunto assinale a alternativa INCORRETA.

  29. 29

    UNICENTRO 2011

    Com o rompimento do Sistema Colonial ibérico, após a emancipação política, redefiniu-se a dependência econômica da América Latina. [...] A independência política trouxe o livre cambismo. A Inglaterra industrializada pôde ocupar esses mercados, sem a intermediação da antiga metrópole, comprando diretamente matérias-primas e gêneros alimentícios e vendendo diretamente produtos manufaturados. Ela exportava também ideias, pois a elite das novas nações — culturalmente dependentes do exterior — aceitava os princípios do liberalismo econômico, que defendiam a especialização dos países no que produzissem melhor. (CÁCERES, F. História geral. 4. ed. rev. ampl. e atual. São Paulo: Moderna, 1996.).   A posição periférica ocupada pelos países da América Latina, no auge da expansão imperialista da Segunda Revolução Industrial, decorria

  30. 30

    PUC-SP 1998

    Podemos dizer que, na segunda metade do século XIX, iniciou-se a "era do petróleo e da eletricidade". A partir de 1870, principalmente, houve não só uma gigantesca expansão da economia mundial, firmemente sustentada na industrialização de numerosos países, como a aceleração da produção de mercadorias e grande concentração de capitais para investimento. A respeito dessas transformações, é correto afirmar que:

Gerar PDF da Página

Conteúdo exclusivo para assinantes

Assine um de nossos planos para ter acessos exclusivos e continuar estudando em busca da sua aprovação.

Ver planos